Bendito saibro
Por José Nilton Dalcim
12 de abril de 2017 às 22:40

O circuito se muda de vez para as quadras de terra e a expectativa de que vitórias brasileiras se avolumem fica bem maior a partir de agora. Thomaz Bellucci e Thiago Monteiro venceram em Houston e têm boa chance de ir às quartas. Rogerinho Silva deixou escapar no terceiro set.

Ao derrotar com ampla superioridade o também canhoto Donald Young, que nunca foi grande coisa na terra batida, Thiago conquista sua 13ª vitória em nível ATP. É interessante observar que 10 desses resultados vieram sobre top 100, sendo quatro contra top 50 e dois diante de top 30. Todos esses triunfos foram sobre o saibro. Na quadra dura, sua marca são oito derrotas.

Bellucci teve altos e baixos diante do promissor Frances Tiafoe, que também gosta mais da quadra dura e deu muito trabalho a Roger Federer em Miami. Com a vitória de hoje, Bellucci se torna o terceiro brasileiro com maior número de vitórias em primeiro nível da Era Profissional, com 192, deixando Luiz Mattar para trás. Logo à frente está Fernando Meligeni, com 202. O lider absoluto é Guga Kuerten e suas 358.

O ‘Saiba Mais’ de TenisBrasil desta semana traz dados curiosos. Do montante de vitórias dos três líderes, Guga teve 50% no saibro e 41% no sintético; Meligeni, 79% na terra e 19% no sintético; Bellucci está agora com 62% no saibro e 34% na dura.

Um item relevante são os tiebreaks. Bellucci está com 99 vencidos e 51,6% de aproveitamento, ligeiramente inferior aos 52% que Guga e Mattar tiveram na carreira. Índice que Bellucci precisa melhorar são as vitórias no terceiro set. Hoje foi a 72ª, mas tem 76 derrotas e portanto 48,6% de eficiência. Como comparativo, Guga chegou a 62%; Mattar, a 55%; e Meligeni, a 49,6%.

Challengers
Algo que passou despercebido mas que merece registro é que Rogerinho Silva, campeão no Panamá no sábado, chegou a 284 vitórias em torneios de nível challenger, o que o coloca no nono lugar em toda a história da ATP para este nível de torneio. Apenas seis tenistas superaram até agora a marca de 300 triunfos.

No ano passado, Rogerinho ganhou 50 jogos de challenger, terceira melhor marca de todos os tempos. O recordista é Carlos Berlocq, com 57.

André Sá ocupa o quarto lugar em títulos de duplas, com 34, atrás dos 37 do aposentado Rik de Voest e dos 43 dos irmãos Ratiwatana.

Acho que vale a pena conferir as estatísticas do tênis brasileiro no Saiba Mais. Clique aqui.


Comentários
  1. Luis

    Dalcim a pergunta foi se e’ mais dificil se manter no topo ou chegar pela primeira vez no numero 1? rs,Luiz Fernando Belucci na final de um atp rs

    Responder
  2. Fernando Brack

    Falamos mais abaixo da Bouchard e de sua fase ruim, que parece não ter fim. Pois ela sofreu uma derrota em
    torneio ITF, com direito a pneu, de uma boa jogadora americana, que, no entanto, está apenas na posição 896.
    Isso já passou muito de ser só uma perda de rumo. Mais um pouco e ela deve tomar o caminho da Ivanovic.

    Responder
    1. João ando

      A ivanovic teve um problema no pulso.antes disso um término de um namoro com um tenista espanhol acho que o verdasco tirou ela de foco uns 2/3 anos.agora ela está casada com um jogador alemão .zagueiro da selacao além a …não sei escrever o nome dele

      Responder
  3. Luis

    Dalcim vendo o Federer voando apos quase 20 anos de estrada no tenis rs e grandes promessas como Zverev e Kyrgios chegando longe nos torneios importantes,e’ mais dificil continuar no topo ou um garoto como Hewitt e Nadal chegarem ao numero 1? Zverev e Kyrgios parecem que podem sonhar com numero 1 daqui uns anos

    Responder
  4. Rodrigo S. Cruz

    Só um pequeno recado.

    Assim que o Luiz Fernando retornar do sítio, atualizem ele, fazendo o favor:

    Bellucci 5/7 6/4 e 6/2 sobre Escobedo e faz final em Houston.

