Tênis cabeça
Por José Nilton Dalcim
10 de maio de 2017 às 18:55

Novak Djokovic e Rafael Nadal não fizeram as melhores exibições que poderiam sobre o saibro rápido de Madri, mas passaram para a terceira rodada com uma arma muito poderosa: a cabeça.

E isso me parece particularmente importante no caso de Nole. Afinal, a maioria acredita que sua queda de produção tem muito a ver com questões emocionais. Ao ver Nicolás Almagro marcar 3/0 no terceiro set, criou-se uma excelente oportunidade de ver como andava o mental do sérvio, ainda mais agora que demitiu toda sua equipe técnica.

Djoko foi muito bem. Jamais perdeu a calma, não deu escândalo, ficou no jogo à espera de oportunidade. Lutou e criou a virada, diante de um espanhol que estava então muito afiado. Almagro é um mestre em perder jogos que estão na mão, ao melhor estilo Bellucci, e o sérvio tomou a atitude correta: não deu ponto de graça, obrigou o adversário a arriscar.

Abriu caminho assim para a semifinal. Terá é claro que tomar cuidado com o entusiasmo do madrilenho Feliciano López – de quem só perdeu uma vez em nove duelos, ainda assim por abandono – e então enfrentar Kei Nishikori ou David Ferrer. É um excelente quadro para quem precisa reagir na temporada.

A cabeça também foi o diferencial entre Nadal e Fabio Fognini. O italiano entrou determinado a agredir. Deixou escapar o primeiro set, venceu o segundo e aproveitou os altos e baixos do espanhol para endurecer o terceiro até o finzinho. Rafa não jogou mil maravilhas e falhou principalmente com o saque, a ponto de perder cinco serviços.

Não poderá vacilar na mesma proporção diante de Nick Kyrgios, que até aqui passeou na quadra e nem parece ter ficado tantas semanas sem competir. A bola anda muito na altitude de Madri e o australiano vai apostar tudo no seu poderoso saque. Quem passar poderá escolher entre o jogo de risco de Milos Raonic ou a regularide de David Goffin. Aliás, gostei dos dois jogos do belga no torneio. Parece que ele assimilou enfim o top 10.

O destaque até aqui para mim é Alexander Zverev. Ele não brilhou em Monte Carlo e Barcelona, mas faturou Munique na semana passada e agora em Madri já tirou os experientes Fernando Verdasco e Marin Cilic. Tem uma chance real contra Tomas Berdych e isso poderá abrir lugar na semi, já que Stan Wawrinka fez o favor de perder para Benoit Paire com atuação lastimável e o francês cruzará com Pablo Cuevas.

O primeiro dos quadrantes promete jogos também empolgantes. Andy Murray pega Borna Coric, que não é de atacar, enquanto Dominic Thiem e Grigor Dimitrov fazem duelo inédito no saibro. Será que teremos a reedição de Murray x Thiem? O austríaco bem que ficaria feliz.

E como não custa sonhar, que tal as quartas de Madri com Coric, Thiem, Dimitrov, Zverev, Goffin e Kyrgios? Vale observar que todos eles, à exceção de Coric, estão agora firmes no top 20 do ranking.


Comentários
  1. Sérgio Ribeiro

    Graças a rapidez do Saibro em Madri, tome de jogacos. Grigor que seria presa fácil no lamaçal , levou Dominic a ter que salvar 4 Match Points, num Tie-Break Espetacular. O Superestimado deixa Cilic para trás e segue firme no TOP 10. Até Feliciano fez o N 2 vibrar muito com a Vitória com seu Saque- Voleio. Venceu de novo na manha merecidamente. Narck poderia ser mais contundente ao comentar as péssimas condições de Kyrgios. Rafa Nadal não tem nada com isso e mostrou que é candidato ( Goffin deve dar trabalho ) . Andy sorria ironicamente depois da ridícula exibição . Seria uma hiena ? Lembrando que o Samurai já fez Final em Madri…Abs!

    Responder
    1. Carlos Emerson

      Goffin dá trabalha para Rafa bem só se for no sentindo de entrar em quadra eu digo e repito Rafa irá jogar bem para na cabeça dele tentar apagar aquele episódio do ultímo jogo que para mim foi normal,para ele talvez não. entendido então Goffin dará trabalho e como vc sinaliza ele vai ganhar do Touro ok vamos ver?

      Responder
  2. Mário Fagundes

    E Kyrgios, você é um palhaço! Perder meu precioso tempo para vê-lo jogar de novo, somente quando o adversário for Roger Federer.

    Responder
  3. Mário Fagundes

    Dalcim, vi em algum lugar que, num hipotético jogo entre as versões Nadal 2006 e Nadal 2017, você apostou num triplo 6/3 para Nadal 2006, ainda que esta fosse a versão de um jogador em formação física técnica e mental. Sua aposta se deve somente pela queda do sempre privilegiado físico do espanhol? E quanto a Federer que, diferentemente de Nadal, agregou novos elementos a seu jogo ao longo da carreira, qual seria sua aposta para o mesmo encontro de versões?

    Responder
      1. Eduardo Moura Lima

        Contra o Nadal de 2008 eu concordo com o palpite do Dalcim, porque naquele ano, ele beirou a perfeição no saibro, tanto técnica, quanto tática e fisicamente. Mas contra o de 2006, em q Nadal tinha apenas 19, 20 anos e em seu segundo ano de alto nível, não sei se o de 2017 perderia não. Se perdesse, não seria tão fácil assim. Afinal, ao contrário do comentário acima, entre os anos de 2005 e 2010 o Nadal acrescentou diversas melhoras em seu jogo, mais até que o próprio Federer no mesmo período, como o incrível melhora no voleio, um backhand mais firme nas quadras rápidas, maior agressividade (principalmente em 2010 e 2013) e saque mais veloz. Não é a toa que ele conseguiu ser campeão de Wimbledon (2x), o que até então a maioria dos especialistas duvidavam até ele chegar a sua primeira final em 2006.

