Quase perfeito
Por José Nilton Dalcim
16 de abril de 2017 às 22:36

Faltou manter mais dois serviços, ou então aproveitar a quebra no primeiro ponto do tiebreak. Muito pouco. Thomaz Bellucci encerrou sua inesperada participação no saibro de Houston com o vice. Poderia mais, sem dúvida, mas ninguém pode se queixar do seu físico ou de seu empenho.

Vindo da altitude do Equador, com mínimas horas de bate bola em Houston, Bellucci jogou cinco dias consecutivos, venceu quatro jogos em três sets, passou mais de 10 horas em quadra e ainda estava inteiro para um terceiro set duríssimo na final. Escapou de situações delicadas, virou sets que pareciam perdidos, manteve a cabeça fria, acertou na tática, raramente se mostrou aquele jogador apressado e ansioso que nos incomoda.

A derrota na final para Steve Johnson foi coisa de detalhe. Novamente, reagiu após perder o set inicial e teve a quebra na frente no terceiro set até o oitavo game. O norte-americano virou para 5/4, mas o brasileiro não se assustou e levou ao tiebreak. Talvez sua maior falha tenha sido se perturbar com a suposta crise de cãimbra do adversário, que sumiu do nada na hora do tiebreak. Coisas do tênis.

Campeões
O final de semana também teve a conquista de duplas de Bia Haddad no WTA de Bogotá. Um resultado que não significa muito para sua carreira, já que seu foco é total nas simples, mas que certamente ajuda o bolso e acima de tudo a confiança. Sem falar que até mesmo troféus de duplas de primeira linha é coisa pouco comum para o tênis feminino brasileiro. Vale lembrar que Bia disputou seu primeiro torneio no saibro em 2017.

Também muito legal o título do croata Borna Coric no Marrocos, vindo de larga desvantagem no segundo set – o experiente Philipp Kohlschreiber chegou a ter 3/0 antes de somar cinco match-points – e também no terceiro, saindo de 2/4 e vencendo cinco dos seis games decisivos.

Ainda vejo Coric como o menos espetacular da nova geração, comparado a Thiem, Kyrgios ou Zverev, mas ele ganha seu primeiro ATP aos 20 anos e depois de se submeter a cirurgia no joelho esquerdo em setembro, o que o forçou a começar a temporada só em fevereiro.

Monte Carlo
Embora seja o saibro mais lento da temporada europeia, Monte Carlo sempre é visto com grande expectativa porque uma boa campanha no centenário torneio se transforma em grande ânimo e respeito.

Esta edição é ainda mais relevante. Marca o retorno de Andy Murray e Novak Djokovic, tem Rafa Nadal em melhor ritmo e pode mostrar o que Stan Wawrinka ou Dominic Thiem teriam direito a almejar.

O desafio de Nole parece especialmente difícil, com possíveis duelos diante de Pablo Carreño (ou Fabio Fognini) e Thiem (ou David GOffin) antes de Nadal. Mas o próprio espanhol precisa de cuidados com Alexander Zvere e Roberto Bautista. Não acredito que Grigor Dimitrov incomode.

Murray também tem especialistas, porém deveria se sobrepor a Tommy Robredo, Albert Ramos ou Tomas Berdych em condições normais. Ai viria a semi diante de Wawrinka, que é o grande favorito no quadrante que tem Jo-Wilfried Tsonga, Pablo Cuevas e Lucas Pouille.

Todos os favoritos estreiam diretamente na segunda rodada.


Comentários
  1. Rafael Wüthrich

    Vi Nadal hoje. Estranho. Fez um ótimo primeiro set para se complicar no segundo e quase entregar no terceiro – a sorte dele é que Kyle Edmund é muito limitado e oscila demais mentalmente. Ficou evidente que o espanhol cai muito de produção com o passar do tempo na partida (algo surpreendente para quem cansou de ganhar jogos na base da resistência física) e ainda faz escolhas ruins. Logo após quebrar o britânico no 3º set sofreu uma quebra de zero, e só escapou de ficar em desvantagem porque Edmund entregou o game seguinte com 5 erros não forçados.

    Ainda acho que Nadal é melhor que a maioria, mas essa partida contra Zverev tende a ser decisiva para se saber a quantas anda sua confiança e seu nível de jogo.

    Responder
  2. Julio Marinho

    O problema geral do pessoal com o Bellucci é uma mágoa passada do comportamento passivo e irritante dele em quadra. Sei que tinha problemas físicos, desidratação excessiva, mas a cabeça era sempre, se estou na frente “vou tomar a virada”, se estou atrás “o jogo acabou”. Mas acho que isso já ficou um pouco para trás, ele está melhor (até colocou um golpe de defesa novo, que é o tapa de direita pra defender, ele não tinha isso no arsenal).
    A outra coisa grave é criar a expectativo do Bellucci de quando foi #21 do mundo. Esse não é o padrão dele, simplesmente isso. Estava acima de sua média ali. Não se pode pedir peras à macieira. Ele é um jogador ali entre 35 e 50, golpes potentes, defesa fraca, voleios fracos, saque inconsistente mas bom, como tantos outros jogadores que ficam por ali e oscilam também.
    O que torna ele simplesmente muito superior aos outros brasileiros é que tem umas 3 semanas por ano que ele fica mais iluminado nos atp 250 e o ranking dele se sustenta nisso.
    Acho que o Bellucci está fazendo o melhor que pode e a semana dele foi mesmo muito boa. Se tivesse vencido, claro que seria melhor. Mas jogou bem no geral, perdeu por pouco para um jogador da casa e melhor rankeado. Tudo é uma questão de ajustar a expectativa, concorda Dalcim?
    Abç

    Responder
  3. Julio Marinho

    Grande Dalcim
    vou te dar uma tarefa ingrata…rsrs.. tente me explicar aí o que se passa com a Bouchard e o Dimitrov (recém-eliminado em MC, assim como Miami e IW, depois de um início de ano muito promissor). Quanto a Canadense, que chegou a fazer 3 semis de slam em um ano, parece uma chama perdendo vigor, cada dia com um jogo menos vigoroso.
    Abç!

    Responder
  4. Pieter

    A bomba do dia é a gravidez da Serena.
    Será que ela ainda volta a jogar?
    Fico pensando se ela vai se controlar e não engordar demais, já que tem uma tendência natural…

    Responder
  5. Ronildo

    Acredito que Djokovic e Nadal não passarão da segunda rodada. Um dos motivos do destempero de Djokovic deve ser pelo atual azar que ele está tendo nos sorteios das chaves. A sequência Simon, Carreno e Thiem é dramática no saibro é dramática.

    Responder
  6. Nando

    Na boa, respeito quem torce e aprecia o jogo do espanhol…mas esse cara só tem essa “jogada” de mandar bolas altas no bh do adversário? Ele faz isso a maior parte do jogo esperando o erro do adversário, não busca atacar e definir os pontos, só o faz “na boa”.

    Responder
  7. Rubens Leme

    A cada chilique o Djokovic (diários, agora) me pergunto se os fantasminhas que tanto incomodavam o Murray não se cansaram do escocês e resolveram se alojar ao lado do guru espanhol, na casa do cotonete.

    Nem em jogo de duplas as raquetes têm sossego. Tadinha delas.

    Responder
  8. Luis

    Dalcim acabando ler coisa engraçada na partida do americano Tiefoe que durante partida ouviram gemidos de sexo essa nem o logico prever kkkkkkkk,se fosse no jogo do Federer dava pra entender suíço desperta a paixão rs

    Responder
  9. Luiz Fernando

    Esse Zverev é um craque, o cara atropelou hj e, se Rafa vencer, teremos um jg que balizará as pretensões de ambos no torneio. Esta aí um cara q dá gosto torcer, pois além de bom tenista me parece sério e focado.

    Responder
  10. Luis

    Dalcim impressionante como no tenis um tenista bem mentalmente consegue as vitorios e os titulos como Federer em 2017 e ao contrario a grande força mental do Djokovic se foi e resultados ruins esse ano talvez lembra começo carreira altos e baixos do servio,o que acha o tênis e’ um dos esportes mais exigem o tenista estar bem na cabeça? O Logico e’ terrível rs,previsões dando certo rs

    Responder
  11. Geraldo Coelho

    Dalcim

    Estou muito preocupado com o que esta acontecendo com os Meninos Luz, ZOrmam , Menezes (esse volta de contusão) , pois o rendimento deles caíram de rendimento de forma assustadora,, acredito que tem que dar uma grande mexida para não perder o TIME…. veja se vc consegue ver o que ta acontecendo…… eu continuo não gostando de um auxiliar de treinador e um treinador único para mais de um tenista… isso é péssimo não cria uma personalidade própria do time

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Orlandinho estava com problemas físicos, daí nem foi treinar com o time da Davis. Menezes já sofreu três cirurgias no joelho. Teremos de ter um pouco mais de paciência. A boa notícia é que eles estão jogando muito fora do Brasil e com isso estão ganhando vasta experiência. Continuemos na torcida.