    Kkkkk

    Responder
  5. Pieter

    Me reúno aos merecidos elogios à nossa Bia Haddad que acaba de conquistar um importante WTA de duplas, o segundo, e também em Bogotá. Que venham muitos outros, de preferência em simples.

    Responder
  6. Luis

    Dalcim se o Bellucci for campeao Atp Houston acho o Luiz Fernando vai sumir do blog esses dias rs,acho Bellucci nao e’ um tenista que empolgue em grandes torneios a sombra do Guga e’ um peso pros tenistas brasileiros que chegaram depois,mas o Belluci continua com bom ranking a alguns anos,muitos torcedores brasileiros preferiram torcer pelos grandes nomes Federer,Djokovic,Nadal,Murray e outros rs

    Responder
    1. Aurélio Passos

      “A sombra do Guga é um pesadelo”??? Ninguém está nem aí para isso, cada um tenta o mwlhor para sua carreira. Qualquer um que milita no tènis (inclui do imprensa especializada) sabe da realidade. É cada uma….

      Responder
  7. João ando

    Daniel Dutra e Silva ganhou seu 21 future .400 do mundo. Qual a razão desde Dutra e Silva não ter degolado como seu irmao Rogério que 71 do mundo dalcim?

    Responder
    1. Bruno Louzada

      Federer venceu 3 torneios importantes e perdeu pro poderoso donsloy em Acapulco. Se tênis é tão simples assim pra vc,então vc ta assistindo o esporte de forma errada

      Responder
  8. Carlos Emerson

    Sobre o que disse Rafael Nadal,não vejo nada demais.será que este povo não aprende a não dar valor em entrevistas!prosseguindo se Rafael Nadal não for favorito em nenhum torneio no saibro.então o mundo acabou!Favorito pelo histórico!quanta bobagem eu vejo aqui Dalcim que horror.

    Responder
  9. Ulisses

    Dalcim,

    na minha opinião não concordo quando muitos aqui crucificam o Bellucci como se o cara fosse um medíocre. Na realidade, muito pelo contrário, sem manteve durante praticamente toda carreira no TOP100 e por um bom tempo no TOP30, ou seja, durante o lapso de tempo razoável era um dos 30 melhores do mundo sendo inclusive cabeça de chave em praticamente todos os Slams. Ficam querendo comparar o rapaz com o Guga, sendo que na realidade ele era um ponto fora da curva da normalidade, assim como são os grandes campeões. Prova essa que está em mais uma semifinal e podendo pintar até no TOP50 em caso de final ou mesmo grudar no TOP 40 com o título.

    Responder
    1. Pieter

      Faço coro ao que você escreveu! Bellucci já tem um lugar especial na história do tênis brasileiro.
      Para mim, ele não precisa provar nada para nenhum torcedor frustrado.
      Espero que ele siga jogando ainda por um bom tempo, quem sabe não venham mais surpresas?!

      Responder
  10. Rubens Leme

    Já que estamos falando de brasileiros, deveríamos falar do Kirmayr, nosso número 1 durante boa parte dos anos 80.

    Dalcim deve se lembrar dele da campanha fantástica que ele fez em Forest Hills, quando bateu McEnroe na estreia, por 5/7, 7/6 e 6/2 e chegou á final, perdendo para o norte-americano Eddie Dibbs.

    Naquele torneio ainda venceu dois tops 20, o polonês Fibak e o húngaro Taroczy. Acho que foi contra o húngaro que perdia de 4/6 e 1/5 e virou para 7/6 e 7/5 nos sets finais.

    Outra grande vitória dele foi na Davis sobre o argentino José Luís Clerc, na época top 10 e número 1 da Argentina, quando fomos massacrados por 4×1.

    Kirmayr tinha muita técnica, embora fosse esquentado. Era habilidoso e vi muitos jogos deles no circuito VAT 69, no interior paulista, especialmente em Ribeirão Preto, onde eu comecei a bater bolinha na Recreativa.

    Para saber mais da vitória sobre João Macarrão… https://efemeridesdoefemello.com/2016/05/06/carlos-alberto-kirmayr-vence-john-mcenroe-nos-eua/

    Responder
  11. Rubens Leme

    Bellucci em mais uma semifinal. Falem mal, mas ele é o mais constante brasileiro desde Guga.