        Abraço

        Responder
  4. Rafael Wüthrich

    Com outros afazeres não vi nada a não ser o final do Djokovic, que foi bem mais consistente hoje. Pelo que li do Nadal, oscilou, mas foi consistente no fundo, contou com um tempo úmido e quadra mais lenta e também um Kyrgios que estava sentindo o quadril no 2o set. Desconfio que, dada a fase dos adversários, Nadal vai vencer todos os torneios de saibro este ano. Simplesmente não tem ninguém, nenhum tenista que sequer rele nele.

    Murray foi outra vez uma lástima. Sem comentários. Ao que parece, nem Lendl tem dado as caras. Djokovic seria uma aposta, mas não está confiável ao ponto de desafiar o espanhol. Os demais tem muitos altos e baixos – mesmo Thiem sofreu uma barbaridade hoje. Zverev não é confiável no saibro. Se outro tenista que não seja Nadal vencer qualquer dos eventos de saibro até Wimbledon ficarei muito surpreso.

    Responder
  5. Rodrigo S. Cruz

    Ah, claro.

    Eu já ia esquecendo.

    Foi duro acompanhar a transmissão e a paixão quase homossexual daquele Narck Rodriguês pelo espanhol…

    No começo, antes do Nick desistir do jogo, ele acertou um foguete de forehand na paralela. Uma bola espetacular.

    O Eusébio teceu elogios, ao passo que a Nadalete comentou isto:

    ” É. Ele é imprevisível. Tanto pode jogar o melhor ponto da partida, como também o pior ponto…”

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Pois é… Nadal apenas treinou hoje. Assim não foi preciso ele torcer pro espanhol como, descaradamente, costuma fazer. Mas amanhã…

      Responder
  6. Mario Cesar Rodrigues

    Como pode jogar tanto tênis assim,realmente o Australiano não tinha como nem fazer frente a Rafa.Falei que ontem contra o Italiano Rafa não jogou seu melhor.e tinha na cabeça o que teria que fazer hoje o Australiano é perigoso.Mas Rafa estando assim não tem nada que amedronte ele.e o Goffin vai ser atropelado amanhã!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Meu Caríssimo, MC. Depois você e seu Sócio na farmácia dizem que eu e’ que sou arrogante rs . Se liga, parceiro. Goffin deve dar muito trabalho. Rafa Nadal não teve culpa se Kyrgios não entrou em quadra . Abs!

      Responder
  7. Rodrigo S. Cruz

    E o Kyrgios teve mais um daqueles dias de “aborrescente” pentelho.

    Descaso e desmazelo seu com a partida, resultou num MASSACRE.

    E não dava pra ser diferente.

    Nick cravou menos aces, ganhou apenas 32% dos pontos com o 2° saque, e até nos “winners”, estatística em que Nadal historicamente se mostra medíocre, o australiano foi superado com relativa folga…

    Uma mixórdia!

    A boa notícia é que o Goffin reencontra o espanhol e tentará uma revanche.

    Favoritismo todo do Careca, óbvio… Mas ainda assim, promessa de um bom jogo.

    Responder
  8. Fabio F

    Kyrgios não deu nem para aquecer o Nadal. Nem teve graça. Parece mesmo que o tourinho vai dominar a temporada, pelo menos no primeiro semestre.

    Responder
  9. Mário Fagundes

    O que poderia ter sido um grande jogo, não passou de mais um treino de luxo de Nadal. Esses moleques da nova geração decepcionam quando enfrentam Nadal no saibro. Mas quero acreditar que Kyrgios estava com algum problema, pois a leitura corporal do australiano acusava algum desconforto físico ou certo desânimo. Ele até jogou algo no primeiro set, quando devolveu a quebra sofrida no game anterior. Muito errático em todo a partida, simplesmente entregou o segundo set. Uma vergonha!

    Responder
  10. Luiz Fernando

    Imagino a cara daqueles bobos de sempre q apostavam no Kyrgios hj, aguardo ansioso seus comentários abalizados e desapaixonados kkk!!! Nem eu imaginava um atropelamento como o q vi no segundo set, pois o primeiro não tive chance. Rafa mudava da cruzada do FH p a paralela do BH com a maior facilidade e precisão, com winners seguidos, como ha muito eu não via. Ele sinceramente me surpreendeu, pois pelo jg ruim e longo de ontem eu imaginava outra partida complicada, arrastada, mas ele jogou muito, ao menos nesse set, q por pouco não venceu com pneu. O tempo exagerado ontem em quadra foi compensado pela uma horinha do jg de hj. Se deixarem o cara embalar vai ser difícil segurar. Vamos pra quartas.

    Responder
    1. beto

      Bom, como você não viu o primeiro set, basta dizer que, com 3 games, Kyrgios já havia sentido dores no quadril e desistido do jogo. Ficou brincando com o Nadal, dando curtinhas como se estivesse numa partida de exibição. No segundo set, permaneceu em quadra para “cumprir tabela”, tomou vaias da torcida pelo que foi tomado como “má vontade explícita”. O que seria um grande jogo transformou-se num treino. Resta-nos ouvir a declaração de Kyrgios (se não alegar contusão, terá escrito mais um capítulo desonroso em sua biografia esportiva)…

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      O Kyrgios, simplesmente não jogou nada.

      Mas se vc gosta de comentários abalizados, comece nos explicando porque ironizou o Wawrinka que perdeu de um rival difícil (Paire) e não falou uma só vírgula do VEXAME protagonizado por Murray no dia de hoje…

      Já sei.