      Responder
  12. Rubens Leme

    Dalcim, estava querendo me lembrar da primeira final que vi de tênis, no Brasil, entre o italiano Gianni Occlepo o francês Patrick Proisy, no Guarujá.

    Minha memória foi afetada orque vi que o Gianni treina agora seu filho Julian, no circuito. Bom, imagino que você lembre dessa final. Achei, por acaso, um jornal – Jornal da República – que cobriu o evento e fez cobertura dos dos últimos dias. O texto da final – Proisy valeu esses 15 mil dólares – é simplesmente delicioso de ler, quando os textos de jornais eram leves, inteligentes, irônicos e “cheios de bossa”.

    Para nós, que amamos tênis e um bom jornalismo, vale a pena ser lido. Deixarei o link dos dois dias.

    http://memoria.bn.br/DocReader/Hotpage/HotpageBN.aspx?bib=194018&pagfis=2038&url=http://memoria.bn.br/docreader#

    http://memoria.bn.br/DocReader/Hotpage/HotpageBN.aspx?bib=194018&pagfis=2011&url=http://memoria.bn.br/docreader#

    Responder
  13. Rubens Leme

    Acordei para ver o Haas, aos 39 anos, dar canseira no mala Berdych (o baby Djokovic, especialmente na falta de carisma). Que pena que ele está dando adeus. Tudo que se pode gostar de um ótimo tenista está lá. Venceu bem o primeiro set, mas começa a fraquejar no segundo e vai perdendo de 4/1 e deve ser engolido no terceiro.

    Não interessa: mesmo sendo 826 do mundo, ainda sabe incomodar os tops, quando o físico permite alguma coisa. Aquela final de Halle, em 2012, contra Federer permanece na minha memória.

    https://www.youtube.com/watch?v=c4NphP25xUA

    Responder
  14. Pieter

    Bom dia a todos!
    E o Tommy Haas segue dando show em Monte Carlo: um rápido 6/3 em cima do 12o melhor do mundo e especialista no saibro, ninguém menos que o poderoso Berdych.
    Torço pelo alemão.
    Só para lembrar, ele é o atual 655 do mundo aos 39 anos e faz sua última temporada profissional…:(

    Responder
  15. Sônia

    Dalcim, assisti ao jogo do Simon, realmente jogo nesse saibro requer muita paciência do tenista, piso muito lento, bem diferente rsrs. Quantos shots, uau, cansei só em assistir rsrs. A opção em ficar metros e metros atrás ao receber o saque é uma opção ou é a melhor solução nesse tipo de piso? Mudando de assunto, na minha opinião, Federer fez muito bem em desistir do barro, ops, da gira “glamorosa” rsrs. Beijos.

    Responder
    1. Nando

      Sônia, eu tbm assisti o jogo do Simon contra o sérvio, e te digo uma coisa: haja paciência kkkkkkkk, jogo lento, ambos só passando a bolinha na maior parte do jogos, mtos erros…e um jogo mto chato.

      Responder
      1. Sônia

        Dalcim, Nando, respondam se possível, a opção do tenista em ficar metros e metros atrás ao receber o saque é uma opção ou é a melhor solução nesse tipo de piso?

        Responder
  16. Emerson

    Boa noite Dalcim,
    Recebi hoje a Biografia de Roger Federer, por René Stauffer. gentilmente oferecido por você e pela Editora Évora aos 4 vencedores do desafio de placar e tempo da Final do Master 1000 de Miami, entre Federer e Nadal, em que fui um dos acertadores. Mais uma vez agradeço a gentileza.
    Com relação à sequência da temporada, parece-me que finalmente uma nova geração de vencedores chegou ao circuito e deve dar bastante trabalho aos atuais papa títulos. Dos jogadores em atividade, todos os vencedores de “Grand Slam” ou já completaram 30 anos ou completarão até o ano que vem, o que demonstra que a entressafra é bastante duradoura. Já passou da hora de aparecer algum novo jogador para encarar o Nadal de igual para igual no saibro de Paris. Será que este ano já dá para esperar alguma coisa diferente, ou será a mesma coisa dos últimos anos?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, acho que jogadores como Thiem, Zverev e Kyrgios (mas em menor grau) podem sim dar trabalho no saibro para qualquer um dos grandes. Teremos chance de ver isso já em Monte Carlo. Tomara que aconteçam os duelos.

      Responder
  17. Sérgio Ribeiro

    Que Simon sempre foi um ótimo contragolpeador , todos sabemos. Mas com este Serviço , o grande devolvedor deixou muito a desejar. E ainda indo pouco pras linhas na paralela. É óbvio que vai subir o nível. Mas neste lentíssimo Monte Carlo ( nem o Sérvio jogando onde mora tem a torcida ), Rafa Nadal , a meu ver, leva o favoritismo. Mas estou pressentindo uma Zebra. Tsonga sai do TOP 10 , para quem chegar mais longe de Dimitrov, Berdych ou Goffin. Roger deixou claro que não vai disputar 18 Torneios na Temporada. Portanto, sem essa de N 1. E voltou com força a ladainha da falta de ritmo. Stuttgart e Halle perdem para a Copa Hopmam ? Muito próximos de Rolanga. O Rei da Grama esta’ acreditando que a hora de deixar Sampras pra trás em Wiblendom e’ agora. ABS!

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Sérgio, a meu ver o favoritismo no lamaçal é todo do Ursinho Carinhoso, que vai ter todo o tempo do mundo para preparar seu potente backhand. Nadal não ganha sets do Djokovic há 3 anos. É mera formalidade um encontro entre os dois. A não ser que o Vassourito tropece na rede de novo….mas isso não vai acontecer. Aposto no Zverev contra o Nadal e no “superestimado” Thiem contra o Djokovic, dada a fase claudicante deste último. Como o ilustre cabofriense diz, a conferir. rs. Abs.

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Dominic Thiem não é tão espetacular e intuitivo quanto Kyrgios ou Zverev, mas possui duas vantagens sobre ambos: mental mais forte a mais comprometimento tático. Você percebe nas partidas dele que ele sabe o que tem que fazer para ganhar, e não costuma se abalar muito com as oscilações dentro da partida. Quem o viu no Rio Open percebeu que ele é muito acima da média: inteligente, com excelentes golpes de base mas capacidade de jogar na rede e um tênis que pode ser tanto ofensivo quanto defensivo – retrato do tenista moderno atual. Eu não descartaria o austríaco não.

        Responder
        1. José Eduardo Pessanha

          Wüthrich, nessa eu vou discordar de você. Acho o mental do Zverev melhor, assim como seu jogo. Lembremos que o Zverev é 4 anos mais novo e, hoje em dia, já é mais tenista do que o Thiem. Pena que o garoto não consiga pegar uma chave baba. Sempre cai no meio dos leões. Já era pra estar no top 10 caso tivesse uma sorte maior nos sorteios. Abs.

          Responder
  18. Maurício Fonseca

    Pessoal às vezes reclama que sempre os mesmos ganham. Aí,quando tem um jogo enroscado que Djokovic, Federer, Nadal, Murray, etc, sem complicam e quase perdem (ou perdem), reclamam que “Não estão jogando nada”.

    Responder
  19. Alice

    Senti que a torcida não estava muito afim do Djokovic, hoje. Ele continua desanimado, sai fácil do foco. Mas ele ainda está lá (risos), quando quer vai lá e faz…

    Responder
    1. Fernando Brack

      Alice, é que o adversário era francês e o Monte Carlo Country Club, ao contrário do que você
      provavelmente pensa, não fica em Mônaco e sim na França.