    E, Dalcim, o Isner já jogou algum torneio sem disputar um tie-break que seja? Em Houston, jogou duas partidas, seis sets, cinco deles definidos assim.

    Coisa de louco.

    Responder
  12. Ronildo

    Pablo Carreno Busta e Fábio Fognini na primeira rodada de Monte Carlo? É muito azar para os dois. Por ser primeira rodada, acredito que a regularidade de Busta vai prevalecer sobre a habilidade de Fognini.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Verdade.

      Parada duríssima pros dois…

      Mas do Fognini a gente pode esperar tudo, né.

      Tanto pode fazer uma partida equilibrada e vencer o Carreno, como pode sair de quadra atropelado.

      Responder
  13. Luis

    Dalcim depois tentativa de atentado terrorista do Estado Islamico parece contra o onibus do Dortmund,a Franca por ser um dos paises que mais tao sofrendo com terroristas na Europa faz o aberto da Franca com algum risco de um atentado? Foi no jogo do Federer em Paris acho que uma pessoa entrou na quadra,suico nao gostou rs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Qualquer grande evento na Europa precisa triplicar a segurança, porque além da quantidade de público existe a enorme repercussão, que é tudo o que os terroristas adoram.

      Responder
  14. Ronildo

    Esta semana a Eugenie Bouchard está jogando um torneio ITF. Será que muitos torcedores ainda acompanham ela nestes torneios menores? Bem, de qualquer forma é elogiável seu empenho. Ela parece ser uma pessoa bem sincera e divertida, tipo; que gosta de socializar. Aquele episódio que ocorreu com ela, de ter se recusado a cumprimentar suas oponentes quando tava defendendo o Canadá é um típico erro de qualquer jovem inebriado com os sentimentos nacionalistas . Sentimentos estes que muitos donos do poder gostam de manipular em nome de alguma “causa” em detrimento da visão humanista que deveria nortear não só o esporte, mas todos os setores da civilização.

    Responder
    1. Bruno Macedo

      Acho essa menina meio deslumbrada. Ouvi dizer q ela já foi uma grande promessa, mas não correspondeu muito bem as expectativas. Espero que consiga melhor e conseguir vitórias.
      Não assisto muitas partidas do feminino, então gostaria de perguntar ao Dalcim: A Bouchard tem mesmo potencial? O tenis feminino precisa realmente que apareçam grandes nomes.

      Responder
        1. João ando

          Acho que depois que ela tomou aquele tombo no banheiro no ao …mas tenho a impressão que ella da mais valor para fazer foto como modelo do que dar valor a sua profissão. ..como tenista pro

          Responder
      1. Fernando Brack

        Coincidência ou não, seu calvário começou após aquela deplorável demonstração de
        falta de cortesia esportiva diante de suas adversárias romenas na Fed Cup.
        A Alexandra Dulgheru lhe estendeu a mão para cumprimentá-la e ela de forma muito
        deseducada e arrogante refugou. O fato é que, dali em diante, nunca mais fez nada. É
        como se esse episódio lhe atormentasse a consciência. Jogaram uma praga na Genie.

        Responder
        1. Pieter

          Foi, realmente, uma cena grotesca para os padrões do tênis. Ainda mais vinda de uma jovem canadense, um povo tão simpático e civilizado. Tristemente inesquecível…

          Responder
  15. Rodrigo S. Cruz

    Olha essa do Rafael Nadal:

    ” Se jogo bem, tenho chances em Roland Garros, se jogo mal, não tenho chances”.

    Puta que pariu…

    VOCÊ JURA, CARA?

    Responder
  16. Luiz Evandro

    Bellucci, disparado o melhor brasileiro depois do Guga. Duro ver o Meligeni falando mal dele.
    Vejo tb muita gente criticando o Nadal e exaltando o Federer neste ano. São dois gênios! Estilos antagônicos, sinto uma ponta de raiva dos torcedores do Federer em relação ao Nadal, devido ao Nadal ter esmagado o Federer durante toda a carreira.

