Para matar saudades
Por José Nilton Dalcim
26 de março de 2017 às 00:38

Roger Federer e Juan Martin del Potro escreveram deliciosos capítulos do tênis por quatro ou cinco temporadas, com duelos magistrais, disputados, emocionantes. Três anos e meio depois, agora com carreiras reconstruídas, os dois voltarão a duelar ainda na terceira rodada do Masters de Miami.

Quantos jogos incríveis. A final do US Open de 2009 que o então garoto Delpo conseguiu vencer colocou o molho que faltava, mas pouco antes eles já tinham feito uma batalha de arrepiar na semi de Roland Garros. Em 2012 e 2013, pelo menos cinco partidas memoráveis, como a virada espetacular em outra semi de Paris e o 19-17 no set final das Olimpíadas em favor de Federer, os dois títulos de Delpo dentro da Basileia e a suada vitória do suíço no Finals de 2013, que foi o duelo mais recente.

O reencontro de segunda-feira pega os dois em momentos distintos. Federer é o grande destaque do circuito atual, praticando um tênis agressivo de alta qualidade, com backhand afiado como nunca e muito preparo físico. Del Potro iniciou tardiamente a temporada, ainda não embalou, precisou alterar seu plano tático e hoje usa mais slice do que o próprio suíço. O argentino certamente sabe que, se não ousar mais com o backhand batido, terá poucas chances.

Miami é bem diferente de Indian Wells. A umidade sufoca os tenistas e deixa as condições mais lentas. Mas também tem o vento para incomodar e a chuva para esquentar o banco do vestiário. O desafio mental se torna grande. Na parte inferior da chave, onde estão Kei Nishikori e Rafael Nadal, já caíram 10 dos 16 cabeças, entre eles Marin Cilic e Grigor Dimitrov. De nome perigoso mesmo, restou Milos Raonic.

No lado superior da chave, onde estão Federer e Stan Wawrinka, também houve pequenas surpresas, mas o destaque mesmo foi a atuação firme de Borna Coric que tirou a paciência de Dominic Thiem. O croata precisava muito de um resultado de peso para tentar reagir após a cirurgia no joelho e a parada forçada, mas ainda é defensivo demais. Funcionou contra Thiem, que exagerou de novo na força e perdeu a cabeça no final do segundo set.

Além de Federer x Delpo, a terceira rodada promete ainda com Nadal x Philipp Kohlschreiber, Nishikori x Fernando Verdasco e Alexander Zverev x John Isner.

Quadro comparativo
O internauta Lucas Torres Macedo envia um interessante quadro comparativo entre o desempenho dos quatro maiores tenistas do momento e os dois grandes da década de 1990 , que tiveram grandes campanhas em Grand Slam e Masters 1000.

O estudo gera boas reflexões. Segue abaixo:

image001


Comentários
  1. Evaldo Moreira

    Boa noite,
    Impressionante como o Federer está, até o presente momento, saque consistente, backhand afiado, boas variações em seus jogos, como não vi ao vivo, vi os melhores momentos, então me chama a atenção a boa movimentção do jogo de pernas do suiço, concorda dalcim?
    Isso mostra, o belo trabalho na preparação fisica do Federer, e se ele continuar assim, com essa desenvoltura, jogando solto, livre de pressão, que é m omento de agora, e com o calendário enxuto, Federer joga tranquilo neste ritmo por pelo menos até 2019, concorda Dalcim!?, desde que se mantenha sadável, rsrsrsrs.
    Um mero detalhe, A. zverev, ganhou do suiço, quando este (Federer, estava meia boca, na gira, quer dizer, abaixo o rendimento, via retorno ao circuito e/ou estava com problemas fisicos, e mesmo assim, foi longe), do jeoto que o Federer está jogando, claro sem desmercer o alemão, será jogo parelho, e com vantagem para o suiço, é a minha opinião de momento.

    Responder
  2. Sérgio Ribeiro

    E não e’ que foi mesmo em Sets diretos. Com direito a mais Winners, pontos na Rede , e mais Aces. Totalmente fiel a sua tática ofensiva, surpreendeu o Hermano ao não ataca- lo tanto no Back. Novak teve que ceder Sets em Acapulco e em Indy, fazendo ao contrario. Perto dos 36, da pra sair do Top 17 ao Top 5 em 9 Semanas ? Nunca duvide de Roger Federe;r. Olho em Kyrgios.Abs!

    Responder
  3. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, tudo bem que o Isner bobeou, mas o Zverev teve atitude de campeão. E não foi a primeira vez. Se fosse um outro “novato”, tipo o Thiem ou o Kyrgios, já entregaria o jogo ali. Esse vai ser número 1 fácil. Abs.

    Responder
  4. Pieter

    Galera, sei que ainda é muito cedo, mas acabo de verificar na chave de Miami que o Zverev e o Kyrgios estão no mesmo quadrante do gênio suíço ( preciso dizer a quem me refiro?). Ou seja, se os deuses do tênis assim o permitirem, um dos dois jovens pode vir a enfrentar o Mestre, acho que nas quartas de final… Pode vir clássico por aí…haja coração!

    Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Eles estão no caminho de Stan, o que pode dar caldo. E Federer agora só terá desafio (em tese) nas semis. Berdych/Mannarino/Bautista não podem ser considerados desafios maiores que Delpo.

        Gostei de Federer hoje. Sério, concentrado, com controle absoluto do jogo. O backhand continua a fazer estragos – foram 8 winners hoje, sem contar os erros forçados – e o saque continua aliviando momentos complicados. Tem sido consistente na rede (65% de eficiência) e mesmo no fundo de quadra, os winners tem mais que compensado os erros.

        Não vejo ninguém jogando melhor que o suíço hoje. Nadal e Wawrinka tem tido grandes altos e baixos e Zverev e Kyrgios quase deram adeus hoje. Não confio em Kei Nishikori. A ver o que nos reserva o torneio.

        Responder
  5. Alice - Meu vizinho da Alemanha venceu! :D

    E o Sascha (Alexander Zverev) acabou de ganhar do Isner em TRÊS tie-breaks!!!

    OBS: Quando estava 4-1 para Isner no último tie-break soltei um: “VAI Alexander” e ele foi… HAHAHA :P

    Uma pena Coric ter perdido. Continuo torcendo para uma recuperação do Dimitrov e uma maior ascensão do Borna…

    Responder
  6. Nando

    Mestre, qual é o pior desses adversários pra um tenista? Um “Ivo Karlovic” ou um q defende td, devolve td?
    Deu pra ver no jogo do Kyrgios a frustração do mesmo qnd ele tinha os breaks e aí o grandão encaixava aqueles aces salvando kkkkkkkkk

    Responder
  7. Aloysio Rauner

    Aproveitando o debate ai de Djokovic x sampras

    meu top 5 dos maiores de todos os tempos

    1 – Federer
    2 – Djokovic
    3 – Laver
    4 – Sampras
    5 – Nadal

    Responder
  8. Luis

    Dalcim você deve escrever sobre Federer x Delpo mas foi um jogo legal no 1 set o esperado dois atacando como disseram SporTV,e acabou o legends kkkkk,acho que Federer jogando como vem desde Indian e na Austrália dificilmente não chega na final tem partida mais tranquila com espanhol Agut,nas quartas enfrentaria que tenista Dalcim? Se for Berdich prepara hora do poderoso suico kkk,sorriso amarelo do tcheco rs

    Responder
  9. Nando

    Bom jogo do Rei contra um grande adversário, e agora é a mesma receita: quietinho, comendo pelas beiradas e elevando o nível de jogo ( hoje foi assim tbm), rumo ao título.

    Dalcim, Federer explorou pouco o revés do Delpo, não? Pareceu q ele quis ganhar “nos termos do adversário”.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não necessariamente. Ele sabia que Delpo iria proteger mais o backhand, jogando geralmente um passo mais para a esquerda e com isso tentou tirá-lo do conforto para abrir espaço.

      Responder
      1. André Barcellos

        A pergunta é: Será que ele fez isso intencionalmente? rsrs
        Também achei que ele pegou o Delpo despreparado nessa coisa de proteção excessiva ao Backhand.
        Vi Nole usar essa mesma tática contra Nadal algumas vezes. Principalmente na devolução.
        Acho que ele joga sem muita aplicação tática.
        Se bem que neste ano está com aplicação estratégica pra todos os jogos: ser o mais agressivo possível.

        Responder
  10. José Eduardo Pessanha

    Rodrigo, só pra completar aquele papo sobre o Delpo. Também acho que o Delpo tem um jogo bem mais bonito do que o australiano, mas tenho certeza que o Hewitt foi mais jogador. Hewiit foi um mini-Nadal, sempre foi muito carne de pescoço. Sofreu com problemas físicos, tanto quanto o Delpo. Hewitt é o jogador mais injustiçado da história do tênis. Venceu Sampras duas vezes na grama rapidíssima de Queens, jantou o Guga na final de Indian Wells e no saibro de Floripa na Davis. Meteu pneu no Sampras no Finals de 2000. Ganhou do mesmo na final do US Open 2001 – 7/6 6/1, 6/1. Não teve entressafra, pois os melhores anos de Hewitt foram em 2000 e 2001, quando Sampras e Agassi estavam jogando bem. A partir do segundo semestre de 2002 o seu jogo caiu, muito em função do início das contusões. Abs.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Nossa Senhora!

