Perdas e danos
Por José Nilton Dalcim
16 de maio de 2017 às 19:07

Roland Garros perdeu em menos de 24 horas dois campeões e superestrelas. Nem bem o mundo do tênis havia engolido a decisão de Roger Federer de não ir a Paris pelo segundo ano consecutivo e veio o anúncio da Federação Francesa informando que não haveria qualquer tipo de convite para Maria Sharapova.

A maioria dos analistas do tênis parece concordar com Federer. Se o suíço não se preparou adequadamente e se julga sem condições de ganhar o torneio, não deveria mesmo jogar o Aberto francês e saltar diretamente para a grama. Não concordo. Para mim, Roger deveria ter disputado Roma e Paris. Não posso imaginar que um tenista de sua capacidade técnica inigualável tenha alguma dificuldade de adaptação ao saibro. Risco de contusão? Piada.

Claro que respeito a decisão e compreendo o motivo. Me parece que Federer resolveu fazer uma pequena pré-temporada para estar descansado e pronto para o objetivo de ganhar novamente Wimbledon. Ainda assim, não vejo o que um ou dois torneios tão importantes no saibro poderiam interferir nisso. Grama é quase sinônimo de Federer. A menos que ele venha com algum elemento novo que justifique a longa parada e o foco no treinamento, é um tanto estranho que ele precise de tanto tempo para estar totalmente pronto para a grama.

O caso de Sharapova – que de certa forma ficou em segundo plano depois que ela contundiu a perna e se retirou de Roma – só aumenta a polêmica sobre seu retorno. Roland Garros está sendo honesto em relação ao lema do esporte francês de combate ferrenho ao doping. E eu concordo. Para mim, é preciso mostrar ao atleta que não vale mesmo a pena o uso de substâncias proibidas e portanto só autorizaria convites para torneios de nível inferior (challengers ou ITFs) ou no máximo para o qualificatório de ATP e WTA, incluindo os Slam. Náo importa quem seja.

Claro que o maior dano dessas duas ausências recai sobre o público. Pior ainda para o feminino, que já não terá Serena Williams, mas também ruim para o masculino quando vemos a má fase de Andy Murray, a instabilidade de Novak Djokovic e o desinteresse de Stan Wawrinka.

O líder do ranking chegará a Roland Garros, onde defende o vice-campeonato, com apenas quatro vitórias nos quatro torneios preparatórios. Por ironia, a derrota desta terça-feira para um inspiradíssimo Fabio Fognini talvez tenha sido a menos tenebrosa de todas porque ao menos o escocês se mostrou mais competitivo, tentando bater o forehand e sacando melhor. Ainda assim, fez apenas 12 winners contra 31 do italiano, que tripudiou com deixadinhas e paralelas magníficas.

Vamos lembrar que Fognini deu trabalho a Nadal em Madri e, num momento tão estranho do circuito, pode ser uma boa surpresa em Paris caso tenha uma chave propícia, ainda mais agora que garantiu a condição de cabeça de chave. Fognini só fez uma campanha decente em Roland Garros até hoje, as quartas de 2011 quando se contundiu e não enfrentou Djokovic.

Ah, e sabem quem lucrou com a desistência de Federer? Ernests Gulbis. O letão era o primeiro de fora da lista de 104 participantes diretos e agora se livrou do quali. Hoje apenas 207º do ranking, ele fez um Roland Garros magnífico em 2014, tirando Federer, Tomas Berdych e levando Djokovic a quatro sets na semifinal.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Vendo o jg entre Fognini e Murray e depois vendo Wawrinka vs Paire, fiquei c a impressão da quadra estar muito rápida, ainda mais do q a de Madri, citada sempre como a de saibro mais rápido. Hj vimos no mínimo 2 resultados estranhos p o saibro: Goffin e Wawrinka foram desclassificados por grandes sacadores. Dalcim, como vc esta vendo a velocidade da quadra, teve a mesma impressão?

    Responder
  2. Reinaldo Mascherano

    O tal de Sock tem um back medíocre, mas está ensinando Nadal como volear. Alias, o espanhol só faz voleios fáceis, de segurança.Jack Sock fez vários voleios difíceis, que nunca vi Rafa fazer.

    Responder
  3. Nando

    Olho no Del Potro hein (pra RG tbm)…já está nas quartas em Roma, não terminou (desistiu) o ATP de Estoril devido a morte do avó, voltou a jogar e eliminou até agora nomes como Dimitrov e Nishikori (este jogou o jogo inteiro).

    Responder
  4. Robson

    Bom,por enquanto vai dando o óbvio,vitórias de Novak sobre Bautista em sets diretos,de Cilic sobre o limitadíssimo Goffin em sets diretos, Zverev sobre Fognini tb sets diretos,Raonic sobre Berdych sets diretos,Delpo sobre Nishikori sets diretos, obviedades pura.
    Exceção até o momento foi o Isner vencer o superestimado e FREGUÊS de carteira registrada de Novak,o suíço Wawrinka, aí não foi óbvio,mas tb não foi surpresa nenhuma.

    Responder
  5. Reinaldo Mascherano

    Depois que Sharapova foi punida, a queda de rendimento de Novak foi nítida. Será que Nole parou de usar com medo de ser o próximo da lista?

    Responder
  6. Nando

    E o Wawrinka ficou novamente pelo caminho, bem cedo de novo…deve perder o N3 pro espanhol, a não ser q aconteça uma zebra.
    Q coisa hein mestre, os 3 líderes do ranking mto mal no ano ( Ao menos Stan foi semi no AO e vice em IW).

    Responder
  7. Nando

    Dalcim, o ATP Finals da nova geração será disputado no saibro italiano mesmo?
    Se a resposta for sim, o espanhol baloeiro vai pedir um convite mesmo estando com 30/31…na base do “vai q cola” kkkkkkkk

    Responder
  8. Luis

    Dalcim Alice e Sonia acho que o Carlos tem razao na Teoria de numero 1 pra Federer ou Nadal kkkkkkkkkkk,Wawrinka e’ quem podia entrar na luta pelo numero 1 tem um jogo bonito merecia 1 semaninha rs,Dalcim em Wimbledon e’ permitido listras na camisa como Federer tem jogado 2017 ou camisa branca? Beijo pra Alice musa do blog kkkk,Logico

    Responder
  9. Mário Fagundes

    Djkovic venceu o primeiro set contra Agut e acaba de confirmar uma quebra no segundo. Não estou vendo o jogo. Se o sérvio estiver arregalando os olhos na hora de receber o saque… rsrsrs. Aí, pode ser que a fome de vencer esteja voltando… rsrsrs.

    Responder
  10. Rodrigo

    Distúrbios psiquiátricos dos tenistas

    Fognini: distúrbio bipolar. Do extâse à depressão em um dia.
    Murray: distimia. Depressão leve e crônica.
    Nadal: transtorno obsessivo compulsivo
    Djokovic: narcisismo. Sempre querendo chamar a atenção com suas imitações ridículas.
    Roddick: transtorno de ansiedade generalizada
    Nishikori: síndrome de Munchausen. Sempre tem uma moléstia a atrapalhá lo.
    Bellucci: depressão profunda.
    Wawrinka: síndrome de Asperger. Autismo leve, desinteresse pelo mundo (circuito)
    Kyrgios: personalidade histriônica. Sempre brigando, brigando, brigando…

    Não achei nenhum distúrbio do Federer, aceito sugestões.

    Responder
    1. Alexandre Maciel

      Concordo que o Djoko seja realmente meio narcisista e precisa de atenção, mas acho que na época em que fazia as imitações parecia ser algo mais natural, algo que era dele mesmo, eu achava suas imitações muito engraçadas e até cativantes. Agora esse coração que ele manda pra torcida após as vitórias é algo forçado, uma tentativa desesperada de enfim conquistar o público. Djoko não precisa disso, tem tênis de sobra e muitos torcedores no mundo inteiro, não precisa se expor ao ridículo dessa forma.

      Responder
    2. Alice

      Só faltou o Federer né?

      Mas eu tenho uma pra ele: estresse pós-traumático!
      Sintomas:
      – perda de interesse ou prazer nas atividades (comportamento perante o circuito);
      – ansiedade severa, flashback (hehe), medo e desconfiança (tudo em relação as suas lesões e jogos que perde para o Rafa);
      – insônia, pesadelos (com as derrotas para o Nadal) e terror noturno (antes de enfrentar o espanhol);
      – pensamentos indesejados ou suicidas (caso do AO-2009);
      – dores de cabeça (pelas derrotas crônicas) e nervosismo!

      KKKKKKKKK, por essa você não esperava né? :P

      Responder
    3. Rafael Medeiros

      Não saberia dizer o nome técnico, mas algo relacionado à teimosia. Graças a isso ele carrega o pior e mais vexaminoso H2H entre tops da historia do tênis.

      Responder
    4. Fernando Filho

      O problema do Federer é a sua tradicional arrogância. Você fala em narcisismo, referindo-se ao Djokovic. Pode colocar o suíço também nessa lista. O Federer é uma diva… Precisa ser o centro das atenções sempre, adora o fato de ser babado todos os dias de sua vida. Claro que nada disso tira dele o merecido posto de melhor jogador da história.

      Responder
  11. Alice

    Então quer dizer que Nadal pode enfrentar dois norte-americanos em sequência (Sock e Querrey), o último inclusive tirou a chance do espanhol ganhar um título na quadra rápida depois de 3 anos de seca. E pelo que eu vi, o outro (Jack Sock) está jogando com bastante volume de jogo (hehe), vai ser um encontro um pouco perigoso! Se não acontecer de vim Querrey nas quartas (caso Rafa passe por Sock) virá certamente Dominic Thiem, que querendo ou não, está jogando muito bem no saibro…

    Quero que Rafa reencontre Querrey nas quartas, pra descontar aquela derrota…rsrs

    Responder
    1. Chileno

      Acho difícil Sock fazer frente ao espanhol. O backhand dele é meio frágil e a paralela de forehand do espanhol está voltando às antigas.

      Responder
  12. Luiz Fernando

    Esse Fognini não emenda, o cara é muito habilidoso mas muito inconsistente, já foi eliminado hj pelo Zverev. Outra surpresa, pelo menos p mim: Goffin caiu diante de Cilic. Será q vem mais surpresas? Tomara q não a tarde…

    Responder
  13. Anderson

    Fugindo um pouco dos assuntos do momento, eu vejo uma nova “geração perdida”.

    Quero dizer, de 2005 a 2010 (6 anos) já tivemos uma geração perdida, já que apenas 12/54 Masters e 2/24 Slams ficaram fora do Big 4. De 2011 pra cá o que todo mundo esperava era que em dois ou três anos, no máximo, uma nova geração tomaria conta do pedaço. Ledo engano: o Big 4 virou “Big 4 + 1″ (Stanimal) e a dominância aumentou: de 2011 a 2016 (mais 6 anos), os “de fora” ficaram com apenas 4/54 Masters e 4/24 Slams (metade do Stan). Ou seja, da primeira geração não sobrou praticamente ninguém pra lutar por título importante, e a nova já está passando do auge da forma física com currículos repletos de semifinais e finais perdidas.

    Minha dúvida é: essa concentração de atenção em poucas superestrelas por tantos e tantos anos ajuda ou dificulta a popularização do tênis (entre quem ainda não conhece o esporte)? Nos anos 80/90 tínhamos dezenas e mais dezenas de países com pelo menos um campeão de Slam ou Masters, nos últimos 10 anos temos apenas uns 6 ou 7 países assim. Financeiramente, tenho certeza que superestrelas são mais lucrativas, mas não sei se no longo prazo isso é realmente benéfico pro esporte.

    Responder
    1. Bruno Macedo

      Cara, eu acho q a gente não precisa se preocupar com essa qustão. Essa concentração de títulos não se repetirá tão cedo no tênis. Federer, Nadal e Djokovic foram exceções. Assim que eles se aposentarem os títulos irão para diversas pessoas. Se não fossem os 3 citados anteriormente, títulos já poderiam ter ido para Croatas , japoneses , belgas , canadenses , americanos, franceses etc.
      Mas Federer, Nadal e Djokovic azedaram o caldo dessa geração perdida. E ainda são capazes de azedar o caldo da geração do austriaco, do alemão e do australiano.
      Mas depois q esse 3 monstros pararem, td voltará ao q seria o normal.

      Responder
  14. Aurélio Passos

    Jamais esqueço de uma declaração do Davydenko após uma derrota tipo 62 63 pro Tourinho das Químicas no Masters de Madrid. “Melhor perder rápido assim do que se arrastar em vários tie-breaks e perder do mesmo jeito.” Triste.

    Responder
  15. Beto Souza

    Dalcim vendo o jogo do Wawrinka hoje achei ele fora de forma,ofegante em alguns momentos e inseguro. Venceu mais não convenceu !

