Arquivo da tag: Kei Nishikori

Sorte ou azar?
Por José Nilton Dalcim
19 de fevereiro de 2017 às 19:33

É tradicional no tênis você dizer que um jogador ‘deu azar’ no sorteio da chave ao cair diante de um grande favorito. Frente a tantas alternativas, pegar logo os maiores cotados ao título não é a princípio o sonho de um tenista.

Ao mesmo tempo, se existe um momento mais adequado para uma surpresa é justamente a primeira rodada, especialmente se o seu adversário chegar em cima da hora e não tiver tempo de descanso e de adaptação.

Parece exatamente o caso de Thomaz Bellucci e/ou Thiago Monteiro no Rio Open que começa na segunda-feira. A maior chance está justamente com Bellucci, que só tem treinado desde Quito e pegará Kei Nishikori, não apenas o cabeça 1 mas também a grande estrela, vindo de uma semana desgastante em Buenos Aires, onde fez domingo a final. Só na semi de sábado contra Carlos Berlocq, foram quase três horas. Hoje, foi fácil perceber, estava cansado.

Se Bellucci não aproveitar a chance, Thiago Monteiro pode aprontar de novo no Jockey Club, como fez no ano passado diante do top 10 Jo-Wilfried Tsonga. Vamos lembrar que o cearense está radicado no Rio de Janeiro há três anos, onde faz pré-temporada e todos os treinamentos. A desvantagem de Monteiro é que Nishikori teria a quarta-feira para se recuperar, já que a partida contra Bellucci já está marcada para terça à noite.

Enfim, o fato é que a chave foi montada sob medida para os organizadores do ATP 500 carioca. Esses dois jogos já valerão o (salgado) ingresso, mas os deuses do tênis ajudaram ainda mais e teremos Alexandr Dolgopolov x David Ferrer, Fabio Fognini x Tommy Robredo, Dominic Thiem x Janko Tipsarevic e Paolo Lorenzi x Federico Delbonis. Também dá para torcer pelos outros dois brasileiros: Rogerinho Silva pega o convidado Casper Ruud, 18 anos e pouco currículo, e João Souza tem páreo duro contra Pablo Carreño.

‘Dog’ fez sua parte em Buenos Aires. Dentro de seu estilo tão heterodoxo, em que raramente existem meios termos, o ucraniano encerrou jejum de cinco anos e mostrou muito do que se deve fazer contra Nishikori no saibro. Claro que ele abusa da margem de risco, mas joga com notável agressividade e variação, dá muito pouco ritmo e sempre tem um golpe inesperado a dar. Já com 28 anos, é difícil imaginar que conseguirá reviver 2012 e seu top 15. Uma coisa não se discute: é bem divertido ver Dolgopolov jogar.

A outra história do fim de semana coube a David Goffin, que ao contrário de ‘Dog’ não tem nada de especial mas um conjunto muito bom. Justamente num piso rápido, de quique baixo, ele conseguiu encaixar as coisas e quase levou até mesmo o título. Enfim, o belga chegou ao top 10. Também não é mais um garoto. Porém, com 26 anos recém feitos, ainda concorre a algumas aventuras.

Por último, registre-se o título de Ryan Harrison em Memphis. Enfim, o primeiro de ATP, que chega talvez com quatro anos de atraso. Harrison era tido como grande nome da nova geração, com um tênis bem moderno. Nada deu certo para o garoto, que sempre sentiu muita pressão. Ele ganhou seu primeiro jogo de ATP aos 15 anos e, aos 19, já era top 100. Em queda livre, há exatamente 12 meses, batia no fundo de sua queda e era o 168º do ranking. Assim, ainda que em um ATP de pequena expressão, Harrison ao menos recebe os dividendos de jamais ter desistido.

Big Game
Por José Nilton Dalcim
22 de janeiro de 2017 às 13:04

Pode ser uma conclusão precipitada, mas já me parece que bastou o circuito acelerar um pouco mais a quadra e a bola para que o tênis virasse de cabeça para baixo. O Australian Open chega às quartas de final já sem os dois atuais campeões e os líderes do ranking, mostrando claramente que os estilos ofensivos estão se sobressaindo. Com exceção de Serena Williams – que sempre se deu muito bem em pisos mais velozes -, ficou bem mais difícil apostar em campeões.

Mischa Zverev conseguiu estarrecer o circuito masculino ainda mais do que Denis Istomin havia feito dias atrás. Não apenas porque tirou o número 1 Andy Murray, mas pela aposta num estilo semimorto. Canhoto sem golpes poderosos, fez o tradicional saque-voleio de forma impecável, aquilo que os australianos conhecem como ‘Big Game’ e que imortalizou a maioria dos seus jogadores. Atuar o tempo todo na rede significa mescla atordoante de voleios longos com toques sutis curtos, o que Mischa usou e abusou. E olha que do outro lado estava um dos mais competentes defensores da história do tênis.