      Discordo 100% do que você escreveu! Kkkkk

      Desta vez, não deu pra concordar com uma só linha. (rs).

      1) Hewitt mais jogador do que o Delpo?

      Pra mim, isto é piada pronta! Seria como comparar o Barrichello ao Senna…

      O Hewitt conquistou quase tudo de grandioso em sua carreira, enquanto TEVE PERNAS. Nem vem com papo de contusões, não. Porque CONTUSÃO MESMO quem teve foi o Delpo!

      2) Hewitt jantou o Guga em Indian Wells.

      Todo tenista TOP já tomou placares alargados em algum momento de sua carreira. O Hewitt já cansou de ser VARRIDO DE QUADRA pelo Federer, por exemplo.

      Na final do Us Open 2004 , contra o suíço, ele voltou pra casa pedalando uma CALOI. ( um duplo pneu!) Eu nunca havia visto um tenista ser tão surrado em uma final de major como o Hewitt fora, até o Federer perder bizonhamente do Nadal em RG 2008…

      Obs> O Guga , por exemplo, nunca foi humilhado pelo suíço. Sem falar que justo na semi que você citou, o Guga teve de fazer dois jogos duríssimos no mesmo dia, o primeiro deles batendo o Federer!

      3) O Sampras jogando bem na época de Hewitt?

      Isso é gozação, né?

      O Sampras já amargava um jejum de títulos do período de junho de 2000 até setembro de 2002! Quando na ocasião, ganhou de forma surpreendente o Us Open e anunciou a sua aposentadoria…

      Lembrando que Hewitt ascendeu ao primeiro posto, em setembro de 2001 e dominou o tênis até 2003. Um período curto.

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        kkk. Com certeza você não acompanhou essa época. Sampras fez 3 finais de US Open seguidas (2000, 2001 e 2002). Se isso é jogar mal, não sei o que é jogar bem. E,sim, Hewitt foi muito mais jogador do que Delpo. Incomodou em tudo quanto é piso. E de bônus, ganhou o maior ponto da história do tênis. Delpo nunca deu um voleio na vida. Só pancadaria. rs. Compare o currículo de um com o de outro. Não dá nem pra começar a comparar. Esse é meu último post sobre esse assunto. rs. Valeu.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Bem Pessanha, eu não sou dono da verdade. E reitero o meu respeito à sua opinião.

          Hewitt foi muito forte de cabeça, e um grande campeão pro tênis limitado que praticava. Disto, eu não tenho dúvidas…

          Eu acompanho tudo sobre este esporte, desde 1999.

          E me lembro com MUITO CARINHO deste período…

          Só é certo que definitivamente não vejo as coisas da forma que você vê.

          Um mero Davi Goffin o espancaria hoje em dia (rs).

          Hewitt pegou o Sampras muito fora do auge do americano.

          Apesar dele ter feito finais de Slam que você citou, um tenista do PEDIGREE de “Pistol Pete” ter ficado 2 anos sem ganhar um titulozinho de ATP 250, é uma vergonha.

          Na época eu era meio “anti-sampras” (tinha raiva dele por causa do Guga e do Agassi kkk) e me alegrava de vê-lo em jejum.

          O Lleyton que adorava cerrar os punhos no erro do adversário e berrar “c’ommon” na cara deles, teve a felicidade de pegar um Guga bichado, e um Safin instável.

          Lembro-me que o único tenista Top 20 a incomodá-lo era o Carlos Moyá que em alguns embates, o fulminava com a sua direita!

          O Hewitt jogava de uma forma que não dava pra admirar. Eram bolas com ALTÍSSIMA MARGEM de segurança dos dois lados, regularidade, correria, e uma ALIMENTAÇÃO CONTÍNUA de erros dos seus adversários.

          Hoje em dia, esse jogo dele seria anulado por qualquer tenista que ataque bem e tenha consistência.

          Agora vamos à uma comparação com o Delpo?

          Ok, o australiano era bem melhor de rede, se movimentava muito melhor, e tinha muita raça.

          Porém, o argentino se coloca anos-luz de distância dele nos seguintes quesitos: saque, slice e forehand! E creio que até seu backhand batido (quando Delpo ainda o utilizava).

          Hewitt jogava sempre no contra-ataque, o qual foi eficaz naquele momento histórico em que o tênis de ataque começava a perder terreno pro MARATÊNIS que despontava então como uma espécie de novidade. (rs).

          Contudo, mesmo este maratênis praticado pelo fantástico C’OMMON, me parece claramente menos evoluído que o maratênis do Djokovic e do Nadal… Acho que esses dois venceriam facilmente o australiano.

          Este é meu último post sobre o assunto também.

          Um grande abraço.

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            O Guri sempre se supera. Vence fácil o L.F. nas besteiras que Posta. Moya perdeu as últimas quatro contra Hewitt. E depois dele, nada de maratenis. Veio o domínio absoluto do Craque. Acompanha desde 1999 ? Em 18 anos aprendeu pouco. ABS!

    2. Sérgio Ribeiro

      O mais jovem N 1 da Era Profissional venceu 30 ATPs. 4 Finais de SLAM ( bateu Sampras e Nalba), 3 de Finals ( levou 2 ), 7 de Masters 1000 ( levou 2 ). Retrospecto positivo contra Sampras, Guga e 4 x 4 com Agassi. Seu maior rival , Marat Safin , 6 x 7 ( perdeu 3 no Saibro). Eliminou Rafa Nadal 2 vezes no AOPEN e no 4 x 7 contra o Espanhol, o homem das mil Cirurgias perdeu 4 no Barro. ABS!

      Responder
  11. Rafael Brasiliense

    Dalcim, o 5º lugar para o Federer já está garantido, não é? Ele está, no atual ranking, 175 pontos atrás do Raonic. O canadense tinha 180 pontos para de defender em Miami. Como ele defendeu apenas 45, perdeu 135, ao passo que Federer já soma 45 – já que ele não tinha pontos pra defender no torneio. Somando os 45 ganhos pelo suíço com os 135 perdidos pelo Raonic, dá 180, o que é maior que os 175 pontos de diferença entre os jogadores no atual ranking.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele ultrapassou Raonic e está provisoriamente em quarto. Pode ser ultrapassado por Nadal ou Nishikori e cair para sexto, desde que um seja campeão e outro semi. Se ganhar do Delpo, aí sim ele garante o quinto.

      Responder
  12. Luiz Fabriciano

    Dalcim, analisando o interessante quadro do post, os três maiores disparados são Federer, Novak e Nadal.
    Mas falando só dos três, e olhando exclusivamente, digo exclusivamente, para números, em percentual de aproveitamento, Djokovic é maior que os dois, porque, nos maiores torneios, em GS está 2 pontos abaixo de Federer e 3 abaixo de Nadal, no Finals empata com Federer (Nadal nem consta) e em M1000 dá um banho nos dois. Nos torneios menores, seu percentual é bem inferior, basicamente por pouco participar.
    Grande abraço.

    Responder
    1. Francisco

      1 Major equivale a 5 Masters 1000
      A DIFERENÇA É ENORME
      7 RODADAS SEM BYE, NO MÍNIMO 21 SETS PARA SER CAMPEÃO, JÁ OS masters 7 rodadAs de melhor de 3 sets somente em IW E MIAMI, JÁ NOS OUTROS SETES 6 RODADAS E PRIMEIRA DE BYE PARA OS CABEÇAS

      #OQUECONTASÃOMAJORS

      VIDE SAMPRAS, NA HISTÓRIA, AINDA A FRENTE DE NOVAK

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        “1 MAJOR EQUIVALE A 5 MASTERS 1000″.
        Isso é apenas o que você quer. A própria pontuação diz tudo: M1000 – 1.000 pontos, GS – 2.000 pontos.
        Um abraço para não esticar o papo.

        Responder
  13. ULISSES GUTIERREZ

    Dalcim,

    no jogo de ontem do Nadal pelo que vi depois de ser atropelado no primeiro set recuou bastante jogando acho que pelo menos uns 3 metros da linha de base. Com esse jogo bastante defensivo conseguiu virar o jogo, lógico ajudado pela queda do alemão cometendo erros bobos. O problema que se fosse um jogador TOP (não preciso nem colocar o Federer) essa tática ao meu ver não daria certo.
    Estou convencido mesmo que o DNA da Nadal e para jogar na defensiva esperando os contragolpes ou erros do adversário, não tem lógica exigir que mude essa altura da carreira. Aliás essa maneira de jogar foi que lhe deu sucesso lhe colocando entre os 10 maiores da história do esporte. Jogo feio, no entanto eficiente.