      Só vale rir dos que não praticam o tênis feioso de correria, ao estilo do Conan…

      Responder
  11. Luiz Fernando

    Dalcim, Thiem acaba de vencer Dimitrov num jg prolongado e equilibrado, que parecia nas mãos do bulgaro, q tinha 41 no terceiro set. Rafa e Kyrgios jogam agora. Me parece q o austríaco é o maior candidato a emplacar uma vaga na final do seu lado da chave. No outro, Djoko me parece mais apto a ir a final, embora nunca se possa descartar Rafa ou mesmo Kyrgios, se este vencer o espanhol; Nishikori seria uma surpresa imensa, Goffin seria uma ainda maior. Por fim, creio q qualquer um deste lado da chave seria naturalmente favorito contra Thiem. Sua visão seria a mesma?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Thiem só teria favoritismo natural contra Kyrgios, embora eu veja boas chances contra o Nishikori. Como a lógica diz que Djokovic ou Nadal estarão lá, então acho que Thiem pode estar diante de um momento incrível para dar um salto na carreira.

      Responder
  12. Thiago Prada

    Alguém mais notou que o Coric assinou a tela com a esquerda? Ele é ambidestro também? Nesse caso, é curioso que tenha optado por jogar com a direita, sendo que teria mais vantagens em jogar com a canhota..e que vitória!
    Definitivamente, o Murray demonstra que, passar de caçador para a caça, não é uma posição confortável para ninguém, muito menos para ele, pois desde que assumiu o primeiro posto, vem jogando muito abaixo.
    Em certa medida, acho que essa exigência também pesou para Dojokovic, e os fatores extra quadra contribuíram para piorar a situação na qual ele adentrou. Penso também que, do ponto de vista psicológico, o guru trouxe mais mazelas do que benefícios – a personalidade do Djoko sempre foi intensa, de “briga”, e a pacificação do seu jeito de ser é contrária ao que exige a competividade e a sua maneira de lidar com ela naturalmente.
    Neste cenário, ouso dizer que tanto Federer como Nadal poderão disputar os dois primeiros postos durante o segundo semestre. A ver! Minha torcida, é claro, permanece sempre com Federer.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bem observado, Thiago. Sim, Coric é naturalmente canhoto, escreve com a mão esquerda, e seria mesmo um Nadal ao contrário.

      Responder
      1. Thiago Prada

        Estou usando todos os meus parcos neurônios para conseguir entender algo tão sui generis assim! Eu só vejo vantagens para um canhoto continuar sendo canhoto ao jogar tênis (como ocorre a vantagem em outros esportes), realmente não consigo compreender o motivo pelo qual ele jogaria com a direita. Talvez alguma limitação no braço esquerdo para usar o forehand? Mas isso impactaria ao usar o backhand também…realmente curioso!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Só ele poderá responder, mas pode ter algo com família, pressão para ser destro na infância… Ou, como foi em parte com Nadal, o fato de um lado gerar mais potência do que o outro.

          Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Thiago, só discordo do ponto que essa exigência – desfrutar o posto de #1 (falando de Murray) – pesou também para Djokovic. O sérvio depois que assumiu esse posto, ficou ainda mais vitorioso. Exceto apenas no período que dura de RG 16 até anteontem (é o que espero), rsss.

      Responder
    3. Chileno

      Rapaz… eu sou ambidestro também como o Coric (ainda tenho a característica bizarra de ser canhoto da mão e destro da perna), e no meu caso, não foi exatamente “uma escolha” jogar tênis com a direita. Eu faço a maior parte das coisas que exigem precisão com a mão esquerda, como escrever e desenhar, mas as que exigem força, por algum motivo estranho, eu tenho mais facilidade com a direita, como jogar tênis ou tocar baixo. Enfim… por algum motivo, quando eu fui aprender a jogar tênis (já adulto) eu me senti muito mais confortável em empunhar a raquete com a direita, e acabei aprendendo a jogar como um destro. Talvez, eu me adaptasse bem a jogar com a esquerda se eu tentasse, assim como sinto que se tivesse treinado um pouco provavelmente conseguiria escrever bem com a direita.

      Bom… o resumo da ópera é: ao menos no meu caso, não é tanto uma escolha. Sou ambidestro, mas algumas coisas eu tenho mais aptidão a fazer com a esquerda, e outras com a direita, embora eu tenha a sensação que com treino eu poderia me adaptar e “inverter” as aptidões. Pode ser que tenha sido o caso do Coric. Numa dessas ele tem mais facilidade em escrever com a esquerda e jogar com a direita, e não teve a preocupação de tentar forçar uma mudança quando estava aprendendo, como eu.

      Responder
  13. André

    Dalcim, na sua última frase, não dá para colocar Thiem e Dimitrov nas quartas, pois eles se enfrentam, não!? Coric, Zverev e Gofin já fizeram a parte deles!! só resta o Kyrios…

    Responder
  14. Fabio F

    Murray mais uma vez mostrou um jogo mediano e inconsistente. Não vejo muito futuro para ele em Paris, a menos que haja uma reviravolta improvável. Parece certo que teremos um outro membro do Big 4 no topo no segundo semestre. Apostas, Dalcim?

    Responder
  15. Sônia

    Gosto de ambos mas Thiem, me perdoe, torcendo muuuuuito para o Dimi. Agora, que torcidinha hein? Parecida com a espanhola, lamentável. Beijos.

    Responder
  16. RONALDO J J MENDONÇA!!!!

    Boa tarde senhoras e senhores!!!!
    .
    Acabei de chegar em casa para o almoço e já estou assistindo Dimitrov X Thiem.
    .
    O jogo está bom, e o Búlgaro está firme nesse torneio.
    .
    Não tem jeito, quando Federer aposentar, vou torcer para o Dimitrov embalar, e com isso não deixar o tênis arte acabar.
    .
    Só falta um pouco mais de determinação a ele!!!!

    Responder
  17. Luiz Fernando

    E o Murray hein, a grosso modo está havendo com ele algo semelhante ao ocorrido com a Muguruza, ambos simplesmente não conseguiram deixar o papel de coadjuvantes e assumir o de protagonistas.