    Responder
    1. Alice

      E o duro é que em alguns esse sentimento ruim continua reinando, mesmo Federer conquistando tudo que conquistou! Chega me dar uma dó que aperta meu coração…

      Responder
    2. Rubens Leme

      Se a gente comprasse o Meligeni pelo que ele vale e vendesse pelo que ele acha que vale, seríamos ricos como o Bill Gates.

      E o comentarista é ainda pior.

      Responder
    3. Sergio Ribeiro

      Sabe tudo , caro L.E. Somente errou de Thomas. KOCH e’ de longe o melhor depois de GUGA. Apenas o Sétimo maior vencedor entre Simples e Duplas na Copa Davis. E o garoto tem razão. Todos preocupados com o h2h rsrsrsAbs!

      Responder
    4. Sergio Ribeiro

      Ps. Vitórias sobre N1 do calibre de BORG, ASHE,SANTANA, e conseguindo QuARTAS em Rolanga, Wimbledon , USOPEN( levou Rod Laver ao quinto Set ). Abs!

      Responder
    5. Ronildo

      Nadal esmagou Federer? Muito mal aplicada esta afirmação. Primeiro porque a carreira deles não acabou, ou seja, o filme continua. Segundo, que na pior das das estatísticas, quando tava 23×10, ainda não era esmagamento. Esmagamento é vencer tudo de 6-0, 6-0. Se dois tenistas se enfrentarem 20 vezes e um deles vencer todas as partidas por 7-6, 7-6; podemos chamar esta predominância de esmagamento? Do mesmo modo, Federer tá esmagando, triturando, pulverizando Nadal ultimamente? Não, porque teve que correr e suar muito pra conseguir 4 vitórias seguidas

      Responder
    6. João ando

      Koch.mandarino.Mattar.Cássio Mota.kirmayr .não existiram e isso????toda carreira vc está de sacanagem né…Federer e o Mauro de todos os tempos

      Responder
  17. Mauricio Luis *

    ” Se jogo bem, tenho chance em Roland Garros.” Afff… O Nadal agora deu pra falar o óbvio do ululante.
    Acontece que se o Djoko, o Murray, o Wawrinka e até o Nishikori jogarem bem, também terão chance em Roland Garros. Do jeito que ele fala, dá a impressão de que tudo só depende dele e nada mais. Tá igual àquele técnico de futebol que treina o time sem adversário.
    Francamente…

    Responder
  18. Luis

    Dalcim por que nao tem um masters na quadra de saibro nos Estados Unidos e ate de grama? rs o que achou do novo atp 250 acho em Nova York ?substitui Memphis,uma pessoa disse que Federer ou Nadal podem chegar ao numero 1 esse ano rs

    Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    Thiago Monteiro perde de virada> 4/6 6/4 e 6/4

    Thomaz Bellucci VENCE de virada> 2/6 7/6 e 6/2, e está nas quartas-de-final em Houston!

    Responder
  20. Sergio Ribeiro

    Depois de jogar normalmente e vencer em Sets diretos na Davis, não resta dúvidas que a “dor de cotovelo” do Servio passou. E com ela o mi mi mi. Mesmo tendo sido surpreendido na primeira rodada do lentíssimo MASTERS 1000 de Monte Carlo 2016, Novak tenta começar a arrancada pra cima de Andy ( e’ dúvida ) , desconhecendo as presenças do favorito Octa Campeão e de Stanimal . Lembrando que o Espanhol venceu em 2016, estando num nível abaixo do que apresentou nas duras em 2017. O Torneio promete pois parece o momento certo de Thiem dar uma de Kyrgios . A conferir! Abs!

    Responder
  21. O LÓGICO

    A sina atual do robozinho é perder, kkkkk, inclusive na LAJE kkkkkk. Portanto nadalzetes, desiludam-se que é bem melhor para suas almas kkkkkkkkkkkkkkkkkkk Como falei, ele é tal qual artistas que sobrevivem do nome, de quem o auge os abandou mas o nome lhes garante o ganha pão kkkk. Tá, vai, pra não ficar sem exemplo, ele seria a Vanessa Popozuda do tênis atual kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Ele deve tá achando que vai se safar após a desistência do Fedex kkkkk, mas não vai não, pois se cruzar com o chefe do morro vai tombar legal kkkkkkkkkkkk e vai se afogar no álcool, ou na COCA kkkkkkkkk

    Responder
    1. Mauricio Luis *

      Kkkkk… Ele se parece com a Vanessa Popozuda, mas só no branco dos olhos. Se ela tivesse a cara dele, podia ter a b… digo, o traseiro que fosse, de nada ia adiantar. E ainda teria que não olhar muito pro espelho. Senão, com aquela ‘beleza’, ibérico-taurina, com aquele cabelo ‘rebelde’ (todos indo embora), o pobre do espelho quebrava.