      Responder
      1. Alice

        Eu nunca pensei que ficasse em Mônaco. Mas, vou ser sincera, não imaginava que ficava na França, cheguei a considerar, já que Simon é frances. Daí certa parcela não torcer para o Djokovic. :)

        Responder
  20. Luis

    Dalcim como diz o chetnik nao e’ esporte kkk,mas o que acha dessa coisa das operadoras a cabo brigarem com alguns canais da tv aberta? Que sempre foi gratuita e o publico que gosta desses canais me incluo rs,sbt principalmente ruim sem o chaves rs,acaba pagando por uma briga de interesses,o que acha? Sobre Federer tomara que jogue Paris um Slam sem suico perde muito vimos ano passado rs,que parece vai ser um Slam imprevisivel no saibro Nadal seria o favorito,mas com momento ruim do Murray e Djokovic,quem sabe tem campeao fora do big4 rs,sera’ o Wawrinka Luiz Fernando? rs,Thiem seria legal

    Responder
  21. Augusto Montenegro

    Eu sei que a curtição vai ser grande, por nunca mais ter escrito nada aqui ( desaparecido ) kkkkk, mas, hoje, dei-me a oportunidade de assistir a um jogo completo de Djokovic neste ano. Melhorou um pouquinho de nada em relação ao ano passado. Acho que falta confiança para bolas próximas a linha. Os adversários do sérvio, por sua vez, já encontraram a fórmula desconhecida de 2015 para vencê-lo. Simon, como sempre, não possui um estilo de jogo agressivo, mas trabalha o ponto com bolas sem peso, deixando Novak sem ângulo. Djokao não está confiante como Numbers one ainda.

    Poxa! Eu fico triste e por outro lado gostando mais ainda do sérvio. Ele NUNCA tem a maioria da torcida a seu favor, nem em Monte Carlo. Acho que só na China e alguns jogos na Austrália, em breves momentos, houve uma vibração parecida com que vemos com outros tenistas. Para os federistas, pelo amor de D’us, é o pior do seres humanos, quebrador de raquetes, ganhou tudo no preparo físico, sem um pingo de tênis, simulou contusão, vive agredindo boleiros etc. Para mim, a maior razão dele ser odiado é por ter nascido na Sérvia e ter tirado muitas alegrias de Nadal e Federer e isto me faz gostar mais dele – por ter sido o número 1 mais rejeitado da história sem uma conveniente razão. E com certeza ele sente isso.

    Responder
      1. Augusto Montenegro

        Que me importa se vais chorar, Rodrigo ?

        Mas que ele é um dos jogadores mais injustiçados do esporte é. E não consigo ter outra leitura de sua rejeição. Abertamente, o que mais impede ele de voltar a apresentar aquele tênis cirúrgico é isso: mental fraco. E por quê ? Por mais que ganhe títulos e conquiste façanhas as portas se fecharam a ele. O público prefere o outro adversário. Os federistas dizem que ele ” distrai os adversários ” quando pede aplausos do público ( 5 reasons people hate Djokovic no YouTube) , culpando-o pela derrota de Federer na semifinal de 2010. Eu vejo de outro modo, ele faz isso para dizer tipo ” eu faço uma revolução dessas e vocês nem para aplaudir um pouquinho ? “. Citaria outros exemplos de atitudes de que se Novak faz é ” forçado ” ele está tentando conquistar o público, mas, se for RF ou RN, trata-se de um grande gentleman etc. Minha suspeita é essa, pelo tanto que o observo como fã, para ele de que adianta se empenhar e conquistar torneios ? Se será sempre uma sombra ? Não é questão de ser treinado por Becker, o seja lá quem for. Na mente dele eu tenho certeza que ele sente injustiçado em termos de esporte, reconhecimento, méritos.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Não acha que está exagerando?

          Quando ele perdeu a final de Roland Garros para o Stan Wawrinka, por exemplo, ele foi OVACIONADO pelo público francês antes de falar ao microfone…

          Responder
          1. Augusto Montenegro

            Os aplausos do público francês foi uma retaliação ao esforço dele, por tantos anos ir à final.

    1. Pieter

      Se ele quase nunca tem a torcida majoritariamente a favor dele, decerto não é culpa dos outros jogadores mas, sim, demérito dele.
      Porque um jogador excepcional como ele, vencedor e que já conquistou um lugar no panteão dos grandes de todos os tempos, não ter o público quase sempre ao seu lado é um enigma e tanto. Ou não?

      Responder
      1. Augusto Montenegro

        É verdade. Eu sinto muito ter que concordar com aquele Marquinhos, mas toda falta de carisma de Djoko é o que mais marca a pessoa dele.

        Responder
    2. Ronildo

      Não concordo com essa opinião de que ele é rejeitado por ser da Sérvia. Eu por exemplo não simpatizo com ele pelo motivo dele não se mostrar um cavalheiro em quadra. Olhando para o passado, que deve nos ensinar alguma coisa, acredito que a ampla maioria dos brasileiros gostava de ver o Maradona jogar, embora evidentemente não torciam para ele. Mas é aquela história: se Maradona fosse apenas um jogador eficiente não chamaria tanta atenção.

      Responder
        1. Ronildo

          Simples, aponte qual é a contradição ao invés de apenas dizer que há contradição. Por acaso não se lembra da final em que Murray ficou totalmente contrariado por num game ele estar demonstrando contusão e no outro estar voando? E aquele golpe avançado na quadra adversária também contra Murray em RG? Descortesia descarada contra boleiros! Como pode ser contradição afirmar que Djokovic não é cavalheiro em quadra?

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            O Murray não é referência ética em “milonga”. O Djokovic em muitas situações devolveu ponto ao adversário em marcações erradas e/ou duvidosas de juízes.
            Sempre aplaude jogadas bonitas do adversário e sempre os cumprimenta de forma calorosa ao final das partidas em suas derrotas. Nas vitórias é bem mais fácil, certo? Essa coisa de descortesia com boleiros é apenas implicância da torcida contra. Ninguém viu isso claramente. Quanto a destruir raquetes, também não é exclusividade sua. Inclusive aqui, nesse blog, começaram a escrever que o espetáculo tenístico havia voltado, com o Kyrgios depois que esse começou a quebrar algumas raquetes esse ano. Ele pode né?
            Um grande abraço.

    3. Bruno Macedo

      Acho q o Djokovic não tem tantos torcedores por duas razões muito simples: i) não tem carisma e ii) veio depois de Federer e Nadal (esses dois sim tem muito carisma). Sinceramente, eu olho pra cara do Nadal e do Federer e gosto deles de graça.

      Responder
    4. Gilvan

      De minha parte não vejo carisma algum no Nadal. Pelo contrário, acho uma figura bem antipática, fácil de não gostar. Acho que as pessoas se identificam mais com o que ele faz em quadra (pelo estilo batalhador, brigador etc) e não propriamente simpatizam com a pessoa.
      Quanto ao Djokovic, acho um jogador simpático sim, sempre gostei bastante dele, mas o seu jogo é que não inspira ninguém. Falta um toque de espetáculo e genialidade em seu jogo eficiente e repetitivo.
      Por que as pessoas não simpatizam com o Cilic, que já ganhou Grand Slam? Ou com o Murray, que faz parte do big 4?
      Não tem jeito, se o seu jogo não é atraente, você não vai ter a torcida ao seu lado, a não ser que esteja jogando no quintal de casa.

      Responder
  22. Rafael Wüthrich

    Que coisa horrível o Djokovic hoje. Tudo bem, volta de lesão, sem qualquer ritmo, contra um duro adversário. Mas o nível foi sofrível. Ganhou na bacia das almas porque Gilles Simon não tem saque e não teve firmeza para ganhar nas duas vezes que teve chance. Mas a atuação do sérvio foi para esquecer.

    Um dado impressionante de como nada mudou desde Indian Wells para cá foi a proporção winners/ENF: ele teve MENOS winners que Simon (!!!!!!!) e mais ENF. As irritações e alterações de humor continuam lá (ele se irritou com uma bola boba que deu a ele 30/0 num game ainda quando estava 1 set a zero para ele) e a falta de paciência ficou evidente. De bom mesmo só a presença de Marian Vajda.

    Se continuar nessa toada, arrisco a dizer que Nole terá as mesmas frustrações do primeiro trimestre.

    Responder
  23. Ronildo

    Projeto ultra secreto Gilles Simon

    A ciência, por mais que tenha fabricado super máquinas, tem um limite, que é a interação mente-corpo. Explico: Não tem como uma máquina substituir um ser humano qualificado para realizar tarefas mentais. Tenho a informação, e vou revelar aqui em primeira mão que Gilles Simon​ é o primeiro andróide fabricado para ganhar muitos torneios e dar muito lucro aos seus idealizadores. Mas foi um fracasso comercial e não se pagou como projeto. Embora saiba falar e ter opiniões controversas e jogar muito tênis, Gilles Simon não consegue vencer uma partida por méritos próprios. Só vence quando seu adversário ataca e erra. Hoje foi o ápice deste fato. Não tem como dar intuição à um robô. A intuição é a maior habilidade do tenista. Intuição no tênis é sinônimo de Roger Federer.

    Responder
  24. Renato Sérgio Mendes

    Dalcim, o que acha do tenista sérvio KECMANOVIC ( atual número um do mundo juvenil)? ´É uma grande promessa do tênis sérvio ?

    Responder
  25. Márcio Souza

    Caraca quase o Djokovic Cotonete cai de novo numa estréia em Monte Carlo, o Simon teve o jogo na mão e não conseguiu fechar.