    Responder
  18. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, você já viu uma temporada com tantos ex-top 10 em franca decadência como essa? Ferrer, Berdych, Monfils, Gasquet, Isner, Simon, Anderson. Sem contar Robredo, Haas, Youzhny, Almagro, que já vêm nessa toada há muito tempo. Os caras estão, literalmente, perdendo todas. Acho que o Ferrer tá até saindo do top 40. Abs.

    Responder
    1. Maurício Fonseca

      Ferrer não dá mais mesmo…. Jogo baseado em correria, fará 35 esse ano, aí a queda nem é progressiva, às vezes de um ano para o outro a casa cai de vez….

      Responder
  19. Nando

    E Murray termina sua participação em Madri…acho q o N1 não lhe fez bem, logo perderá a ponta, do jeito q está jogando e perdendo.

    18 (7-5-5-1)
    302, sendo 237 seguidas
    6

    Esse são os números q importam.

    Responder
  20. Rubens Leme

    É uma tortura ver o Murray jogar. O staff dele deveria receber adicional de insalubridade. Acho que é por esse motivo que o Dalcim só comenta os jogos do Nadal e Djokovic pro UOL, neste M1000..

    Eita número 1 mais chato.

    Responder
  21. Rodrigo Azevedo Almeida

    Dalcim, pergunta: Quando o Murray vai jogar como um autêntico número 1??? Está difícil a coisa, eita fardo pesado este para ele.

    Responder
  22. sandra

    Porque tem tanta choradeira dos jogadores entre saibro ,piso duro e grama,
    Como que um jogador com Federer reclama do saibro? (ele Já ganhou em todos os pisos), Como que um jogador como Nadal, reclama de todos os pisos(exceto saibro) Ele já ganhou tambem em todos pisos.
    Grata
    Sandra

    Responder
  23. Robson

    Atenção senhores organizadores dos grandes eventos do tênis,querem ver e ter SHOW? Querem ver e ter ESPETÁCULO?
    Simples,coloquem Novak pra jogar a noite ou dia mesmo,mas com as quadras cobertas onde as tem cobertura.
    Está definitivamente desvendado o motivo dos altos e baixos de Novak em alguns jogos,Novak não consegue lidar com: ventanias,sol forte,tenistas sacando a todo tempo acima dos 220 Km, impressionante,mas é a mais completa e pura verdade.
    Com o tênis de hj contra F.Lopes,Novak vence qualquer um.

    Responder
      1. Alice

        Sacanagem? Que nada, é falta de noção e respeito a integridade do tenista mesmo! Coisas de crianças ou pessoas que acreditam em teorias da conspiração, porque contra fatos, não há argumentos. E quando não se tem argumentos, sobra a sofrível personalidade do ser humano…

        Responder
  24. Djokovista

    Vamos torcer para Novak voltar ao topo do ranking o mais rápido possível. Depois de tanto progresso no esporte com o sérvio no topo, seria um retrocesso a volta do frango ao topo.

    Responder
    1. Fernando Filho

      “Vamos torcer” kkkkkkkkkkkkk
      Se bem que eu sou eternamente grato ao Djokão da massa por impedir que o tênis fosse ainda mais maculado com mais títulos do bezerro espanhol.
      #ValeuDjokão

      Responder
  25. Sônia

    Dalcim, “estava” desejando mais um Dodal (com vitória do sérvio, óbvio), mas quando vi o guru espanhol… melhor que isso não ocorra. Que dó do Nolindo, não merecia essa “armadilha”. Pensei que o sérvio fosse mais espertinho, realmente infância é tudo (Freud tem razão). Esse sérvio é carente “por demais”, tadinho. Bom, na torcida por melhoras. AJDE NOLE! Beijos.

    Responder
  26. Rubens Leme

    Dalcim, Raonic é forte candidato a deixar o top 10 após Wimbledon, onde defende 1200 pontos pelo vice do ano passado.

    Seu jogou involuiu, se mexe pouco e nem o saque tem sido mais tão forte. E Goffin vai se mostrando cada vez mais consistente.

    Responder
  27. Jeremias

    Quanto a djokovic é uma pena que ele não esteja apto mentalmente a tirar proveito de um ponto do seu jogo que melhorou barbaridade: o seu voleio. Mas sem uma reorganização geral ele não tem como fazer disso uma arma nova e constantemente ameaçadora. Parece que ele saiu do prumo e nem sequer consegue assimilar o básico do básico sobre o tênis, que é o fato de este ser um esporte que força o praticante a conviver com o erro durante boa parte do tempo. Ele vem demonstrando uma intolerância tanto a seus erros quanto aos acertos mais inesperados do seus adversários que o desqualifica de partida a uma campanha vitoriosa de 15 dias…

    Responder
  28. Gabi

    Dalcim, vc é um dos melhores jornalistas do país por muitos motivos, sendo um deles a credibilidade.
    Em um post vc comentou que antes de publicar qualquer coisa faz a checagem dos fatos.
    Ontem me lembrei de vc ao ler a seguinte notícia: A Associação Nacional de Jornais (ANJ) e o Centro Knight para o Jornalismo nas Américas promovem um curso on-line gratuito sobre checagem de fatos, que acontecerá entre os dias 5 de junho e 2 de julho.
    Segue o link, caso vc tenha interesse: http://journalismcourses.org/FC0517.html

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nossa, nenhuma dificuldade para se quebrar saque. Veja os jogos do Djokovic, do Nadal… Até o Karlovic perdeu vários ontem.