    Responder
    1. Maurício Fonseca

      O Wawrinka 2017 literalmente não está nem aí pra nada. Achar que ele é candidato em Roland Garros com a forma atual, só pode ser piada…

      Responder
      1. Marcos

        Caro Maurício, o Stan nunca vai entrar como favorito em nenhum GS, o cara tá mais pra gênio incompreendido, mas se pegar um chave relativamente fácil e for avançando, pode ser tornar um osso duro de roer nas rodadas finais. Aliás, Já vimos esse filme rs. Vale lembrar que no saibro os jogadores tem mais tempo para preparar o golpe, isso facilita a transformação do relaxado suíço na sua versão Stan Hulk com uma esquerda bombástica. ABS.

        Responder
  16. Aurélio Passos

    Desisto … jamais pegarào o Destruidor Espanhol nos exames…. e se pegarem, basta dar um TUE retroativo como fizeram em 2009 e 2012… O crime compensa…

    Responder
    1. Sônia

      Triste demais Aurélio. Voce reparou como o braço esquerdo está bem maior? Realmente o crime compensa, vide o “teatro” no Brasil. Sacrificam dois para salvar o “chefe”. Nojo demais.

      Responder
  17. Rodrigo S. Cruz

    Vixe…

    Mais um jogo nada tranquilo pro sérvio Novak Djokovic.

    Roberto Bautista-Agut é um jogador perigoso no saibro, e também venceu o ultimo confronto entre eles.

    Responder
  18. Arthur

    Dalcim,

    Roma mal começou, mas quase todo mundo só fala em RG.
    E muita gente aqui tá colocando em xeque o amplo favoritismo do Nadal.
    Obviamente, contusões e surpresas podem acontecer. Nesse caso, contudo, isso é muito improvável.
    Além de todo o histórico do espanhol no saibro, temos que levar em consideração que a Phillipe Chartrier é talvez a maior quadra em extensão do circuito.
    Graças a ela, Nadal pode ficar a 52 quilômetros da linha de base mandando seus ganchões lá de trás, até o adversário errar ou jogar uma bola mais curta.
    Não por acaso, o cara já reúne 9 títulos lá e está na bica de garantir o 10º.
    Enfim, é mais um dado a se considerar para a discussão.

    Um abraço.

    Responder
  19. Arthur

    Dalcim,

    Muita gente chocada com a vitória do Fognini sobre o Murray, mas o resultado não tem nada de surpreendente.
    Além de Murray estar numa draga sem fim, Fognini é um dos mais talentosos tenistas do circuito.
    Se não fosse tão “cabeça de mosquito”, já teria ganhado pelo menos uns 3 Masters e talvez até 1 Slam.
    Aliás, o Fognini bem que poderia dar a dica do efeito Orloff pro Kyrgios: “se continuar maluco desse jeito, eu sou você amanhã”.

    Um abraço.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Anão também é exagero, vai…

        Ele tem 1,78 m.

        Um pouco baixo pros padrões ideais.

        Porém, há tenistas muito mais baixos do que ele.

        Anão pra mim é o Estrella-Burgos , o Schatzsmann, dentre outros…

        Responder
        1. Chetnik

          Problema são os bracinhos de T-Rex rs. Mas mesmo que ele fosse um cara “cabeça no lugar”, ainda acho que a falta de saque seria um impeditivo pra vôos maiores.

          Responder
  20. Maurício Fonseca

    Segue currículo do japonês banido do tênis por apostas:

    JUNN MITSUHASHI

    Idade Mod Ano Data Nível Categoria Piso Cidade País
    18 Doubles 2007 15/10/2007 Future FUT 15.000 Hard Kashiwa Japão
    19 Singles 2008 11/08/2008 Future FUT 15.000 Saibro Teerã Irã
    19 Singles 2008 08/09/2008 Future FUT 15.000 Hard Osaka Japão
    20 Doubles 2009 31/08/2009 Future FUT 10.000 Saibro Ancara Turquia
    20 Doubles 2009 07/09/2009 Future FUT 15.000 Hard Istambul Turquia
    20 Doubles 2009 14/09/2009 Future FUT 15.000 Hard Istambul Turquia
    20 Doubles 2009 12/10/2009 Future FUT 15.000 Hard Kashiwa Japão
    20 Singles 2009 12/10/2009 Future FUT 15.000 Hard Kashiwa Japão
    21 Doubles 2010 13/09/2010 Future FUT 15.000 Hard indoor Mulhouse França
    22 Singles 2011 13/06/2011 Future FUT 10.000 Hard Kashiwa Japão
    22 Singles 2011 27/06/2011 Future FUT 10.000 Saibro Sapporo Japão
    23 Singles 2012 10/09/2012 Future FUT 10.000 Hard Binh Duong Vietnã

    Responder
  21. Romário

    Maldita hora em que o LÓGICO anunciou a previsão de que o Djokovic iria decair e o Murray iria languidar, rsrsrs. Ele só se esqueceu que isso iria favorecer o
    ser desafeto do tênis rsrsrs E se a profecia dele não se cumprir e o Rafa voltar a ganhar nas rápidas…sei não viu. rsrsrs

    Responder
    1. Edson

      Comentário perfeito. Acho muito engraçado esse papo de “baixa do circuito”, que fulano ta assim, que beltrano ta desinteressado, ciclano nao saber lidar com o #1, etc. Acho até válido, mas é incrivel como que esse papo simplesmente some quando chega a temporada de grama. Alias estranhamente tambem sumiu um pouco ao longo do Australian Open desse ano, especialmente na segunda semana, e sumiu por completo após a final, se estendeu pelos masters americanos e so voltou agora há um mês. O papo de velocidade das quadras vai pelo mesmo caminho. Ah, e nao me refiro a comentariozinho de blog nao, me refiro a uma boa parte da imprensa mesmo.

      Responder
  22. Marco Dias

    Aleluia, Wawrinka passou da primeira rodada de Roma!

    Torcer pra esse cara não é fácil… ô bicho relaxado. E logo agora que ele é uma das poucas esperanças que nos resta para impedir o 15º GS do Nadal, ele fica nessa moleza?! Não dá pra contar com ele, mas também não dá para descartá-lo.

    Fiquei muito decepcionado com a decisão do Federer de não disputar RG, embora compreenda o motivo. Acho que ele tinha muitas chances de vencer o slam francês neste ano (com o Nadal “voando”, uma final entre eles com vitória do Roger seria o ápice dos ápices).

    Enfim, agora tá todo mundo achando que o espanhol vai levar RG mole-mole… sei não…

    Ps: infelizmente estou acompanhando pouco essa gira do saibro (correria demais por aqui), mas durante o slam pretendo ser mais assíduo.

    Abs a todos!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é…

      Jamais duvidem de Stan.

      Porque quando ele quer, o cara joga MUITO tênis.

      A cara de BUNDA que ele deixou o Djokovic na final de Roland Garros e na do US Open não tem preço!

      (rs)

      Responder
      1. Marco Dias

        Com certeza!

        Aliás, por ter impedido o Career Slam do sérvio em 2015 Stan tem um crédito eterno conosco… rsrsrs… Naquele dia Wawrinka teve um das maiores atuações em finais de Slam que se tem notícia.

        Responder
  23. Castilho

    Obrigado Federer por não participar de RG!!
    Este é o GS mais dfícil de assistir porque o Band Sports não tem aplicativo para ver no celular e quase nenhum estabelecimento comercial perto do meu trabalho tem esse canal. E tem os links externos que também não funcionam na rede da empresa onde trabalho. Os outros GS eu consigo ver normalmente pelo aplicativo do SporTV ou ESPN. Enfim, o Federer me poupou de ter que arrumar desculpas esfarrapadas para dar umas escapadas do trabalho! Hahahaha!!
    Abraços!

    Responder
    1. Fabio

      Um gravador tipo DVR é meio difícil achar e não tem qualidade satisfatória mas uma placa de captura seria um bom investimento no caso da Band e ESPN que transmitem os Slams quase na íntegra, a ESPN dá umas mancadas trocando o tênis por basquete e futebol americano as vez mas está anos luz a frente do Sportv. Se você encontrar outra finalidade para a placa de captura, pode valer a pena.

      Responder
      1. Castilho

        Fabio, eu tenho BandSports em casa… eu falei quanto ao fato de assistir durante a semana em horário comercial… eu não posso por placas de captura de video no micro que eu utilizo da empresa, afinal, o micro é da empresa. Eu não posso nem sequer instalar qualquer aplicativo no micro que eu utilizo. Por isso, durante o horário comercial, eu recorro aos aplicativos do meu celular para assistir ao SporTV e a ESPN, coisa que a Band não tem. Por isso que eu ironizei, agradecendo ao Federer de não participar de RG e assim não precisarei me desdobrar para assistir as partidas dele. De qualquer forma, obrigado pela dica. Abraços.

        Responder
  24. Rafael Medeiros

    Dalcim, sobre o risco de contusão caso jogasse RG…Na verdade colocaria risco de contusão, mas certeza de extremo desgaste.

    Supondo que Roger chegasse à final, você não acha que jogar duas semanas no saibro, com jogos de 5 sets, poderia sim implicar num deficit físico sério para a temporada de grama ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, mas se o Federer chegasse á final seria um resultado espetacular e não um pesadelo, Medeiros. Acho que Federer está na posição e no direito de jogar completamente solto, sem obrigação de nada, ainda mais no saibro. E isso lhe daria até mais chance, como aconteceu aliás na Austrália.

      Responder
      1. evaldo moreira

        Dalcim,
        Porque o spottv, só mostra os master 1000, e slam, claro o AO, Winbledon e USOpen, mas nunca vi uma transmissão deles de RG, e somente a Bandsport, direito exclusivo da band, ou é caro essa transmissão, ou nada ver ?
        Porque é dose aguentar aquele povo, salvo alguns na narração e comentários, outros affff, só estômago mesmo?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Os direitos de televisão são disputados quando se encerra um contrato. O da Band acaba neste ano e eles já avisaram que não vão renovar. Então espera-se ofertas de outras emissoras e aí o Sportv, ESPN, Fox, Sony podem entrar na concorrência. Depende do custo e do interesse comercial de cada emissora.

          Responder
    1. Alice

      Já eu acho que pode ser o evento + histórico do tênis mundial, já que Rafael Nadal poderá conquistar o seu décimo título em RG! …

      Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Sera’ Cara Alice, que dez vezes Vencedor em Rolanga e’ mais Historico do que oito vezes Vencedor em Wimbledon ? Que tal uma consulta aos Universitarios ? rs Abs!

        Responder
    1. Alice

      Imprensa…
      Pra mim ele sempre foi escocês, até porque declarou apoio a independência da Escócia, o que infelizmente pela maioria, não aconteceu!

      Ele é praticamente “forçado” a ser britânico…kkkk

      Talvez essa divisão tenha mexido com sua cabeça ao chegar ao topo, pois pode ter tido uma crise existencial ao refletir sobre qual nação estaria representando como número #1 do mundo…viu que era a Grã-Bretanha e resolveu “representa-la” ou se “vingar” né?
      + uma teoria suspeita adicionada!

      Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Ele foi Escoces ate’ 2014. Murray foi condecorado e asseitou o Titulo de SIR Andy em 2015. Passou a ” Cavaleiro do Imperio Britanico ” com todas as prerrogativas e de maneira irreversivel. Abs!

        Responder
  25. Robson

    Nossa,como jogou tênis ontem o Fognini,que técnica,como bate bem e fácil na bolinha esse italiano.
    Se o Kyrgios e Fognini tivessem a garra e determinação agregadas a técnica deles, só daria os dois no circuito em todos os torneios,todos.
    .
    Como gosta da cor rosa a Nike, só Rosa nos patrocinados por ela.
    .
    Sharapova é linda demais,rainha no marketing,sem ela nos torneios,todos perdem,isso tudo é óbvio,mas acho que a federação francesa agiu certo,ela foi punida,afastada do circuito,portanto ficou sem ranking, não acho justo um convite a ela.Espero que ela lute,volte as vitórias,as conquistas, porém jogando,sem convites.

    Responder
    1. Alice

      Kkkkkkkkk, então tá né? Por acaso tem alguns argumentos pra eu capitalizar melhor essa informação? Ou será apenas uma opinião de cunho pessoal? :P

      Responder
  26. Luis

    Dalcim Cade o Logico Alice deprimido sem o Deus do tenis So’ ele kkkkkkkkkkkkkk,Murray se candidatando pior numero 1 da historia rs,e Djokovic ladeira abaixo rs,Sobre Federer vencer 20 Slams seria incrivel rs,mas mais 1 em Wimbledon e’ o que deve ta na cabeca do Suico

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ps . O comentario saiu em lugar errado. Ultimos 5 anos de Roger em Wimbledon : 2012 : V – 2013 : 2R – 2014 : F – 2015 : F – 2016 : Semi. Alguns outros TOPs conhecidos caem mais cedo surpreendidos por grandes Sacadores. Abs!

      Responder
  27. Mário Fagundes

    Sharapova, do alto de seus 1,88 m e de toda sua arrogância, deve ter pensado: “Danem-se RG e todas as recalcadas do circuito!”. Bonita demais a moça, mas deve ser uma “mala”.