    Ja vimos o sérvio passar sufoco antes em rodadas iniciais e depois atropelar todo mundo, porém vendo o jogo dele hoje fiquei com algumas interrogações…

    Não sei se o Cotonete vai longe não hein!
    Todos aqui sabem que eu não gosto do sérvio porém não da pra não perceber que ele ja não é mais o mesmo.

    Acho que dessa vez se pegar o Nadal ele abre as pernas, vou torcer por esse jogo acontecer na semifinal, ja que o GOAT não esta em ação, o lance é secar o Cotonete kkkkkkk

    Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    UAU!

    O Djokovic escapou por muito pouco hoje!

    O Simon chegou a sacar pro jogo no terceiro set.

    Isso só mostra o quão IMBECIL é a noção de alguns de que tenistas desse nível jamais perderiam de cara.

    Responder
  27. Nando

    Simon AMARELOU hein…
    Esteve na frente por 2 vezes no 3° set, e ao sacar pro jogo sentiu a pressão.

    Mestre, como o sérvio se complica pra bater bolas vindas sem peso, não?

    Responder
  28. Fernando Brack

    Jogo difícil pro Djoko contra Simon. O sérvio viu a viola em cacos, mas jogou bem no finalzinho pra vencer
    a partida. Essa recuperação pode ter sido importante para lhe devolver a confiança, que anda em baixa.

    Responder
  29. Luiz Fernando

    Acho q Rafa anda delirando, se deu estas declarações expostas da forma q foram noticiadas. Primeiro disse q “se jogar bem” tem chance de vencer, algo bem mais fácil e provavel do q vencer jogando mal; agora parece ter dito q está vendo tapes de jogos de outras temporadas de saibro p relembrar os movimentos do piso. Para o mundo q eu quero descer kkkk!!!!

    Responder
    1. Alice

      HAHAHAHA, rindo com vocês. Talvez, ele só queira estudar o que deu tanto certo antes, pra que ele possa fazer e ganhar ‘jogando bem’. Se eu estivesse mal, até eu iria fazer isso, deixa eu ver o que deu certo que não tá dando agora kkkkk. Não, pera aí…Para o mundo que eu tô descendo também, L.F. :P

      Responder
  30. Maurício Fonseca

    Eita, Djokovic teve um caminhão de break-points agora contra o Simon e não quebrou… aí foi quebrado em seguida…

    Placar no momento Simon saca em 4×2 no segundo set….

    Responder
  31. Luiz Fernando

    Para alguns “experts” em esportes aqui do blog, Rafa, Djoko e Schumi são campeões “comuns” kkkkk. Daqui a pouco vão postar q Ali era puro marketing e Pelé uma ilusão kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
    1. Fernando Brack

      Essa de acharem que Schumacher não é genial foi demais. O cara é o maior campeão da F1, com todos
      os recordes da categoria, e acham que ele é apenas um bom piloto. Fico até constrangido de comentar.

      Responder
        1. Fernando Brack

          Eu vejo F1 desde Fittipaldi, Stewart, Jacky Ickx, Clay Regazzoni, Jochen Rindt e outros.
          E conheço sua história desde Fangio, Ascari e Farina. Sou eng. mecânico e fascinado
          por automobilismo. O que você fala é uma grande bobagem.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            É farsa sim.

            É farsa porque em condições normais, não teria a menor condição de ter 7 títulos e tantas vitórias.

            Aliás, a farsa nem sequer é ele.

            Pois trata-se de uma figura insípida, quase simplória, desprovida de qualquer atributo marcante…

            A farsa real são os seus RESULTADOS.

            Uma rara combinação de algum talento, muita sorte, muita ajuda externa e interna, mas acima de tudo um mau-caratismo poucas vezes visto em qualquer esporte.

          2. Mário Fagundes

            Brack, sou seu contemporâneo e também acompanho a F1 desde Fittipaldi. Não possuo o conhecimento técnico que você tem, pois atuo em área distinta. Mas gostaria de expor alguns fatos (que você certamente conhece), apenas para evidenciar minha opinião. Reconheço a grandiosidade dos feitos de Shumacher, mas há indícios de que ele se beneficiou de uma possível irregularidade eletrônica no carro da Benetton e da fatalidade ocorrida com Senna no campeonato de 1994. Além disso, gênios como Prost e Piquet já estavam aposentados. Mansel, em fim de carreira. Não havia adversários à altura e muito menos equipe que se aproximasse do equilíbrio do carro alcançado pela Benetton, após o fim da suspensão eletrônica. No ano seguinte, vimos a “rivalidade” entre o alemão e Damon Hill nas pistas. rsrsrs. Piada sem graça, né? E veio o bicampeonato de Schumacher. Nos dois anos posteriores, a Williams voltou a ser mais forte equipe e até conseguiu a proeza de fazer Hill e Villeneuve (o filho) campeões. Estava estabelecida a “nova cara” da Fórmula 1, onde um carro bem nascido numa equipe forte, com pilotos “normais” e regulares tornam-se campeões. Os anos de Ferrari de Schumacher foram ainda mais soberanos. A melhor equipe disparada daqueles tempos, priorizou o alemão em tudo nos contratos e não permitiu que Barrichello viesse a ser o grande adversário do piloto nº 1 naqueles tristes anos de Fórmula 1. Ainda assim, o mau-caratismo de Schumacher vez ou outra o fazia ganhar corridas. Muitos pilotos reclamavam da pilotagem desleal do alemão naquela época. Inobstante todas as “facilidades”, fatalidades e sorte por ter estado no lugar certo e na hora certa durante sua vencedora carreira, não podemos ignorar o talento desse alemão, pois era um piloto rápido, inteligente, que sabia tirar o melhor do carro em momentos capitais da corrida. Certamente um dos dez melhores da história. Faltou à carreira de Schumacher um grande rival para potencializar suas conquistas. E isso pesa muito quando se analisa a carreira de um piloto.

    2. Fernando Filho

      O brasileiro não gosta do Schumacher por dois motivos:
      1- Não suportam o fato de ele ser melhor e mais vitorioso que o Senna. É doloroso admitir que ele foi superior ao ídolo.
      2- Ficaram magoados pelo Rubinho ter sido o maior capacho da vida do alemão.

      Agora, Djokovic e Nadal são dois dos maiores tenistas de todos os tempos. É até piada querer desmerecê-los.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Quando você diz “brasileiro não gosta, já entra automaticamente em contradição, uma vez que você mesmo é brasileiro.

        Além disso, há inúmeros brasileiros que assim como você preferem o alemão. Pra comprovar isto, basta você visitar os fóruns de F-1.

        Agora, não sou eu , e nem a minha nacionalidade que diz que o Senna foi sim MUITO MELHOR do que ele.

        Quem diz isso são os próprios ex-pilotos, engenheiros, a imprensa especializada, sem falar no próprio Schumacher, antes do acidente de esqui…

        Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Ninguém disse que o Djoko era comum. Dissemos que o tênis dele é pouco empolgante. Só isso.

      E Fórmula 1 é carro, amiguinho.

      Veja como a lógica é simples.

      Se você tem o melhor carro numa certa temporada, e o seu próprio companheiro de equipe é impedido de duelar com você, por força de contrato, qual é o mérito da tua conquista?

      E assim ocorreu nos anos de 2001, 2002 e 2004. Ganhou, praticamente usando a sombra como “sparring”.

      Schumacher também não era comum, ele foi muito bom sim.

      Mas que os números dele são enganosos, isso é indiscutível.

      Responder
    4. jeremias

      Geração Nutella é assim mesmo, só gosta do nutellinha passado no pãozinho de mel…. Qualquer outro “chocolate” diferente do meu preferido é de segunda categoria, é amarguinho, é feio….

      Responder
  32. Pieter

    Caramba!
    O Tommy Haas derrotou o Benoit Paire, que é nº 40 do mundo, em dois rápidos sets, aos 39 anos e já caminhando para a sua última temporada como profissional.
    Imagine-se do que ele ainda seria capaz se fosse alguns anos mais jovem e sem as numerosas cirurgias e contusões por que passou…
    Sou fã desse jogador, acho-o muito habilidoso.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Também sou fã do Haas.

      E fazia tempo que ele não ganhava jogos de simples, pois ficou um bom tempo se poupando.

      Mas quando o vejo na ativa aos 39 anos, aí é que me bate aquela frustração de pensar o que o nosso Guga poderia ter obtido, se não fosse o quadril…

      O Guga Kuerten foi contemporâneo de Tommy Haas.

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Pois é, Guga poderia ter tido um melhor fim de carreira. Como teria sido a vida de Nadal no saibro se tivesse duelado com um de seus maiores fãs?