Murray é claro teve sua parcela de culpa. Deixou escapar o primeiro set e sinalizou acreditar o tempo todo que poderia dominar a situação com paciência e regularidade. Mischa no entanto ganhou confiança e manteve-se fiel à tática de trocar ritmos e direções, optando muito bem pela paralela para subir à rede como manda qualquer manual decente de tênis. Foram 118 subidas, com 65 pontos de sucesso, quase a metade dos 146 que conseguiu na partida.

E agora vai realizar um outro sonho, segundo suas próprias palavras, porque terá a chance de encarar Roger Federer em plenas quartas de final de um Grand Slam. O suíço também simboliza com dignidade o tênis ofensivo, a ponto de ter disparado 83 winners em cima de Kei Nishikori, mais um representante da geração em que as pernas são o elemento essencial.

O maior elogio a Federer talvez resida na forma com que conseguiu superar o início horrível de partida. Elevou o nível, aprumou o saque e a devolução e nem mesmo a queda no tiebreak, onde Nishikori fez um grande trabalho, abateu o suíço. Ao contrário, vimos Federer crescer ao longo da partida e ser exigido em todos os campos pelo adversário, até mesmo no físico. E novamente o backhand apareceu como elemento importante. O cabeça 5 só baixou a guarda mesmo no quinto set, quando o desconforto no quadril ficou mais evidente.

Depois de quase sete meses de inatividade, Federer não deixa de ser a outra surpresa desde Australian Open. Claro que é um jogador de extraordinários recursos e experiência, porém recupera o melhor tênis a cada rodada e não dá sinais de queda física. Voltou a ser aquele Federer do saque milimétrico na hora apertada, dos voleios mágicos, do forehand rasante e mortal. Jogará as quartas de Slam pela 49ª vez ao derrotar um top 10 pela 200ª ocasião.

Stan Wawrinka e Jo-Wilfried Tsonga dão promessa de grande jogo na terça-feira. O suíço tem mais currículo e adora jogar na Austrália, mas o novo piso pode ser aliado importante do francês, que tem explorado ao máximo esse fator. Não esperava que Stan tivesse tanta dificuldade contra Andreas Seppi. Não começou bem o jogo, depois reagiu e poderia ter fechado bem antes tanto o segundo como o terceiro sets. O italiano ainda teve set-point e liderou o tiebreak do terceiro set e aí se deve elogiar o sangue frio de Wawrinka.

Tsonga também sofreu no primeiro set diante do ascendente Daniel Evans, demorou para calibrar as devoluções mas daí em diante pouca chance deu ao britânico. Vem trabalhando bem com o primeiro saque ao longo do torneio e está consistente nos voleios, ainda que eu sempre ache que ele deveria tentar ir mais à rede. Cometeu apenas 29 erros nos quatro sets contra Evans, um índice expressivo para seu estilo.

A derrota precoce de Angelique Kerber também pode ser muito bem creditada às novas condições de Melbourne, que casam muito melhor com a força e o risco que CoCo Vandeweghe adota. Mas o fato é que a alemã veio tropeçando desde a primeira semana do ano sem mostrar sombra do tênis vistoso que vimos ao longo de 2016. Provavelmente, a defesa inédita do título e da liderança tenha pesado ainda mais em Melbourne.

O resultado disso são quartas de final malucas na parte de cima da chave. Coco vai enfrentar Garbine Muguruza em jogo que pode acontecer qualquer coisa e a veteraníssima Venus Williams ganha incrivelmente o direito de sonhar com uma nova final de Grand Slam, o que não acontece desde 2009, ainda que tenha a perigosa e também ofensiva Anastasia Pavlyuchenkova pela frente.

Completando as quartas
– Raonic é agora o mais alto cabeça vivo em Melbourne. Enfrenta Bautista, que só tirou um set dele em quatro duelos. O espanhol nunca passou das oitavas de um Slam em seis tentativas.
– Nadal tem o favoritismo natural contra Monfils, já que o francês só ganhou 2 dos 12 duelos e perdeu quatro seguidas desde 2014, incluindo uma derrota fulminante na Austrália desse ano em que só ganhou seis games. Além do mais, nunca bateu um top 10 em Melbourne.
– Espanhol busca 9ª presença nas quartas da Austrália e a 30º em Slam. Perdeu todos os últimos quatro duelos contra top 10 e não derrota um adversário desse nível em Grand Slam desde a final de Roland Garros de 2014.
– Istomin tenta estender seu sonho de verão contra Dimitrov e assim se tornar apenas o segundo convidado a ir tão longe no torneio desde Tomas Smid, em 1983. Só houve um duelo entre eles, com vitória de Dimitrov em 2014.
– Thiem e Goffin fazem duelo imprevisível. Goffin tem 4-3 nos duelos, mas Thiem leva 3-1 nos mais recentes. No ano passado, belga ganhou na Austrália e austríaco, em Paris. Na quadra dura, 2-1 para Goffin. Vale lembrar que Thiem já andou sentindo dores no ombro direito na última partida.
– Serena é favorita natural contra Strycova, embora as duas não se enfrentem há cinco anos. Será a primeira adversária dentro do top 50 da americana até aqui. Strycova na verdade é 16ª, tendo vitórias sobre Sharapova, Kerber e Muguruza.
– Pliskova e Gavrilova vêm de jogos duros. Australiana tem torcida e muita competência em distribuir a bola. Perdeu fácil os dois duelos já feitos contra tcheca.
– Konta ganhou as três contra Makarova e agora é esperança britânica na Austrália, onde curiosamente nasceu. Lucic e Brady fazem duelo inesperado. A americana veio do quali e é 116º. Lucic, de 34 anos, não ganhava jogo na Austrália desde 1998.