    Responder
  28. Mário Fagundes

    Como se não bastasse o momento papa-tudo de Rafael Nadal, adversários que poderiam dar algum trabalho se lesionam e facilitam a vida do espanhol. Quando a fase é boa…

    Responder
  29. Marquinhos

    Acho que os franceses adorariam banir o baloeiro do torneio, mas a WADA nao colaborara. Nao divido que tenha alguns fiscais recebendo um por fora.

    Responder
    1. Alice

      Seu sonho né? Quem sabe assim todas as derrotas que o Federer sofreu para o Nadal podem ser explicadas, essa hegemonia no saibro que nenhum outro tenista masculino fez na era profissional e até como uma forma de evitar que o espanhol chegue de novo ao topo “sem explicações”, já que segundo os “antis”, seu jogo é limitado, não tem beleza e nem técnica, é puramente físico! KKKKKKKKK

      Responder
    2. evaldo moreira

      Cara,
      Na boa, tu falas bost……….., de onde vc tirou essa conclusão, já deu o que tinha que dar, não torço pelo Nadal, mas é um cara em que respeito toda a sua história, acompanhei a gira do saibro, ainda não vi o jogo dele contra o almagro, mas enfim, fale algo que realmente vale a pena, é um desrespeito aos torcedores do Nadal por aqui, e segundo as palavras de Murray, que passou um dia em Malorca com o touro miura, ele disse: Nadal trabalha intensamente, tá louco, ou seja, caro colega, Nadal trabalha naquilo que lhe proporciona de melhor, além de treinar, tem a academia, em que trabalha a parte fisica.

      Responder
        1. Carlos Reis

          É isso aí Marquinhos, o Politicamente Correto torna as pessoas verdadeiros imbecis sem opinião… Se o Nadal joga limpo, parabéns pra ele, é um MONSTRO, mas Eu não acredito nisso e tenho todo o direito de acreditar…

          Responder
  30. Tinder

    Alice, aumentou teu número de comentários muito bem escritos e muito bem fundamentados e diminuiu aqueles muito chatos sobre os quais falei no post passado!
    Isso também mostra que vc é uma mulher inteligente; sobretudo emocionalmente inteligente.
    Escuta o que o outro tem a dizer (mesmo que, no caso, o outro seja alguém aqui do blog), olha para si, se analisa e toma atitudes para sempre tentar melhorar!
    Valeu!

    Responder
  31. Marquinhos

    Decisão acertada de Roger! Como eu falei, RG é secundário se comparad a U.S open e principalmente Wimbledon. No final das contas, um dos critérios para definir quem são os maiores da história na se passa apenas por quantos slam, mas também por quais slam. Então, quem vencer mais em WB e US sempre terá maior vantagem.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Data máxima vênia, Marquinhos…

      Mas pra mim, isso é uma GRANDE BOBAGEM.

      Pergunta pro Pete Sampras se ele não trocaria um dos títulos de Wimbledon, por ao menos 1 de Roland Garros.

      A gente até pode inferir que Wimbledon pela história do torneio e tudo mais, tenha um prestígio um pouco acima dos outros torneios.

      Porém, objetivamente falando, todos os Majors são importantíssimos.

      Esta conversa mole de menor de que Roland garros tem pouco valor, não cola.

      E mais. O fato do Federer priorizar Wimbledon, em NADA garante que será ele quem vencerá Wimbledon.

      Não vamos contar com os ovos, antes da galinha…

      Responder
      1. Marquinhos

        Sampras nunca disse que trocaria algum Wimbledon por um e rg. Lendl disse que trocaria sim todos seus rg por um Wb. E segundo o próprio Delfim, falou sério ! Na Boa, claro que todo slam é importante. O do Federer na Austrália foi importantíssimo! Porém, alguns tem uma grandeza maior. Abs

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Pior que ele disse sim…

          Porque eu acompanhei a carreira do Guga, e uma vez aquele ex-tenistas Thomaz Kock mencionou esta fala do Pete Sampras .

          Responder
  32. André Luiz

    Essa história de associar Nadal a doping, como fizeram nos comentários a uma postagem anterior, já deu.
    Diante da TOTAL falta de evidências pra sustentar essa acusação, os haters do espanhol compõem os argumentos mais esdrúxulos.
    Já vi nêgo defendendo que Rafa era uma montanha de músculos, o que é totalmente falso pra quem já o viu ao vivo e de perto.
    Outros citam sua capacidade física. Ora, embora tenha mesmo uma resistência privilegiada, o Rafa não é o único tenista a se destacar nesse quesito. Vejam a final do US 2011: Nadal cansa no quarto set, Djokovic continua inteiro, mesmo que tenha sido o sérvio a disputar uma semifinal de cinco sets contra Roger Federer. E quem cansou mais durante as seis horas de duração da final do Aussie Open 2012? O mesmo pode ser dito em jogos como, por exemplo, as quartas de final de Monte Carlo 2014: em determinado momento do frenético primeiro set, Rafa quebra o ritmo do jogo, porque não estava aguentando a correria de Davi Ferrer. É só pegar o vídeo do jogo e conferir: Nadal é um monstro fisicamente, mas não insuperável ou totalmente singular nisso daí.
    A peculiaridade do espanhol está, na verdade, na sua imensa capacidade de defesa, contra-ataque, na sua força mental que lhe permite minimizar sempre os erros e realizar as melhores escolhas jogada após jogada. Essas características podem até compor um estilo de jogo pouco atrativo pra maioria [eu, que sou torcedor do Federer, não gosto, só pra dar um exemplo], mas são virtudes, elementos do esporte chamado tennis. Fazem parte do jogo.
    O que resta é o chororô.

    Responder
    1. Eduardo Moura Lima

      É isso aí André Luiz !

      Nunca vejo ninguém falar sobre isso aqui ou em qualquer lugar. Não acho que nenhum desses tops se dopem, mas se querem tanto falar sobre o Nadal (mesmo ele apresentando exaustão física algumas várias vezes durante jogos na carreira) porque não falam do Ferrer, que apesar de falarem que fumava que nem um louco, corria mais que 90% do circuito aos 33 anos ? Porque ninguém fala da ABSURDA melhora física e técnica do Djoko a partir de 2011? O consumo de glúten faz tão mal assim, que o seu corte faz você virar um jogador monstruoso em apenas 2 meses (lembrando que até o final de 2010 ele era um ótimo jogador, e a partir do AO 2011 ele se transformou em outro!). Como você falou, principalmente em 2011, o Djoko jogava seguidamente, às vezes partidas extremamente exaustivas e no dia seguinte estava inteiro e jogando por mais 3, 4 horas com a mesma qualidade e intensidade.

      Sim, pode ser! Poder ser que apenas o corte do glúten seja o suficiente, ou que o Ferrer seja um caso a parte, assim como o Nadal um cara diferenciado fisicamente. O que não dá é ser completamente parcial, e acusar apenas o jogador que você não gosta, simplesmente porque ele está ganhando e se destacando.

      Abraço

      Responder
      1. Aurélio Passos

        Caramba…. o Nadal SE DOPOU. DEPOIS DE USAR foi que o conivente e ardiloso Stuart Miller da ATP assinou os TUE… Aí virou “doping autorizado”.

        Responder
        1. Eduardo Moura Lima

          As duas vezes ele pediu autorização prévia, e ambas ele estava lesionado, sem jogar …. realmente. Claramente queria levar vantagem competitiva nos jogos ….

          Abraço

          Responder
    2. Vítor Barsotti

      Exato! Federer elevou bastante o nível do esporte. Tecnicamente, ainda não surgiu alguém capaz de batê-lo sistematicamente. Dessa forma, Nadal (e mesmo Djokovic) apostaram no físico e no mental como meio de equilibrar as ações contra o suíço. E o fizeram com muito sucesso. Se Federer não é ainda mais soberano no tênis, isso se deve a esses dois caras. E que bom que seja assim. Sou Federer, admiro demais o Nadal e não simpatizo com o Djoko (torço contra sempre, rs), mas desmerecer qualquer um desses caras é ridículo. E, para mim, vale o mesmo raciocínio para os Slam: WB pode ser o mais tradicional e almejado, mas diferenciá-los só conta mesmo em caso de empate na somatória total (alguém que tivesse “só” 10 WB jamais estaria à frente de Djoko ou Nadal).

      Responder
  33. Chileno

    E o Murray, pelo amor de Deus hein? Gostei muito que tenha atingido o topo do ranking. Mas que show de horrores! O cara simplesmente desandou. Não conseguiu fazer uma campanha decente desde que assumiu a ponta. Não passou das oitavas em nenhum torneio relevante. Um monte de derrotas pra jogadores fora do top 20…

    Tá com uma temporada parecida com as que caras muito mais limitados e irregulares costumam ter, como Gasquet, Querrey, Isner…

    Responder
  34. Rafael

    Só pra constar, li em outra entrevista, aparentemente mais crível, que “para não enfrentar Nadal” não tem nada a ver com as questões que fizeram Federer abandonar RG, segundo Severin Luthi.

    Responder
  35. André Luiz

    E o menino Zverev, pra quem eu não consigo não torcer, continua em sua escalada.
    Ano passado, surgiu como ares juvenis no top cem e, em ascensão relâmpago, terminou a temporada próximo do top 20 e batendo o Stan em uma final [feito pra poucos].
    Esse ano, mesmo com as dificuldades que mostra no saibro, já está no top 11 da ‘race to london’, à frente de Andy Murray.
    Vâmo, Sasha!

    Responder
    1. Vítor Barsotti

      E dá gosto de assistir aos desse rapaz! Fez uma bela partida contra o Fognini hoje.

      Dalcim, caso Zverev termine o ano entre os 8 que vão ao Finals de Londres, ele ainda assim disputa também o Finals Next Gen?

      Responder
  36. André Luiz

    Murray não anda bem, ele mesmo já confessou que não sabe o que há de errado com seu jogo: serviço frágil, forehand bizarro….
    Mas poucos, muito poucos jogadores da ATP são capazes de ter uma noite como que teve Fognini.
    Que qualidade!
    O sujeito é um mágico.
    A torcida italiana estava em êxtase, e comemorava os winners como se fossem golos da Azzurra.

    Responder
  37. Alice

    Não acredito! Kerber além de perde o primeiro set pra uma tenista que nunca ouvi falar na vida (Kontaveit), acaba de tomar um pneu no segundo da mesma! QUE FASE!
    Volta Serena!
    Karolina Pliskova ganhe Roma, por favor…nunca te pedi nada…rsrs

    Responder
  38. Chileno

    Eu gostava da Sabine Lisicki. Tinha muita potência e um excelente saque. Torci muito por ela naquele fatídico Wimbledon em que ela perdeu para Bartoli (ou perdeu de si mesma?). Por onde anda? Lesionada?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Machucou o ombro – e que terrível contusão para ela – e não joga desde o ano passado. Parece que voltou a treinar.

      Responder
  39. André Luiz

    E Almagro jogou três games antes de acusar contusão e abandonar o torneio.
    Sério que já não se sabia contundido antes de entrar em quadra?

    Responder
  40. André Luiz

    Eu discordo em parte, mestre Dalcim.
    Não tenho posição fixa sobre a decisão de Federer. Acho que terá valido a pena causo se saia bem em WB. Mas são mais de dois meses sem jogar. É esperar pra ver o que o suíço vai apresentar.
    Meu coração, claro, queria que ele jogasse.
    Já sobre Sharapova, a justificativa que a direção de RG deu equivale a uma segunda punição. Ela não está ganhando o WC porque foi pega no doping. Ora, mas isso aí ela já pagou. RG preferiu deixar de fora uma bicampeã do torneio e dar seus convites a algumas número 700 do ranking. Por mais que digam que não, é uma nova sanção à russa, uma jogadora que deveria ser bem cuidada e tratada pelo torneio na tradição de valorização de seus campeões.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a punição para o atleta que se dopa tem de ser muito, muito rígida. Negar convite é dizer para todos: as consequências serão muito graves, não é apenas uma suspensão de 10 ou 20 meses. Se você se dopar, sua carreira recomeçará do zero. Por isso, acho extremamente válida a postura de Roland Garros. O doping tem de ser combatido ferozmente no esporte.

      Responder
      1. André Luiz

        Entendo a coerência de sua perspectiva, Dalcim.
        Mas não a incoerência da Federação Francesa, que no causo Gasquet interveio o quanto pôde mesmo diante de uma desculpa pra lá de esfarrapada. [ok, a cocaína é uma droga recreativa, não pra aumento de desempenho, como parece ser o causo do meldonium].
        De todo modo, nada impede que a Federação francesa tenha errado então e acertado agora. Mas confesso meu incômodo.

        Responder
      2. Fernando Filho

        Dalcim, se uma punição de 12-20 meses não é suficiente, que se puna de outra forma. Agora a Sharapova vai ficar recebendo “punições anuais” por esse erro… Isso não é justo. Foi-lhe direcionada uma punição, e ela cumpriu! Teoricamente deveria estar “zerada”.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Mas onde o fato de não receber um convite é uma punição, Fernando? Receber convite é um prêmio. O fato não receber não é um castigo, apenas uma opção dos organizadores sobre o que mais convém a seu torneio. Se ela não tem ranking para disputar o quali, é porque cometeu uma infração e ficou suspensa.