        Responder
  33. Ciro Lubliner

    Dalcim,
    sou leitor do seu blog e admiro bastante seu trabalho, mas dessa vez devo discordar de você. Dizer que o que aconteceu nos momentos derradeiros da final do Bellucci contra o Johnson foi “coisas do tênis” demonstra que, ou vc n assistiu ao vivo o jogo ou não enxergou algo muito claro ali: o Bellucci demora muito a pensar e ler o jogo (por mais que se tratasse de um momento tenso, decisivo, com pressão – é aí que vemos os grandes jogadores aparecerem). Meu argumento: se o Thomaz dá 7 deixadas ele ganha aquele tie break de 7 a 0 (não menciono nem o 5 a 5 em games, quando o Johnson sente e não consegue nem sacar direito, o Bellucci me solta aquele backhand direto na rede) não importaria nem um pouco o “clima” que o Johnson criou. Soltou o braço (e às vezes nem tanto assim) e só errou. O Johnson sacou forte? Ok, pode até ter sacado, mas o cara não conseguia dar um pique de três passos; andava e se movia lateralmente, e olhe lá. Não sou daqueles que escracham e desistem do Bellucci, pelo contrário, sempre torcerei e vibrarei por ele, mas não dá pra esconder que o que vimos domingo foi das coisas mais esdrúxulas do tênis, “coisas esdrúxulas do tênis”, aí sim, provavelmente a bizarrice do ano. Abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, assisti ao vivo sim, como sempre faço em jogos importantes, Ciro. E só para lembrar você, no momento da suposta cãimbra estava 40-30. Portanto, ainda que Bellucci tivesse ganhado esse ponto, ainda estaria 40-40. Se você observar também, após a longa parada (que o juiz aliás deveria ter dado advertência por tempo, já que o tenista com cãimbra não pode postergar o ponto), ele deu um primeiro saque muito mole, mas que tocou na fita e foi repetido. Aí disparou quase um ace cruzado. Era natural que desse um segundo saque mole, mas inesperadamente forçou o saque no meio. Ah, e se você observou bem o tiebreak, Johnson não deu o menor sinal de contusão. Jogou solto, sacou bem, bateu incríveis forehands. Claro que Bellucci deveria estar mais atento no final do 11º game, mas se você já jogou tênis em algum nível desse saber que esse tipo de situação incomoda demais. Lembra-se do Murray e do Wawrinka no Australian Open, para citar casos recentes? E se você acompanha o circuito há algum tempo, pode perceber que aconteceram inúmeros casos em que um jogador fica todo atrapalhado quando o adversário aparenta contusão.

      Responder
      1. Gilvan

        Tivemos um caso bastante recente no jogo entre Nishioka x Sock, no qual o japonês sentiu o joelho logo no começo da partida e o Sock passou a se atrapalhar todo nos games seguintes. Deu sorte que o Nishioka teve de desistir da partida, mas deixa claro que o fato do oponente estar contundido não é uma certeza de vitória para ninguém.

        Responder
      2. Ciro Lubliner

        Dalcim,
        a questão não é quantos pontos o Bellucci deveria ter ganho, mas como poderia ter ganho.
        Tive uma perspectiva completamente diferente da sua (inclusive re-assistindo o tie break). Não deu o menor sinal de contusão? Nossa, o Johnson estava com a mobilidade visivelmente prejudicada (é só perceber que, quando o Bellucci angulava um pouco, ele não esboçava nem reação). Ok, realmente houve casos do jogador ficar atrapalhado quando vê o outro aparentando uma contusão, acontece (apesar de durar um ou outro ponto e só), mas o Bellucci teve um tie break inteiro pela frente, contra um jogador, no mínimo, debilitado (foi como se a contusão tivesse se transformado, no final das contas, em uma vantagem para o Johnson).
        Enfim, ficamos no âmbito da especulação, mas como eu disse, ratifico que duvido muito que o estadunidense chegasse bem em qualquer deixada, mesmo que mal feita, do Bellucci…
        Abraços e obrigado pela resposta!

        Responder
  34. Mário Fagundes

    Nadal é, de fato, UM DOS favoritos em qualquer torneio no saibro, sobretudo pelo que jogou até aqui em quadras duras. Mas hoje tem muito mais gente credenciada a vencê-lo, e um deles é Zverev. Portanto, se esse encontro ocorrer, será um grande teste. E tem gente falando que se Federer não jogar RG ficará muito tempo afastado das competições, “que só tem a ganhar”, “que nada a tem a perder”. E daí? Ele ficou mais de seis meses sem jogar e venceu o AO. E essa turma ainda duvida do que esse cara pode realizar? O objetivo maior está na grama. Se ele decidir não jogar em RG, pior para o torneio. Só isso!

    Responder
  35. José Eduardo Pessanha

    Mestre, esse Sebastian Korda que joga os torneios Futures é filho do Petr? Outra dúvida, o Petr Korda perdeu o seu título de GS após ser pego no doping? Lembro que o Ríos deu uma chiada recentemente (e com toda razão), mesmo tendo tomado uma lapada daquelas na final. Abs.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é filho dele, nasceu nos EUA e ainda tem 16 anos. Korda não perdeu o troféu do Australian Open. Ele foi pego no doping durante Wimbledon daquele mesmo ano, mas só foi suspenso em 1999, quando aliás já tinha encerrado a carreira. Ríos está pleiteando o título de Melbourne de 1998, alegando possível doping na partida final. Mas nada foi comprovado até agora.

      Responder
  36. Lucas

    Dalcin o Federer nao esta muito cauteloso em relacao a jogar no saibro nao?Ele sabe melhor do que ninguem o que deve fazer ,mas o slam frances comeca no fim de maio ,a final de Miami foi em 4 de Abril.Ja vai estar mais do que descansado .Ta certo que as chances deles passam por uma boa chave , varias situacoes acontecerem e tambem tem um detalhe , fazer uma boa preparacao para Wimbledon nao e garantia de titulo sei la ele pode pegar um sacador na grama logo cedo e ai tudo pode acontecer.Ao priorizar tanto a gira de grama ele pode acabar se pressionando e isso pode nao ser bom

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que está sendo cauteloso demais. Sabemos que a adaptação ao saibro é trabalhosa, principalmente na movimentação. Mas ficar tanto tempo fora do circuito também não me parece algo salutar para quem pensa em Wimbledon.

      Responder
  37. Felipe

    Dalcim,

    Desculpe o desabafo que faço, mas não deixa de ser sobre esporte e acima de tudo ÉTICA. Estou inconformado com a repercursão do lance do Rodrigo Caio no jogo contra o corinthians. É inacreditável ouvir ex jogadores, torcedores e até seus próprios companheiros criticando a atitude dele. Pra mim, é a falência da ética e do moral dessa gente. dá um desânimo geral e absoluto escutar esse tipo de coisa. Acontece no esporte, na política, em tudo quanto é ramo de atividade. É a lei de Gerson funcionando a todo o vapor.
    Sei lá onde vamos parar. Só sei que cada dia mais dá mais preguiça de viver num país assim…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Realmente, o Brasil está num momento extremamente preocupante, Felipe. O Rodrigo dá um bom exemplo – afinal, não era um lance capital, como um pênalti aos 45 do segundo tempo -, apenas evitou que o adversário levasse um cartão amarelo. E ainda assim é criticado por ser honesto. Infelizmente, o famoso ‘cada povo tem o governo que merece’ nos cabe.

      Responder
  38. Mauricio Luis *

    Parabéns ao Bello, faltou pouco pro caneco.
    As duas primeiras do ranking da WTA… tá uma coisa meio engraçada. Estão disputando pra ver quem perde menos pontos pra se manter no topo. Serena parada desde o Australian Open, e mesmo assim, por incompetência da Angelique Kerber de defender pontos obtidos no ano passado, reassume o trono. Que tosco…

    Responder
  39. Leonardo Freitas

    Eu li um colega de blog dizer que o Schumacher não era gênio e sim apenas um bom atleta.Ele simplesmente já estava dando trabalho com a Benetton para o Senna,Prost e Mansell.Em 1992 ele foi terceiro lugar no campeonato a frente do Senna de MK Laren e em 1993 ate antepenúltima corrida da temporada estava também a frente do Senna na vice liderança da competição que estava ganha pelo Prost.Enfim não estou dizendo que ele era melhor que o Senna mas não reconhecer a genialidade desse piloto que ate os anos 2000 brigava no braço contra carros melhores que o dele e mesmo assim decidia o título ate a última corrida.Quando deram o melhor carro,o melhor trabalho de equipe e juntou ele que era o melhor piloto da sua época,simplesmente deixou F1 sem graça,provando toda sua genialidade em um domínio que resultou em um dos conjuntos mais fantásticos da F1 com 5 títulos seguidos de forma incontestável.Falando de tênis agora foi grande resultado do Bellucci que foi vice campeão e quem sabe seja motivação para voltar ser top 40 pelo menos para mim e a faixa etária do seu tênis.Grande chance também para o Nadal voltar ter grandes conquistas pegando o Djokovic e o Murray sem ritmo,Federer descansando e a nova geração tem seu tênis voltado a quadra rápida o que Monte Carlo não propicia ao jogo do Zverev e Kyrgios.Acho que o Federer poderia jogar Madrid e folgar em Roma para enfim jogar Roland Garros e quem sabe solto e sem pressão ate poder ganhar a competição.Mas ele pensa em Wimbledon e talvez seria um desgaste que ele não quer ter mesmo jogando apenas dois torneios na gira do barro o que seria uma pena não ver ele jogar esse tênis agressivo no saibro que seria interessante de ver qual resultado.
    Abraço a todos!