      Responder
  29. Mário Fagundes

    Nadal venceu Fognini num jogo de 3 horas de duração. Hoje é mais um dia de “superação” para o touro, porque terá de correr muito pra aguentar a pancadaria de Kyrgios. Mas isso nunca foi problema para ele, que tem “físico privilegiado”, conquistado com muita “musculação”, segundo Alice. rsrsrsrsrs.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Que engraçado, nunca li vc postando ironias sobre um outro jogador veterano, de 35 anos, que também tem vivido momentos de “superação” e q antes não tinha “físico privilegiado” e agora corre muito mais do q antes…

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Não tem comparação.

        O Federer ficou 6 meses parado, e selecionou alguns poucos torneios pra jogar.

        E depois de Miami, novamente, ficou várias semanas parado.

        O Nadal está ativo, quase toda semana…

        Responder
      2. Mário Fagundes

        De fato, caro LF, mas ironia também faz parte da vida, não é mesmo? rsrsrs. E sou mesmo um dos que desconfiam do “físico privilegiado” de seu ídolo e detesto as historinhas que ele sempre inventa pra justificar iminentes derrotas. Um post sobre frases para serem pensadas foi feito aqui. Sugiro ao Dalcim que faça um post somente das pérolas que Nadal proferiu nesses anos de “superação”. Aliás, conclamo os comentaristas do blog nesse sentido. É diversão garantida! rsrs. Enquanto isso, Federer, beirando os 36 anos, está recuperando o corpo, com muito descanso. Ele merece! O tênis mudou muito nos últimos quinze anos e ele teve de se adaptar às mudanças. Por muito tempo, jogava sem precisar correr para vencer. Lembra, LF? E assim economizou bastante o corpo. Hoje tem que correr (e muito!) mesmo pra ganhar. E nem poderia ser diferente, mesmo sendo quem é. Por isso, pra quem não tem o “físico privilegiado” descansar é preciso. Certo?

        Responder
  30. Fabio F

    Acredito firmemente numa recuperação de Nole, a ainda nesse semestre. Ninguém desaprende a jogar tão rapidamente. A tal “paixão pelo jogo” ele vai readquirir naturalmente quando conseguir encaixar uma boa sequência de vitórias. É bom lembrar que ele completa 30 em breve. Federer passou por isso exatamente nessa mesma época (2011). Quilometragem mais elevada, muitos títulos e recordes na sacola, chegada dos filhos… é natural (e humanamente aceitável) uma “desligada” ocasional. Com ou sem técnico, com ou sem “gurus”, ele voltará ao seu alto nível. Não o de 2011, nem o de 2015. Mas ainda é e será um fenômeno do esporte, Torçam a favor, mesmo que o achem antipático ou arrogante, senão em breve teremos pouquíssimas opções de atletas diferenciados para torcer…

    Responder
    1. Anderson

      Concordo plenamente. Não sei se é só aqui no Brasil, na Internet, mas o torcedor de tênis que vejo em fóruns e blogs similares são muito imediatistas, quando não é querendo um novo Guga ou Hewitt ganhando Slam em início de carreira, é decretando o fim dela pra jogadores que tem há muitos anos mostrado altíssimo nível, apenas porque estão há alguns meses sem o mesmo brilho de outrora, como se só existisse uma oportunidade na vida de chegar ao topo…

      Responder
  31. Eduardo Alves

    Dalcim, existe na história do tenis uma trajetória parecida com o do wawrinka?
    É impressionante como ele cai de rendimento até em torneios master 1000. O cara só é regular em slans há uns 4 anos… e ai é que é o fato curioso.
    São jogos de 5 sets onde o mental e físico exige mais. Não da nem pra falar que ele só se importa com os slans pq vemos ele muito frustrado nas derrotas desses jogos atp.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Difícil fazer comparações, Eduardo, mas veja o caso do Marcelo Ríos. Ele foi número 1 do mundo sem ganhar um Slam. Tinha resultados excepcionais, mas também campanhas frustrantes. Oscilava incrivelmente. Claro que Stan é um caso à parte, por já ter três títulos em diferentes Slam. Aí sim temos um caso ‘sui generis’.

      Responder
      1. Sônia

        Aproveitando o questionamento do colega, sou um pouco Wawrinka, oscilo demais em torneios (8 ou 80). Voce, como professor, poderia ajudar em alguma dica em termos de “concentração”? Beijos.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Bom, não sou professor, Sõnia. Um mero jornalista e praticante. Acho que a questão essencial para os torneios, em que geralmente você não conhece seu adversário, é entrar com um padrão tático definido e moldar conforme você enxergar deficiências e pontos fortes no oponente. Geralmente, o bate bola já é útil para isso, portanto foque nele para ‘experimentar’ as habilidades do adversários.

          Responder
          1. Sônia

            Valeu Dalcim, obrigada. Voce não é professor mas te considero como tal. Uma vez vi voce saindo da playtennis e pensei que estava dando aulas lá rsrsrs. Beijos.

  32. Pieter

    Muito bom de se ver como a confiança da Bia Haddad deu um upgrade depois daquele torneio em Praga (e não era para menos…).
    Hoje ela conquistou uma excelente vitória sobre uma tenista muito perigosa, uma promissora russa de apenas 18 anos, com um ranking melhor que o da brasileira e muita experiência tendo, inclusive, furado o qualifying do Australian Open e chegado à segunda rodada.
    Se continuar jogando bem e com essa recém-adquirida confiança, parece-me que Bia pode ir longe lá em Cagnes-Sur-Mer e furar, finalmente, o top 100. Já na torcida aqui!!!

    Responder
      1. Anderson

        A falta de bom jogo no saibro pesa demais contra o Sampras… Não que eu concorde que Nole > Sampras, mas esse argumento sempre será válido e forte.

        Responder
    1. Alice

      É uma boa lista, as posições dos tenistas nas listas depende muito da forma a qual é avaliado seus números ou outra coisas a mais que as pessoas avaliam, como influência…
      :)

      Responder
  33. Thiago

    Jogão hoje Dalcim Nadal x Kyrgios, se o Nadal jogar como jogou com o Fognini perde do Australiano em 2 sets, mais acho que hoje o Touto eleva o nível, também uma vitória contra um adversários desses só vai aumentar a confiança do Espanhol, sou Nadal mais não ficaria triste se Kyrgios vencer, torço para ser um jogo de 3 set memorável.