    Responder
    1. Alice

      10 maiores dá história do esporte? Se você diz em relação ao tênis, talvez ele esteja entre os 10+, agora se for esporte em geral, acredito que não hein. Mas, eu entendo sua opinião se considerarmos que muitos não conhecem todos os “grandes” dos mais variados esportes…

      AH, e super concordo contigo, quando você diz que Nadal joga feio (técnica + defensiva), mas que funcionou pra ele. Sendo assim é isso que conta, só acho que Nadal mostrou em quadra muito + que um “jogo feio e eficiente”, ele mostrou muita técnica pra executar seu fulminante golpe, que alguns chamam de ‘balão’, seus incríveis números de rpm (rotações por minuto/bola), sua grande movimentação de pernas e claro sua fortaleza mental capaz de sufocar seus adversários levando ao erro… E o que ele fez em RG, nem um outro tenista foi capaz de fazer igual na história do tênis {9 títulos / 72-2 (97%)}… ;)

      Responder
        1. Alice

          Me ajudando na interpretação, Marco. Toda ajuda é bem vinda, eu evolui bastante nela (interpretação), mas não sou a “expert” ainda… :)

          Responder
  14. Castilho

    Dalcim,

    Com relação a “saída do ar” do blog por praticamente 2 dias, eu gostaria de dar uma sugestão: o site do Tenis Brasil, poderia colocar uma mensagem informando do problema. Eu entrei várias vezes nesses 2 dias e busquei por notícias sobre isso e não tinha nada… Só uma sugestão.

    Abraços

    Responder
  15. ULISSES GUTIERREZ

    Dalcim,

    no jogo de ontem do Nadal pelo que vi depois de ser atropelado no primeiro set recuou bastante jogando acho que pelo menos uns 3 metros da linha de base. Com esse jogo bastante defensivo conseguiu virar o jogo, lógico ajudado pela queda do alemão cometendo erros bobos. O problema que se fosse um jogador TOP (não preciso nem colocar o Federer) essa tática ao meu ver daria certo.
    Estou convencido mesmo que o DNA da Nadal e para jogar na defensiva esperando os contragolpes ou erros do adversário, não tem lógica exigir que mude essa altura da carreira. Aliás essa maneira de jogar foi que lhe deu sucesso lhe colocando entre os 10 maiores da história do esporte. Jogo feio, no entanto eficiente.

    Responder
  16. Marco Dias

    Acima de tudo espero um grande jogo entre Federer e Delpo. Quem sabe um “duelo de forehands”? (Tudo que o argentino quer…).

    E o “espetacular” Nadal tomou um pneu do Kolschreiber!! kkkkkk… pena o alemão não conseguir manter o nível por mais tempo, me agrada muito o seu jogo.

    Tem gente sem paciência com o Thiem. É só ele perder que aparecem os comentários diminutivos (ao estilo do LF). Acho normal essa oscilação dele ainda. Com pequenos ajustes logo deve subir um degrau.

    E o Raonic com seus problemas, parece que 2017 não será nada fácil para o canadense. Pena, um desafiante a menos para o BIG4.

    Abs!

    Responder
    1. Alice

      Marco, sem sombras de dúvidas Rafa foi espetacular um dia, mas atualmente não é. A verdade dói, mas eu tenho que aceitar isso, até porque o rumo-declínio de final de carreira chega pra todos que não se aposentam no auge. Ainda tento acreditar que ele voltará a jogar um jogo espetacular e conquistar + no tênis…

      AH é um salve para o Borg, tenista corajoso….rsrs

      Responder
  17. Mario Cesar Rodrigues

    Caro Dalcim mas é muito engraçado este negócio de pneu oras ficam falando do Rafa para mim é normal sinceramente acontecer isto ficam delirando as pessoas mas penso que é para zoar.. agora levar um pneu do Rafa em RG na final ninguém lembra isto sim se por na balança é mais pesado.Rafa levou pneu novidade.Até parece que isto não possa acontecer com qualquer um…Mas Dalcim o jogo do Rafa sempre foi este tentando mudar algumas coisas eu imagino que seja mais é ansiedade,e também o físico claro que os anos passam e as coisas mudam mesmo assim na minha opinião ele está em uma boa temporada comparando com 2 anos passados!Dalcim quanto ao Sportv 3 quando não está passando tem o Premiere sei lá 123456 que está libierado o Sportv 4 deve servir para alguém ai!abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      ‘Pneu’ é algo curioso, mas realmente vale pouco no tênis. Porque é um esporte que dá oportunidade de recuperação. Consistência é a palavra chave e quase sempre vence aquele que mantém maior consistência ao longo da partida.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não faço ideia Pieter. A assessoria dela não divulgou. Acredito no entanto que ela esteja de preparando para os challengers do saibro europeu, onde sempre se deu bem.

      Responder
  18. Maurício Fonseca

    Eis o percentual de vitórias atual:

    PLAYER V D TOTAL % VITÓRIAS
    Djokovic 762 158 920 82,83
    Borg 609 127 736 82,74
    Nadal 822 178 1.000 82,20
    Federer 1.097 246 1.343 81,68

    Responder
    1. Márcio Souza

      Grande levantamento informativo Maurício!

      Federer tem em relação aos seus dois maiores rivais um aproveitamento excepcional acima dos 81%.

      Em relação a Nadal são 343 jogos a mais e 275 vitórias.
      E em relação a Djokovic a diferença é ainda maior 423 jogos a mais e 335 vitórias.

      Será que tanto Nadal quanto Djokovic chegarão a quantidade de partidas oficiais que Federer tem hoje de 1343 e conseguirão manter o aproveitamento acima de 81% como o Mestre vem fazendo?

      Sam Querrey, Nick Kyrgios e os ISTOMIN da vida estão dizendo que não kkkkkkkkkkk

      Responder
    2. Alice

      Borg, talvez consiga ficar na frente do Big Four nesse quesito (%), porém ele jamais terá o número mágico de 1000 jogos ou vitórias, coisa que Nadal e Djokovic ainda podem alcançar…

      Responder
  19. ALEXANDRE LIMA

    Dalcim, independente das preferências de cada torcedor, acho que todos deveriam ao menos reconhecer o fato do Federer ser um enorme exemplo de compromisso com a evolução contínua das próprias habilidades. Mesmo com o status que alcançou, ele não parece satisfeito com a ideia de permanecer estagnado. Aos 35 anos de idade, o cara ainda está disposto a preencher “buracos” em seu jogo – como no caso do backhand, que costumava ser tão explorado pelos adversários. E isso após decidir trocar de raquete num período que muitos consideravam “o fim de sua carreira”, e aperfeiçoar um estilo agressivo de devolução que foi batizado com seu próprio nome.
    Pode ser apenas uma opinião de fã, mas acho que dá pra aprender muita coisa com essa postura do Roger. Primeiro porque parece óbvio que ele realmente AMA o jogo (diferente do Kyrgios, por exemplo). E quando a gente faz o que gosta, é difícil nos sentirmos “cansados” ou “desmotivados”. A excelência é fruto da vontade permanente de se aperfeiçoar, e essa vontade só existe quando fazemos o que nos dá prazer. Por isso dá pra acreditar que ele vai continuar jogando enquanto se sentir competitivo (e provavelmente vai continuar envolvido com tênis até o fim da vida).

    Devaneios à parte, após essa mudança, você acha cabível classificar o Federer como o jogador mais completo da história, em termos de qualidade de golpes? Aliás, acredita que o Federer 2017 é mais completo do que o de 2006?

    Abraço, e obrigado por compartilhar conosco suas riquíssimas análises técnicas!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Alexandre, eu sempre opinei que Federer é o melhor tenista da história justamente porque me parece o mais completo, com mais armas e qualidade de golpes. E acho que desde 2015 Federer tem sido tecnicamente superior ao de 2006.

      Responder
    2. Alice

      Alexandre, super concordo com seu texto. Entretanto, essa de que Federer seja o mais completo tenista em termos de golpes, eu acho muito polêmico, pois é muito subjetivo em relação aos períodos que o tênis viveu, é natural uma evolução técnica do jogo. Se for olharmos assim é óbvio que Roger é o + completo da história, porém ele é tão “grande” nesse quesito de golpes quanto Laver foi ou Bill Tilden conseguiu ser em sua época…

      Responder
  20. Carlos Alberto Alves

    Olá Dalcim, bom dia.

    Hoje talvez eu me estenda um pouco, porque como alguns participantes aqui do blog já mencionaram o seu blog é viciante e digo isto por várias razões:

    1 – Primeiramente você que acredito ser o mentor deste blog e que conhece muito sobre este esporte maravilhoso
    que é o tênis sempre nos brindando com posts incríveis, contando histórias, trazendo dados sobre os torneios, estatísticas dos
    tenistas, números, tendências futuras, etc….

    2 – Ainda sobre blog é notório o nível de pessoas cultas, educadas e inteligentes neste caso cito aqui alguns colegas que li recentemente que nos trazem
    dados estatísticos sobre os mais variados aspectos, números de vitórias, torneios, semanas como número 1, pontuação, enfim…, sobre esta assunto o Daniel senão me engano postou uma matéria simplesmente espetacular sobre a capacidade do Rei Roger Federer teve de atravessar gerações e continuar ali no topo, aqui sou enfático contra fatos e dados não há argumentos e o Daniel nos provou isto com seu estudo. Parabéns Daniel!!!

    Tem ainda o lógico figura ímpar, que com seu humor inteligente e irreverente faz todos que leem este espetacular blog sorrir, que atire a primeira pedra aquele que não ri muito com os posts desta figuraça!! Lógico você é uma figura cara!!!