    Responder
    1. Leonardo Freitas

      Correção
      Na temporada 93 na antepenúltima corrida o Senna era 3° com 53 pontos e Schumacher era 4° com 52 na disputa da competição,atrás do Hill 2° com 62 pontos e do Prost campeão por antecipação da competição.No final Senna termina vice campeão atras de Prost e Schumacher em 4° mostrando que já disputava de igual com os dois.

      Responder
  40. Ricardo B. de Carvalho

    Não acompanhei de perto a participação do Fernando Meligeni nestes torneios até RG, mas creio que não entrava no Q e nem precisava de convite. Ultrapassava a barreira dos 60, conforme colocou o Dalcin.

    Responder
  41. Pieter

    Dalcim, o Thiago Wild furou o quali de um future na Turquia, derrotando um cabeça de chave na última rodada.
    Você já deve tê-lo visto jogar. E o que achou? É um nome promissor ou ainda tem muito o que melhorar?

    Responder
  42. Paulo Ferreira

    Olá, Dalcim!
    Saberia dizer se o ranking atual do Bellucci o credencia a entrar direto nas chaves de Madrid e Roma?
    Pergunto porque não sei se as listas já saíram e o ranking dele era pior há algumas semanas.
    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      As listas fecham seis semanas antes do torneio, portanto Bellucci está fora da chave principal de ambos porque estava bem atrás. Mas poderá tentar o quali.

      Responder
  43. Rodrigo S. Cruz

    Putz.

    O Federer já começou com a conversinha mole dele de querer pular Roland Garros…

    Caramba, o cara vai ficar de 4 a 5 semanas parado, e não tem ponto nenhum pra defender em RG.

    O que custa jogar?

    Ele tem tudo a ganhar e nada a perder.

    Responder
    1. Rafael Wüthrich

      Na verdade ele mencionou que está amadurecendo a idéia, mas que seria contraproducente ficar tanto tempo sem jogar. Acho improvável que ele pule a França, principalmente por não ter jogado lá ano passado. Se ele o fizer, será uma perda e tanto.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Federer com conversinha mole, parceiro? Esta’ inscrito nos dois Preparatórios para Wimbledon. Já passou pela sua cabeça que a questão do N 1, já deu ? Assim como Serena? Abs!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Não entendo porque você fica ressentido com qualquer crítica aos seus ídolos.

        Acho que o Federer está errado. E quando estiver vou criticá-lo sim.

        E Serena já vai voltar ao número 1 semana que vem.

        Portanto, não sei de onde você tirou esta de ” já deu”.

        Porém, é uma pena que o Federer tenha mesmo desistido de se tornar o número 1, pois pra mim, ele tem AMPLAS condições de fazê-lo, com o tênis excepcional que tem apresentado.

        Responder
  44. João ando

    O cosenza diz em seu blog se o Thomaz tivesse ganho todos os seus últimos jogos seria top30 ….mas o se não faz do esporte ….se o Brasil não tivesse tomado de 7 da Alemanha sei oanderson Silva tivesse ganho todas suas lutas… a realidade e que o ranking Real do belucci e entre os 80 do mundo .o que e um grande ranking. Acho que a atp o ranking tem 5000tenistas então ser o 80 do mundo e muita coisa além de ficar muito rico.fazendo o que se gosta por uns 15 anos e depois disso com uma aposentadoria garantida.

    Responder
  45. Luis

    Dalcim Federer coloca em duvida ate se joga Slam em Paris o que achou Dalcim? Pular ja pra grama rs,que falta faz suico no saibro futebol sem bola piu piu sem frajola sou eu assim sem vc Federer kkkk,Sonia rs

    Responder
  46. LBD

    Boa tarde, Dalcim.
    Acho que desde que o Bellucci sacou no 4/2, o serviço dele caiu muito. No tie-break ele perdeu os três primeiros pontos no serviço dele. Sem o saque não dá para ganhar. E aí? Encurtou o braço ou alguma coisa estava incomodando ele na hora do saque?
    Abs. e parabéns pelo blog.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Só ele poderá esclarecer, mas vamos recordar que Bellucci vinha de quatro jogos muito duros. E não falo na questão física, mas mental. Vitórias que exigiram muita concentração e foco. Então não é anormal que ele tenha sentido pressão na hora do 4/2.

      Responder
  47. Maurício Fonseca

    Os Bryans não estão vencendo mais nem ATP 250… Eliminados por Peralta e Zeballos em Houston…. Mas qualquer hora encaixam uma boa semana num torneio grande e lá vem mais um título.

    Responder
    1. Ricardo B. de Carvalho

      Realmente. Não tenho dados, mas creio que não jogam no saibro há quase um ano. Dá a impressão de que foram obrigados a entrarem em quadra, por uma questão moral.

      Responder
  48. Ronildo

    Pelo andar da carruagem, Tomas Bellucci irá fazer boas campanhas em Madrid e Roma. Boa campanha, para ele é no mínimo 2 vitórias em cada torneio. Isso já ajudaria bastante seu ranking. Fiquei surpreso com a ausência de Juan Martin del Potro em Monte Carlo. Ele dependia de convite para jogar? É outro que pode fazer uma boa campanha em Madrid, vai estar descansado, desde que jogue naturalmente.

    Responder
  49. Fernando Brack

    De fato, Bellucci teve uma semana surpreendentemente boa. Há quanto tempo ele não jogava uma final?
    Foi pena ele não ter lidado melhor com a condição do Johnson. Já vi muito jogador se complicar com isso.
    É impressionante como ver o adversário capengando do outro lado transtorna a mente do tenista.

    Responder
  50. Nando

    Segundo o Rei, ele está em dúvida se jogará RG ou não….aí não né? Slam é Slam pô.
    Ainda mais com alguns caras irregulares no momento, penso q ele tem chances…sabe jogar no saibro, está confiante e a receita é repetir o q fez no AO: 3 primeiras rodadas pra adquirir ritmo e calibrar os golpes, e o resto é jogar em nível elevado e ver o q acontece…entrará como zebra no Slam francês, mas no AO ele tbm era e aí tds vimos o q aconteceu no fim.
    Vida longa ao Rei!

    Responder
  51. Luiz Fernando

    Nadal tem q recuperar os pontos perdidos na quadra, o q depende exclusivamente dele, embora eu julgue ser muito improvável campanhas na fase de saibro como aquelas do passado, mas sem dúvida é candidato aos principais títulos. Se o hipotético encontro com Zverev se confirmar nas oitavas será uma ótima oportunidade de mensurar suas reais possibilidades, pois esse alemão tem potencial de complicar as coisas em qualquer piso. Também li q Federer ainda não confirmou presença em RG, o q também acho natural; ele sabe q suas chances no saibro frances são baixas, mesmo na forma atual. Se preservando, entrará como maior favorito em W e se preservará p o segundo semestre exclusivo de quadras duras, nas quais, sempre será candidato forte as vitórias.

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Isso muda alguma coisa? Kkkkkkkkkkkkkkkk! Como dizia o Dr Spock, quando não se tem o q postar melhor ficar de boca fechada kkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

        Responder
        1. O LÓGICO

          Muda, sim, LFugaz kkkkkkk, se me parece uma ligeira perda de afeto pelo robozinho daninho kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Eu acho que você tá se desapaixonando kkkkkkkkkkkk

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Essa você errou, Lógico.

            Ele está mais apaixonado do que nunca.

            O problema é que já está se preparando para as possíveis ENTUBADAS do Conan Kkkk

  52. Alexandre Maciel

    Semana espetacular do Belucci, muito bom vê-lo jogar nesse nível. Perdeu, como bem comentou o Dalcim, no detalhe. Vamos torcer para que os brasileiros consigam bons resultados na gira do barro.