      Responder
  22. Rafael Medeiros

    Essa temporada de saibro é bem decisiva para Nadal.

    Se passar por la em branco (entenda-se: se não conquistar ao menos um Master 1000), acabou-se. Não será mais ameaça pra ninguém, sua aura baixará e deixará de ser respeitado. Isso é bem ruim para um atleta de ponta, porque não ganhará mais jogos “na camisa”, terá que fazer por onde para ganhar todos os seus jogos; emfim, uma estafa mental e física. Ganhar “na camisa” faz bem, o adversário amarela e você tem uma rodada fácil, ajuda muito o tenista de ponta a descansar e não somatizar estresse. Quantas partidas Nadal já não venceu assim, principalmente contra espanhóis?

    Vamos ver o que acontece.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Se considerarmos que os adversários tradicionais não estão bem – leia-se Djoko e Murray – , a pressão por resultados será ainda maior.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Três? Nada, dois. Na terça-feira já estava na quadra. Pois é, também acho que ele deveria ter descansado um pouco mais. Talvez ele queira dar todo o gás possível no saibro europeu.

      Responder
  23. Maurício Fonseca

    Kkkk…. Kohlschreiber especializando-se em vencer o primeiro set por 60 e perder o segundo por 62! Aconteceu contra Nadal em Indian Wells e agora contra o Chardy em Marrakesh! rsrsrsrsr (só que neste ele venceu o terceiro set)

    Responder
  24. Rodrigo Camelo

    Boa tarde Dalcim

    Percebi que voce ainda nao escreveu sobre o sorteio da Copa Davis, acredita que teremos alguma surpresa em relação ao segundo jogador? Ou o João deve ir com Thomas e Monteiro?
    No grupo mundial vejo a Australia motivada pra chegar nessa final

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, estamos muito longe para pensar nisso. Tenho certeza de que a campanha pre-US Open e no US Open definirá os jogadores.

      Responder
  25. Marquinhos

    Bendito saibro para Rafael Nadal também! O espanhol pegou a maior entressafra de saibristas da história do esporte, já que seus maiores rivais – Novak, Murray, Wawrinka, Federer, Berdych, Raonic, Nishi… – tem as quadras duras ou grama como preferência, o que facilitou demais suas conquistas na terra batida. Fato!

    Responder
    1. Maurício Fonseca

      Fato. E foi auxiliado por neste período grande parte dos especialistas/melhores jogadores no saibro serem da famosa “armada espanhola”, os famosos vassalos de Nadal…

      Responder
    2. Carlos Fernando Torre

      Na boa, tirando o Guga, por questões de patriotismo, vc já pesquisou a lista dos campeões de RG desde a década de 90? Não tem nenhum de muita expressão. Esse papo de que o Nadal ganhou num período de entre safra não cola. O Nadal derrotou várias vezes o maior jogador de todos os tempos e o sérvio comedor de fígado, que são infinitamente melhores que qualquer jogador que ganhou RG antes da era Nadal. Independente de vc gostar do Nadal e de seu estilo de jogo, não há como negar que ninguém dominou um piso como ele fez ao longo da carreira. Ele é o melhor jogador de saibro da história!!!

      Responder
    3. Marcelo F

      Marquinhos, já te perguntei uma vez e você não respondeu. Quais foram os grandes especialistas em grama que Federer venceu nos seus títulos em Wimbledon? Nem vou falar de Halle, né? Digo jogadores de grama de verdade, do tipo Becker, Edberg, McEnroe, Sampras, Ivanisevic, Rafter Henman, Cash… Sinceramente eu acho que ele faria frente a qualquer um desses. E os únicos que poderiam complicar para Nadal no saibro seriam Vilas, Borg e Muster. Talvez Wilander e um Guga muitos inspirado. E só.