          Responder
          1. Rafael

            Quando vc é suspenso, deixa de jogar. Automaticamente, perde os pontos que tinha de defender em torneios que não joga, e deixa de ganhar em outros que tinha pouco ou nada a defender. Isso FAZ PARTE da primeira e única punição, que é a suspensão. Com isso, seu ranking cai, óbvio. Se cair a tal ponto que vc não se qualifique para determinado torneio, o que vc deve fazer é jogar, jogar e jogar até recuperar o ranking (que vc só perdeu porque se dopou e, consequentemente, não pode manter) até eventualmente chegar a um ranking em que possa entrar nos torneios.

            O fulano que negou o wild card pode ser um tonto, mas a decepção dos fãs, a perda de receita extra que possivelmente Maria traria, etc, é culpa única e exclusiva dela. Só há uma punição, porém essa tem mais do que uma consequência. Acho que é até simples.

      3. Roberto Léo

        Parabéns Dalcim, é isso mesmo! Não é uma segunda punição, a pessoa que escolheu o doping tem o direito de voltar, mas do zero, sem ajudas ou favorecimentos. Correta a atitude da federação francesa na luta contra o doping.

        Responder
      4. José R.

        Concordo plenamente…
        O cara que manipula resultados ou tem envolvimento com apostas pode inclusive ser banido, nada d mais negar um convite p quem vem de suspensão por doping!!

        E essa de que quem não errou atire a primeira pedra é papo furado… Tirando o Bruno e o Dirceu, pergunta ai para um ex presidiário se tá fácil conseguir emprego… Eu não daria!! Vê lá se tá sendo fácil para o José Mayer pagar pelo erro dele, se ele tá recebendo “convites” para ser o galã da próxima novela das 9…

        Parabéns RG!!

        Responder
      5. Roberto Rocha

        Mais uma vez, seu comentário é perfeito, Mestre Dalcim! A sociedade atual vai cedendo cada vez mais espaço para o que é moralmente errado. Se Sharapova tivesse o currículo do Federer, teria que ser banida para sempre do esporte. Sou radical nisso, porque o atleta limpo se mata durante anos a fio para alcançar resultados expressivos e vê o “esperto” tomar o atalho. É uma vergonha! O doping deveria banir o atleta permanentemente.
        Se por exemplo comprovarem que Nadal se dopa, mesmo que depois do final da carreira, todos os seus títulos devem ser caçados e seu nome apagado da História do esporte. A punição ao doping deve ser duríssima, de modo que não valha a pena, para o atleta, sequer cogitar a hipótese.

        Responder
  41. Alice

    “Se é isto que é preciso para me levantar outra vez, então estou pronta para isso, todos os dias. Não há palavras, jogos ou ações que me vão parar de alcançar os meus sonhos. E eu tenho muitos”, – Maria Sharapova

    Sem palavras, clap clap clap clap clap!
    Lembrei, é aquele ditado…
    Atura ou Surta né? Aliás muitas “surtadas” no circuito vão ter que aturar! haha…

    Responder
  42. Alice

    “Sinto-me competitivo em todos os encontros e isso faz-me feliz”. – Rafael Nadal

    É tão bom, reconfortante ver Rafa dizer isso depois de dois anos bem difíceis…

    #VamosRafa

    Responder
        1. Mário Fagundes

          Alice, isso já é pedir demais! SOMENTE O TÊNIS-ARTE PROVOCA ADMIRAÇÃO NAS PESSOAS. A Nadal, restam o respeito e a aceitação por sua competitividade no esporte.

          Responder
  43. Eduardo Alves

    Dalcim, a chave de RG será definida com o ranking de qual semana? Os pontos do torneio do ano passado será descontado antes do chaveamento?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com o ranking da próxima segunda-feira. O único torneio que retira os pontos por antecipação é o Finals de Londres.

      Responder
  44. Luiz Fernando

    Finalmente uma estreia tranquila p Rafa, aliás tranquila até demais. Se alguém tinha receio de desgaste, mais uma conjunção favorável.

    Responder
  45. Alice

    Nossa, uma pena essa retirada do Almagro, justo ele que vem tentando se recuperar…
    Mas que deve ajudar um pouco o Rafa, isso deve, já que o touro vem de 3 títulos com 15 vitórias seguidas!
    Incrível como a quadra central de Roma estava praticamente lotada na estreia do espanhol….

    Dalcim, você concorda com alguns que dizem que Monte Carlo (1897) não deveria ser considerado um masters, mesmo esse sendo um dos mais antigos e maiores torneios de tênis da história (110 edições) ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É sim um Masters. A ATP quis retirá-lo, mas os próprios tenistas se rebelaram contra isso e a ATP foi obrigada a recuar.

      Responder
  46. Anderson

    Isso já foi falando trocentas vezes aqui e alhures, mas já que esse é e continuará sendo o assunto do ano no tênis feminino, tenho que me repetir também: se eu fosse o dono do torneio daria sim, convite à Maria.

    – Ela recebeu uma punição.
    – A punição foi cumprida integralmente sem celeumas.
    – O doping, APARENTEMENTE, não foi dissimulado e mal intencionado, como um Johnson ou Armstrong da vida (quero dizer, a explicação pode até ser falsa, mas é perfeitamente plausível).
    – O convite é dado a quem o torneio quiser e bem entender, basta ver a quantidade de “desqualificados” (no sentido popular, mesmo) que vão apenas pra tomar vareio e dar descanso aos cabeças das primeiras rodadas.
    – A Sharapova é o maior nome do tênis no quesito marketing, há anos, atrai público e dinheiro.
    – Ela é uma maravilha de mulher (ok, esse não é um argumento válido).

    Se estão achando ruim, reclamem com a ITF/WTA para criar uma regra proibindo convites por X meses após a suspensão. Ou melhor, acabar de vez com convites, exceto para qualis (para lesionados já existe o ranking protegido), seria até positivo pra elevar o nível dos torneios (se querem dar mais chances aos novos, aumentem as vagas pros qualis).

    Mas se o que foi estabelecido foi cumprido, “morreu Maria Preá” (com o perdão do trocadilho). Até inverto o argumento, o que considero antiético é forçar novas punições a alguém que já pagou (o que foi estabelecido) por seu erro e quer voltar limpa, do zero.

    Responder
    1. Roberto Léo

      O convite é um prêmio. A ausência de convite nunca pode ser considerada como segunda punição. Não vamos inverter as coisas.
      Sharapova cumpriu a suspensão, agora ela tem que fazer a parte dela, e “limpa” começar de novo, sem ajudas ou favorecimentos. Isso é ser ético, isso é ser honesto.

      Responder
      1. Anderson

        Se torna uma punição quando você ouve um: “gostaria de lhe dar um convite, mas tem gente que vai ficar com raiva se eu der, então fica pra próxima”. Quer dizer, a pessoa tem méritos pra receber (tem talento/técnica pra fazer jus à participação especial) e deixa de ganhar por algo que já passou (que já deveria ter passado, em tese). Ganhar oportunidades especiais pra recomeçar depois que pagou pelo que fez de errado não tem nada de desonesto nem sujo. Ela não está “comprando” lugar nos torneios e, até onde se tenha notícia, “cobrando favores” dos promoters (aí sim seria imoral). Ou o ético mesmo é o 600º do ranking roubar do vice-campeão do qualificatório uma vaga porque é patrocinado pela organização do torneio?

        Responder
      2. Anderson

        Quero ressaltar uma coisa: não que o torneio seja obrigado a dar o convite, muito pelo contrário. Minha discordância é dos que defendem que o caminho das pedras pra ex-dopada seja mais difícil do que pra outras pessoas. Ganhar convites por ser excelente atleta não é favorecimento imoral, não há falta de ética nenhuma em convidar alguém que merece o “prêmio” e já pagou a pena imposta integralmente.

        Responder
        1. Roberto Léo

          Anderson, sem prolongar a discussão. Concordo que receber convites por ser ótimo atleta é válido. Mas Sharapova estava jogando? Ela jogou dois torneios este ano após punição e foi convidada para ambos! Qual o problema para ela se inscrever em torneios compatíveis com o seu ranking atual e ganhar os pontos de ranking e assim não depender de convites? Claro que convite é premiação. Claro que não se deve premiar o desonesto. Claro que ele tem direito e dever de voltar honestamente. E para voltar honestamente, ela precisa se inscrever nos torneios compatíveis e não ser convidada. Pena que isso não seja tão claro.

          Responder
          1. Anderson

            “Mas Sharapova estava jogando?” Não, se estivesse teria ranking e ninguém falaria em convite.

            “Ela jogou dois torneios este ano após punição e foi convidada para ambos!” E? Ela deveria recusar?

            “Qual o problema para ela se inscrever em torneios compatíveis com o seu ranking atual e ganhar os pontos de ranking e assim não depender de convites?” Nenhum, ela pode não receber convite e passar o resto do ano jogando futures, ou pode receber 5 convites consecutivos por ser uma ótima atleta (alguém duvida disso?). Para ambas as soluções não existe problema, já que a punição foi cumprida integralmente.

            “E para voltar honestamente, ela precisa se inscrever nos torneios compatíveis e não ser convidada. Pena que isso não seja tão claro.” Não, não é claro, é obscuro dizer que existe desonestidade em oferecer convites a quem não deve mais nada a ninguém. Eles servem precisamente para isso: dar oportunidade a quem o torneio quiser dar e bem entender. A Bia Maia chegou desonestamente às quartas do Rio Open por receber convite sendo uma mera top 300 no ranking? Claro que não.

            E sobre ser prêmio, bem, é um prêmio quando alguém talentoso volta de lesão, da licença-maternidade, ou quando é o melhor tenista do local sede. Nesses casos nem chamaria de prêmio, chamaria de gesto de reconhecimento. Mas é difícil chamar de prêmio quando é convidado por ser simplesmente um cliente da agência que promove o torneio, o que é extremamente comum e ninguém vê problema, mesmo o cara sendo 500 do ranking.

            Se não quer alongar a discussão, tudo bem, mas discordo frontalmente de chamar os promoters ou a Maria de desonestos por esse motivo apenas, não há imoralidade alguma nisso.

  47. Paulo F.

    Já achava que Roland Garros oferecia, disparadamente as piores condições aos atletas – sua infraestrutura chega a ser ridícula – tamanha a defasagem ante os outros 03 GS.
    Essas desistências só corroboram meu conceito.

    Responder
  48. Rafael Medeiros

    Concurso: qual a expressão mais brega, de mau gosto e lugar-comum do mundo tenístico?

    Sem dúvida, a meu ver, é “deuses do tênis”.

    “Que os deuses do tênis não permitam”, “que os deuses do tênis te ouça”.

    Credo.

    Aponte a sua! :D

    Responder
    1. O LÓGICO

      ah!! essa eu quero participar, e vou ganhar kkkkkkkk E vai ser em “ingrês” do robozinho poliglota kkkkk falando com o beiço pregado kkkkkkk

      I WILL DO MY BEST (quando escuto ele usando seu amplo repertório em inglês, sinto uma vontade enorme de partir desse mundo rapidamente kkkkkkkkkkkk)

      Responder
      1. Fabio F

        kkkkkkk… tadinho do Rafinha… não seja tão malvado… rs
        Ele não é o único, “I will do my best” é lugar comum campeão no circuito. Juntamente com “I did not play my best, he deserved to win”… rs

        Responder
  49. Rubens Leme

    Estava vendo a vitória do Rogerinho agora de manhã e me pergunto se não valia mais a pena pro Thomaz e o Tiago às vezes jogarem esses challengers do que ficarem jogando quali.

    Os pontos são bons, a grana, razoável, dá ritmo e confiança. Sobre o jogo de hoje às vezes o Rogerinho é defensivo demais.

    O De Schepper é fraco, deixava bolas curtas no meio da quadra e o Rogerinho batia e recuava, ao invés de tentar ir pra rede e fechar rapidamente.

    Enfim, está nas quartas.

    Responder
  50. Ricardo - São Paulo

    Eu acho que deveriam sim ter chamado a Maria para RG. A pena de 15 meses foi imposta e ela a cumpriu. Agora ela tem que ser penalizada pela vida inteira? Tivemos os casos de Hingis, Cilic, Troiki, GASQUET, o próprio Agassi que admitiu o uso de drogas, e não tivemos esse circo armado. Ai me dão um convite a um cara envolvido em apostas. Eu não sei mais nem o que pensar…A decepção com os bastidores desse esporte que eu amo é tamanha. Além disso ainda tem o Roger fora da chave masculina…risos.

    Responder
    1. Gilvan

      A questão parece ser mais política do que esportiva. Há uma necessidade de criar a imagem de que atletas russos se dopam e a Sharapova foi o boi de piranha nessa história.

      Responder
  51. Rodrigo Campos

    Eu concordo com Roger, as chances dele superar Nadal em Paris são pequenas e qualquer problema lá poderia abalar sua confiança para Wimbledon. Ele deve ser eternamente grato ao Sordeling…kk

    Responder
  52. Beto Souza

    Dalcim bom dia !
    Saindo do seu texto agora!