Sem moleza
Por José Nilton Dalcim
16 de janeiro de 2017 às 12:07

Os favoritos e as estrelas que se cuidem porque o primeiro dia do Australian Open já mostrou que os adversários não estão para brincadeira. Stan Wawrinka, Kei Nishikori e Marin Cilic foram a cinco sets, Andy Murray não jogou grande coisa, Angelique Kerber teve altos e baixos, Simona Halep já se despediu e Roger Federer suou no duelo de veteranos contra Jurgen Melzer. Muitos jogos bons, emoção de sobra.

Wawrinka esteve contra a parede, quando viu um inspiradíssimo Martin Klizan sacar com 4/3 no quinto set. O canhoto eslovaco teve exibição notável, variando demais. Deu pancada, deixadinha, voleio, slice, ace. Exigiu ao máximo de um vibrante Stan, que também teve um começo de US Open difícil antes de chegar ao título meses atrás. Enfrenta agora Steve Johnson, contra quem não pode titubear também.

Nishikori levou um tremendo susto ao ver o russo Andrey Kuznetsov disparar tiros o tempo inteiro e ir para cima. O japonês foi caindo na eficiência com o saque ao longo da partida, mas ao mesmo tempo conseguiu alongar mais a bola. Parecia desgastado no quinto set, porém o adversário cansou antes. Fiquei com a impressão que o cabeça 5 não está inteiro e por isso não vai longe. Sorte que vai pegar Jeremy Chardy agora e depois Lukas Lacko ou Dudi Sela. Difícil perder.

Talvez pela mudança de quadra e clima, muito provavelmente por conta da natural pressão, Murray fez uma estreia protocolar como cabeça 1 de um Grand Slam. Não perdeu sets, mas encarou dois difíceis diante de Illya Marchenko, que só ganhou uma partida de challenger em seus últimos nove jogos. O maior problema foi o saque pouco contundente. O escocês justificou dizendo que a bola estava quicando mais alta do que nos dias de treino por conta do clima mais quente. Faz agora um interessante duelo com o garoto russo Andrey Roblev, que veio do quali, bate forte mas é um tanto esquentadinho.

Melzer não seria mesmo o adversário ideal para Federer porque, além de não respeitá-lo, ainda tenta encurtar todos os pontos. Então demorou para o suíço achar ritmo. Perdeu três games de serviço, dois deles num segundo set que estava dominado, Depois calibrou o saque e mostrou mais firmeza na base. Continuo a achar que o suíço trabalhou muito o backhand nessa pré-temporada, golpe aliás que era especialidade de Ivan Ljubicic. Está mais pesado, profundo e consistente. O duelo diante do garotão Noah Rubin vai ser bem interessante, porque o americano de 20 anos e 1,78m bate firme do fundo o tempo inteiro.

Para completar, Marin Cilic levou um tremendo susto do superagressivo Jerzy Janowicz, que certamente teria vencido não fossem os cinco sets, e Lucas Pouille caiu para o cazaque Alexander Bublik que nunca vi jogar. Os homens da casa viram Nick Kyrgios passear e o adolescente Alex de Minaur, de 17 anos, vencer como gente grande. Incrível a torcida que estava lá para ele.

O dia também foi de derrota para os brasileiros. Thomaz Bellucci se atrapalhou todo com a variação de velocidade e altura das bolas de Bernard Tomic, que fez o que quis. Thiago Monteiro foi o valente de sempre, tirou um set de Jo-Wilfried Tsonga num piso em que o francês é muito superior, o que já pode ser considerado um prêmio e um bom indicativo para 2017.

A chave feminina também começou quente. Lesia Tsurenko foi atrevida contra Kerber e exigiu da campeã. Shelby Rogers fez seu belo jogo agressivo, tirando Halep sem piedade. A maior surpresa para mim foi a queda tão precoce de Daria Kasatkina, a russa que havia batido Kerber na semana passada e me parecia uma promessa em Melbourne.

O complemento da primeira rodada merece atenção. Além do aguardado reencontro entre Novak Djokovic e Fernando Verdasco, previsto para as 6h de terça, poderemos ver na madrugada como estão Rafa Nadal, Milos Raonic, Grigor Dimitrov e Alexander Zverev, os outros nomes que acredito possam sonhar grande na parte de cima da chave. Há boas chances de ‘zebra’ ou jogos muito longos: Monfils-Vesely, Thiem-Struff e Goffin-Opelka. No feminino, todos os olhos estarão em Serena Williams contra Belinda Bencic. Não acredito em surpresa.