    E vc Dalcim aposta em quem nesse jogo ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Nadal é mais jogador no saibro que o Kyrgios, mesmo considerando as condições mais velozes de Madri. Então acho que serão dois sets duros para o espanhol.

      Responder
  34. Emilio Romulo

    Olá Dalcim,
    Acompanho o seu blog há anos e aprendo muito aqui sobre esse esporte lindo que é o tênis.
    Sou fã do Federer e gostaria de esclarecer uma dúvida te fazendo uma pergunta.
    Nos torneios de saibro (principalmente Roland Garros) o Federer nunca é colocado como favorito, porém quando comparamos o seu histórico no saibro com os outros jogadores do circuito (Nole, Murray, Wawrinka principalmente) chego a conclusão de que ele só fica atrás do Nadal.
    É correto dizer que o Federer é o segundo maior saibrista dos últimos 12 anos mesmo não sendo seu piso favorito?
    Ele não seria um favorito natural a qualquer Grand Slam, mesmo em Roland Garros?

    PS: Compartilhamos o amor pelo Verdão!!!

    Abraços.
    Emilio

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O Federer de cinco anos atrás talvez, Emílio, mas o Federer de 2015 e 2016 ficou claramente atrás de Djokovic no saibro. Se pegarmos a carreira como um todo, sem dúvida Federer foi muito bem no saibro, atrás somente de Nadal, mas não é mais assim.

      Responder
  35. Márcio Souza

    Amanhã o dia promete com bons jogos e o mais aguardado com certeza será o Nadal x Kyrgios, será um bom teste pro espanhol mostrar de fato que voltou a dominar o saibro novamente depois de duas temporadas com menor quantidade de titulos importantes nesse piso.

    Vale também acompanhar como Djokovic estara e o Murray também.

    Queria responder também ao colega Sérgio Ribeiro referente a um comentário meu no post anterior:

    Sérgio entendi a sua resposta ao meu comentário, porém quando fiz a alusão a comparação do Federer 2013 com o Djokovic de agora não me referi a especificamente o problema físico ou mental de cada um, até porque os casos são bem distintos como você mesmo frisou, o que eu quis dizer é que o modo como enxergavamos em quadra o Federer e o modo como enxergamos o Djokovic hoje, é de que apesar do tenista estar la com o nome, esta la como tenista, mas não esta como o monstro que ambos são.
    Naquele ano Federer teve derrotas terríveis que normalmente ele não tinha como perder pro Gulbis em RG e pra aquele tenista que não sei escrever o nome em Wimbledon, mesma coisa o Djokovic esse ano com derrotas e atuações totalmente fora dos padrões Djokovic de ser.

    Foi essa a comparação e não com os problemas que cada um enfrentava.
    Mas gostei da sua resposta, todo bom diálogo numa discussão começa quando não entendemos bem as colocações alheias.

    Abs.

    Responder
  36. Jeremias

    Parei de dar audiência a qualquer jogo do Almagro após um certo RG , cujo ano me escapa, em que durante uma partida contra Nadal ele passou o tempo todo lambendo o &$#@& do já famoso oponente após cada bola que o então cabeludo acertava na linha. “Assim não dá, desse jeito vai ganhar 40 RG!! “. Contra Nadal ele atua como um dócil serviçal…É deprimente vê-lo em quadra, ainda mais quando é fácil de perceber a cada pancada dele que se trata de alguém realmente vocacionado a jogar o esporte….

    Responder
  37. Rodrigo S. Cruz

    Discordo desta vez, do Dalcim.

    O Djokovic hoje venceu com a CAMISA, e não propriamente com a cabeça.

    Há uma distinção aí.

    Porque a partir do 3 x 0 do terceito set, o Almagro passou a jogar com afobação.

    Parou de atacar confiantemente. E quando atacou, entregou muitos pontos de graça.

    E eu, sinceramente não vi que os erros do espanhol tenham se dado por uma melhora súbita do sérvio.

    O Djokovic não precisou ser o “carne de pescoço” de outros tempos.

    O que eu vi foi uma vez mais, o Almagro com MEDO de vencer.

    O que aliás, permeia a sua carreira, desde o dia em que enfrentou Guga e perdeu um jogo quase ganho em Roland Garros, indo depois às lágrimas…

    Responder
    1. Ricardo B. de Carvalho

      concordo com a analise. mas a estreia em RG contra o Guga, em quadra secundaria , foi totalmente prejudicada pela gritaria da torcida, em quadra de pouco publico

      Responder
  38. Fernando Filho

    Kyrgios vs Nadal… Esse é um jogo que não se pode deixar de ver. O duelo entre a genialidade, a criatividade, e o anti-jogo, o tênis covarde.
    Quero só ver as carinhas de desolação das Nadaletes amanhã. Kkkkk

    Responder
    1. Aurélio Passos

      Mas é justamente esse o prazer perverso do Destruidor: saber que venceu, com seu jogo bizarro, um oponente mais qualificado tecnicamente.

      E, claro, após três horas ontem vai jogar contra o “chefe do morro” como se nada tivesse acontecido.

      Responder
  39. Carlos Emerson

    Realmente Rafa pecou em duas coisas o saque,e na segunda bola batia no FH do Italiano e soltava o braço acertava quase todas.Mas não passou perigo de perder realmente porque luta até o fim,me pareceu um pouco ancioso.E amanhã não pense vocês que Rafael Nadal vai dar bobeira contra o Australiano.Vai ganhar e bem!discordo que Goffin tem jogado essas coisas.agora vou te dizer não tem tudo bom mas tem muita coisa boa o Almagro detonou Nole faltou o golpe final enfim vida que segue!

