Ataque total
Por José Nilton Dalcim
28 de março de 2017 às 00:11

Roger Federer superou minhas expectativas. Nada conservador, mostrou mais uma habilidade na versão 2017: devoluções agressivas. Isso mesmo diante do saque pesado e profundo de Juan Martin del Potro. Foi a base essencial de uma vitória em dois sets.

A tática se mostrou especialmente inteligente, porque quando você ataca com frequência o segundo saque do adversário acaba interferindo no primeiro serviço dele, que naturalmente diminuiu o grau de risco para não ficar dependente.

O jogo foi melhor do que indica o placar, apesar de termos tido apenas sete pontos com pelo menos nove trocas. Mais ofensivo, Federer anotou quase o dobro de winners (29 a 15) e apenas um erro a mais (19 a 18), números que sustentam a diferença.

Delpo teve duas chances preciosas: quatro break-points que poderiam ter equilibrado o primeiro set no 9º game e outro que daria reação no 8º do segundo. E olha que teve segundos serviços de Federer e bola no forehand. Pena. Mas no geral, o suíço mereceu amplamente a vitória por ter sido bem mais consistente. Ganhou 11 dos 17 pontos que tentou junto à rede.

Federer reencontra agora Roberto Bautista, que perdeu todos os 12 sets já disputados em três pisos diferentes. Mas o espanhol tem se mostrado cada vez mais firme na quadra sintética, ainda mais se lenta, e fez um jogo bem divertido e elogiável contra Sam Querrey. Não pode ser menosprezado, apesar da falta de golpes contundentes. Quem passar, deve encarar Tomas Berdych, que enfrenta o incansável canhoto Adrian Mannarino.

Outra grande notícia do dia foi a vitória da nova geração em cima dos super-sacadores, jogos milimetricamente decididos em favor de Nick Kyrgios e Alexander Zverev em cima de Ivo Karlovic e John Isner. Além obviamente da parte técnica, fundamental destacar o controle emocional dos dois diante da sempre irritante frustração que é enfrentar os gigantões, que disparam saques indefensáveis e dão mínimo ritmo. Karlovic fez absurdos com o segundo serviço.

O garoto alemão tem uma tarefa mais difícil nas oitavas: pegar o embalado Stan Wawrinka, mas a seu favor está o histórico, já que derrotou o suíço no sintético coberto de St. Petersburgo em outubro, onde as condições eram mais velozes. Kyrgios pega um adversário radicalmente oposto a Karlovic, o belga David Goffin, que trabalha pouco com o saque e prefere correr lá na base. De uma forma oposta, será outro teste mental para o australiano.

A parte inferior da chave também faz nesta terça-feira seus quatro jogos de oitavas. Rafa Nadal conseguiu grande reação diante de Philipp Kohlschreiber, superando com bravura o ‘pneu’ inicial. Será amplo favorito diante do veterano Nicolas Mahut. Quem vencer pega um americano, Jack Sock ou Jared Donaldson. Difícil Nadal perder para qualquer um deles.

Kei Nishikori se desgastou muito diante de Fernando Verdasco e pega outro canhoto em sequência, o argentino Federico Delbonis, que é perigoso em dias inspirados. Fabio Fognini encara o renovado Donald Young, mais um canhoto, que parece jogar seu melhor nas quadras americanas. O japonês é o candidato natural do quadrante, mas… Alguém aposta?

O torneio feminino já atingiu as quartas de final e tem um misto de jogadoras com bom destaque temporada, como Venus Williams, Carol Wozniacki e Mirjina Lucic, e outras que estão devendo (e muito) e esperando oportunidade, como Angelique Kerber e Simona Halep.

A alemã recuperou o número 1 com uma única semi em 2017 e agora terá de encarar Venus, que de certa forma remete a Federer. A veterana de tantas batalhas está jogando um tênis primoroso, com golpes pesados mas toques sutis, muita perna e enorme coração. O duelo contra Sveta Kuznetsova empolgou.

No entanto também há espaço para surpresas. A canhota e grande duplista Lucie Safarova parece ter reencontrado seu jogo de simples. Karolina Pliskova corre por fora, sem holofotes, sempre perigosa. Tudo aberto.


Comentários
  1. Rafael Wuthrich

    Vi um pouco do jogo do Federer e do Nadal. No do espanhol, foi exatamente o esperado, ainda que a inconstância de Nadal tenha prolongado demais.o jogo. Mahut não tem bola pra incomodar.

    Já Federer suou um bocado contra Roberto Bautista. Um pouco por sua imprecisão hoje mas muito pelo nível do adversário, que vendeu caro a derrota e valorizou cada lance, pressionando com bons forehands e backhands na paralela. Mas Federer soube, nos momentos críticos, se manter no jogo. Daí veio a vitória. Curioso foi o fato de: mesmo não tendo jogado bem, oscilado bastante, e sofrido duas quebras, Federer resolveu a parada em 2 sets.

    E Kyrgios, meu Deus. Você joga pra cascalho.

    Responder
  2. Márcio Souza

    A vitoria de hoje do Federer sobre o Bautista Agut podemos dizer que foi pro gasto.

    Jogou o suficiente pra vencer, levou alguns sustos, se irritou em alguns momentos, fez belas jogadas como sempre, não foi o tipo de jogo que ele esperava, cometeu erros mais do que o normal e esteve ansioso em algumas jogadas, mas o que vale e o que fica é a vitoria, e o dia de folga amanhã, pra colocar a cabeça e o corpo no lugar novamente.

    Quantas vezes vimos isso com Djokovic e Nadal, de não jogarem tão bem e vencerem seus jogos na bacia das almas e depois de controlarem seus nervos, voltarem pro outro jogo como se nada tivessem acontecido e passarem o trator nos seus adversários.