    Temos ainda o Francisco que com suas #s: #18, 302 semanas #1, 237 semanas seguida #1 e #6finals, sobre o rei sempre rebatendo aqueles que ainda insistem em dizer que RF não é o maior..

    Não poderia ainda deixar de frisar alguns que tem o pôster do Djoko pelado no espelho e que ficam lambendo…kkkkk, acho que este bate o lógico…, enfim o teu blog por estas e por muitas outras razões se tornou leitura obrigatória para mim, e creio a todos que diariamente aqui estão…

    Agora Dalcim, para não se estender ainda mais gostaria apenas de dar um pitaco sobre o penúltimo post.

    Na minha modesta opinião, eu atribuo este início fantástico do Deus do tênis a três fatores e necessariamente nesta ordem:

    1 – Talento: Indivíduo engenhoso, de habilidade ou capacidade incomuns, aptidão natural;
    Dom: Presente de Deus, dádiva divina; seu nome Roger Federer!!

    2 – Ivan Ljubicic – Assim como muitos aqui, torci o nariz quando vi este cara no time do Federer, mas sinceramente
    acredito e muito que, pelo incrível que pareça ele tem no mínimo uma parcela de 40% nesta evolução do BH de Roger;

    3 – Aí sim colocaria raquete, coloco em último porque pelo seu post entendo que o Federer não mudou em praticamente

    nada a forma de bater na amarelinha, ou seja, penso que a contribuição dela neste caso foi bem pequena.

    É por tudo que escrevi aqui mestre que o seu blog se tornou uma leitura diária, espero não cansar e chatear os colegas aqui….rsrsrsr

    Não sei o que você acha sobre a minha opinião sobre a evolução do Federer, se puder responder eu agradeço!!

    Abs,

    Responder
  21. Luis

    Dalcim uma curiosidade pensei na entrevista zagueiro Maicon do São Paulo se um tenista usar as mãos perde ponto? Por exemplo solta a raquete e pra alcançar bola pega com a mão rs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não pode, a raquete tem de estar na mão do tenista na hora do contato. Se a bola tocar em qualquer parte do corpo (mão, punho, cotovelo etc), ele perde o ponto.

      Responder
      1. Arthur

        A propósito, há um caso clássico do que você cogitou: uma partida de seniors entre o Connors e não sei quem.
        O carajogou um lob por cima do Jimbo, que não titubeou e lançou a raquete para o alto, para impedir o ponto.
        E não é que a bola bateu na raquete e voltou para o outro lado? Kkkk
        Quando a raquete caiu de volta, Connors ainda tirou uma onda. Kkkk

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Pois é, está na minha lista dos lances mais incríveis do tênis, porque a altura que ele jogou, o fato de ter rebatido a bola e de ela ainda ter caído do outro lado da quadra são absolutamente incríveis.

          Responder
  22. Rodrigo S. Cruz

    Olha, sem sacanagem…

    Se até um tenista de resultados modestos como o como o Kolcshreiber respeita mais o Nadal. Que dirá os Tops…

    6/0?

    Tô torcendo pro Nadal chegar na final, e encarar o Federer.

    Vai voltar pra casa de BICICLETA. Hahahaha.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Engano seu, Alice.

        Nunca tive nada contra o espanhol.

        Mas tem um certo cidadão neste blog que vive ridicularizando os meus tenistas favoritos, portanto fui à desforra.

        (rs).

        Responder
  23. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, aproveitando essa importante marca do Alexandre Frota da Espanha, de 1.000 partidas disputadas, segue o top 7 em número de vitórias conquistadas.
    1- Connors – 1256
    2- Federer – 1094
    3- Lendl – 1068
    4- Villas – 929
    5- McEnroe – 877
    6- Agassi – 870
    7- Nadal – 822

    Em décimo, Pete Sampras e Djokovic, com 762. Abs.

    Responder
    1. Alice

      Ai se você soubesse, Pessanha! Ressaltar* que são números “apenas” da Era Aberta do tênis. :)

      Tem gigantes em vitórias na carreira que muitos desconhecem…

      Rod Laver que o diga! ….

      Responder
  24. Juscelino Júnior

    Professor, ano passado li uma entrevista do Toni Nadal em que o mesmo afirmou que “Rafa provavelmente, em toda a História, era o jogador que mais partidas havia ganho jogando mal”. Na ocasião, Toni se referia à força mental do Espanhol, que andava em baixa àquela época…
    Hoje, penso que tecnicamente, Rafa está no mesmo nível de 2015 e 2016 (ou seja, bem abaixo do que nos acostumamos a ver), porém, neste ano de 2017 parece ter reconquistado muito da força mental que sempre teve. Resta esperar se o mesmo irá subir o nível técnico para enfim retomar as grandes conquistas.
    Dalcim, você também acha que tecnicamente o Nadal ainda está abaixo do que ele pode render?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, Juscelino. Ele pode jogar bem melhor do que fez em Indian Wells e nestes primeiros jogos de Miami. Na Austrália, por exemplo, estava mais firme.

      Responder
  25. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,acompanho tenis desde metade de 2009 e fiquei curioso vendo um dado essa semana.Tem algumas coisas que nao da pra entender no quesito titulos de masters 1000…Como o murray tem 14 titulos e sampras 11?Um cara que ganha 14 grand slams(4 torneios por ano com exigencia de melhor de 5 sets) ganha apenas 11 masters 1000(9 torneios por ano melhor de 3 sets)…Porque na epoca em que federer dominava completamente o circuito(ganhava wimbledon e us open todo ano,e muitas vezes australia e atp finals) ele nao sobrava nos masters 1000 como aconteceu uma epoca com djokovic??Alguma explicacao razoavel para isso?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, nenhuma explicação especial me ocorre. Sampras nunca se deu bem no saibro, Federer sempre mirou mais os Slam do que qualquer outra coisa.

      Responder
    2. Pedro Rodrigues

      Eu acredito que a resposta está na concentração de títulos sem precedentes pela qual o circuito passa a mais de 12 anos, desde a ascensão de Federer ao posto de número um. O chamado Big 4 soma inacreditáveis 97 títulos de Master, praticamente 11 anos completos de eventos (são 9 por ano) e 12 Finals.
      São números impressionantes. Pode se argumentar que os números se devem a genialidade dos 4, e em parte acredito que se devem sim, mas também acho que a baixa competição tem seu papel nisto. Acho Federer o maior da história, mas distancia pra Sampras e Agassi não é tão grande quanto esses números mostram. A verdade é que a geração nascida no fim da década de 80 e primeira metade da década de 90 é muito ruim e não conseguiu apresentar nenhum jogador que ameaçasse os 4 grandes. Sampras e Agassi enfretram concorrência muito mais forte.

      Responder
      1. Maurício Fonseca

        Inclusive acho que essa iniciativa “Next Gen” da ATP já é desespero, porque muitos dos “Net Gen” já eram pra ser “Atual Gen” (rsrsrs)… Esses quatro estão para “matar” duas gerações quase.

        Responder
  26. Sérgio Ribeiro

    Mesmo na lenta , o Suíço demonstra vasto repertorio. Muito difícil para Del Potro no momento. Apesar do excelente Serviço e sua Patada Atomica, Seu Back e movimentação estão longe do ideal. O Velhinho e’ favorito ate’ para Sets diretos.Abs!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ps. Esqueci de comprimentar o Blogueiro, que em vez de se prender ao famoso h2h ( a mesma diferença com o Espanhol ) , focou totalmente nos confrontos Inesqueciveis! ABS!

      Responder
  27. Nando

    Acabei de ver aqui…enquanto o espanhol tomou o 14° pneu hoje, Federer em td carreira tomou somente 4 pneus (3 em 1999 qnd estava fazendo a transição do juvenil pro profissional, e 1 em 2008).

    Responder
      1. Nando

        Mario, não neguei isso, o Rei tomou sim 1 pneu do espanhol em 2008.
        Mas Federer deu 3 no espanhol ( final de WB 2006, RR Finals 2011 e final do M1000 em Hamburgo 2007).

        Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Nando, eu sabia que, desde que entrou no top 10 (2002), Federer só tinha tomado um pneu, naquela final de RG 2008. Realmente, assombroso. Abs.

      Responder
      1. Nando

        Pessanha, aquele de 2008 foi o 4° e último em td a carreira.
        O Rei com 35 anos tomou mto mesmo q os outros do big 4 q são 5/6 anos mais novos…aliás tds eles levaram um pneu do Rei kkkkk.

        Responder
    2. Alice

      Acho que é isso mesmo, Nando. Em relação a Djokovic e Murray eles levaram mais de 8 pneus, acho. Enfim estão mais próximos de Nadal (14) do que de Federer (4), pois eu falei +8. Ou seja, o único pneu que o suíço levou depois de ‘adulto’ foi para Nadal na final de RG-2008. Tendo aí, Federer aplicado três pneus no Rafa…

      Responder
    3. Márcio Souza

      Caraca o Federer só levou 4 pneus a carreira toda de quase 20 anos?
      É algo realmente de se levar em conta, tendo em vista que os tops de hoje andam levando até do Bellucci kkkkkkkk

      Mas esse pneu que o Federer levou em 2008 na final de RG também foi feio hein…se ja não bastasse ter levado 6/3 e 6/1 nos dois primeiros sets, ainda leva um pneu no terceiro, essa é uma final de Slam pra se esquecer definitivamente, e o pior ainda estava por vir com a derrota em Wimbledon 2008 e a perda do número 1 também pro espanhol, mas isso é um outro assunto.