    Responder
  53. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    Não vi o jogo do Bellucci, mas acabei de ver o lance em que o Johnson sacou com problemas. Sacou pior que eu (também nem tanto) e o Bellucci acertou a rede sem piedade !!! Lógico que a semana foi surpreendente, etc etc, mas esse lance mostra a cabecinha do Bellucci, ainda saiu rindo !!!
    Monteiro, Rogerio e Bellucci descansando esta semana ?

    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, se você joga tênis sabe que uma parada daquela, com todo o clima que o Johnson criou, tira a concentração. E o segundo saque dele foi bem fundo, reveja o lance.

      Responder
  54. Lázaro ZArdini

    Parabéns ao Thomaz!!!

    Dalcim, sabe dizer algo sobre o calendário do Thiago Monteiro??? Como o corte desses Masters europeus é bem mais em cima, não ficou claro se ele tentará os qualis dos 1000’s ou entrará nos Challengers… Por agora ele tem um título de challenger francês pra defender, se não me engano… Não sei dizer qual seria a melhor escolha pro cearense…

    Já o Bellucci, com o vice, garantiu toda a temporada de saibro, inclusive chegando cheio de expectativa em Genebra, Bastad e Gstaad!!!

    Responder
  55. Bruno

    Bom dia, Dalcin
    Eu já joguei um tie brake com cãibras e venci, mas sei que a dor não passa rápido, o que impede de realizar movimentos corretos. Mesmo assim o S.Johnson venceu. Não seria o caso de analisar o caso? Achei tudo muito estranho..,

    Responder
    1. Fernando Brack

      Para nós mortais, cãibras nunca se vão depois que aparecem durante uma partida, mas os caras têm
      uma condição muito diferente. E sabe-se lá que creminho o terapeuta esfregou na perna do Johnson.

      Responder
  56. Nando

    Mestre Dalcim, e o Tomic? Não ganha mais de ninguém hein, e faz tempo…como ele ainda está top 50 com essas campanhas ruins q ele vem fazendo?

    Responder
  57. Roberto Rocha

    Não entendo esses elogios todos diante do “mais do mesmo”: jogou como nunca e perdeu como sempre.
    Esse Belucci é a maior fraude do tênis brasileiro em todos os tempos. Derrotas e mais derrotas contra adversários inexpressivos…Não perco mais meu tempo assistindo seus jogos…

    Responder
    1. Alexandre Maciel

      Fraude??? Agora você se firmar entre o Top 100 por mais de 5 temporadas é ser uma fraude !?!? Cada coisa que lemos por aqui…

      Responder
    2. Fernando Brack

      Não fala assim, Rocha. O Bello chegou à final. Isso foi mais do que todos os demais participantes
      do torneio, exceto um. O que nos aborrece nele não é um desempenho como esse, que foi muito
      bom, a despeito da pifada na hora de morder o caneco. O problema é sua falta de consistência.

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Olha, não é tão fácil quanto parece se deparar com um adversário com problemas físicos no meio de um jogo. Você fica com pena, muda o tempo de bola, você perde o foco.

      O Guga já quase perdeu pra um cara na Austrália assim.

      E eu não consigo compreender como pode ser fraude um tenista que como VOCÊ MESMO DISSE perde, mesmo sendo superior a seus adversários.

      Fraude pra mim, é aquele que não é tão bom quanto parece ser…

      O Schumacher é um bom exemplo.

      Ele era bom? Sim.

      Ele era gênio? Absolutamente não.

      Porque ele teve números super-inflados que não espelhavam corretamente o seu talento, mas que foram tecidos por circunstâncias específicas, amplamente favoráveis: carros dominantes, marca de pneu exclusiva, adversários fraquíssimos (em alguns casos), concorrência interna sempre nula, e por aí vai…

      O caso do Bellucci é diferente. Ele joga bem, mas perde jogos ganhos…

      Ainda prefiro mil vezes ter um Bellucci do que um Monteiro (com todo respeito a ele), que por mais que se esforce está limitado por uma condição técnica.

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Onde assino sobre o Schumacher? Fui bloqueado faz um tempo pelo blogueiro Fabio Seixas no twitter por simplesmente falar isso do ídolo dele…

        Responder
    4. João Luiz

      Conversei com o Bellucci sobre seu comentário.
      Ele tem planos de ir até sua casa ou te ligar, mas me pediu um favor.
      Pediu para passar a seguinte informação: após ler seu comentário, ele prometeu se esforçar mais e fazer de tudo para conquistar novamente sua confiança e sua torcida.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Porra…

        O Lapentti era um tenista bem respeitado na época dele.

        Aposentado não quer dizer necessariamente que o cara tem de perder.

        O Pete Sampras mesmo aposentado vencia exibições contra tenistas na ativa…

        Responder
        1. João ando

          Porra …aposentado quer dizer sem jogar e treinar .se vc ha jogou tenis alguma vez e ainda mais em galho nível o cara parado não consegue jogar contra profissional. Jogo de exibição e jogo de cavalheiros. Vide quando o Dohko veio jogar contra o Guga e perdeu…

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            De qualquer jeito o teu argumento é ridículo.

            Primeiro porque não tem como você comparar aquela palhaçada de foi o jogo do Guga com o Djoko, em que o sérvio mais parecia que estava no circo do que numa quadra de tênis.

            Mas, enfim.

            Você não gosta do Bellucci? É um direito que lhe assiste.

            Espera sentado o Monteiro, o Rogerinho, o Ghem e outros ” fenômenos” ganharem torneios ATP.

            O Bello já tem 4 títulos, e uma final semana passada. Kkkkk

        2. José Eduardo Pessanha

          Rodrigo, os tenistas da atualidade deixaram Pete Sampras vencer. Chance zero dele ter vencido algum tenista da ativa sem que este não tenha pisado no freio. Djokovic, por exemplo, freou 99% para deixar que Guga o ganhasse lá no Rio. Abs.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Deixaram ele ganhar?

            Pra começar, Pessanha. Não há a menor condição de você afirmar algo com esta certeza toda.

            Mas veja. Você realmente acredita que um tenista diferenciado como o Pete Sampras não teria TOTAIS condições de vencer uma ou outra partida de forma séria?

            Se Tommy Haas, Roger Federer e Ivo Karlovic jogam em alto nível até hoje, por que não o Sampras de uns 8 ou 10 anos atrás, não poderia?

          2. João ando

            Rodrigo .aquela palhaçada como vc diz foi um jogo de exibição. Teve um jogo do Roger contra pete que foi a negra e o pete ganhou pois se não me engano foi em Nova York …e o pete tinha que ganhar ne…afinal americano …mas naquela epoca o pete estava treinado e parecia que se jogasse estaria como top50…

  58. Julio Sc

    Dalcim, essa semana do Bellucci serve para justificar o porque o brasileiro cobra tanto dele.

    Ele sabe jogar em altíssimo nível! Ele já ganhou de Murray, Ferrer, Berdych, Nishikori e etc. Ele nos mostrou o forte jogo que ele tem e isso nos acostumou mal.
    A cobrança dele sempre será maior do que em relação ao Monteiro, por exemplo. Bellucci tem mais armas e maior potencial. Por isso, exigimos mais do nosso #1.

    Monteiro será cobrado no mesmo nível a partir do momento que elevar o seu nível de jogo e fazer campanhas muito boas. Se não despontar, será um jogador simpatizante dos brasileiros, estilo o Rogerinho.

    Qual seu pensamento sobre essa relação Bellucci – torcida brasileira?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, o Monteiro já sofreu do mesmo problema e eu salientei isso num post aqui. É uma relação que conhecemos há muito tempo. Há a natural cobrança do público, ansioso por grandes resultados.

      Responder
      1. Julio Sc

        Sim! Lembro do seu post com o Monteiro. Sobre o Bellucci, é interessante ler comentários dos gringos e a maioria deles elogiam e gostam do jogo do Thomaz.
        Pena que por sermos brasileiros, as derrotas inesperadas dele acabam sobressaindo sobre a nossa opinião sobre ele. Generalizei o torcedor brasileiro de querer.

        Quem joga tênis competitivo sabe o quão difícil é fazer o que Bellucci faz há quase 10 anos. Para mim ele é melhor que Meligeni. E hoje Meligeni por estar na mídia, muitos esquecem as derrotas (quase sempre) nas quadras rápidas e as decepções que ele nos causava também.

        Responder
        1. João ando

          Meligeni e Thomaz estão no mesmo nível
          A não ser que o Meligeni fez semifinal de rg acho que em 1999…fato que ainda não aconteceu com o Thomaz….