    Faz parte do jogo também, um dia você não jogar bem, isso acontece e muito também em razão daquilo que o outro adversário te proporciona, hoje Bautista Agut esteve bem e fez um jogo sólido nos dois sets, mas a definição que o Dalcim fez no jogo comentado (não vi o final do segundo set e só peguei a parte final comentada pelo mestre) de que nos tie breaks o porque da diferença de ser ROGER FEDERER quanto a ser Bautista Agut, ou seja nos momentos cruciais e de definição, o espanhol se afobou e não teve cabeça pra fechar os dois sets.

    Mais como eu disse, o que importa é a vitoria.

    E que o jogo de hoje sirva como mais um bom teste pro Federer ajustar cada vez mais o seu jogo pras quadras lentas porque é isso que ele vai pegar nos torneios no saibro que ele vai enfrentar.

    E que venha o Berdych, freguês que nos últimos jogos não tem aprontado, esperamos que continue assim para que o suiço chegue em mais uma semifinal e de a arrancada final para mais um título.

    Estamos na torcida!

    Responder
  3. Pedro

    Dalcim, o Bautista Agut usou a mesma tática do Federer (cortar tempo e atacar), e dificultou bastante o jogo. Federer ganhou e mereceu ganhar, mas foi apertado. Acho que independentemente de ter sido sufocado pelo espanhol, o Federer não estava em seus melhores dias. Mais de 30 erros não forçados.

    Responder
  4. Luis

    Dalcim não digo mais jogo tranquilo kkkk,mais difícil que o esperado pro Federer talvez foi mérito do espanhol que jogou bem com seu tênis que lembra do Simon chato kkkk,acho que Federer deve vencer Berdich que seja mais rápido rs,Federer continua sem perder sets desde Indian,Zverev e Kyrgios ainda em Miami,Nadal,Nishikori,seria legal final Federer x Nadal 3 em 2017 e que vença suíço rs,achou o Federer um pouco mais ansioso Dalcim?

    Responder
  5. Oswaldo E Aranha

    Rodrigo S. Cruz, sou torcedor do Djokovic e tenho acompanhado o bom desempenho de vários tenistas. Como não posso exaltar as atuações do sérvio ou porque ele não está em melhor fase ou não está participando dos torneios, não tenho muito o que dizer. É claro que não vou fazer coro com a ladainha dos torcedores do Federer, mas nada contra que o façam, pois devem aproveitar o bom momento dele, que não será eterno. Abraços.

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Assisti o segundo set do jg do Rafa, q se mostrou bem melhor no serviço e no ataque do q no quase desastroso jogo anterior. No entanto, não ha como não mencionar q muitas bolas continuaram curtas, facilitando as coisas p o adversário. O grande senao, ao menos neste set, foram as devoluções do cara, q achei medíocres, embora tenha q reconhecer o bom serviço do francês. Um detalhe q sempre contribui p essas falhas e o lugar da recepção, em 90% das vezes muito atras, algo que, creio, nenhum treinador conseguira mudar.

    Responder
  7. O JR7

    Se me permitam ver de outra forma, estou achando o suíço muito inconstante nas trocas, cometendo muitos erros (hj principalmente). Estou achando ele jogando muito mal na verdade. Talvez por tática mesmo de atacar mais e assumir os riscos. Queria vê-lo jogar novamente da maneira com a qual enfrentou o espanhol em Indian Wells. É pedir demais talvez, porque foi uma apresentação soberba. Mas vamos ver, ainda tem torneio…

    Responder
  8. Sônia

    Dalcim, quartas-de-final feminina, Carol contra Lucie… e o estádio completamente vazio e no jogo entre a Pliskova e a Baroni também. Observei que em vários jogos do masculino também havia pouco público e olha que é um M1000. Na minha opinião, se a Serena estivesse jogando, o público também não seria lá essas coisas. Pois bem Dalcim, uma pergunta difícil para voce, por que nos jogos do Federer o estádio está sempre lotado? Beijos.

    Responder
  9. Pieter

    Dalcim, você conhece o trabalho do Instituto Tênis? Li que o mesmo é patrocinado pelo bilionário Jorge Paulo Lehman, que é um vencedor nato.
    Ele não entra em nenhuma empreitada para fazer figuração e os objetivos do Instituto são ambiciosos.
    Fiquei curioso por saber mais a respeito e bem esperançoso também!
    São iniciativas como essa que podem fazer diferença no combalido tênis brasileiro porque se for depender de governo, aí estaremos liquidados!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Conheço sim e tenho certeza de que são bem intencionados, mas o Instituto existe há muito tempo – pelo menos 10 anos – e foram poucos frutos até agora. O Lehmann é um dos apoiadores.

      Responder
    1. Pieter

      E o pior (ou seria melhor?) é que ele ainda pode continuar aprontando – e muito!!!
      Não me surpreenderia nem um pouco se ele chegar à final…jogo para isso já demonstrou que tem!

      Responder
  10. Alice - Um sorriso alivia...

    Durante a transmissão, alguém perguntou: Se o Rafa deixar o cabelo crescer, ele volta a ser aquele grande jogador que foi?

    Amiga, não dá mais tempo! Aliás eu não sei nem se crescer mais (haha), manda ele pôr uma peruca e vamos que vamos! Sendo assim, eu posso até soltar um: “força na peruca Rafa!” :P :P

    Melhor achar umas piadas pra rir do que chorar…

    Responder
  11. Nando

    Na boa, o Rei quis alongar a partida né, só pode…pois Bautista Agut não tem jogo pra incomodá-lo.
    Poderia ter vencido mais rapidamente.
    Agora daki pra frente, só jogar em alto nível como no AO e em IW, é zebra assim como foi nesses 2 torneios…
    Go Roger!