      O importante é que o Craque seguiu em frente vencendo e não é a toa que ele é o GOAT.

      Vida longa ao Rei e que venha mais um título nesse Masters de Miami.

      Sobre o jogo de hoje contra o Delpo, espero um jogo dificil mas com vitoria com certeza e em sets diretos.

      Responder
  28. Luiz Fernando

    O primeiro set do jg do Rafa foi vexatório, não ha outro termo. Sem duvida o alemão teve méritos, mas levar pneu desse cara não tem outro rotulo: vexame. O segundo também não foi bom, a despeito da vitoria, pois Nadal jogou muito atras, com bolas curtas, não fossem os erros do adversário, alguns em bolas fáceis no meio da quadra, talvez o jogo 1000 terminasse mal. O terceiro set surgiu um novo Nadal em quadra, mais focado e preciso, com bolas melhores tanto do ponto de vista da potência quanto da profundidade. Vamos pra oitavas.

    Responder
  29. Carlos Alberto Alves

    Dalcim, boa noite.
    Acabei de ver a vitória do Nadal, e posso te afirmar que qualquer outro top 20 ali tiraria o touro de Miami. Me responda uma questão, por que a bola do Nadal já não anda tanto? Ele só passou a dominar o alemão devido ao monte de erros não forçados do mesmo. Com todo respeito aos torcedores do Nadal, hoje especialmente hoje, foi muito mais demérito do adversário do que mérito do Nadal. O que você teria a dizer sobre isso mestre?
    Grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Kohlschreiber devolveu muito bem em todo o primeiro set. Quando Rafa passou a acertar mais o primeiro serviço, o alemão não teve mais chance de atacar o serviço. Perdeu consistência ao longo do jogo. A bola do Rafa realmente fica curta muitas vezes e Kohlschreiber poderia ter se aproveitado mais disso. É difícil dizer exatamente o motivo das bolas não estarem tão profundas. Pode ser a falta do movimento mais completo, pode ser posicionamento, pode ser físico mais frágil.

      Responder
  30. Gilvan

    Ja adiantando, por favor, nao venham falar em `forca mental` nessa vitoria do Nadal. Foi um jogo horroroso, parecia um professor de clube pingando bola no meio da quadra para o aluno matar e o aluno, incompetente, errando bolas seguidas. Nadal esta incapaz de trocar bolas alem da linha do T e so esta se segurando gracas a tremenda incompetencia dos seus adversarios.Depois do 1o set o Kolschreiber nao acertou um backhand sequer, nem aqueles faceis, pingando no meio da quadra. Volto a dizer, foi um jogo horroroso, nenhum dos jogadores merece elogios de qualquer especie.

    Responder
    1. Rafael Wüthrich

      Discordo parcialmente. Kohlshreiber jogou de forma excepcional o 1º set, mas acreditou que Nadal estaria morto. O espanhol, acuado e perdido em quadra, fez o que melhor sabe fazer: se defendeu e esperou. O alemão, então, jogou a partida fora com inúmeros erros bisonhos. O jogo deu a impressão que Nadal conseguiu grande virada, mas na verdade foi o alemão que jogou fora uma partida controlada.

      Preocupou o nível do espanhol. Achei um retrocesso de nível em relação aos torneios anteriores, até pela forma com que foi facilmente dominado no 1º set. Baixo índice de 1º saque, muitos erros, bolas curtas e indecisão tática.

      Só não perdeu porque o adversário passou a cometer um número absurdo de erros inacreditáveis, mesmo com bolas curtas e flutuando à disposição. No 3º set, já mais confiante e com o adversário grogue, Nadal fez o suficiente para não ser mais incomodado, mas voltando a jogar ao lado dos juízes de linha. Narck Rodrigues deixou claro: se o espanhol não rever seu posicionamento e sua tática, vai sofrer contra tenistas mais consistentes.

      Responder
      1. Maurício Fonseca

        ” vai sofrer contra tenistas mais consistentes.”

        Sim, mas o espanhol já deu diversas declarações no sentido de que “suffering is good”.

        Já teve até partidas onde antes da partida ele declarou: “I’m ready to suffer”.

        Responder
        1. Rafael Wuthrich

          Isso é loucura. Ele mesmo sabe que seu corpo não aguenta mais as maratonas de outrora, e a própria tentativa de ser mais agressivo deriva dessa consciência. Nadal tem quase 31 anos. Não é mais nenhum garoto.

          Responder
  31. Luis

    Dalcim quadra lenta mesmo Miami não sei se de dia ou noite faz diferença? rs,mais 1 pergunta passou no intervalo do jogo do Nadal a polemica entre Federer e Wawrinka na entrega troféus em Indian com Wawrinka dizendo parece odeio Roger rs,e Federer rindo do Wawrinka pareceu uma brincadeira legal de amigos rs,o que achou?

    Responder
    1. Alexandre

      Do Tweeter de Ben Rothenberg:

      Bagels eaten, for comparison:

      Nadal – 14
      Murray – 13
      Djokovic – 9 (won 6 of the matches)
      Serena – 8
      Federer – 4 (3 were in 1999)

      Responder
    2. Alexandre

      players who have bageled Nadal: Fed (3 times), Murray (2), Coria (2), Roddick, Benneteau, Gaudio, Nalbandian, Youzhny, Lacko, Berdych, Kohl.

      Responder
  32. Nando

    Até o 2×2 do 2° set, achava q Kohl iria vencer fácil, mas a partir dali começou a errar, errar, errar…e aí o espanhol tomou conta do jogo mentalmente.
    Mais de 30 erros não-forçados do alemão, aí não dá hein…e a bola do espanhol estava curta na maior parte do jogo, o alemão vacilou.

    Responder
  33. Fernando Pauli

    Esse alemão é mesmo um cavalo paraguaio. Quase que ele carimbou a faixa do MILÉSIMO jogo do Nadal, na frente de toda a sua família!

    Responder
  34. Luis

    Sou torcedor do Federer mas admiro muito o Nadal. Pra ser sincero, há 10 anos atrás eu não achava que Nadal seria o monstro que se tornou. Imaginava vários títulos no saibro apenas. Ele não só foi imbatível no saibro como construiu um currículo espetacular fora dele.Cinco slams fora do saibro, ouro olímpico, Manteve retrospecto favorável contra todos do big 4 até bem pouco tempo atrás. Mas se tornou um jogador ultrapassado, diferente de Federer que se reinventou. Se não ganhar nada relevante no saibro eu temo por sua aposentadoria!! Faria muita falta

    Responder
    1. O LÓGICO

      Já falei que ele não vai ganhar RG, e vai se aposentar no final do ano por depressão pós morte kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk e se afogar no álcool kkkkkkkkkkkkkk ou no açaí da Espanha kkkkkkkk

      Responder
  35. Rodrigo S. Cruz

    E o NADAL TOMOU UM PNEU!!!

    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

    6/0 Phillip Kolshreiber, no primeiro set.

    Que humilhação!

    Falam tanto, mas tanto do Bello, mas pelo menos ele não perde por 6/0, né?

    (rs).

    Responder
      1. Márcio Souza

        É verdade!

        Ele agora ri de quem ele ganha, vimos isso recentemente.
        E como deve ser legal ver suas gargalhadas quando ele ve alguém levando um pneu e sendo derrotado por um “ISTOMIN” da vida kkkkkkkk

        Você acha que vai acontecer o que quando ele pegar o servio numa final e estiver sentado vendo o Cotonete segurar a bandeja e se lamentar por mais um titulo perdido kkkkkkkkk

        Calma que Wimbledon e US Open ainda esta por vir e na draga que o servio vem, nem a sua mãe acredita que ele vença mais alguma coisa kkkkkkk

        Responder
  36. Felipe

    Que primeiro set estraaaanho do Nadal…

    Que surra!!

    Acho q a turma viu a forma como o RF aniquilou o nadal e estão indo pra cima dele com tudo!!

    Responder
  37. Marcos RJ

    Tudo é possível no clássico de amanhã, pois Delpo tem forehand e saque excepcionais, mas a disparidade de backhands atualmente é muito grande em favor de Federer. Por conta da limitação do punho esquerdo Delpo não tem mais como bater o backhand cruzado com potência nem o top-spin na paralela, então não tem como agredir desse lado e fica dependendo apenas do slice. Federer tem a enorme vantagem tática de explorar a cruzada de BH e finalizar com o forehand do lado da vantagem. O suíço tem tudo para de fechar em sets diretos sem maiores problemas.

    Responder
  38. Fernando Pauli

    Me parece que o kohllscheeiber viu os dois últimos jogos do Federer com Nadal e aprendeu o caminho das pedras para tentar ganhar do Nadal. Agora no primeiro set 4 a 0 pro alemão, nessa quadra lenta. O Nadal não sabe o que faz.