    Mestre há tempo vendo jogos do Nadal,percebo que ele não tem dificuldade diante de um “slice” bem baixinho rente a rede como a maioria dos jogadores.Até mesmo na grama diante de Federer que é o que tem melhor slice do circuito o espanhol se sai bem. Isso se deve a sua empunhadura na hora de executar seus golpes?
    Abraços.

    Responder
    1. Alice

      Realmente o modo rápido como desliza e chega a rede é impressionante, não é atoa que consegue tambem dar inúmeros voleios quando requisitados…

      Responder
  53. Lucio Bandeira

    Não podemos cobrar nada do Professor… com a idade dele, com tudo que ganhou, com todo dinheiro que tem e com a ligação que tem com a mulher e filhos, só o fato de ele jogar um torneio de vez em quando é um exemplo de amor ao Tênis!

    Responder
  54. Raphael C.

    Boa Noite Dalcin!

    Sem os principais nome na chave feminina (Serena, Azarenka, Sharapova, Kvitova) e como as temporadas fracas de Kerber e da Plíšková e Muguruza (NO SAIBRO). Quais seriam seu pitacos pra o caneco: Halep parece a favorita, ou teríamos um finalmente um titulo do porte para Wozniacki, Radwanska ou uma volta no caminho de Grand Slans para a Stleva, Venus, porém acredito mais na Venus em WB? Ou alguma novata?

    Acompanho sempre o blog e está de parabéns!
    Obrigado

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      No momento do tênis, Halep seria forte candidata, mas Muguruza pode muito bem se reencontrar na hora certa. Acho Kuznetsova bem perigosa. Não acredito em Carol e Aga, menos ainda na Venus para o saibro, ainda mais se estiver lento.

      Responder
  55. Antonio

    No segundo parágrafo você escreve que não vê motivo de o Federer não jogar RG e considera que o risco de uma contusão é uma “piada”. Vejo diversos motivos para que ele tenha tomado esta correta decisão. Abaixo, escrevo as minhas justificativas:
    1) Federer teve um início de temporada arrebatador, que possivelmente nem ele esperava, e desgastante para um atleta de 35 anos que ficou aproximadamente 6 meses sem competir. Além disso, ele já sofre com algumas fragilidades físicas, região lombar e joelho, tornando-o mais suscetível a reincidência(s). Caso o início da temporada tivesse tomado outro rumo, é bem possível que o Federer tivesse decidido jogar dois ou três torneios no saibro mas, não foi o caso;
    2) Não há como deixar de salientar que o jogo do Federer melhorou ainda mais para os jogos em quadras rápidas, que propiciam pontos mais curtos devido a eficácia de seus golpes de ataque, agora o “backhand” também. A não ser em Quito ou Cidade do México, para citar exemplos geograficamente próximos, o saibro sempre requer mais trocas de bolas e o esforço físico para produzir potência também é maior. Afinal, não dá pra ganhar jogos inteiros somente com “dropshots” ou “tweeners”. Ou seja, qual seria a real finalidade de jogar no saibro para um jogador que não tem mais absolutamente nada para provar e agora busca títulos em “Grand Slams”? Em uma nota pessoal, prefiro o Federer no circuito por mais 2, 3, ou até mesmo 4 anos do que vê-lo jogar meia dúzia de jogos no saibro e arriscar uma estafa física, o que o faria brilhar menos na grama ou no piso do US Open;
    3) A estafa física é um ponto importante mas a estafa mental é um ponto mais importante ainda, apesar de os dois frequentemente se retroalimentarem. Se vestirmos os “sneakers” do Federer por um minuto entenderemos que, depois de quase 20 anos no circuito com inumeráveis recordes, pode ser que mesmo ele sinta estafa mental, por mais que ame o esporte e não se incomode com as constantes viagens mesmo com uma família tão numerosa. Por este motivo também, acredito que seja extremamente saudável ter longas pausas já que, comprovadamente, não afetam sua capacidade competitiva;
    Poderia me alongar por mais três ou quatro parágrafos como, por exemplo, a importância do Federer para o esporte como um todo, entre outros, mas creio que estes sejam os principais, no meu ponto de vista, é claro.

    Responder
    1. Fabio F

      Perfeito, Antonio.
      Eu acrescentaria à sua lista a percepção do ótimo momento do rival, o que não deve ser confundido com “medo” (isso é para nós, mortais… rs). Creio que Nadal teria atitude semelhante se tivesse a idade do Federer e tivesse que enfrentar uma temporada na grama com o rival, mais jovem, ganhando tudo por lá.
      Federer sabe também que, em termos de seu legado esportivo, uma ou outra conquista a mais no saibro seriam até interessantes, mas não acrescentariam muita coisa. Mas isolar-se com um possível recorde de 8 vitórias em Wimbledon seria um feito impressionante, praticamente inigualável, que o consolidaria indiscutivelmente como “rei da grama”. Como todo ídolo multicampeão, ele é vaidoso. Todos os grandes o são.

      Responder
  56. Dom Cubas

    Dalcim, acho que se Federer tivesse mantido o ritmo do inicio do ano ele teria mais chances de ganhar os torneios do saibro do que os na grama. Por quê? Porque na minha leitura de jogo Federer nos últimos anos com exceção de Djokovic, só era incomodado por grandes sacadores. O problema de Federer é a explosão muscular que o faz chegar atrasado em devoluções de saque, por ex, perdendo aquele décimo de segundo precisoso pra conseguir jogar o ponto e no saibro ele seria ajudado. Outro exemplo Federer x Kyrgios em Wimbledon jogando no mesmo nível de Miami, Federer perde. OLha como ele viinha com dificuldade de jogar contra Raonic …

    Responder
    1. Alice

      Interessante, acredito que Federer possa ter dificuldade com grandes sacadores em Wimbledon e se Kyrgios estiver inspirado, não duvido que ganhe do suíço!

      Responder
    2. Vítor Barsotti

      Concordo! Além do mais, ao pular toda a gira de saibro, acho que Federer está colocando uma pressão desnecessária sobre si em Wimbledon. Se no AO e nos masters americanos ele jogou na base do “o que vier é lucro”, duvido muito que ele jogue sem o peso de se sair bem agora na grama. E, sinceramente, não entendo: no que a participação em dois torneios e mais algum treino no saibro poderiam encurtar tanto sua carreira assim?

      Mas o homem é teimosos, rs, e sua gana é vencer novamente em WB. Então, nos cabe torcer…

      Responder
  57. Luiz Evandro

    Dalcim, o narrador da Sportv disse que a quadra central de Roma é considerada a “central” mais bonita do mundo. Eu concordo, pois a arquibancada é colada a quadra, uma espécie de La Bombonera do tênis. Já houve alguma eleição neste sentido?
    O Rio 2016 perdeu uma excelente oportunidade de fazer uma quadra nestes moldes, com arquibancada perto. Não há nada mais legal do que vermos nossos ídolos bem de perto.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu acho que ele se referia não à quadra central, mas à Pietrangeli, onde existem as estátuas erguidos por Mussolini e fazem um cenário fantástico.

      Responder
  58. Rafael Wuthrich

    E então, meu caro Dalcim? Murray já fora de Roma e Djokovic de novo instável contra um adversário limitado. É realista pensar que ambos correm risco de ficarem fora do Finals? Quem diria que Thiem seria o melhor do resto hein?

    Responder
  59. Fabio

    Não sei se concorda comigo Dalcim mas eu vejo dois motivos principais para o Federer evitar Roland Garros, um é realmente o mesmo que você, tentar vencer não só Wimbledon mas o máximo possível no final do ano que ele geralmente vai bem e tem Stuttgart na semana seguinte. O outro motivo seria o head to head para Nadal, depois de descontar quatro derrotas ele poderia ver a distância crescer novamente no saibro. Além desses dois, eu acho que foi o diretor de Roma disse que ele não faria falta ao torneio e por mais humilde que o Federer tente ser, é difícil engolir essa e já deixou o empresário dele sem argumento para negociar um cachê, então o lucro seria muito pouco pra quem já tem quase tudo e provavelmente ia sair sem título. Pode ser bobagem minha mas acho que o percentual de vitórias contra o Nadal pode pesar na decisão dele sim. Se ele conseguir levar mais um Grand Slam esse ano e alguns torneios em quadra coberta e talvez Cincinatti, acho que todos vão estar elogiando essa decisão dele agora.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não acredito, Fábio. Ele só poderia cruzar com o Nadal lá nas quartas de final, haveria muito torneio pela frente. E ninguém paga cachê em Grand Slam.

      Responder
      1. Fabio

        Obrigado pela resposta mas lembro do próprio Federer dizer que é duro entrar em quadra já derrotado e pela declaração dele depois da vitória na Austrália acho que ele melhorou a atitude e a mentalidade mas mesmo assim deve vislumbrar a possibilidade de descontar mais a desvantagem no confronto direto além de não querer perder a vantagem mental que ele disse ter feito diferença em 2008 que ele levou um pneu na decisão. De qualquer forma, a declaração do diretor de Roma foi no mínimo desagradável para ele.

        Responder
    2. André Luiz

      ”Pode ser bobagem minha mas acho que o percentual de vitórias contra o Nadal pode pesar na decisão dele sim. ”

      Desculpe o pitaco, mas é bobagem sua.

      Responder
  60. Lola

    Murray consegue estar pior que o Djokovic. Não sei o que acontece com ele, como o Djokovic a culpa só pode ser do guru do amor, o Murray não se sabe.

    E parece que o robozinho satânico ressucitou, mesmo, hein, implicante!!!

    Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Sofre com seguidas contusões desde 2014. Tentou um retorno este ano e jogou dois torneios pequenos em fevereiro e março.

        Responder
  61. Augusto

    Boa noite dalcim!
    Vo cê po deria me aju dar a enten der que de cisã o é essa que nega um convite a sharapova, mas da um convite a um joga dor fran ces que supostamente estaria envolvi do em combina cao de jogos?
    Ps: meu te cla do esta ruim!, rsrs…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, teria de perguntar aos franceses, mas eles acima de tudo são neuróticos na questão de doping. E o francês, além de ser da casa, está ‘supostamente’ envolvido, ou seja, ainda não se provou nada.

      Responder
  62. Mad King

    Essa “rodada” teve de tudo:

    – Desistência de Roger.
    – Sharapova de molho.
    – Juiz (Lahyani) errando marcação à la Cedric.
    – “Vovô” ganhando partida aos 39.
    – Kyrgios sentindo lesão.
    – Djoko sofrendo um set.
    – Fognini numa belíssima apresentação.
    – Murray sendo Murray.

    Nada mal. :D

    Responder
    1. Pieter

      Realmente não se pode reclamar de emoçoes e surpresas no tênis!
      Mas achei de uma boçalidade atroz a decisão de não disponibilizar um convite à Sharapova. Além de musa do tênis e extremamente midiática, ela é bicampeã do torneio e ex-número um do mundo.
      Quem foi penalizado, na verdade, foi o público que queria vê-lá jogar lá…

      Responder
  63. Antonildo S Costa

    Mesmo ficando muito triste com a desistência do Roger, consegui perceber a real chance do Nadal voltar à liderança e o que é mais impressionante, isso pode vir ao término de Wimbledon, nem o mais fanático torcedor do espanhol, conseguiu imaginar tal fato. Ao passo que o britânico tem 3700 pontos pra defender, Rafa só defende 90. E o que já é bom, com a queda precoce do escocês, ficou ainda melhor, sem falar também, que enquanto o Nadal tem 5500 pontos pra disputar nesse período, Murray só disputará 4500. Com 3000 pontos em disputa no saibro, eu apostaria que o espanhol conseguirá voltar ao posto de numero 1 do ranking, passando o posto para Federer mais na frente.

    Responder
    1. Fabio

      Achei bem coerente o seu comentário, claro que o Federer tem que mostrar a que veio depois mas depois de ver por mais de uma década o Nadal gastar tudo o que tem no tanque no começo do ano, ele pode até terminar o ano na ponta mas se formos nos basear no histórico vai depender dos outros não jogarem bem no final do ano, lembrando que Wawrinka não vem mal esse ano e o mesmo vale para o Thiem.

      Responder
  64. Marcos RJ

    A mudança de planos de Federer não é assim uma grande surpresa, já que sempre foi a superfície mais difícil. Não foi por acaso que conquistou 7 GS na grama, 10 na dura (5+5) e apenas 1 no barro. Claro que os apreciadores do bom tênis vão sentir muita falta, mas como questionar o tenista que melhor planeja o calendário???
    O gênio sempre priorizou a longevidade: no início esnobou torneios pequenos, depois médios e Davis, ultimamente os grandes (como Paris e Monaco) então apenas chegou a vez passar GS. Podemos até não concordar agora, mas se isso aumenta a chance de mais um título no torneio mais importante de todos, então que a temporada da grama “seja eterna enquanto dure”. O velhinho continua revolucionando o circuito dentro e fora de quadra.