    E o Wawrinka hein? Não vi o jogo, só o placar, perdeu de virada e como placares elásticos nos sets q perdeu…e podemos ter nas quartas um dos futuros “clássicos” do tênis pós-Federer e restante do big 4: Zverev x Kyrgios (este tem q confirmar ainda)

    Responder
  12. Alice - O terceiro jogador...

    Parece que tinha um #teamFederer cuidando da linha no jogo do Agut contra o Federer, só que tinha um Agut com visão aguçada também! HAHAHA

    E parece que minhas “energias positivas” no jogo deles foram para o Mischa, que acabou de bater o Wawrinka…Olha a zebra passando aí, assim eu vou esperar um encontro de moços nas quartas… :P

    Responder
  13. Vítor Barsotti

    Dalcim, sabe dizer por que os jogos do Federer e do Wawrinka estão sendo no mesmo horário? Uma pena, pois os dois valeriam muito a pena ser vistos….

    Responder
          1. João ando

            Kkkkk.mas o goffin perdeu….acho que so se o kirgios tiver uma descopnesacao mental ele perde esse campeonato

  14. Sônia

    Dalcim, puxa vida, soube agorinha, Jack Sock é Nike, ou seja, vai facilitar para o espanhol. Na final, conforme o plano da Nike, o espanhol fatura o penúltimo título de M1000. Peninha, triste demais esses acordos de bastidores. Beijos.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Quando nao se tem o q postar, melhor não escrever besteira. Sua postagem e tao absurda que equivaleria a alguém aventar q a vitoria de Federer no AO foi por acordos espúrios e não por seus próprios méritos. Se acontecer a vitoria de Rafa, o q sinceramente acho bem improvável pelo apresentado ate o momento, sera por méritos e não por acordos.

      Responder
  15. Luis

    Dalcim acho que o SporTV não ta com o jogo do Nadal pra transmitir amistoso no futebol kkkk,vamo pro sportv4 kkkk,Dalcim dando o logico rs,podemos ter jogos de Grand slam em Miami não apocalíptico como Indian rs,mas interessantes Federer x Berdich,Nadalx Nishikori ou Fognini,Federer x Kyrgios ou Wawrinka,bons jogos não acha? rs,Go Federer

    Responder
  16. O LÓGICO

    Alguém avisa para o robozinho, que nesse período de recessão mundial aqui em São Paulo tá chovendo vaga pra borracheiro kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Isso se ele não acabar num desmanche com esse tênis de donzela que ele tá praticando kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Alice, querida, sinto alguma coisa reprimida no plano simbólico kkkkkk Por que você não sai das sutilizas e extravasa de uma vez, nadalzete kkkkkkkkkkkkkkk Aliás, virou moda: agora que o Fedex tá dando as cartas, começam surgir robozetes elogiando o Deus do tênis, mas sempre nas entrelinhas deixando alguma rusga aflorar, que não conseguiram reprimir totalmente kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    O L F, como diz o grande filósofo do blog, meu amigo Carlos Reis, tá passando recibo kkkkkkkkkkkkk
    Só o Pablo mesmo para consolar esse povo sofrido kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Alice

      + amor, Lógico. Eu só peço um pouco de paz e amor.

      É o que eu quero pra nós.
      E que nada nesse mundo cale a nossa voz.
      Céu e mar e alguém para amar….

      Uma musiquinha pra ti… ;)

      Responder
  17. ATHOS

    IMPRESSIONANTE o que este “senhor” faz , sempre a mesma ladainha a quadra ta lenta e bla bla bla , o cara vai la e faz parecer grama kkkkk toda quadra pra ele parece ser rápida acordem o homem quase não deixa a coitada da bola quicar kk
    daqui a pouco vai jogar na area de saque e ignorar os quiques kk go Roger!!!!!

    Responder
    1. FRANCISCO

      Esses caras só conhecem o tênis depois de 2011

      #18

      #302 SEMANAS #1

      #237 SEMANAS SEGUIDAS #1

      #6FINALS

      ACEITEM QUE DÓI MENOS

      O CHORO É LIVRE

      VAMOS DEIXAR OS MARATENISTAS GANHAREM OS MASTERS NO BARRO, A TEMPORADA JÁ VALEU

      O MAIOR E MELHOR DA HISTÓRIA………. ROGER FEDERER, EM SEGUIDA LAVER……. DEPOIS UM ABISMO, EM SEGUIDA PETE PISTOL SAMPRAS…..

      COMO OS CARAS E A COROA ESTÃO SOFRENDO.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, o ponto é do sacador. Fato curioso: se você sacar, a bola desviar e pegar no parceiro de duplas que está ali perto da rede mesmo longe do quadrado de saque, é ponto do sacador.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          A regra existe porque é proibido ao tenista devolver o saque antes de a bola quicar no quadrado, ou seja, é proibido devolver saque com voleio. Portanto, se a bola toca em qualquer jogador antes de quicar no quadrado, por mais distante que o adversário esteja do quadrado, o ponto é do sacador.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            Para mim, a única “viajada” dos idealizadores das regras do tênis. Não vejo nenhum sentido nisso, uma vez que, determinaram a área de saque.
            O sacador pode muito bem, propositalmente, tentar acertar o adversário, mesmo esse se posicionando atrás da linha de base.

  18. Luis

    Dalcim sobre Federer estar no melhor da carreira,aquele Federer assombroso dos anos 2000 acho que encantou mais,mas talvez o suíço ta melhor tecnicamente,físico continua ótimo rs,mas com 20 anos Federer era quase imbatível rs,em 2017 com a mulher parece bem nessa parte pessoal,feliz ainda no tênis e com essas coisas novas raquete,talvez um jeito mais ofensivo de bater na bolinha rs como vc mostrou no post da empunhadura Dalcim,nos tie break e break points contra o suíço ta em uma frieza de campeão rs,parece jogando com os amigos no fim de semana kkkkk,torcendo pra que chegue na final de Miami e conquiste o titulo,Dalcim a confiança do Federer ta alta ta difícil parar o garoto Federer rs,não acha?