    Responder
  39. Arthur

    Dalcim,

    Com essa queda serial de jogadores por contusão (tá faltando só o eterno lesionado Nishikori pra completar o conjunto), será que está pintando uma final entre Federer e Nadal? ;-)

    Um abraço.

    Responder
    1. Fernando Pauli

      Pelo jeito não, pois o alemão tá ganhando do Nadal de 5 a 0 e saque, podendo enfiar um pneu n0 espanhol em 22 minutos de jogo. A esquerda do alemão tá bem parecida com a de Federer.

      Responder
    2. Pieter

      Que inusitado!
      O pobre do Nadal levou uma surra no 1o set do Kohlshreiber: sonoros 6/0!
      Méritos do alemão que está mandando no jogo, sufocando o espanhol lá no fundo da quadra…

      Responder
        1. O LÓGICO

          E quantos ele já tomou GURU? kkkkkkkkkkkkkk deve ser mais um recorde negativo dele kkkkkkkk Aliás, qual dentre os grandes da história passou por um vexame desse (pneu de cara fora do top 10)? Outra façanha dele foi perder duas finais para caras fora do top 10, sendo uma delas na LAJE kkkkkkkkkkkkkk

          Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, posso apostar que sim, até porque o sistema de desafio é consideravelmente recente nos Grand Slam. O primeiro a utilizar foi o US Open, em 2006.

      Responder
  40. Luiz Fernando

    Me pergunto qual sera a audiência desse campeonato de games? Essa opção do sportv so pode ser encarada como uma grande piada de mau gosto. E eles ainda tem a cara de pau de não liberar o sinal no canal alternativo, como exposto abaixo pelo Rodrigo. Palhaçada…

    Responder
    1. O LÓGICO

      L F das asneiras, no post passado tu ficastes tirando onde com o Belo. E o robozinho? Me diz aí, robolooser kkkkkkk: quantos e quais títulos ele ganhou depois que eu, O LÓGICO, kkkkk, o assassinei logicamente pela força da minha análise? kkkkkkkkkkk Salvo engano já faz quase três anos que ele só come calango assado com farinha kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Kkkkk

        Isso mesmo, Lógico!

        Pois é.

        Enquanto o Bello perdeu honrosamente pro Isner por 7/5 e 7/6, o Robo-Loser escapou raspando do maior vexame da carreira!

        Além do 6/0, só não perdeu o jogo porque o Alemão “Sopa de Letrinhas” AFINOU bonito! (rs)

        Responder
  41. Luiz Fernando

    Federer ontem jogou em alto nível, em todos os quesitos. Na rede esteva praticamente perfeito. Tiafoe parecia cru perto dele, e olhe q não jogou mal, muito pelo contrario, mas jamais ameaçou o suíço. Pelo q vi ontem, a receita p vencer o suíço seria a seguinte: assumir riscos e não errar, algo praticamente impossível. Conclusão: Federer e o favorito destacado a vencer Miami, pois pelo visto ate o momento não ha q tem consiga enfrenta-lo de igual p igual. Esporte não tem vencedor de véspera, mas sem duvida existem favoritos.

    Responder
    1. O LÓGICO

      Mudou o discurso, foi robozete? kkkkkkkkk Tu não vivias chamando ele de aposentado? kkkkkkkk
      Teu discurso é de quem tá flertando com o fã clube do REI do Tênis kkkkkkkkkkk Se entrega ao Rei que é melhor kkkkkkkk e não precisa de dízimo, ok? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  42. Luis

    Dalcim nunca duvide do SporTV mais uma vez o magico jogo legends kkkkkkkkkk,queria opinião do logico pra transmissão de videogame rs,Dalcim se Federer vencer Miami vencer 2 Masters seguidos e um Slam no ano depois da volta coisa so’ de Djokovic 2015 e Nadal 2013,pena Wimbledon não ser próximo slam chance seria grande pro suíço rs,com titulo em Miami vc disse ficaria o suíço no 4 lugar perto do Wawrinka em 3? Go Federer

    Responder
  43. Rodrigo S. Cruz

    Esse tal de canal 228 não está liberado pra mim.

    Aparece escrito: ACESSO NEGADO.

    Porcaria de Sportv. Tô vendo pelo stream mesmo…

    Pior que Verdasco x Nishokori tá um jogão.

    Terceiro set, depois de 1 tie-break pra cada tenista…

    Responder
  44. Pedro Batista

    Boa tarde, Mestre! Fugindo um pouco do assunto tratado hoje no blog. Como disse antes, que acompanho tênis no máximo, uns 3,4 anos, tenho curiosidade de saber, em qual patamar Guga se encaixaria. Mestre, vc acha q ele poderia chegar a número 1 do ranking? Se não, até onde vc acha que poderia chegar?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sei se entendi a pergunta, Pedro. Você diz o Guga de 2000 se jogasse no circuito de hoje? Porque número 1 do mundo ele foi… rsrs… O tênis mudou muito nesses quase 20 anos, o Guga de então teria pouca chance fora do saibro (como também teriam Norman ou Ferrero…), porque o jogo de hoje ficou muito mais físico do que antes. Mas certamente Guga teria grande capacidade de se adaptar a tudo isso.

      Responder
  45. João ando

    Vendo kei e veedasco no 131 da Sky. Parece um jogo de q qualy do 900 contra o 1200 do ranking ….os dois errando muito .isso sendo otimista ….Parece mais um jogo de sábado a tarde no clube.dessejeito o Kei perde na quarta rodada se passar. …Acho que vamos ter que aguentar o kirgios ou mesmo o fognini ….não vi a chave

    Responder
  46. Ricardo Reis

    Dalcim, boa tarde.

    Interessante a tabulação dos títulos. Seria ainda mais legal de analisar se tivéssemos mais 02 colunas com o número de torneios disputados (em cada tipo de torneio) + % de títulos ganhos X títulos disputados. Exemplo : Federer ganhou 18 slam’s de 69 disputados (26,1%) ; 06 Master’s (Final’s) de 14 disputados (42,9%), etc…

    Parabéns pela coluna. Sou leitor assíduo a quase 10 anos. Não perco nenhum artigo.

    Forte abraço,

    Ricardo Reis

    Responder
  47. Nando

    Hoje será a repetição de ontem: no Sportv 3 passará o fabuloso campeonato de games até às 19:00 hrs, só depois passará Miami.
    E quem não tem acesso ao tal SporTV 4 fica como? Só pelos sites…

    Responder
  48. Bruno Macedo

    Fico me perguntando se o Del potro é td isso mesmo q ficam dizendo por ai… Acompanho o tênis faz pouco tempo, então não peguei o auge do Del Potro. Mas olhando o q ele faz no jogo hj, não parece nada demais, so mais um bom jogador. Nem me pego aos resultados, mas aos jogos dele mesmo.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Cara, o delpo tem um dos forehands mais poderosos da história, talvez o mais poderoso. Só isso já o transforma numa grande ameaça para qualquer adversário. Tb é muito alto e tem um saque violento. Além de td isso, tem gana, garra e espírito vencedor, ou seja, força mental…antes das lesões e cirurgias, jogava de igual pra igual contra os cachorroes. Mas, pro confronto de amanhã, acho que tem poucas chances contra o “neo” federer, pelas dificuldades de bater o bh topspin, e, se for duelar nos slices de esquerda, impossível se impor contra o do Roger.

      Responder
    2. Aloysio Rauner

      ”Fico me perguntando se o Del potro é td isso mesmo q ficam dizendo por ai”

      youtube ta ai…tem zilhoes de jogos épicos do Delpo. E falar que ele não é isso tudo por causa de UM JOGO…falar que acompanha tenis não é desculpa pra dizer uma bobagem tão grande como essa

      Responder
      1. Bruno Macedo

        Aloysio, pra inicio de conversa, gostaria de dizer que você não precisa ser tão grosseiro para falar com as pessoas. Isso aqui é um site de opiniões e vc não pode ser tão rude ao comentar.

        Segunda parte: no meu comentário eu disse que me perguntava se o Del Potro era mesmo tudo isso ou não. Eu disse: “ME PERGUNTO SE”. E, ao mesmo tempo, disse que acompanhava o tênis há pouco tempo e não tinha visto o auge do Del Potro. O que eu buscava com o meu comentário era deliberar (junto a outras pessoas educadas) se o Delpo é ou não o grande jogador que ouço as pessoas falando, mas que não vi jogar.

        E quando eu disse “mas olhando o que faz no jogo hoje”, eu quis dizer olhando o que ele faz nos jogos hoje em dia. E pelo que eu pude ver dos jogos atuais, não consigo vê-lo como um cara tão extraordinário assim.

        E não, não quero ver jogos velhos no youtube. Ainda bem que existe esse site com pessoas que gostam e entendem muuuito mais do que eu de tênis e que podem me dá respostas educadas e cheias de informações, assim como fez o MIGUEL BSB.

        Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      A contusão crônica dele no pulso, o impede de jogar seu melhor tênis, e mesmo assim bateu um cara como Djokovic ano passado, e fez jogos duros com ele recentemente.