    Responder
  65. Thiago Prada

    Ah, como seria bom se o italiano tivesse a cabeça e o emocional em seus lugares, que talento, que mão, que capacidade para a agressividade! Infelizmente, ele se descontrola fácil, pira na macarronada, e tem pouquíssima disciplina. Mas sempre achei que ele tem um jogo para o top 10! O que acha Dalcim? Será que pode ser o pulo do gato para o Fognini? Seria muito bacana.

    Responder
  66. Rafael

    Mestre,

    Você acha que a longa parada do Federer pode ser um tiro no pé ? Jogar apenas um torneio preparatório antes de Wimbledon não é perigoso? Eu acho que essa parada pode ter um efeito diferente da do ano passado pq agora estamos no meio da temporada. A situação é distinta da do início do ano em que todos os jogadores estavam retornando. Concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é um risco a se correr. Vamos lembrar que a grama é um piso difícil de se pegar ritmo, pontos muito curtos, quadras traiçoeiras. Tomara que dê certo e ele faça grandes campanhas.

      Responder
      1. Sônia

        Tomara que dê certo (2). Se não der, vida que segue. ELE só precisa jogar sem pressão, mas não creio que isso ocorrerá. Infelizmente ELE sente obrigação de vencer WB novamente e isso não é bom. Não será nada fácil pois todos desejam vencer WB. Beijos.

        Responder
  67. CGusmão

    Para quem estava esperando uma das temporadas mais competitivas de todos os tempos, essa temporada tem decepcionado um pouco. Murray está irreconhecível. Djokovic não se reencontrou e está muito inconstante durante os jogos, longe da consistência e intensidade absurda que demonstrava há um ano atrás. Wawrinka está mais inconstante do que nunca. Restou a Federer e Nadal tentarem manter o brilho do circuito. Nessa primeira fase do ano na quadra dura vimos um Nadal jogando um ótimo nível, mas ainda distante do Nadal que víamos de 2014 para trás. Seus dois golpes mais fulminantes – o ataque de forhand de dentro para fora e seu contra-ataque de forhand na paralela – apareceram apenas como lampejos. Isso parece estar mudando na gira do saibro, em que sua confiança nesses golpes parece cada vez maior, eles são cada vez mais usados e vemos um Nadal mais próximo do que nunca do seu nível máximo. Vamos torcer para que essa crescente continue. Federer, por sua vez, tem sido a grande novidade do ano. Jogando um tênis espetacular, como sempre, agora com uma esquerda mais afiada do que nunca. Foi o jogador que realmente pareceu mais próximo do auge no circuito, ganhando tudo e encantando os apreciadores do esporte. Estou ansioso para ver o encontro do Federer com o Nadal pós-gira do saibro. Vale uma menção honrosa para a nova geração que está cada dia melhor! Enfim, nos resta torcer para que o nível do Murray e Djoko volte ao normal para que o circuito pegue fogo e essa temporada corresponda às altas expectativas que tínhamos.
    Qual sua avaliação da temporada até aqui e do que podemos esperar, Dalcin? Parabéns pelo site e pelo excelente blog!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, está surpreendente e decepcionante. Espetacular a reação de Federer e Nadal, mas infelizmente Murray, Djoko e Wawrinka não correspondem. A nova geração dá passos ainda muito lentos e gente com potencial, como Nishikori, tem físico comprometido. Pena!

      Responder
      1. Sônia

        Dalcim, na boa, Murray realmente está irreconhecível, assim como o sérvio. Estranho demais. Começando a acreditar nas teorias. Beijos.

        Responder
    2. Carlos Fernando Torre

      Concordo, uma temporada que prometia ser muito disputada com os excelentes retornos de Federer e Nadal não se concretizou até o momento. Djoko, Murray e Wavrinka estão longe de suas melhores formas. Kyrgios e Nishikori contundidos. Del Potro ainda não incomodou como esperávamos.

      Responder
  68. Luis

    Dalcim acho que Federer escolheu bem nao jogar Paris vai estar descansado pra Wimbledon um titulo em Halle antes vai dar mais confianca pra voltar ganhar Slam ingles rs,o que achou se aumentam chances em Wimbledon? Tecnica inigualavel foi boa Logico kkkkkkkkk So’ Ele

    Responder
      1. Alice

        É o estou pensando, Dalcim. Tá tudo bom, mil maravilhas, mas vai que acontece de ele não ganhar ritmo nenhum e chegar em Wimbledon com uma “obrigação” de fazer bonito. A sorte do suíço é que ele sempre pega adversários muitos vencíveis nas primeiras rodadas…rsrs

        Responder
        1. Jose Yoh

          Cabeças de chave sempre serão favorecidos, não é sorte.
          Penso também que não há muita gente que possa dar trabalho à ele no circuito, então natural que entre 128 tenistas as primeiras rodadas sejam fáceis – assim como para o Nadal. Este é o motivo para tantas quartas de final em slams.

          Responder
  69. Túlio Oliveira

    A chave feminina de Roland Garros está desfalcadíssima. Não jogarão: Serena, Sharapova, Azarenka e Kvitova. Simplesmente as melhores que ainda atuam. Dos grandes nomes restam Venus, Kusnetsova, Kerber (não aceito ainda que tenha ganhado 2 Slams e tenha chegado a liderança do ranking com o tênis que joga, kkk). Acredito que é a chance de ouro para Halep enfim ganhar seu primeiro Major, já passou da hora de ganhar mas creio que agora vai.

    Responder
  70. Sérgio Ribeiro

    E não é que Fabio Fognini parecia estar jogando no Carpet, Dalcim. Todas na subida, dentro da quadra lembrando um certo Suíço. E o quase Papai está desde Novembro com Franco Davin. O mesmo de Gáudio, Del Potro…ABS!

    Responder
  71. Chetnik

    Federer tá preparando um ciclinho from hell. Tá seguindo as recomendações do médico pra chegar voando em WB. Malandrão não engana ninguém.

    Responder
  72. Chetnik

    Era para o Djokovic estar quase de volta ao topo, com esses resultados ridículos do Murray. Do jeito que as coisas estão, é capaz do Nadal acabar o ano na ponta, o que seria inacreditável – acho difícil o Federer acabar na ponta pulando toda a gira européia de saibro.

    Responder
    1. Fabio

      Desculpa mas onde fica a memória das pessoas nessa história? rs
      Não quero ser desagradável mas vimos o Nadal perder o gás na segunda metade do ano tantas vezes que não consigo entender porque todo mundo acha que ele vai dominar o segundo semestre inteiro depois de ter completado 30 anos. Eu espero que ele não se machuque, óbvio. Agora, pensar que ele vá dominar a segunda metade do ano é muito pra minha imaginação. Acho que pode abrir caminho para jogadores como Wawrinka e Thiem se a queda dos líderes continuar, o Thiem pelo menos não se entrega fácil.

      Responder
      1. Chetnik

        Eu falei que ele vai dominar o segundo semestre? Questão é, ele jogando bem, com os pontos acumulados no saibro, pode acabar no topo. O Murray esquece. O Djoko parece improvável. O Federer vai ficar em desvantagem sem disputar o saibro. O resto é o resto, não vale nem comentar.

        Acaba sobrando o Nadal, por exclusão.

        Responder
        1. Fabio

          Então Chetnik, quis dizer que o Federer tem mais torneios que se dá bem no final do ano e o Nadal tem a temporada de saibro, ele mesmo reconhece que é desfavorecido nesse sentido porque já propôs mais torneios no saibro e na grama, aliás não só ele. Tanto é verdade que estenderam a temporada de grama um pouco, o que ajuda a evitar lesões seguindo a lógica de não ser quadra dura.

          Responder
        2. Chileno

          Nesse momento, realmente é muito difícil pensar em outro provável líder do ranking no final do ano. Murray segue em parafuso, Djokovic está apático, Federer tem pelo menos uns 3000 pontos de desvantagem em relação ao Nadal por não jogar no saibro…

          Acho que o Nadal não precisa nem ir tão bem assim no segundo semestre pra ser líder do ranking, contando o desempenho dos principais rivais.

          Responder
  73. Renan Nabeshima

    Minha opinião sobre o caso Sharapova é exatamente essa. A volta deveria ser parte da punição. Pela quantidade de wild cards recebidos parece que a russa está voltando de contusão e usa ranking protegido. Infelizmente, foram necessárias apenas cinco vitórias em oito jogos para que ela retornasse ao top 200. Enquanto isso, grande parte das tenistas – incluindo 13 das 16 brasileiras do ranking da WTA – segue lutando em torneios de 15 mil nos quais a campeã leva míseros 12 pontos.

    Responder
    1. Alice

      Se você for olhar pra esse lado… realmente… é bem injusto. Mas se olharmos pra trás, ela batalhou e conseguiu chegar ao “topo” do tênis, está apenas colhendo os frutos…

      Responder
  74. Rafael Brasiliense

    O desempenho do Murray está ridículo. Desastroso. Nem o mais pessimista dos torcedores poderia esperar resultados tão pífios. Ele definitivamente não nasceu pra ser número um. O britânico simplesmente caiu nas oitavas do AO; na estréia de Indian Wells; pulou Miami; caiu na segunda rodada em Monte Carlo; segunda rodada em Madrid e agora cai na estréia de Roma, onde ele defendia o título. O escocês não conseguiu nenhuma campanha minimamente descente entre os 5 torneios que disputou. Seu melhor resultado nos grandes torneios foi apenas uma oitavas na Austrália, onde ele chegou à final no ano passado. O tênis apresentado até aqui sequer é digno de um top 10. Inclusive ele está em 11º no ranking da temporada, com apenas 1200 pontos conquistados entre os 7.250 disputados até então.

    Já existiu um número um tão desastroso e com resultados tão fajutos quanto o Murray, Dalcim?

    Responder
      1. Jose Yoh

        Na verdade quase metade dos que já foram número um não ficaram muito tempo, então…
        Não é fácil se manter no topo. Ainda mais antigamente onde os pisos eram tão diferentes.

        Responder
  75. Alice

    Já imaginaram se Novak, Federer e Nadal não tivessem jogado tênis? Eu fiz uma análise e “concluí” que Andy Murray teria:
    11 GS
    20 Masters
    62 Títulos
    646-124 (83,26%)
    Além de terminar 6 anos como número #1 do mundo e poderia ter feito algo próximo das 237 semanas consecutivas do Federer e teria também passado de 300 semana como líder…
    Mas o “se’ não existe né? Contudo ele teria uma carreira bem parecida em números com a do americano Pete Sampras, fico curiosa pra saber quem seria seu grande adversário? Seria Davi Ferrer?

    Tendo nada disto acontecidoo, pelo menos o escocês poderá dizer que desbancou seus maiores adversários no topo do ranking mundial!

    A ironia vai ser que muitos vão poder dizer que ganharam de um número #1 do mundo, já que o Murray tá liberando senha…rsrs

    Responder
  76. Fedal

    Depois que o jogo acabou o Djokovic escreveu na câmera “Amor Roma” e o Eusébio disse: “olha o Djokovic fazendo seu marketing…” KKKKKKKKKKKKKKKKK

    Responder
  77. Rodrigo S. Cruz

    Bom,

    Nem fico animado com o Gulbis entrando direto na chave de RG.

    Pois em 2017, ele não conseguiu furar um único quali sequer, de qualquer torneio que tenha tentado.

    Ele deve estar com algum problema físico crônico, somado à uma total falta de confiança…

    Responder
  78. Urameshi

    Dalcim, você poderia dizer qual a combinação de resultados que precisa acontecer para nadal ou djokovic serem número 1 ao final de wimbledon?
    Obrigado e parabéns pelo blog.

    Responder
  79. Beto Souza

    Dalcim o que tá acontecendo com o n1 do mundo? Talvez você possa explicar. Murray está com um tênis de top 200 pra cima! Simplesmente horrível!Hoje vou descordar de vc mestre não vi melhoras no jogo do escocês/britânico.
    Abraços!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, segundo suas próprias palavras, nem ele mesmo sabe. Então só podemos especular. Acho que o tal problema no cotovelo afetou sua confiança no forehand, que nunca foi seu grande golpe e agora está bisonho. Vimos em Barcelona e Madri ele ficar dando slice de forehand e tentar curtinhas malucas. O saque também caiu muito, e talvez também tenha a ver com o cotovelo. Então me parece que ele está completamente sem confiança e sem plano tático.

      Responder
    2. Eduardo Alves

      Acho que ele perdeu um pouco o foco depois de chegar ao numero 1 no final do ano passado. As lesões atrapalham também e a falta de confiança é consequência…

      Responder
  80. Marcelo

    Entendo o federer, para ele hoje , só vale a pena se tiver boas chances de ganhar o torneio. Duas semanas em Paris para acabar numa semi… melhor ficar treinando e chegar voando na grama…

    Responder
  81. Antonio Gabriel

    Dalcim, essa conversa de que o Agassi esta conversando com o Djoko para uma parceria procede ou é so especulação? Um abraço!