    Responder
  19. Alice

    Estou na torcida pela Venus e a Lucic-Baroni, apesar da última estar perdendo para Ka.Pliskova…

    Enquanto isso eu vou me apaixonando pelo Fognini que aplicou um pneu hoje no Young…

    :) :) :)

    Responder
  20. José Carlos

    Dalcim,você tem alguma informação sobre o que aconteceu com a parceira Sá/Pães?Depois de anunciarem que jogariam juntos o ano interio como parceria fica,oq mais fazem é não jogar juntos.O Pães não veio ao Brasil supostamente pelo visto,jogou IW com o com o Delpo,iriam jogar Miami e não estão na chave e o Paes está n oMexico e não é com o André.A parceria já acabou,ou o André está machucado?

    Responder
  21. Carlos Lira

    O que achas de Stan completar os quatro Grand Slam? Isto o colocará na história, mas como acreditas que o veremos ele num futuro? Falta só US open, e aqui pra nós, o jogo dele dá pra levar.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Nao meu caro, falta W, e se acontecesse, seria uma ofensa aos deuses do tênis, pois se os magistrais Borg e Sampras não lograram esse feito, seria um absurdo se o magistral Wawrinka o fizesse. Mas como no esporte tudo pode acontecer, nunca se sabe…

      Responder
  22. Castilho

    O Federer está voando mesmo. Neste ano, em partidas oficiais, ele só perdeu para ele mesmo, pois, aquela derrota em Dubai para um cara fora do top 100 foi completamente fora da curva, típica de quem se desligou completamente da partida. Agora só falta ele jogar contra o Djoko e contra o Murray para o quadro ficar completo!

    Responder
  23. Nando

    Lamentável a atitude de Donald Young hein, tomou um vareio do Fognini, reclamou com o juíz no finzinho por não ter o pedido (atrasado) de desafio atendido e ao perder o jogo, não foi cumprimentar o árbitro.

    Responder
  24. Luiz Fernando

    Para encarar federer na fase atual há necessidade de um grande jogador que também esteja em um grande momento. Sendo realista,, não vi esse potencial adversário nas quadras de Miami.

    Responder
    1. Willian Lopes

      Passando pelo Berdych, Federer terá muito, mais muito trabalho com Kyrgios ou Zverev, ainda mais por toda a lentidão do piso de Miami, mas ainda assim, o suiço é o mais cotado a chegar na final, já do outro lado da chave, da Nadal X Fognini na semi, mas tudo pode acontecer…

      Responder
  25. Murilo

    Dalcim,

    2 questões:

    . Há diferença entre a empunhadura de backhand utilizada por Roger Federer e a de Stan Wawrinka? Ou a diferença restringe-se à maior giroversão do tronco e “dobra” dos joelhos de Stan na execução do golpe?

    . Tenho observado que Federer tem ido muito mais à rede em Miami do que fez no Australian Open. A que se deve isso? Quadra mais lenta?

    Roger está demais nos voleios! Wimbledon este ano promete brindar-nos com aulas magnas nesse fundamento.

    Obrigado, abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A empunhadura do Wawrinka é um pouquinho mais virada. Puxa, Federer foi muito à rede na Austrália. O que aparentemente mudou um pouco é que ele está encurtando mais os pontos, jogando ainda mais dentro da quadra.

      Responder
  26. Helena

    Dalcim,
    Em um momento da partida comentaram que o Federer teve 65% de aproveitamento na rede e que eram ótimos números. Não tenho muita ideia sobre o assunto, mas que números você já considera satisfatórios?
    Ah, queria deixar uma dica. Não sei se é viável ou se seria do interesse, mas você já cogitou fazer algum livro como “as 100 maiores dúvidas sobre o tênis” ou algo parecido? Acho que você já tem um material bem legal aqui no blog com essa boa vontade em responder a tantas perguntas.
    Obrigada e um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Gramde ideia, Helena! Obrigado. Acho que em termos de subidas à rede, 70% é um número muito bom se o tenista vai com frequência.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Sei que já respondeu aqui mas fica a primeira dúvida pra seu futuro livro: como se determina quem saca no set seguinte após o tie break? Quem saca por último (mesmo ainda tendo um saque) ou o adversário que recebeu no 12o game?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Muito simples. O tiebreak é um game ímpar (7/6). Portanto, sempre sacará no primeiro game do segundo set aquele que foi recebedor no primeiro game da partida. Ou, se preferir, sempre sacará no primeiro game do segundo set aquele aquele foi que recebedor no primeiro ponto do tiebreak.

          Responder
  27. gustavo

    dalcim, olhando os jogos de ambos os jogadores que sofreram com problemas no punho recentemente ( nadal e del potro), é nítida a diferença de sequelas deixadas por um, e aparentemente a falta delas no outro. apesar de ser um comentário mais clínico do que tenístico, teve alguma diferença de gravidade entre as duas. sei que del potro chegou a operar, acho que até ambos os punhos, mas lembro também do ano passado em roland garros, quando nadal disse que precisava parar imediatamente pois corria risco de romper o tendão do punho, ou seja também nao foi algo simples. vc poderia dizer algo a respeito.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não há dúvida que os problemas do Delpo foram muito superiores ao do Rafa, com uma cirurgia no punho direito e três no punho esquerdo. Nadal felizmente não precisou disso, mas é bem possível que tenha tirado um tanto de sua confiança no golpe.

      Responder
  28. Rubens Leme

    Dalcim, estava assistindo estes dias os jogos do Borg em RG e Wimbledon e fico me lembrando do quão bom ele era. Em uma época em que os pisos eram tão distintos, ele ganhou os dois, consecutivamente, em 1978, 1979 e 1980. Adoraria tê-lo visto enfrentar o Nadal em Paris.