      Tem também uma direita de outro planeta e saca muito bem, é mais do que um simples jogador.

      Responder
      1. Bruno Macedo

        Realmente ele tem uma direita muito boa! Talvez tivesse rendido muito se não fossem as contusões. Espero que um dia ele possa voltar a mostrar ainda mais suas habilidades!

        Responder
    4. José Eduardo Pessanha

      Delpo é muito bom jogador, mas, mesmo se não tivesse tantas contusões, não chegaria nem perto de ser número 1. O considero um pouquinho abaixo do Wawrinka, apesar de o argentino ser uma fortaleza mental, ao contrário do Wawrinka. Este, por sua vez, é mais habilidoso. Pra mim, Federer nunca poderia ter perdido aquele US Open de 2009. Pra mim, foi a pior derrota de sua carreira. Era jogo pra 3 a 0. Abs.

      Responder
      1. Bruno Macedo

        Tenho a tendência de concordar 100% com vc, apesar de não ter visto o auge do Del Potro e não poder opinar com a devida autoridade.
        Concordo quando falam da força que ele na direita, mas hoje em dia ele me parece meio lento e sem golpes muito ousados, surpreendentes ou muito habilidosos. Valeu!

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Isso é uma inominável bobagem.

        E de novo você usando um jogo que o Federer perdeu, para desmerecer o adversário dele.

        Bem, Pessanha, goste você ou não. O Federer por mais genial que seja, não é o único talento do mundo.

        Pra mim ele é o melhor no geral. Mas cada tenista tem o seu dia de brilhar…

        Se até o Lleyton Hewitt que nunca chegou nem ao CHULÉ do Del Potro, alcançou o topo d o ranking. Por que não o argentino?

        No auge, e sem contusões, o Delpo teria grandes chances de ser o número 1, sim.

        Não digo por muito tempo, mas por algumas semanas, certamente…

        Eu sou fanzaço do Federer, porém repilo esta história de que ele quando joga o máximo, não perde nem de Cristo.

        Nem sempre o melhor jogador perde por deixar de jogar o seu melhor.

        E sim, porque num determinado dia, o adversário consegue respostas até pro melhor tênis dele.

        Responder
        1. Miguel BsB

          Concordo, Delpotro tinha chances sim de chegar a n 1, mesmo competindo na era dos big 4. Vários jogadores com menos tênis que ele chegaram lá, como o Hewitt que vc mencionou, colocaria ainda o Rios nessa lista, e pq não, o Roddick. Claro que eram épocas distintas com adversários distintos…mas, pra mim, o argentino é/foi mais tenista que os mencionados.

          Responder
        2. José Eduardo Pessanha

          Cara, você pegou essa mania de dizer que a opinião dos outros é bobagem, é besteira. Primeiro, não dá pra comparar a carreira do Hewitt com a do Delpo. O australiano tem muitio mais feitos. Não dá nem pra comparar. Por exemplo, meteu 6/1, 6/1 no Guga na final de Indian Wells 2003. Ganhou dois Finals. Venceu Pete Sampras na final do US Open sem perder sets. Venceu Nalbandian na final de Wimbledon sem perder sets. Pra mim, não dá nem pra começar a comparar os dois. Com relação à Final de 2009, Federer insistiu em enfrentar o forehand do Del Potro. Era jogo pra 3 a 0. Com relação a amanhã, 2 sets a 0 Federer, 6/2, 6/1.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Se me excedi, desculpe. É o meu jeito…

            Agora, você sabe muito bem que o Hewitt só tem mais feitos porque o auge dele coincidiu com uma ENTRESSAFRA DOS DIABOS na história do tênis, e ninguém para anular aquela correria dele…

            O Guga super-bichado, o Sampras numa PÉSSIMA fase e quase aposentado (só voltaria a jogar bem naquele Us Open) , o Safin osciliando demais,etc.

            Acho que o único tenista bom e “inteirão” que ele enfrentou quando ascendeu ao primeiro posto, foi o Agassi, que também não estava no seu melhor…

            Acho o Delpo MUITO MELHOR do que o Hewitt, tecnicamente .

            Mas, se você não acha, respeito a tua opinião.

            Quanto ao Federer, também acho que vencerá o Delpo, com relativa facilidade…

          2. Luiz Fabriciano

            Apenas discordo de você quando engradeceu a vitória do Hewitt sobre o Guga em Indian Wells. Naquele torneio, Guga tinha acabado de fazer a semi no mesmo dia, em três sets. Então, estava meia-boca. E olha que ele vinha de uma grandiosa vitória sobre Federer.

        3. Robson

          Pela primeira vez vou concordar com vc parceiro, no USO de 2009 ninguém venceria o Delpo,ninguém.
          Só lembrando que antes de ser campeão em cima do Federer, o Delpo eliminou um Nadal que tava voando,Delpo jogou uma barbaridade naquele SL,mereceu a taça. E se não fosse as lesões,ele teria muito mais taças em seu currículo, porém não acho que teria alcansado a posição de número 1.

          Responder
  49. Nando

    Dalcim, li em outro blog q em 2019 pode ser q ATP faça algumas mudanças no circuito ( adição de novos torneios, supostos “ATP 750″ e/ou “Masters 1500″ estariam inclusas nesse pacote de mudanças), procede essa informação? Sabe de alguma coisa?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Por enquanto é tudo especulação. Em 2018, acaba o atual contrato de 10 anos que a ATP fez com os promotores de torneio. Então, na teoria, a entidade poderá tentar reformular uma série de coisas. Mas tudo isso passa por um acordo generalizado, não é uma decisão unilateral.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Agora que o circuito está minimamente organizado, chega a ser temeroso que ressurja a confusão de números, valores em pontos e nomes de torneios tal qual existe na WTA.

        Responder
      2. Arthur

        Uma dúvida, Dalcim: esses direitos são negociados em bloco ou torneio a torneio?
        Parece claro que os Grand Slam ficam de fora dessa negociação, mas seria possível, por exemplo, ver Montreal fora do circuito e outro lugar do planeta recebendo um Masters 1000?

        Um abraço.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          São negociados torneio a torneio e, verdade, não incluem os Slam que são de administração da Federação Internacional. Sim, seria possível fazer essa mudança, mas obviamente não iriam tirar o Canadá e colocar um evento em outro continente porque a ideia que integre o US Open Series, ou seja, o aquecimento para o US Open.

          Responder
  50. Alex Picelli

    Lindo gráfico, mas se baseou em que para chegar naqueles números?
    Dalcim só uma pergunta, não poderiam os tenistas brasileiros mudarem de país e se especializarem nas quadras duras, já que são a maioria da circuito?
    Obrigado e abraços!

    Responder
  51. Marcelo Teixeira

    Belo quadro estatístico, considerando apenas GS e Masters temos 2 niveis:
    1° nivel > 40 títulos: Federer, Djoko, Nadal os maiores que vi jogar.
    2° nivel = ou < 30 títulos: Sampras, Agassi, Marray excelentes, fantásticos.

    Responder
    1. Marcio

      Sampras abaixo de djoko???

      Kkkkkkkkkkkkkk

      Puxa vida Dalcim, esse tipo de coisa tem que bloquear, mas que absurdo.

      O pior de tudo é que com certeza é só pra provocar q fazem comentários assim, kkkkkkkkkkkkkkkk

      O negocio é dar risada, kkkkkkkk

      Responder
      1. Robson

        Parceiro,seu direito de rir do que quiser,vc só não tem o direito de criticar a opinião dos outros,apenas a respeite.
        Note que o cara deixou bem claro que Federer,Nadal,Djokovic foram os maiores que ELE viu jogar,gosto dele,opinião dele.
        No meu caso,acho Federer,Sampras e Novak os três maiores e melhores que vi jogar,é o meu gosto e a minha opinião.

        Responder
  52. Sônia

    Dalcim, essa lentidão do piso tem me desanimado como telespectadora. Às vezes fico com a impressão que o nível técnico das partidas está muito ruim. Tem havido partidas desanimadoras, não dá vontade de continuar assistindo. Gostei da derrota do Thiem (lindo) para o Coric (lindão). Assim ele se prepara melhor para a temporada do barro. GO FEDERER! Beijos.

    Responder
  53. Mauricio

    Dalcin mais uma vez parabéns pelo site e pelos blog! Você é de longe o melhor comentarista de tênis do país! Acompanho tênis desde os tempos do Oncins(apesar de poucas informações que tínhamos na época pre-internet. Uma edição da Match-point por mês!!). Na época do Sampras e do Agassi os super nine da época já tinham a importância dos Master 1000 de hj? Se existisse Master 1000 na grama, Federer estaria próximo dos 30 do Novak?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, os Super 9 foram o primeiro nome dos Masters, a rigor é exatamente a mesma ideia. Provavelmente, Federer teria ganhado mais alguns torneios na grama, Maurício.

      Responder
  54. Maurício Fonseca

    Thiem é uma espécie de Kafelnikov piorado. O amor explícito pelos dólares que vem demonstrando (o calendário dele é fruto disso) impedirá grandes resultados na carreira, mas não impedindo que venha ser muito respeitado pelos oponentes.