    Responder
  40. O LÓGICO

    “Ainda sinto este problema na orelha e isso tem feito os meus dias um pouco mais complicados. Me sinto um pouco estranho, afeta a minha estabilidade. Mas é algo que vai melhorando dia após dia”

    Eu falei, antes de começar o torneio, e por saber que em Madri o nível ia ser outro diferente dos challengers kkkk que ele ganhou, que o robozinho inventaria um álibi para sua derrota líquida e certa. Esse traço de caráter esportivo do robozinho é-lhe um traço indelével – e mostra quão cagão kkkkkkkkk ele é quando as condições não lhe são favoráveis. E agora? O que ele vai fazer diante do chefe do morro amanhã? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. suely

      SR: LOGICO. VOCE CONSEGUE DORMIR SEM PENSAR NO NADAL????? CLARO QUE NAO……..NADAL NO CAFE DA MANHA…ALMOCO…..LANCHE DA TARDE….JANTAR ETC ETC. SE O DALCIN ESCREVER SOBRE A MARIA ESTER BUENO VC VAI FALAR DO IDOLO MAIOR RAFA NADAL KKKKKKKKKKK TIRA A FOTO DELE DA PAREDE E COLOCA DO SEU FERETESSSS. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

      Responder
  41. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, você palpitaria qual placar num jogo entre esse Nadal de hoje e o de 2006 na quadra central de Roland Garros? Abs.

    Responder
      1. Robson

        Nadal de uma década atrás venceria o Nadal de hj fácil com parciais baixíssimas em qualquer torneio.
        Novak de 2011 tb venceria o de hj com extrema facilidade.
        Federer de uma década atrás tb aniquilaria o Federer de hj em qualquer torneio.
        O Murray de hj venceria fácil o Murray de 8,10 anos atrás,única exceção.

        Responder
  42. Alice - Nem que eu tenha viajado...

    E não é que a Kerber (que vai voltar a liderar o ranking feminino, só que agora com quase mil pontos de vantagem..) saiu de quadra chorando ( :/ ) e não foi pela surra que levou da renascente Bouchard, e sim por causa de dores nas costas (foi o que li), ah, faltando um game pra levar um o pneu! Que coisa estranha né? A garota praticamente levou um pneu, e voltará a liderar o ranking na segunda. Confesso que já estou pegando no pé da alemã, porque esperava mais dela.

    Bouchard, eita menina. No final do jogo, ela me levou a pensar que poderia (ela) se tornar número #1 do mundo, seria bem estrondoso ela no topo do ranking, mas é claro que eu viajei, então vamos esperar pra ver o que acontece daqui pra frente com ela…

    #VamosRafa :P

    Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Bom,

          Se ele continuar palerma desse jeito, eu já tenho um novo apelido para ele. (com a sua permissão, claro).

          POODLE-ALFA.

          Ha ha há

          Responder
  43. Sérgio Ribeiro

    Concordo plenamente, Caro Dalcim. A Cabeça que o Italiano e o outro Espanhol não tiveram. O primeiro ( já bem grandinho ) , continua se preocupando mais com a Torcida, do que converter suas possibilidades. Ao contrário de Rafa Nadal. Este quando não está inspirado, se torna ainda mais perigoso. Almagro também exigiu com bolas vencedoras o melhor do Mental do Servio. E neste quesito Novak provou que ainda tem lenha pra queimar. Mesmo em ma’ fase pode ir bem à frente em Madri. Cilíc não me convence mesmo ja’ aos 28. Oito anos mais jovem, Zverev já melhorou sua postura no Saibro. Ao menos quando está Servindo já fica mais próximo a linha de base. Com isso, outra vitória sobre um TOP 10 pra coleção . ABS! Ps. Lamentável a apresentação de Wawrinka. O Suíço parece totalmente acomodado aos 32.

    Responder
  44. Alice - Nem que eu tenha viajado...

    Eu assisti os jogos do Almagro e Fognini, e posso dizer uma coisa, por mais que eles estiveram irregulares em alguns momentos, eles estavam batendo muito bem na bola, golpes estavam muito contundentes​, sempre encurralando seus adversários de alguma maneira, que conseguiram achar a resposta pra vencer, o jogo mais ofensivo. Novak buscou mais a definição em suas bolas, por mais que em grande parte tenha ficado na tática de só passar a bola no meio da quadra, porque com a irregularidade do espanhol, uma hora ele errava. Enquanto Rafa, deu seus primeiros saltos, indo pra rede e arriscando as bolas nas paralelas, porque vimos muito bem que na maior parte do tempo, o italiano estava ganhando os pontos mais longos. Realmente para o Rafa ter chance contra Kyrgios terá que primeiro sacar muito bem, e Djokovic parar de querer ficar trocando bola no meio da quadra… :)

    Responder
  45. Alice

    AH, vale ressaltar também o que o comentarista do. Sportv disse hoje, ano passado Andy e Novak chegaram juntos nas finais de Madri, Roma e Roland Garros. Logo, terão que defender juntos esses pontos muitos preciosos, pra que não ocorra uma “queda virtiginosa” em pontos no ranking.

    A vida no tênis, talvez seja um pouco “justa” pra aqueles que se esforçam pra ficar entre os 3 melhores tenistas do mundo. Primeiro Federer, depois Nadal lutou e conseguiu ser número #1, depois veio Djokovic, e então chegou a excecao no circuito, que não só conseguia fazer frente aos três (Roger,Rafa e Nole), como conseguia conquistar títulos importantes, Andy Murray chegou ao topo (o que pra mim foi bem emocionante rsrs), e não é que o tênis ainda deu brechas para aquele tenista que conseguia ser destaque não só pelo seu “jogo estupendo” como também pela conquista de títulos, antes, inimagináveis. Com as quedas de rendimento e jogo, tudo conspirou a favor de Wawrinka, pena que ele também não estava/está em um bom momento…

    Responder
  46. Marcão

    Nem um grito, nem um punho cerrado, nem uma milonga. Sofrimento terrível para ganhar de um tenista que já foi ótimo, mas que se encontra em notória decadência. Essa versão Nole “Paz e Amor” definitivamente não me agrada. Nole precisa encontrar urgentemente o defeito fundamental.