    Para nós, que pegamos o tênis desde aquela época, é incrível ver como o esporte evoluiu em várias áreas – técnica, física, tática -, mas constatar que dificilmente veremos um cara igual a ele, no futuro.

    Para mim, Federer só é melhor do que ele pela longevidade, já que Borg se aposentou aos 26 anos, mas com 11 Slams, que poderiam ter sido 14 ou 15 se não tivesse desistido de jogar o Australian Open (na época, disputado na grama), porque era na época do Natal.

    Responder
    1. Pieter

      Concordo totalmente que o Borg foi genial mas, nem de longe, o estilo de jogo dele era empolgante e espetacular como o do Federer!
      Borg praticava o tênis percentagem, esperando ou induzindo o adversário ao erro, valendo-se do físico excepcional que possuía e que, à época, era bem incomum entre os demais tenistas, proporcionando ao sueco uma vantagem insuperável…

      Responder
  29. Sônia

    Roger Federer, “simply the best”, está sensacional. Colírio para meus olhos, adooooro. Na minha opinião, a movimentação de pernas “é o grande diferencial” nesse retorno triunfal do Lindinho. Dalcim, fui moderada no post anterior, mas agradeço ao Roger e ao Goffin por expulsarem os futebolistas argentinos das quadras. Pobre americanos, perderam Miami, Miami era maravilhosa, agora… Beijos.

    Responder
  30. Rafael

    Para mim, Federer está jogando o melhor tennis de sua carreira até o momento. Incrível o que ele está fazendo com os saques dos seus adversários. Está neutralizando todo mundo, inclusive seu maior algos, que já havia passado de por algo assim com o Djoko a partir de 2011 e agora deve estar tendo calafrios imaginado uma final contra o suíço. Concorda mestre???
    Obs/ continuo torcendo pelo Nadal!! VAMOS!!

    Responder
  31. Leonardo lima

    Dalcim
    Ja aconteceu na era aberta um jogador trocar o backhand de duas mãos pra uma mão, ou vice-versa ? E se aconteceu , o golpe ficou eficiente ?
    Porque me pareceu no jogo de ontem que o delpo so tem uma mao rs, o seu backhand ficou bem deficitário depois das cirurgias.

    Responder
      1. Eduardo Moura Lima

        Deixa eu aproveitar o gancho Dalcim.

        Já existiram, principalmente no tênis feminino, algumas jogadoras com dois backhands. Ou seja, que batiam dos dois lados com as duas mãos, tendo inclusive campeãs de grand slam. Agora o que eu nunca vi e queria saber se já existiu é algum jogador(a) com dois forehands, ou seja, que trocasse a raquete de mão e batesse dos dois lados com a palma da mão pra frente. Eu sempre achei fenomenal a história do Nadal ter aprendido a jogar com a mão ruim, afinal ele é destro, e mesmo assim ser uns dos melhores jogadores da história. E por isso nunca entendi porque ao menos nunca tentou jogar com as duas mãos, pois afinal quem sabe jogar desse jeito com a mão ruim, deve saber (ter sabido) jogar muito bem com a mão boa né!

        O que vc acha Dalcim ? Será que é possível uma coisa dessa ? Já existiu alguém ? Não acha que seria uma vantagem enorme? E que o Nadal seria a melhor pessoa a fazer isso ?

        Abraço

        Responder
          1. Eduardo Moura Lima

            Pois é, isso seria fantástico, e uma vantagem absurda para o jogador. Imagina não ter ponto fraco, e a mesma agilidade e punho do dois lados! Ou mesmo escolher com que mão sacar dependendo do adversário ou do ponto!
            Porque será que o Nadal e seu staff não pensaram ou utilizaram isso quando ele era jovem ? Algum palpite ? Seria inovação demais ?
            Existe algum vídeo, ou alguém já viu o Nadal batendo com o direita ? Porque ele certamente consegue.

            Abraço

          2. Alice

            Vi o vídeo, achei muito interessante e bonito ao mesmo tempo. E penso que deve exigir uma agilidade pra trocar a raquete de mão, o tenista que estava fazendo executa com uma simplicidade como se a coordenação fosse igual dos dois lados, vendo ele fazer isso parece até + prático jogar dessa forma os pontos…

  32. Chileno

    Muito bom jogo do Federer contra o Del Potro. Gosto muito do argentino. Confesso que sinto uma aflição enorme cada vez que vejo ele bater o backhand. Me corta o coração ver um cara tão bom e espirituoso ter uma dificuldade tão grande por problemas físicos. Acho que ele poderia ter roubado vários títulos do Big 4 se não fossem as seguidas lesões.

    Dalcim, provavelmente já te perguntaram isso, mas… por que a pontuação do tênis é dessa forma? Porque 15, 30, 40 e game? Sempre achei esquisito isso…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Há diversas teorias, desde os quartos do relógio até um instrumento de navegação ou a divisão de moedas. Não existe consenso.

      Responder
      1. Eduardo Moura Lima

        Sério Dalcim ??

        Eu tinha lido uma vez que era porque no início do tênis, ainda amador, jogado em gramas de fazendas, após o primeiro ponto do sacador, ele sacava 15 polegadas (não me lembro da unidade) à frente do saque anterior. Depois, se fizesse mais um, sacava a 30 polegadas a frente em relação ao primeiro, depois 40… já tinha dado como certo isso hahah. Não ouviu essa não ?

        Abraço

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não era nas fazendas, era dentro dos castelos, onde era praticado o que hoje chamamos de ‘tênis real’. Essa foi uma variação, mas nada indica que tenha surgido por causa disso.