    Responder
  55. Roberto

    O estudo do Lucas, na minha opiniao, mostra Federer em um patamar isolado, seguido por Djokovic, Sampras e Nadal em um segundo nivel, e Agassi e Murray num terceiro patamar, talvez Murray num nivel ainda abaixo de Agassi. Mas isso sao numeros. Sou fa destes seis gigantes. Pra mim Federer tem o jogo mais plastico, tecnico e bonito seguido de Sampras. Djokovic o melhor fisico e talvez o mais eficiente. Nadal a maior forca mental. Agassi e Murray muito esforcados e disciplinados em suas taticas. Murray talvez o jogo mais feio dos 6.

    Responder
    1. Eduardo Moura Lima

      Eu discordo do melhor físico. A tendência é que as últimas impressões sejam mais/melhor lembradas, logo é normal acharem o físico do Djokovic o melhor de todos pois ele de fato teve o melhor físico dos últimos 3 anos + 2011. No entanto quem acompanha tênis há mais tempo (pelo menos desde 2005) sabe que nunca foi visto alguém tão forte e rápido fisicamente quanto o Nadal, que para mim é sem duvida nenhuma, assim como melhor mental, o jogador fisicamente mais extraordinário que já pisou numa quadra de tênis. Não à toa foi apelidado de Touro.

      Abraço

      Responder
  56. Ricardo

    Dalcim, ficou muito claro pra todos após as duas vitórias incontestáveis do federer pra cima do nadal, q o suíço passou a bater quase q de bate-pronto os top spins do Rafael, e com isso joga muito mais dentro da quadra diminuindo o tempo de reação do espanhol, minha pergunta é por q demorou tanto pro federer perceber q essa estratégia seria eficaz, era teimosia do suíço em mudar? O ljubicic conseguiu convencê-lo a adotar essa postura?? Abraços e parabéns pelo excelente blog!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Volto a dizer: se virmos vitórias anteriores de Federer no piso duro sobre o Nadal, como aquela do Finals, o padrão foi exatamente o mesmo.

      Responder
      1. Eduardo Moura Lima

        Exatamente Dalcim! Apesar de torcer pelo Nadal, nunca entendi como o Federer não conseguia ver o padrão de jogo dele nas vitórias em cima do Nadal (principalmente na dura). Era só uma questão de analisar dados, muitos simples. Toda vez que jogava agressivo, dentro da quadra e/ou subindo muito a rede, infelizmente ganhava do Nadal. Parece só agora, 13 anos depois ele começou a perceber isso… vamos ver como o Nadal responde, pois no jogo contra o Sela ele claramente se testou no primeiro set como jogar para definir pontos com winner. Acho que ele permitirá que o Federer acabe com essa freguesia assim tão fácil. Afinal os maiores avanços técnicos do Nadal desde 2005 foram sempre motivados pelos seus adversários, primeiro Federer, depois djokovic.

        Abraço

        Responder
  57. Luis

    Dalcim Federer não perdeu sets em Indian e se conseguir em Miami e’ uma receita pro titulo pro suíço tentar vencer em 2 sets com esse tênis ofensivo 2017?

    Responder
      1. Alice

        É verdade, Dalcim. Só as estatísticas que estão preocupadas com isso, Federer quer é mais jogar bem e sem pressão, aproveitar esse momento em que está aproveitando mais para curtir o tênis do que definitivamente competir, o que aliás vem dando muito certo.

        Responder
  58. Rafael Wuthrich

    Cada vez mais se desenhando Federer / Nadal / Stan nas semis, com talvez Nishikori e Kyrgios por fora. Não acredito em Raonic, que está voltando de lesão, e nem em outra zebra. Os demais jogadores estão em enormes altos e baixos.

    Delpo poderá engrossar segunda se mantiverum.índice alto de 1o saque. Mas isso não vem ocorrendo. Haase teve chances claras de levar o segundo set e a partida entre Delpo e Nole, em condições mais rápidas, mostraram.o argentino cheio de altos e baixos.

    Federer foi monstruoso no 1o set hoje, mesmo só ganhando no tie break (perdeu meros 3 pontos sacando), o que mostra a qualidade de Tiafoe. Mesmo.o vacilo no segundo set foi algo eventual, recuperado imediatamente. Delpo será um.bom teste, mas mão acredito que o argentino consiga forçar sequer um terceiro set.

    Responder
  59. Rafael Wuthrich

    Dalcim, interessantíssimo o estudo, mas a.porcentagem foi calculada com base em torneios disputados pelo jogador ou de eventos totais durante a carreira?

    Responder
  60. Erick Fioretti

    Boa noite, mestre Dalcim.

    Que legal ler sua crônica daqui, acompanhando o torneio de perto. Ajuda a valorizar ainda mais o momento.

    Vou passar a minha impressão estando aqui: o suíço VENDE tudo, movimenta a economia do tênis.

    Posso afirmar sem medo que ele sozinho faz isso mais do que os outros 3 JUNTOS, não é exagero. A central, que aqui chamam de “Stadium”, não havia ficado tão cheia como no jogo do GOAT.

    É de encher os olhos de lágrimas vê-lo desfilar o seu brilhante tênis de perto. O jovem e promissor americano valorizou a primeira vitória dele no torneio.

    Sobre o jogo de segunda, tão logo terminou o jogo do Fedex, o “host” já anunciou que ele jogaria na sessão diurna da segunda.

    Comprei o ingresso para segunda imediatamente por um valor e, 2 horas depois a mesma entrada valia exatamente o dobro. Explicação? Roger Federer.

    Mal posso esperar pela partida.

    Será realmente difícil para o Delpo sem o revés mais potente. Acha que ele tem que ir para a definição primeiro que o Federer para ter alguma chance?

    Um grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A questão é ele conseguir devolver bem e, se entrar nas trocas, não ser passivo demais. Além disso, o slice não é um golpe que realmente incomode o Federer. Então ele vai precisar de sua potência.

      Responder
    1. Marcelo F

      Nadal ganhou 20 dos 28 títulos no saibro. Ou 71%. Mas qual é o problema disso? O saibro é um piso novo? Não tem tradição? Se formos analisar assim, Djokovic tem 22 de 30 em quadra dura. Ou 73%. E Federer tem 19 de 25 em quadra dura. Ou 76%. OS títulos em quadra dura valem mais? Como alguém já comentou aqui, mais interessante é analisar a porcentagem de aproveitamento nesses grandes torneios, do tipo X títulos em Y participações. Só para lembrar, Federer jogou, no mínimo, uns 30 M1000 a mais que Nadal e Djokovic ao longo da carreira. E uns 15 ou mais GS a mais.

      Responder
    2. Alice

      Dos 28 masters que Nadal ganhou, 20 deles foram no saibro (71%). Em comparação, por exemplo: dos 25 masters que Federer ganhou, 19 deles foram na rápida (76%). Enquanto dos 30 masters que Djokovic ganhou, 22 deles foram na rápida (73%). Se for para pra pensar que existem “só” 3 masters no saibro, Nadal foi bem dominante, não acha? ;)

      Responder
  61. Luis

    Dalcim se Federer vencer Del potro vai ser dificil parar o suico rs( Federer e’ favorito contra argentino) tambem acha Dalcim talvez so’ um Wawrinka inspirado ou um grande Nadal pra parar Federer? confiante como esta’ em 2017,Go Federer rs

    Responder
  62. Juninho Fonseca

    Dalcim… Miami eh tão lento que possa ser comparado com um saibro rápido como são Paulo por exemplo??Ou ainda um Quito??…Se for…Caso NADAL vá mal em Miami…Pode ser preocupante para a temporada de saibro??

    Outra pergunta……Qual vc acha hj o melhor técnico dá atualidade?? Incluindo os q não estão na ativa, Como o Becker por exemplo….

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, talvez seja um saibro rápido. Mas umidade é algo que interfere também no aspecto físico e não só na lentidão da quadra. Não vejo portanto paralelo com o saibro europeu, que é em clima bem frio. Há diversos técnicos muito competentes, não diria que exista um que se sobressaia de forma tão relevante sobre o outro.

      Responder
      1. Juninho Fonseca

        Quanto custa para um tenista ter um técnico de ponta na sua equipe hj em dia?? Pergunto isso porque fiquei assustado quando vi a entrevista do Alexander Sverev falando q queria o Becker como técnico mas não tinha dinheiro para banca-lo…..Se ele que eh um top 30 não pode bancar um técnico Como o Becker,eh sinal pq o negócio eh feio msm,kkk…. Abraço..

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Varia muito conforme cada contrato, Juninho. Certamente, não foi o dinheiro o problema do Zverev. Os treinadores costumam ter todas as despesas pagas e um percentual sobre o faturamento do tenista, mas em alguns casos existe um fixo. Em todos os casos, não seria empecilho para o Zverev.

          Responder
      2. Rafael Wuthrich

        Hoje sim. Mas em anos anteriores houve técnicos superiores. Ano passado o trabalho de Ivan Lendl foi majestoso. Assim como em 2015 foi um ano excepcional de Magnus Norman, o homem que dobrou Nadal e Djokovic e transformou o até então mediano Stan no 5o maior tenista dos últimos 17 anos. Não é pouco.

        Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>