      Responder
  26. Carlos Lira

    Dalcim,

    Ainda que Belluci não tenha brilhado ativamente no circuito, é inegável que ele fez um grande papel, pois manter-se por anos no TOP100, muitas vezes no TOP50, é para poucos. Concordas?

    Responder
      1. Eduardo

        Não te parece que o que frusta muito são as campanhas inconstantes dele. Ele em geral joga uma ou duas semanas boas no ano, em geral nos saibros com altitude, com exceção daquele masters de Madrid. No resto do ano são derrotas sequenciais em primeira rodada. Outros jogadores top 30 , ainda que tenham ganhado menos títulos, avançam um pouco mais com regularidade, segundas ou terceiras rodadas são mais constantes. O Thomaz fica sumido quase toda a temporada e de vez em quando coloca a cabeça pra fora e fica com um você ou Campelo ato, vide Quito, Gstaad.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não veja a carreira do Thomaz apenas pelos dois ou três últimos anos, Eduardo. Veja quanto tempo ele passou no top 30, período em que jogava todos os maiores torneios do calendárioi. Ele não ficaria ali, temporada atrás de temporada, perdendo em primeiras rodadas. Acho que ninguém considera Bellucci um fenômeno, mas é inegável que é um tenista para ficar no top 50. E isso é um tremendo ranking.

          Responder
  27. Maurício Fonseca

    Grigor, Grigor…. caramba… perdeu para o semi-aposentado-recém-contundido-seriamente Tommy Robredo… e tomando 61 no terceiro set… Tá difícil…

    Sim, sabe-se que Robredo está longe de ser “qualquer um” (ainda mais no saibro), mas na atual conjuntura….

    Responder
  28. Maurício Fonseca

    “Não se trata de sonhar com o título ou não. Se jogo bem tenho chances de lutar pela conquista, mas se jogo mal não o farei”.
    RAfael Nadal sobre o vindouro torneio em Mônaco.

    Rapaz, isso é uma declaração profunda….

    Responder
  29. Eric Magalhães

    Uma análise quantitativa do Big 3 (Fed, Rafa e Djoko).
    – Parâmetro 1: H2H
    Djoko 26 x 23 Rafa
    Djoko 23 x 22 Fed
    Rafa 23 x 14 Fed

    Logo,
    Rafa: 46 vitórias e 40 derrotas >> 36 pontos (normalização em relação ao total do Big 3)
    Djoko: 49 vitórias e 45 derrotas >> 35 pontos
    Fed: 36 vitórias e 46 derrotas >> 29 pontos

    – Parâmetro 2: Grandes títulos (GS: 2.000; Finals: 1.500; Master 1000: 1.000; e Olimpíadas: 750)
    Fed: 18 GS, 6 Finals, 26 Master 1000
    Djoko: 12 GS, 5 Finals, 30 Master 1000
    Rafa: 14 GS, 28 Master 1000, 1 Olimpíadas

    Logo,
    Fed: 71.000 pontos >> 38 pontos (normalização em relação ao total do Big 3)
    Djoko: 61.500 pontos >> 32 pontos
    Rafa: 56.750 pontos >> 30 pontos

    – Parâmetro 3: Semanas como #1
    Fed: 302 semanas >> 45 pontos (normalização em relação ao total do Big 3)
    Djoko: 223 semanas >> 33 pontos
    Rafa: 141 semanas >> 21 pontos

    – Conclusão:
    Considerando que cada um dos três parâmetros é tão importante quanto os outros, tem-se:
    Fed: 112 pontos
    Djoko: 101 pontos
    Rafa: 87 pontos

    Ou seja, Fed é o que fez mais. Djoko se aproximou de Fed nos últimos anos. E, por fim, Rafa está mais longe de Djoko (14 pontos) do que Djoko de Fed (11 pontos).

    Responder
    1. Márcio Souza

      Boa Eric!

      Não entendi direito o critério de pontuação que você utilizou (se possível de uma esclarecida) mas o que importa é que o Federer ganhou mais uma vez e ficou na frente do Cotonete e do Baloeiro kkkkk

      Responder
  30. Nando

    O q acharam das declarações do diretor do masters 1000 de Roma sobre a ausência do Rei? Um pouco “clubista” não? E declarou torcer pra X tenista, na boa, minha opinião, deveria ser isento perante a mídia qnt a preferência de torcer pra A, B ou C.