          Responder
          1. Julio Sc

            Mas Thomaz fez semi de Masters 1000. Não é a mesma coisa que semi de GS, mas credencia o Bello também!

    2. André Borges

      A torcida brasileira é um saco. Um bando de frustrados com suas vidas pessoais, descontando suas frustrações nos esportistas. É preciso ter muita cara de pau para fazer qualquer crítica (que não seja construtiva) a um Bellucci, uma Teliana, etc. Por isso que apoio incondicionalmente atletas que priorizam sua carreira e vida pessoal em detrimento à seleção brasileira como fazem os jogadores da NBA, o Mario Fernandes no futebol ou como fez a Paula Gonçalves tempos atrás. Jamais que eu ia perder tempo e dinheiro, dar o meu melhor e depois ouvir groselha de um bando de frustrado invejoso.

      Responder
      1. Marcos Castillo

        Pqp, falou e disse, André! Gostaria muito de saber destes que tanto criticam o Bellucci se eles estão entre os 80 melhores do mundo em suas atividades profissionais, como é o caso do Thomaz.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não, ele está perto do top 100. Parou no 114. E para entrar em Roland Garros, precisará de um parceiro com ranking alto, já que é a soma dos dois rankings que oferece a vaga.

          Responder
  59. Pieter

    Parabéns merecidos ao Bellucci!
    Lutou como um leão mas, talvez, tenha faltado sorte.
    Enfim, não era o dia dele mas essa campanha em Houston será importante para turbinar a confiança dele que andava um tanto combalida.
    Que ele se dê melhor na vindoura temporada europeia de saibro.

    Responder
  60. Rubens Leme

    O único erro dee foi mesmo na hora da câibra, quando Johnson sacava em 40/15. Cometeu dupla falta e no 40/30 fez um segundo set fraco, apenas colocou a bola em jogo e o brasileiro errou.

    Mas é preciso salientar que, antes da final, o brasileiro tinha jogado 4 jogos em 3 sets enquanto Johnson só fizera 3 jogos e 7 sets.

    Foi uma pena, mas, ao menos, ele mostrou pernas, físico e um backhand mais afiado. Para quem chegou no torneio sem expectativas, saiu no lucro.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Achei também que ali foi a fraquejada crítica, mais até do que no tiebreak. Bastava por a bola
      em jogo e não seria difícil quebrar o saque do Johnson, para em seguida sacar pro jogo.

      Responder
  61. Alice

    Sei que estou exagerando, Dalcim. Mas, você não acha que no futuro poderemos ver Dominic Thiem e Borna Coric rivalizando na terra batida pelos grandes títulos?

    Talvez, eu esteja sonhando de mais…rsrs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu ainda acho que o Coric gosta mais da quadra dura, mas sem dúvida ele pode moldar bem seu estilo, que é bem defensivo, ao saibro.

      Responder
    2. O LÓGICO

      NADALice kkkkk o bom é sabermos que quando isso estiver ocorrendo o robozinho cangalechéu KKKKK já vai ter vazado do circuito kkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  62. Alice - O que é + difícil? (Sua Opinião)

    No post anterior, o Luís perguntou para o Dalcim: O que seria + difícil, se manter no topo (#1) ou alcança-lo pela primeira vez na carreira?

    Agora, pergunto a vocês: o que acham + difícil? Na opinião de vocês…

    Lembrando, que o Dalcim disse que acha +difícil se manter.

    Minha Opinião: Até ontem, eu achava + difícil se manter no topo, mas hoje eu acho que é + difícil alcançar o número #1 pela primeira vez. Pois, acho que pra você ser pela primeira vez o ‘number one’, você precisa somar + pontos que todo mundo, somar o que jamais somou antes na vida, ganhar muitos torneios e principalmente grandes torneios (generalizei), o que sinceramente é muito complicado pra quem nunca o fez antes. Quanto a se manter, você já conseguiu, já sabe como funciona, por enquanto está tudo na sua mão, é ‘só’ ir administrando, as pessoas terão + medo de você (camisa), mas aí o problema é de quem não consegue muito bem lidar com cobrança e pressão (defesas de títulos e pontos)!

    É isso, falei de + e repeti palavras de + .. :)

    Responder
    1. Alison Cordeiro

      Penso, Alice, que chegar ao número 1 é mais díficil por que exige uma elevação de nível do tenista. Além de regularidade em resultados, para chegar às grandes conquistas ele precisa encontrar alternativas táticas, técnicas e físicas para superar grandes obstáculos. Precisa manter consistência no desempenho, mas sem recursos isso fica praticamente impossível. Por isso precisa subir alguns degraus na sua própria escala. Depois de faze-lo, conhece melhor seus limites e cria uma especialidade em determinados pisos ou torneios, onde fica a vontadde e se sente bem. Ficar no topo é dificil, mas o caminho já é conhecido pelo menos.

      Responder
  63. Alice

    Concordo com o Sergio Ribeiro. #1 Andy Murray estará navegando em águas tranquilas, teoricamente até as semifinais. Foi um ótimo torneio para o Bellucci, esse vice com certeza valeu muita a pena, ainda mais por tudo que fez no torneio e a maneira como jogou. Talvez, veremos o L.F dando uns “likes” até o final do ano para o melhor tenista brasileiro de simples dá última década.

    Realmente o caso da Bouchard está sendo difícil de engolir, gente o que aconteceu com aquela semifinalista de Grand Slans..?! Concordo que depois da queda, sofrida no banheiro, nunca + apareceu pra jogar. Espero que ela não siga a linha do Dimitrov.

    Responder
  64. Rodrigo S. Cruz

    BOA, BELLUCCI!

    ÓTIMA CAMPANHA…

    Pena que ficou todo confuso e com pena quando o Jonhson se machucou, no finalzinho do 3 ° set…

    Se tivesse sido impetuoso, teria ficado com o título fácil.

    Foi bem mais jogador.

    Responder
  65. Sergio Ribeiro

    A Caimbra e’ o de menos. Muitas vezes e’ milonga. Thomas empacou nestes 4 ATPs esquecendo que o Especialista no Barro e’ ele. O Norte-Americano fez o que pode. Mas aos 27, possuia apenas um Titulo na Grama. No Saibro, nem em Challenger. Essa derrota e a de Quito para o Veteranissimo Burgos, a meu ver, sao para esquecer. E esta’ fora de M.Carlo. Se alguem ainda tinha duvidas, Novak esta’ tambem nas Duplas. O Sorteio deixou o N 2 com possibilidades de grandes emocoes. E o N 1 parece como Dalcim coloca no Post, em águas , digamos, mais tranquilas. Abs!

    Responder
  66. João ando

    Igual aquele jogador letão que eu não lembro o nome ….o pai e um dos mais ricos do mundo que ia jogar torneios juvenis de avião. ..ernests gulbis …kd ele dalcim?

    Responder
  67. João ando

    Realmente grigor e o se…estranho né….joga igual a Roger mas não consegue chegar a rodadas finais….oque lhe falta e uma grande pergunta….

    Responder
    1. André Barcellos

      Tem um tênis bonito de se ver, golpes de palsticidade parecida, mas não é o mesmo jogo do Roger MESMO.
      Federer saca melhor, voleia melhor, tem direita e esquerda melhores, e, o mais importante: coloca tudo isso perto das linhas, o que faz seu jogo extremamente agressivo. Além de ir mais à rede e tentar encurtar os pontos.
      Dimitrov troca muitas bolas.

      Responder
      1. João ando

        Concordo com vc André.com relação a câimbra do Steve e muito estranho mesmo que tenistas profissionais não saibam jogar contra um advesario com câimbra como aconteceu com o Guga no ao.Uma vez eu fui jogar um torneio em São Paulo e vi um jogo do alberto kulhman oka contra um amigo que ele batia bola…o adversário sacava forte ele devolvia antes do t…o adversário tentava chegar na bola e levava um tombo…nisso o Alberto atravessava a quadra e fazia aquele procedimento nos pés do adversário. E todo mundo falava para ele para não vai dar…o cara ficou até o final .6/0 6/0 para o Alberto kulhman oká. O adversário caiu no chão umas 5/6 vezes . Eu devia ter uns 15 anos e o Alberto uns 22/23 anos.era um torneio da Colônia japonesa

        Responder
  68. Henrique

    Também acho que o Bellucci se surpreendeu com o Johnson no tiebreak, inclusive acho que aquela devolução de segundo saque na rede foi de propósito pro Johnson receber atendimento médico, daí em retribuição o americano entregou o game de serviço do brasileiro.

    Responder
    1. Rafael Medeiros

      Diga lá, então você realmente acredita que o Belo jogou de propósito na rede e depois o outro entregou um game, numa grande troca de gentilezas?

      Responder
Deixe uma resposta para Bruno Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>