          Responder
      2. Emerson

        Dalcim, eu li uma vez que nos primórdios tenísticos na sagrada grama britânica era a distância do sacador em pés da linha de base.
        Ele começava sacando no fundo e ia à frente 15 pés ao
        ganhar o primeiro ponto, depois 30 e 40…
        A meu ver seria uma vantagem enorme pro sacador.
        Mas claro que não sei se é verídica a teoria…

        Abraços!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Isso acontecia no tênis real, jogado nas corredores dos castelos ingleses, que permitiam esse espaço enorme para andar para a frente durante a disputa.

          Responder
          1. Emerson

            Dalcim, então até pode ser possível que seja daí que tenha saído a contagem de pontos? Rsrs
            Mas entendo ser difícil encontrar comprovação desse fato.

            Abraços!

          2. José Nilton Dalcim

            Sim, tudo é possível. Mas o ‘tênis real’ não foi a primeira versão. O primeiro tratado sobre regras do tênis é de 1534, em italiano, e já falava nesse tipo de contagem.

        1. Arthur

          Também acho, Pieter. Não tem nada certo pro Federer ainda.
          Mas, se ele passar com autoridade pelo Kyrgios ou pelo Zverev (se vencer o Berdych antes, claro), vai com tudo pra cima do Nadal.
          Acho que só numa reviravolta que deixe a quadra ainda mais lenta do que já é o espanhol poderia vencer o suíço.
          Nas condições atuais (eu jamais pensei que fosse escrever isso), o Federer seria franco favorito numa final contra o Nadal.

          Um abraço.

          Responder
  33. Maurício Fonseca

    Ataque total do Mago Suíço contra o perigoso Del Potro, versus balão total do Nadal contra o freguês Kohlschreiber…

    Que diferença…

    Responder
  34. Marco Dias

    Jogos interessantes nestas oitavas. Wawrinka x Zverev tem tudo para ser um grande embate. Aliás, Wawrinka pode ter de enfrentar dois dos “novatos promissores” em sequência e depois Federer. Com certeza é a pior sequência. Na parte inferior tudo aponta para Kei x Nadal. O Nishikori, aliás, parece aqueles carros de F1 que estão na frente mas no fim abandonam a corrida por falta de combustível.

    Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Então, Marco.

          A referência foi ao vergonhoso GP da Áustria 2002.

          Na ocasião, a Ferrari tinha um super-carro, humilhando as demais equipes. E o Schumacher liderava com folga o mundial de pilotos.

          Porém, naquele fim de semana, Barrichello havia sido melhor do que o alemão em tudo. Nos dois treinos livres, na classificação e até no extinto “warm-up” que era uma espécie de último treino.

          Na corrida, Barrichello virou tempos sempre mais rápidos do que Schumacher, e liderou com folga até as voltas finais, com o alemão em segundo.

          A Ferrari então decidiu que o Schumacher deveria vencer e mostrou uma placa pro Rubinho em que estava escrito: ” Let him pass for championship”.

          Rubinho era só o segundo piloto e foi obrigado a obedecer àquela ordem ridícula.

          Só que ele foi frear e entregar a posição ao alemão, bem pertinho da linha de chegada. Pra deixar bem claro que se tratava de marmelada da Ferrari…

          Porém, o narrador da corrida, Cléber Machado, não acreditou que o Rubens daria a posição à Michael, justamente nos metros finais, e então bradou:

          ” Desta vez não, desta vez, não… DESTA VEZ SIM, DESTA VEZ SIM! É inacreditável…”

          Kkkk.

          Eu ri muito naquele dia. Foi um dos maiores vexames da história da F-1

          Responder
  35. Sérgio Ribeiro

    Bautista bem adaptado às duras, mas como todo Destro da Armada, pode dar um pouco de trabalho, mas no Final…Assim como Berdych pode marretar a vontade. O Craque Suíço tem tudo para estar nas Semis. Papai Zverev já pois o garoto mais à frente. Pode sim incomodar Stan , a meu ver. Aguentar karlovic e seus vários Aces de segundo Serviço, mostra que kyrgios pode sim, desta vez fazer a aguardada Semi com Roger. Rafa Nadal realmente é uma incógnita. Se perde todinho perto da base, como gostaria Moya. Sinceramente e’ o favorito mais Zebra da História do MASTERS 1000 de Miami rs ABS!

    Responder
  36. Alisson Matos

    Excelente partida, ofensividade a toda prova, Federer encarou de frente o forehand de Delpo, coisa que ele costumava fazer na década passada contra seus adversários com certa frequência, ou seja, jogar no melhor deles (em alguns casos com teimosia).

    O segundo parágrafo é uma das verdades do Tênis, já fui derrotado tendo meu segundo saque fortemente atacado, meu primeiro saque que no início da partida estava funcionando sumiu, eu percebi o que estava se passando e não achei uma solução, as devoluções feitas sobre meu segundo saque pressionaram a minha mente.

    Responder
    1. Alice

      O que você acha que poderia ter feito hoje pra ter ganhado aquela partida? Ou mesmo, o que fará em uma próxima vez? Arriscaria + com segundo serviço?

      Responder
      1. Chileno

        Isso ocorreu comigo esse fim de semana. O que eu fiz foi arriscar menos no primeiro saque. Sacava um pouco mais fraco e um pouco mais no meio pra ter de jogar menos vezes com o segundo saque. Funcionou em partes. Obtive menos pontos fáceis, porém dei menos chances do oponente atacar meu segundo saque. Não sei se foi uma estratégia correta. No fim eu acabei perdendo a partida. O oponente soube aproveitar bem os break points que teve e eu fracassei quando tive minhas chances.

        Responder
        1. Alice

          HAHAHA. Sim, com certeza buscaria a variação no primeiro saque, mas se estiverem devolvendo o meu segundo, eu iria arriscar sim uma variação e + potência.

          Responder
          1. Alisson Matos

            Alice, hoje eu tentaria mais vezes o Kick Serve, no segundo, talvez no primeiro serviço, naquele momento meu saque era muito flat, e o efeito mais slice.