    Responder
    1. Sônia

      Achei completamente grosseira, os próprios italianos estão bombardeando esse infeliz. Inacreditável como esses “seres” prejudicam o esporte tênis. Beijos.

      Responder
    2. Márcio Souza

      O que no fundo todo mundo ja sabe Nando.

      Quem fala mal do Federer ou quem não gosta dele na verdade são TODOS mal amados que na verdade TORCEM e muito pelo Craque e como não podem faze lo em público, ficam falando asneiras por ai…a besteira que esse cara falou é que ele sabe que se Federer fosse jogar o Master de Roma traria mais visibildade e retorno financeiro em todos os sentidos com mais patrocínio e público, isso é fato.

      Baboseiras desse tipo eu nem leio direito porque percebe se de cara que isso ai é um torcedor fanático do GOAT só que de maneira recalcada, assim como uns e outros que escrevem aqui nos comentários falando borracha sobre o Federer.

      Responder
  31. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    Vendo as estatísticas nota-se que o Brasil realmente não tem muita tradição no tênis, tirando o fenômeno que foi o Guga, sempre tivemos jogadores que perdem mais do que ganham. Onde posso consultar as estatísticas de outros jogadores para fazer uma comparação com os nossos ?
    E se considerarmos os jogos fora do saibro, é assustador. Lógico que a base aqui no Brasil é feita fundamentalmente no saibro, mas algo deveria ser feito, pois a temporada é na sua grande maioria feita fora do saibro. Até o nosso maior torneio (Rio Open) pode utilizar o piso duro para se tornar ATP 1000.

    O ranking para Rolanga é o da próxima segunda ? Se for teremos 3 garantidos.

    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Os dados estão no site da ATP. São oficiais. E sim, teremos os três garantidos. E para Wimbledon também muito provável.

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Pois é Marcelo, se considerarmos o Brasil como “um” mundo, esses números são apenas razoáveis, mas voltando à realidade, são pífios.
      Veja que Guga foi um grande campeão, e chegou a pouco mais de 300 vitórias em toda sua carreira. O Thiago Monteiro, não sei exatamente sua idade, tem um retrospecto de 8 derrotas, e só, na quadra dura.

      Responder
  32. Thiago

    Essa Chave ta boa Dalcim, dá até pra gente sonhar com uma semifinal Brasileira embora seja difícil, mais acho que o Bellucci tem boas chances de chegar por lá se passar do Gonzales pode ter o Querrey que não é nenhuma maravilha no saibro já o Thiago teria nas quartas um provável Isner seria mais difícil, mais se tem um piso que o Thiago tem chance de ganhar dele esse é o saibro vamos aguardar.

    Dalcim uma pergunta o Bellucci vai entrar direto na chave de Monte Carlo ou vai precisar jogar o Qualy ? outra pergunta se ele chegar as semifinais de Houston ele ficaria de fora do quali que começa sábado né ?

    Responder
  33. Pieter

    Acabo de ler na Folha de São Paulo que a CBT cortou verba de patrocínios de atletas mas reajustou o salário de cartolas!
    Certamente o esporte brasileiro também precisa – urgente! – de uma lava jato!

    Responder
  34. Luis

    Dalcim um jogo que nao aconteceu e seria muito legal seria Guga x Nadal no saibro de Paris,quem venceria? rs,sobre o Federer se alguem duvidou de um parada ate Paris o suico ta mesmo querendo aproveitar o tenis sem tanto peso como no passado e tentar mais torneios importantes mas fazendo outras coisas como essas exibicoes pra Africa,e outras coisas que nao conseguia rs,vi em uma rede social Federer visitando hospital acho muito legal e o Belucci ganhou Luiz Fernando rs

    Responder
  35. Fernando Vinicius

    Dalcim, qual a diferença (em relação ao jogo, velocidade, altura da bola) do Saibro vermelho (tradicional) para o Har-Tru (“saibro verde”)?
    Na ATP existe algum torneio no saibro verde?

    Responder
          1. Anderson

            Não tinha a ver com “limitação” dos atletas, tinha a ver com o piso precisar de uma adaptação específica, o que obviamente não é interessante pra ninguém…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>