    Responder
  82. Cláudio Santos

    Fognini hoje estava com a macaca,não pense que os entendidos daqui acham que Andy Murray jogou mal no segundo set se Fognini não fecha o Andy derrubava ele no segundo e terceiro.Bem engraçado alguns falam o Federer deveria jogar Roma,depois RG.me desculpem mas só gente que não tenha um pouco de sabedoria em Torneios fala isto,e olha que falo de Publicidade tudo que envolve.O Federer é um mal caráter ele sabia desde que terminou os Masters Americanos que só jogaria temporada de Grama.e que fixação é essa de que ele vai ganhar WB?vou torcer para tomar pau e não passar da primeira semana.sinceramente.quem garante ai que o Espanhol irá ganhar RG.vocês precisam ter na mente que precisam falar dos jogos e não dos jogadores.tática,esquema de jogo ex;o Fognini hoje deu uma aula sacou bem forehand,backand,defendeu bem empurrou o Andy mais para tráz ainda e o Bedene vcs não falam nada dele fez um ótima partida.no Tb poderia ir melhor e quem sabe levar !Sharapova não sentiu nada ela sabia que não iria ganhar o WC e simulou gente vcs acham que tênis é uma mar de rosa.aprendem um pouco!abs!ps.Quadra lenta há há há saque a 220 por hora winners a 190 pqp!vcs ficam no sofá e quer saber vai lá assista ao vivo e veja se é lenta!

    Responder
  83. Fedal

    Caramba, que dia da Sharapova hein? Será que ela entrou em quadra sabendo que não iam dar o wild card para ela? Eu estou achando ela muito tensa jogando principalmente contra os tenistas que a criticaram. Naquele jogo contra a Bouchard claramente deu para notar no rosto dela.

    Responder
  84. Gilvan

    Dalcim, nao sou um grande fa desse tipo de afirmacao, mas ja podemos afirmar que Murray eh o pior numero 1 que ja vimos no tenis profissional?
    Nao digo em qualidade tecnica, mas em desempenho desde que tomou o topo do ranking.
    Sinceramente, nunca vi pior. A derrota de hoje para o Fognini, vulgo `barriga de lombriga`, eh a cereja no bolo de vergonha que ele vem preparando neste 2017. E ja estamos entrando em junho…

    Responder
  85. Alice

    É muito arrogância dessas garotas, estão aproveitando o momento pra detonar Sharapova de todos os lados….
    Mladenovic, repugnante​ em seu comentários e ainda fala da personalidade “triste” e “sem educação” da María, por simplesmente não ter amigas e não cumprimentar suas colegas de trabalho no dia a dia..
    E o que dizer da comparação absurda que Lucic-Baroni fez entre a russa e Lance Armstrong com relação a dar “Wild Card” pra quem foi pego no dopping…revirando os olhos…
    O pior de tudo isso nem são os críticos, porque esses sempre vão achar um motivo pra existir. E sim o momento de Sharapova que acabou de abandonar Roma por lesão na perna…

    Responder
    1. Helena

      Eu não entendo esse argumento de não cumprimentar as outras jogadoras. Quer dizer que se ela fosse mais simpática e amistosa, então estaria tudo perdoado? Sharapova foi suspensa por doping e é por isso que tem que ser julgada. Quanto aos torneios, me agrada que tenham a liberdade para decidir pelo convite, ao invés de ser algo imposto.

      Responder
      1. André Luiz

        Ela não usou como argumento. Apenas disse que não gostava da Sharapova porque a russa era mal educada a ponto de não dar nem ”bom dia” pra ninguém.

        Responder
  86. Pedro

    Volto a dizer, se antes não era doping, e de uma hora para outra virou, não há do que se falar em antes. Se teve punição e foi cumprida, não deveria haver resquícios de problemas. A afirmação feita pelo presidente da federação conclui que Sharapova foi trapaceira em toda a sua carreira e coloca em xeque todos os sus títulos. Ele disse “é minha responsabilidade proteger o jogo e ele ser disputado sem qualquer dúvidas sobre os resultados”. Não dá para entender de outra maneira, porque hoje, se fizer um exame anti-doping na Sharapova deve dar negativo, então ele está se referindo ao passado, e se ele faz referência ao passado, faz referência em toda a carreira da russa, já que ela afirmou que tomou a substância por 10 anos. No meu ponto de vista, não há meio termo, ou se dá convite ou não se dá. Volto a dizer, ou realmente se absolve ou então a baniria para sempre do tênis. Não concordo em dar convites para torneios medíocres e não para slams. Uma das principais favoritas ao título fora da competição. É engraçado, porque, se ela ganhasse RG, seria a redenção da mesma. Ela iria confirmar mostrando ao mundo que não precisava de nenhuma substância para vencer. E se perdesse, seria péssimo para ela, porque iria mostrar que ela precisava sim da substância. Acho que o presidente foi infeliz na decisão, e ficou com medo da Sharapova vencer.

    Responder
  87. Rodrigo S. Cruz

    Impressionante a atuação do Fognini hoje contra o Andy.

    31 winners contra apenas 12 do britânico.

    Que massacre!

    E uma partida com jogadas espetaculares, deixadinhas desconcertantes e foguetes na paralela.

    Em alguns momentos, o Fabio Fognini faz o tênis parecer fácil…

    Responder
  88. Nando

    Dalcim, me corrija se eu estiver errado, mas a partir de AGORA, Murray tem quase 10000 pontos a defender:

    ATP Finals 1,500
    Wimbledon 2,000
    RG 1,200
    US Open 360

    Masters 1000 Paris 1,000
    Masters 1000 Shanghai 1,000
    Masters 1000 Cincinnati 600
    Vienna 500
    Pequim 500
    Quenn’s 500

    Tá fácil a vida do escocês jogando essa bolinha?

    Responder
  89. Juninho Fonseca

    Absurdo o Federer não Jogar RG…..nem se não fosse p ganhar Poxa.. poderia somar pontos importantes q dariam a ele uma força no final do ano p chegar em 1 no ranking… agora fica muito difícil… ainda mais se o Nadal levar Roma e RG…… caramba viu…

    Responder
    1. Alice

      Parece que ele não tá nem aí pra o número #1, está querendo é GS, mas é aquilo né? Se você tem a chance porque não? Logo agora que ele realmente tem uma BAITA chance de voltar ao topo? Mas é ele que decide tudo né? Que arque com os “prejus” depois.. rsrs

      Responder
    2. André Luiz

      Mas quem disse que ele tem como um de seus objetivos terminar a temporada como número um do ranking? Por enquanto, esse é o desejo dos fãs. O suíço me parece mais preocupado com vencer grandes torneios quando puder.

      Responder
  90. Fernando Filho

    O Murray, assim como o Nadal, não nasceu para ser o cara a ser batido. Faz parte do mental deles… Tanto que o espanhol explicita essa condição jogando o favoritismo sempre para o adversário. A melhor coisa para o escocês é perder a liderança do ranking. Aí ele voltará à melhor forma.

    Sobre a Sharapova, acredito que quem perde mais é o torneio, que já não contava com a presença da Serena, e agora também ficou sem a russa. Mas não dá pra entender… Ela já cumpriu a sua pena. Vai continuar pagando pelo resto da carreira?!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Acredite parceiro, a culpa é da VOLTA da FRANÇA . Os Caras morrem de vergonha e não querem nem ouvir falar de Doping. Ao menos por um bom Tempo.Se agora fosse o USOPEN ela já entraria direto. Abs!

      Responder
      1. André Luiz

        É uma coisa totalmente sem lógica: por medo de alguém ser pego no doping vamos proibir não sei quem de jogar. Ora, ou se confia nos controles que existem ou não. Se não se confia, o problema não é só a Sharapova, qualquer um poderá burlar os exames.

        Responder
  91. Alice

    Depois que li o que o Federer disse em entrevista, entendi o porquê de ele pular toda temporada de saibro. Não é só uma questão de priorizar torneios que tem mais chances de ganhar, como Wimbledon. Visto que ele deixou bem claro que ainda quer jogar por um bom tempo o circuito! Só de pensar que ano que vem ele vai estar jogando com 37 anos e provavelmente no Top10, é assustador…rsrs
    E agora fica bem mais nítido que ele jogara um último RG, antes de se aposentar!

    Sinceramente, do jeito que ele fala…. é como se ele quisesse estar na próxima Olimpíadas! Quem sabe né?

    Responder
    1. Pedro

      Alice, para mim, o que dá a entender é que ele quer priorizar a campanha de grama e quadras rápidas, que, convenhamos, é bem diferente da do saibro, então, ao meu ver, ele está certo, está priorizando Wimbledon e US Open, ou seja, títulos de slams, em um ano em que Djokovic e Murray estão ruins. Ano que vem, as chances poderão não ser as mesmas. Já pensou se ele ganha Wimbledon e US Open? Iria para 20 slams, e aí ele estaria totalmente satisfeito com a quantidade, deixando para o ano que vem a sua aposentadoria. O que você acha?

      Responder
      1. Alice

        Você acha que o suíço se aposenta ano que vem?
        Se ele puder conquistar + 10 GS, não vai bobear…rsrs
        Se ele puder, joga até na próxima Olimpíadas numa boa..kkkk

        Responder
        1. Pedro

          Eu acho que sim, dependendo da campanha deste ano. Por exemplo, se ele ganhar Wilmbledon e US Open este ano (existe boa possibilidade), não haveria mais sentido algum em jogar tênis. Ele já estaria com grand slams suficientes para não ser alcançado, seu físico já estaria no limite, e ele sairia por cima, deixando a temporada do ano que vem apenas para despedida. Agora, se ele não ganhar nem Wimbledon e nem US Open, aí a coisa muda de figura, e ele poderá ficar mais alguns anos tentando grand slams.

          Responder
          1. Alice

            Exatamente, Pedro. Acho que ele quer prolongar sua longevidade no circuito para ganhar GS. Se acontecer de ele ganhar Wimbledon e Us Open, o que eu não acho impossível, só acho que terá que se programar muito bem, assim dependendo de uma “chave conforme”, não uma montanha russa de emoções em seus encontros…
            É uma boa perspectiva pensar que ano que vem seja sua temporada de despedidos, caso consiga chegar aos 20 GS nesse ano. Mas eu desconfio, penso que também pode não ser só uma questão de + GS, porque pode acontecer de ele não ganhar, o que aconteceu nos últimos anos…e veja ele finalmente voltou a ganhar na Austrália e agora está focado de Wimbledon. Lembra que antes todo mundo pedia e achava que ele estava em busca de um último GS? Mas depois do que foi apresentado nesse começo de ano… ti já está tão empolgado pensando no 20 …hahaha

    2. Thiago Prada

      Oi Alice!
      Gosto muito dos seus comentários, em alguns eu realmente me divirto, mas também gosto dos seus argumentos em outros!
      E que os deuses do tênis te ouçam! Se não me engano, o próprio Federer falou que gostaria de jogar até os 40 anos, o que significaria jogar mais uma Olimpíada lá no Japão (que certamente privilegiaria uma quadra bem rápida, eu acho), então, eu também entendo e concordo com a decisão dele.

      Responder
      1. Alice

        Obrigada, Thiago. Acho que tô recebendo “elogios” demais da conta..rsrs
        E sim, acho que o Federer está certíssimo ao ponto que ele quer aumentar sua longevidade no circuito e disputar nos pisos e torneios que ele sabe que pode bater qualquer um no cenário atual! ;)

        Responder
    3. Augusto Montenegro

      Se Federer tivesse jogado a temporada no saibro acredito que ele venceria masters 1000 ou RG. O momento agora é dele. Realmente, temos que tirar o chapéu, o cara com a idade que tem se reinventar no esporte e podendo chegar ao number one? É fogo.

      Responder
      1. Alice

        Nossa, Augusto. É de arrepiar os pelos do corpo a questão do Federer estar ainda “disputando” o topo do ranking…e olha que ele nem que né?
        Outrora não acho que ele levaria RG-2017. Já o masters no saibro, dependeria (ao meu ver) de quem ele pegasse na final e estamos vendo só um certo espanhol do outro lado, aliás jogando muito bem… rsrs

        Responder
    4. Mário Fagundes

      Federer, em certa ocasião, falou que gostaria de encerrar a carreira com 20 slans. Talvez seja esse o plano. E mais: O suíço é um cara muito família. Há uns anos declarou o desejo de seguir a carreira até que as filhas o vissem jogando. Quando isso aconteceu, vieram mais dois meninos… rsrsrs. Imagine os objetivos de 2017 sendo alcançados. O que o impedirá de seguir jogando até que os filhos menores também possam vê-lo? Acredito que esse cara, que sempre priorizou a longevidade no esporte, possa seguir jogando (e se divertindo) até os 40 anos mesmo. E aí, a olimpíada de 2020 se torna uma realidade. Por que não?

      Responder
  92. AKC

    A motivação do Murray é correr atrás de quem está na frente. Todos sabem que, quando adolescente, mudou pra Barcelona só porque soube que Nadal estava treinando forte lá. Desde que surgiu no circuito, aprontou contra os grandes e assim se consolidou como parte do Big4, mesmo com resultados inferiores. Nas partidas, sempre joga melhor quando pressionado. Sua maior arma é o contra golpe. Ano passado conseguiu superar o então insuperável Nole em um segundo semestre incrível. Mas assim que virou número 1, ficou perdido. Perdeu a referência. Não tem alguém pra se medir. Por isso tenho certeza que quando perder a liderança, vai voltar a jogar bem.