            Tentei servir com slice no primeiro e invariavelmente a pedrada vinha grande, procurei uma saída na oportunidade, mas não tinha uma das chaves na manga hahaha.

            Em um futuro breve, espero sacar com mais desenvoltura o Kick Serve e ter mais tento de pensar, ainda erro de+ com ele.

  37. Lucas Quagliato Narcizo Ribeiro

    Bom dia Dalcim, esse é o meu primeiro comentário aqui no blog, mas já leio ele a muito tempo, queria parabeniza-lo, por todas as informações e pela dedicação de sempre nos passar as melhores visões. Dalcim, Madrid publicou a lista de inscritos e o Federer está inscrito, você acha que ele jogará Roma também, ou irá direto pra Roland Garros? Sobre o jogo, Federer está voando e a possibilidade dele vencer Miami esse ano é muito grande, acuou o Del Potro de um jeito que poucas vezes tinha visto, prova disso foi o fato de poucas vezes o argentino ter conseguido disparar sua direita fortíssima.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu já imaginava que ele iria a Madri, que é um saibro rápido. E acredito que ele tdntará sum Roma para se preparar melhor para Roland Garros. Abs

      Responder
      1. Nando

        Espero q além de jogar em Madri e Roma, o Rei jogue um Atp preparatório no lugar de Monte Carlo…poderia ser o Atp de Estoril conforme vc citou mestre, pra ele calibrar os golpes e ver como se sairá no saibro.

        Responder
  38. Bruno Macedo

    Acho q so o Kyrgios e Wawrinka (num dia de inspiração dos dois) seriam capazes de parar o Federer. Gostaria muito de assistir um jogo do Federer contra o Kyrgios inspirado e concentrado. Seria sensacional!

    Responder
  39. MARCIO WELLINGTON DE VILHENA BRITO

    meus amigos, vamos contemplar cada minuto, cada lance , cada jogo, como se fosse o último de Roger Federer . Eu já estou emocionado só de pensar que provavelmente será seu último ano nos encantando com suas jogadas maravilhosas. quero aqui saudar o Luiz Fernando pelo reconhecimento do talento do suiço. não é demérito pra ninguém rever suas posições e óticas. No mais Go Roger !

    Responder
  40. João Bento

    Caro Dalcim. Sou assíduo leitor e admirador de sua coluna, e divirto-me muito com os comentários ali presentes. E venho dividir com você e seus leitores uma sensação muito boa: que privilégio poder assistir às partidas desse gênio e exemplo do tênis que é o R. Federer. Como batedor de bolinha nos fins de semana é impossível não admirar esse “senhor” de 35 anos reinventando o tênis e nos brindando com jogadas maravilhosas. Longa vida ao “rei” e a todos nós, fans desse esporte tão interessante. Grande abraço, Dalcim e parabéns pelos seus comentários inerentes e esclarecedores!

    Responder
  41. Ronildo

    André Agassi, André Agassi! Às vezes eu leio algumas declarações de alguns ex_tenistas e me lembro do filme A Inveja Mata. André Agassi teve uma das carreiras mais vencedoras e duradouras do mundo tenístico e por isso mesmo, faz alguns anos, sua longevidade na carreira foi elogiada pelo Cara, Mister Roger Federer. Com certeza este elogio chegou aos ouvidos do Senhor de Cabeleira Abundante Que Virou Careca! E não é que recentemente, André Agassi, numa entrevista em que abordou assuntos do tênis atual e Roger Federer, é claro, soltou a pérola: “Se eu voltasse ao passado provavelmente me aposentaria mais cedo”. KKKKK, isso é cômico! O negócio é que quanto mais o nome Roger Federer aumenta devido às conquistas, proporcionalmente maior é a diminuição de quem já parou, como André Agassi e Pete Sampras. Esses caras não aguentam mais ver Roger Federer ganhar, tanto é que nem aparecem nos estádios. Sinceramente, para mim, o único que se salva nesta história é Rod Laver, que tá sempre lá, prestigiando, embora seja idoso. Mas este meu comentário não é por causa do comparecimento aos eventos e sim por causa das declarações que eles costumam dar, porque essa do Agassi não foi a primeira declaração que foi dada neste sentido por parte da turma que já parou. Mas, para não ser mal entendido, meu foco é o filme estrelado por Rod Laver, Roger Federer, Pete Sampras e André Agassi, com participações especiais de Jimmy Connors, Boris Becker e John Mac Errou.( Decididamente não sei escrever o nome do último)

    Responder
    1. Sônia

      Ronildo concordo plenamente contigo. Esse dopado americano só fala abobrinhas. Cravou o legalmente dopado espanhol como o melhor de todos os tempos rsrsrsrsrsrs. Após sua biografia onde confessa “espertezas” deveria, se honrado fosse, sumir do mapa. Beijos.

      Responder
      1. Alice

        AH, agora entendi um pouco desse sentimento ruim em relação ao Agassi dos #TeamFederer…rsrs

        Se Agassi disse, tá dito né? Pra ele, claro. HAHAHA

        Responder
  42. Rubens Leme

    Dalcim, saberia dizer se o Isner é o jogador que mais jogou tie-breaks na carreira? É incrível como todo jogo dele tem.

    Ontem foi ele quem perdeu o jogo. Tinha 4×2 no tie do terceiro set (podia ser 6×0, pois os dois pontos do Zverev foram dois erros tolos dele) e continuou a errar sem parar. É a típica derrota que vai lhe roubar o sono por dias.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Quem mais jogou foi o Karlovic (348 vencidos e 335 perdidos antes de Miami), mas quem mais ganhou foi… Roger Federer, que atingiu 400 com o que venceu diante de Tiafoe diante de 218 perdidos. Isner tinha 320-195 antes de Miami.