    ***

    “Será que teremos a reedição de Murray x Thiem? O austríaco bem que ficaria feliz.” Garanto que o escocês também!

    ***

    Nadal x Kyrgios: não perco por nada. Na minha opinião, Zverev é um tenista mais regular, mais completo e mais focado do que Kyrgios. Mas o “chato full-time” é jogador de apostas altas, o que o torna muito mais perigoso.

    Responder
    1. Alice

      Acho que você não viu o jogo do Djokovic, pois Almagro perdeu mesmo foi no mental. Porque apesar da irregularidade, estava jogando bem, tanto é que falaram que ele estava jogando como nós melhores tempos, mas isso já é um pouco de exagero… rsrs

      Responder
    2. Rafael Wuthrich

      Discordo.sobre Kyrgios x Zverev. O Australiano tem mais saque, um backhand melhor e mais capacidade de.improviso, ou seja,, recursos técnicos. Zverev é mais focado taticamente.

      Responder
  47. Alice

    Parabéns, Dalcim. Muito bem dito o último parágrafo, olha os novos sócios chegando aí gente…
    E a cobra fumou + uma vez, só que foi para o Wawrinka… rsrs – Se bem que o Nadal vai ter um jogo complicadíssimo (risos) amanhã, depois desta atuação na base da superação, tudo fica mais complicado! – belo discurso né? Kkkkkkkkk
    Só sei que todos os jogos das oitavas estão muito interessantes, só valendo ressaltar que o Borna Coric nem era pra estar jogando o torneio, já que perdeu na última rodada do qualifying, Richard Gasquet ressuscitou ele. O interessante disso tudo, é que o objetivo do Coric é justamente entrar no Top20 até no fim da temporada, vamos ver se acontece…estarei na torcida!

    Responder
    1. Ricardo B. de Carvalho

      A uniica chance do grego ganhar é, a meu ver, não errar um saque sequer, e subir a rede em todos. Caso contrario, perde em 2 sets.

      Responder
  48. Luiz Fernando

    Rafa pelo menos nao tentou justificar sua irregularidade com a historia da otite, embora pelo q li não faltou a historia do vento. Ele apenas não citou q o vento atuava nos 2 lados da quadra. Acompanhei o jg via net, apenas vendo os placares, e imagino q deve ter sido um deus nos acuda. Mas fica o lado bom: numa situação semelhante, contra o mesmo cara no USO 2015, perdeu, hj ficou no jg e levou. Também não custa lembrar q seu pior jg em MC também foi o primeiro, no qual não atuou bem também, mas depois as coisas foram p o lugar, so resta torcer p q o mesmo aconteça aqui, mas consciente de q o caminha deve ser bem mais árduo.

    Responder
    1. Alice

      Muito bem dito, em MC também foi assim…tomara que seja só a estreia mesmo e amanhã ele consiga jogar melhor, porque não é tarefa fácil bater Kyrgios, que o diga Novak Djokovic… rsrs

      Responder
  49. Robson

    Dalcim, tá muito difícil de acontecer uma final entre Zverev x Kyrgios não viu.
    Pra mim os dois futuros números 1 e 2 do mundo talvez já no ano que vem.

    Responder
    1. Alice

      Nossa Robson, eles (Kyrgios e Zverev) números #1 e #2 do mundo? Já no ano que vem? Difícil mesmo, eles têm na frente deles muitos outros jogadores + consistentes que eles dois, sem contar que o “Big Four” continua no topo e papando tudo que pode….

      Responder
      1. Robson

        Não Alice,nada de exagero.
        Zverev é muito consistente, não vejo nenhum tenista mais consistente que ele.
        Kyrgios é muito talentoso, não vejo nenhum tenista mais talentoso que ele.

        Responder
    2. AKC

      Difícil, pra isso acontecer teriam que começar a ganhar Slams sem parar a partir deste RG. Acho que eles serão top, mas daqui uns 3 anos…

      Responder
  50. Robson

    Novak venceu Almagro hj mais em função dos erros não forçados do espanhol que de competência própria dele.
    Fosse hj um jogador mais consistente tipo Nishikori,Goffin,Nadal ou de potentes golpes tipo Federer,Kyrgios,teria sido eliminado de cara na estreia,mas obviamente seria impossível Novak pegar qualquer um destes citados em plena primeira rodada.
    Importante que Novak está nas oitavas e acho que estará melhor amanhã.
    Esse M1000 de Madri está estranho esse ano,pelo menos pra mim,cheio de juízes de cadeira que eu nunca tinha visto,cheio de placares esquisitos,vários pneus,várias quebras,vários jogos indo a três sets,eu hein…

    Responder
  51. Luiz Fernando

    O genial Wawrinka continua demonstrando sua genialidade kkk!!! O cara vencia o primeiro set 30, o francês servindo com 30-40 e do nada… a genialidade do suíço surgiu esplendorosa p perder o set com erros bisonhos. A falta de empenho desse cara em certos momentos as vezes me lembra o Bello. Não será aqui o torneio anual no qual brilha…

    Responder
    1. AKC

      Quando ele estiver em algum Slam, passar despercebido pra segunda semana, e chegar na final como azarão absoluto. Aí ele ganha, certeza.

      Responder
  52. Antonio gabriel

    Mestre, Nadal e Djoko se seguraram no mental, mas o Fongini deu muita bobeira, poderia ter vencido o jogo se não viaja-se tanto na maionese. Continuo aqui torcendo pelo reencontro NADAL x DJOKO!

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>