    Responder
  93. Nando

    Abre o olho Murray! Tem mto ponto pra defender a partir de agora…do jeito q está, perde o N1 antes do q pensávamos, a não ser q os outros vacilem mto tbm….ah se o Rei tivesse tentado jogar ao menos 1 dos masters no saibro e RG…ah se o Wawrinka não fosse tão relaxado…
    E o Lendl vai embora kkkkkkkkk cuidado!

    Responder
  94. Alice

    Roland Garros super “desfalcado”, já que juntos
    (Serena, Federer e Sharapova) somam mais de 60 GS!!!
    E outra, a última vez que um Grand Slam não contou com eles três juntos foi em 1997, ou seja, há duas décadas atrás (20 anos)…Surreal

    Responder
    1. Pedro

      Mas o Nadal vai, e só ele tem 9 títulos. E é o grande favorito. Thiem ainda não tem cacife para ganhá-lo, principalmente em jogo de 5 sets.

      Responder
    2. Fabio F

      Estimada Alice,
      1) Parabéns por ser uma das pouquíssimas mulheres que escrevem comentários no blog mais prestigiado do tênis brasileiro. E mais do que escrever, você sustenta seus argumentos com consistência, bom humor e elegância. Para poucos(as)!
      2) De onde você extrai tantas estatísticas?
      3) Qual é sua formação acadêmica?
      4) É verdade o que especulam você e o Lógico?
      5) …

      Grande abraço a todos! Nadal retornará ao número 1 com toda justiça, vai tentar descontar a diferença acumulada pelo Nole em termos de H2H e semanas na liderança. Briga boa!

      Responder
      1. Alice

        Fábio, antes de mais nada, obrigada! Eu tenho manter a postura, mas com muitos “engraçadinhos” aqui no blog, fica um pouco difícil…hehe
        Minhas fontes são normais, eu leio posts e blogs que possuem informações a respeito, quando alguma estatística é muito específica ou anual, eu busco na ATP. Porém na maioria das vezes recorro ao Wikipedia estrangeiro, já que lá é bem vasto e detalhado, algumas vezes eu mesma produzo algumas com base em alguns resultados já existentes. Aliás eu amo números, estatísticas e pesquisas que as envolvem… Poderia ser uma estatística né? Quem sabe uma cientista de dados?
        Sobre eu e o Lógico, são apenas boatos… rsrs

        Responder
          1. Alice

            Pois é, Mário. Não​ sei o que aconteceu aqui no blog nessa semana, pois estou recebendo uma chuva de elogios e olha que tem uns críticos ferrenhos meus aqui no blog, já fui duramente criticada aqui….hehe

        1. Fabio F

          Ignore os engraçadinhos, são apenas meninos carentes… tudo que eles desejam é atenção… rs
          Não respondeu sobre sua formação acadêmica, mas já sei que não é estatística. Como bom engenheiro, eu também adoro números, embora saiba que eles às vezes não revelem a verdade integral…
          Contudo, sem eles (os números), não teríamos metade da empolgação, das polêmicas e dos debates interessantes do blog! rsrs

          Responder
          1. Alice

            Lógico que o diga! é muita carência depois de não ter o amor correspondido pelo touro Miura…

            Sem números pra mim não se tem um bom argumento…hehe

            Contra fatos (números) não se discute, sãos eles que vão ficar na história…

        2. Miguel BsB

          Aeee Alice, vou aproveitar a deixa e tb “encher a sua bola”…rs gosto muito das suas participações por aqui e, principalmente, sua finesse em responder as provocações do lógico, outro que me diverte muito por aqui. Abs!

          Responder
        3. Gabi

          Alice, li teu comentário e me lembrei de um artigo que li sobre o chileno Cesar Hidalgo, um dos mais importantes cientistas latino-americanos em atividade e um dos mais conhecidos professores do MIT.

          Se fosse há 20 anos, muita gente descreveria seu trabalho como “epistemologia”, ou seja, a ciência que estuda a própria ciência. No entanto, como vivemos na era da internet e palavrões como esse são cada vez mais raros, sua especialidade é usualmente descrita como “data visualization” (visualização de dados).

          Em suma, ele transforma imensos arquivos do conhecimento humano (especialmente dados científicos) em gráficos interativos e acessíveis, que permitem que até um leigo compreenda as informações só de bater o olho. Para fazer isso, obviamente, ele precisa ter um conhecimento profundo
          dos dados com que trabalha, e da própria ciência de modo geral.

          César lançou um seriado sobre sua própria vida de cientista, chamado “In My Shoes” (algo como “No meu lugar”). São oito episódios, de cerca de 18 minutos cada um. Eles não estão no Netflix (deveriam estar!), mas podem ser assistidos gratuitamente on-line (inmyshoes.info).

          Junto com a tua carreira de tenista, quem sabe nao segue essa tb?

          rsrs

          Responder
          1. Alice

            Gabi, que comentário foi esse? Uma chuva de informações.. hehehe – Muito interessante, vou procurar assistir esse seriado. Acho tão mágico quando você pesquisa em tantas fontes, adquire tantos resultados e pega esses dados, números, informações bem vastas e as vezes complexas e torna elas em algo resumido, prático e acessível! Pelo visto, está também por dentro dos meus grandes planos… :P

  95. Ricardo - DF

    Caros,

    Esclarecendo. É óbvio, ÓBVIO, que Pepe Imaz, alias José Pepe Imaz Ruiz NADAL (ele omite o último sobrenome por motivos evidentes) foi infiltrado na equipe do Djoko pelo tio Nadal para acabar com o mental do sérvio. Veio com aquela lenga lenga de paz y amor, relaxamento, mentalização, focalização, ultrapassar os limites do racional, etc. etc. e, de fato, acabou com o Djoko. No tempo da divisão Panzer, o sérvio arregalava os olhos, olhava para o adversário como um predador encara a presa, e acabava com ele. Agora, o “comedor de fígado” virou o Djokinho paz y amor… Não encara o adversário, mas envia-lhe boas vibrações, para que faça uma boa partida. Relaxa e se maravilha com os matizes daquela bolinha amarela que sobe, desce, e passa… oops, era para rebater ? Enfim, num dia tão lindo, ouvindo o pipoqueiro na platéia, o gorjear dos pequerruchos no colo de suas mamães, a brisa que passa – junto com outra bola – pelo rosto, por que se preocupar ? A vida é bela! Que linda trama de fios translúcidos em minhas mãos! Oops, quase essa bola amarela acerta os fios, cuidado!
    Guru espanhol…. sei!

    Responder
    1. Luiz Fernando

      KKKKKKKKKKKKKKKK, o q que eu falei q apareceria algum blogueiro “sensato” p expor essa teoria “sensata”, como eu me divirto nesse espaço, obrigado Dalcim kkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!

      Responder
    2. Mário Fagundes

      Hahahahahahahahahaha! O blog certamente precisa de comentários assim. A turma de terno e gravata é muito chata. Hahahahaha! Esse guru “espanhol”… hahahahaha! Agora falando sério… Cara, eu também senti falta daqueles olhos arregalados do Djoko na hora de receber o saque. Era uma da marca do “comedor de fígado”.

      Responder
    3. Willian Lopes

      hahahahahahahahahaha
      comentário super sensato e ilário, vc resumiu toda a verdade sobre o que está acontecendo com o Novak…
      Lembrando que Boris Becker deixou o cargo de técnico do sérvio especialmente por causa desse tal “guru”.

      Responder
  96. Hugo

    Dalcim,

    Vc acha que daqui a uns 10-15 anos,vamos assistir aos torneio e quando o Fognini aparecer na tela o comentarista vai falar:”Habilidozíssimo,capaz de jogadas geniais,mas nunca ganhou nada grande”.Ou é muito cedo pra afirmar isso?
    Sobre o Gulbis,já deu o que tinha que dar ou ainda pode causar algum burburinho no circuito?
    Abraço.

    Responder
  97. Rubens Leme

    Se Ivan Lendl não ajudar logo o Murray e colocar todos os fantasminhas novamente no calabouço do castelo McMurray, o escocês perigas nem chegar ao Finals.

    E eu continuo achando que a ótima fase de Nadal contribuiu para Federer não jogar no saibro. Ele está bem, venceu seu maior rival quatro vezes seguida e não precisa de uma derrota e começar na grama chateado.

    E Roger terá ótimas chances do oitavo título em Londres se Andy continuar pifando e o Pepe nada Legal continuar a aporrinhar Djokovic com o seu “faça amor, não faça winners”.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa, Leme. Federer nem caindo pelas tabelas em 2013 deixou de comparecer a Torneio algum por causa de Nadal . Apanhou muito do Espanhol e de desconhecidos. Parece uma neura. O Cara perto dos 36 bate Rafa em 3 Finais consecutivas e vai se importar com o Espanhol ? Somente Rafa e BORG ( 9 e 6 ) respactivamente , fizeram mais FINAIS em ROLANGA ( na Era Profissional ) do que as CINCO do Craque Suíço. Nem grandes Saibristas como Vilas, Lendl, Wilander e agora Novak conseguiram. Ou bate as Sete conquistas que divide na Grama Sagrada com Pistol Pete Sampras agora, ou um abraço. Abs!

      Responder
      1. Rubens Leme

        Como você pode ter certeza disso? Federer disse em coletiva que essa não é a razão, claro, mas tirando 2009 nunca foi uma grande que lhe deu grandes alegrias, pelo contrário, sua pior derrota em uma final aconteceu lá (208, 6-1, 6-3 e 6-0).

        Há o problema que o Dalcim disse que a grama dá pouco ritmo e dele poder encontrar um Karlovic da vida e dar adeus cedo, mas acho que ele prefere este risco do que um sexto vice campeonato, o que faria dele o homem que mais perdeu finais em RG.

        Parece que ele quer jogar apenas em quadras onde realmente se sinta como grande favorito. Apesar de ótimo no saibro, nunca foi páreo para o Nadal, então, aos 36 anos vai jogar apenas onde e quando quiser.

        É o direito dele e, tivesse um décimo do talento, faria o mesmo.

        Responder
      2. Mário Fagundes

        Exatamente! Federer, com as costas detonadas, levou umas 4 surras de Nadal em 2013. Por que iria fugir agora estando bem fisicamente? Noto que o pessoal tá chateado mesmo com Federer.

        Responder
    2. Augusto Montenegro

      “faça amor, não faça winners”. Kkkkkkkkkkk

      Muito bom.

      Djokovic precisa ” curtir ” o momento em quadra. Claramente jogando para cumprir tabela hoje. Acredito que eu e os amantes do ténis desejaríamos vê-lo descontraído – como uma partida em Monte Carlo. Esse é o caminho ! Ele está tão cego, viajando na maionese que não percebe isso.

      Responder
  98. Rodrigo S. Cruz

    SÉRGIO RIBEIRO
    14 de maio de 2017 às 11:59
    “Fognini perdeu para o Rei do Saibro em Sets diretos numa estreia pouco inspirada do Espanhol. E vai perder dentro de CASA para o N 1. Mesmo jogando na sua Praia. A conferir. abs!”.

    Tem jeito, não…

    O Mestre dos Magos não acerta uma!

    Kkkkk

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Já deu uma olhadinha no Post anterior , e também no horário. Vai . Não custa nada. Acredito que a nossa grande Alice também não leu. ABS!

      Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Pois e’ Dalcim. Depois de você Postar a possibilidade do Suíço ser surpreendido por um Grande Sacador na Grama, a pergunta que cabe. É mais fácil para alguém que fique a metros da linha de base ( dando todos os ângulos para o Sacador ) a lá Rafa Nadal ou quem tem o recurso do bloqueio na Subida com muito Punho? Nos últimos cinco anos a Campanha de ambos em Wimbledon : Rafa 2012: 2 R ; 2013 : 1R; 2014 : 4 R ; 2015: 2 R ; 2016 : A . Roger 2012 : V ; 2013 : 2 R ; 2014 : F ; 2015 : Semi . Para o amigo , quem teria mais chances de ser surprrendido por um Kyrgios jogando com seriedade ou em forma ? Abs !

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Na teoria, Nadal teria mais problemas com o Kyrgios do que o Federer, mas nem é por causa do saque do australiano mas por conta de seu próprio saque.

        2. Sérgio Ribeiro

          Pensei que a amiga le-se TODOS os comments. A minha previsao foi que Thiem nao teria chances contra Rafa Nadal na Final jogando com o Espanhol bem atras da linha de base ( somente o Espanhol consegue ) . Ao contrario do que vem fazendo o Italiano. Abs !

          Responder
          1. Alice

            Ler todos os comentários eu tento né…Agora gravar tudo o que foi dito…rsrs

            Enfim, vou fingir que bem li esse comentário…

Deixe uma resposta para Castilho Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>