      Responder
  43. Raul Patti Pereira

    Dalcim
    Você se lembra de algum ou alguns tenistas que nem o Wawrinka, com poucos títulos de masters e ATP, ascenção tardia e que crescia nos grand slams?
    Muito peculiar essa trajetória dele com 1 slam por ano e pouca regularidade/dedicação ao demais torneios?

    Responder
      1. Rubens Leme

        Teve o caso do Patrick Rafter, que ganhou seus dois Slams com 24 e 25 anos (ambos US Open) e seus Masters, também aos 25 e depois fez mais duas finais de Slams, com 27 e 28 anos (ambas Wimbledon) e teve 4 vices em Masters 9 (os 1000 de hoje), entre 27 e 29 anos.

        Se é que podemos considerar 24 e 25 anos “tarde” para ser campeão.

        Responder
        1. Alice

          Não, Rubens. Nessa idade é onde normalmente os tenistas alcançam seu “auge”. Mas uma coisa é alcançar seu auge nessa idade, outra é começar a ganhar título importante nesse período (25-26 anos). Acho que me enrolei toda, mas vou mandar mesmo assim u.o.

          Responder
      1. JACQUES GIORDANO

        Manda ver Alice. Estamos nos divertindo. É só uma provocaçãozinha (se é que essa palavra existe). Confesso minha predileção pelo Federer, mas não odeio nenhum dos outros tenistas. Gosto de ver aos jogos de todos. Cada um tem sua peculiaridade e sua eficiência. Torço muito para que o Djoko recupere o ótimo tênis e que enfrente o Federer nessa fase incrível. Pra mim, quem vencer pouco importa, quero ver esse jogo. Só isso.

        Responder
  44. Felipe

    Dalcim,

    Nas vezes que Nadal voltava de suas contusões e conseguia nessa volta jogar muito bem, muito se falava de sua condição física e por vezes levantavam suspeitas de como isso seria possível…
    Nessa temporada do Fedex, o que impressiona é a melhora tecnica e porque também não falar tática dele! Claro que o físico está bom, mas o que saltam aos olhos claramente são aspectos tecnicos aprimorados!! Isso de um “senhor”!!! O que ele anda fazendo com o BH está assombrosso e principalmente, na minha singela opinião, taticamente o modo como ele tem respondido os serviços no seu BH está inacreditável!!!
    Vida longa ao rei!!!

    Responder
  45. Marcos RJ

    Federer x Delpo foi um excelente jogo mas nao achei o resultado surpreendente, conforme comentei no ultimo post. O Delpo foi um guerreiro como sempre, e pra mim foi a grande surpresa positiva pois conseguiu manter o jogo um pouco mais competitivo, por ter batido o seu backhand muito mais forte do que de costume. Pagou o preco pela valentia e precisou colocar uma fita protetora no punho esquerdo. Sem querer menosprezar o delpo (muito pelo contrario, sou fa do argentino) foi um treino de luxo pro suico. Ta pintando o 3o Fedal do ano, e se continuar dessa forma vai ficar feio pro espanhol.

    Responder
    1. Alice

      Você acha mesmo que o Rafa tem chances de chegar a final e enfrentar Federer? Espero quebrar a cara, mas com esse jogo do Nadal tudo se torna “sofrido”…

      Responder
      1. Chileno

        Concordo que o jogo dele não está aquelas coisas…

        Por outro lado, na chave dele não tem ninguém tão perigoso assim, e ele é especialista em vencer jogando mal. Acho bem provável que chegue na final.

        Responder
  46. Fernando Filho

    Dalcim, com todo o teu conhecimento tenístico, acompanhando o circuito há tanto tempo, já viu um saque tão incrível quanto o do Karlovic? Os números do homem assustam!

    O jogo entre Federer e Delpo me pareceu bem rápido. Será que o piso está mais rápido este ano, ou a atitude ofensiva dos dois levou a isso?

    Abraços! Parabéns pelo blog.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Houve muitos grandes sacadores, como Ivanisevic ou Tanner. Mas Larlovuc está certamente entre os maiores. Um estudo da Tv americana duz que a quadra está mais veliz que Indian Wells. Abs!

      Responder
  47. Rafael Brasiliense

    Boa análise. Dalcim, aproveitando o gancho, como são feitos os sorteios dos confrontos das chaves nos torneios? A única regra que sei é que o primeiro do ranking fica de um lado da chave e o segundo, do outro. Por isso, os dois só podem duelar na final. Mas e o restante dos jogadores? Certamente não é um sorteio aberto, sem nenhum parâmetro. Se assim fosse, os melhores jogadores poderiam cair numa chave só, enquanto o outro lado ficaria fraco. De um lado da chave poderia ter, por exemplo, o número um do ranking, o número três, o quatro.. tudo junto. Consequentemente, ficaria muito desproporcional, porque a outra chave ficaria muito fraca em relação à primeira. Não faria sentido ser dessa forma. Enfim, como é feito esse sorteio?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É para evitar isso que foram criados os cabeças de chave, que ficam distantes entre si e assim só poderão duelar mais para a frente. Existe todo um critério para a colocação dos cabeças, mas tudo é feito por sorteio público.

      Responder
  48. Diego

    Federer foi fantástico, soberano e me parece cheio de motivação, que é o mais importante nessa altura. Com certeza absoluta vou ver o Jogo do Stan contra o Zverev, expectativa de muita emoção. Se der quero acompanhar o Kyrgyos tbm. Acabei de assitir o jogo da Venus… assim… Acho que ela melhorou muito mesmo nesses últimos meses, mas é cada erro não forçado inacreditável. Ela dá muito ponto de graça pras adversárias. Ela podia trabalhar isso e teria vida bem mais fácil. Principalmente porque eu já assisto um jogo desses tentando analisar o que essa jogadora poderia fazer num Grand Slam contra a Serena, e, nocaso da Venus, a minha resposta é “nada”.

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>