Federer quebra outra barreira
Por José Nilton Dalcim
19 de março de 2017 às 21:07

Depois de acabar com espera longa para ganhar mais um Grand Slam, o suíço Roger Federer também recuperou a hegemonia em Indian Wells. Cinco anos depois do tetracampeonato, ele voltou a conquistar o deserto californiano e encerrou também o jejum de 19 meses sem conquistas em nível Masters. De quebra, superou a marca de Andre Agassi e agora é o tenista de maior idade a vencer um evento desse quilate, aos 35 anos e sete meses.

Faltou é verdade um pouco mais de emoção no 24ª duelo diante de Stan Wawrinka. Houve lances de grande qualidade de parte a parte, mas raros games equilibrados ou longas trocas de bola. O saque dos dois foi muito superior à devolução na maior parte do tempo. Federer cumpriu a promessa e entrou muito agressivo, mas encontrou Stan firme com o serviço. Só foi obter a quebra no 10º game. Uma estatística foi especial: enquanto Roger ganhou 83% dos pontos em que precisou do segundo saque, Stan apenas se deu bem em 27%.

O segundo set melhorou muito, principalmente porque Wawrinka se mostrou menos passivo e tentou tomar mais iniciativa, embora quase sempre com forehand. A bola dos dois andou muito o tempo tempo, favorecidos pelo calor de final de tarde perto dos 30 graus. A rigor no entanto Wawrinka jamais conseguiu ameaçar com seriedade o amigo. Acabou cedendo a quebra definitiva no último game. Muito justo, Federer completou com outro voleio o 25º Masters e o 90º troféu da carreira. Faltam apenas quatro para igualar Ivan Lendl.

Obviamente a pergunta que a maioria quer fazer é se Federer já virou candidato a lutar pelo número 1 do ranking. Calma. Ele soma agora 3.045 pontos na temporada, o que é curiosamente a exata soma dos segundo e terceiro colocados, Rafa Nadal (1.635) e Wawrinka (1.410). Mas enquanto qualquer tenista não atingir pelo menos a casa dos 7 mil pontos, não dá para dizer que ele tenha chance de terminar a temporada na liderança. O patamar médio para isso é de 10 mil pontos.

Dor de cotovelo
Incrível. Os dois líderes do ranking estão sofrendo do mesmo problema, contusão no cotovelo, e não disputarão o Masters de Miami, que começa já na quarta-feira. Tremenda perda para o torneio, mas muito pior para Nole. Atual campeão, ele perderá mais mil pontos na classificação e verá Andy Murray se afastar ainda mais, indo a 4 mil de diferença.

Os dois estão fazendo uma temporada apagada. Decidiram Doha na primeira semana do ano, e a vitória do sérvio parecia animar a briga pela ponta. Mas foram decepções maiúsculas em Melbourne. O escocês ainda ganhou aos trancos e barrancos Dubai, enquanto Djokovic foi batido duas vezes por Nick Kyrgios em plena quadra dura.

Embora ainda seja tão começo de calendário, é um tanto chocante ver Murray na 10ª posição do ranking da temporada, atrás até mesmo de David Goffin e Pablo Carreño, mas pior ainda está Djoko, apenas 18º e com quase metade dos pontos do britânico.

A expectativa é que os dois voltem no saibro lento de Monte Carlo, onde Djokovic foi campeão em 2015 mas perdeu na estreia no ano passado. Murray nunca passou da semi e em 2016 caiu diante de Nadal.

Além deles, Miami também não verá o experiente trio francês formado por Monfils, Tsonga e Gasquet. A ótima notícia é que Thiago Monteiro se livrou do qualificatório e entrou direto. O sorteio da chave acontecerá na segunda à noite e os primeiros jogos masculinos, na quarta. Stan será cabeça 1, seguido por Kei Nishikori. Se Milos Raonic desistir, Federer sobe para cabeça 3 e Nadal, 4. Isso evitaria um novo ‘Fedal’ antes de uma possível final.

Vesnina, um exemplo
Repleto de surpresas ao longo de seus 10 dias, Indian Wells também viu uma final feminina entre duas tenistas com mais de 30 anos, embora de currículos muito distintos. Sveta Kuznetsova ganhou dois Grand Slam, o primeiro deles há quase 13 anos, e Elena Vesnina só agora faturou o maior troféu da carreira.

O fato espetacular é que Vesnina sequer passou da primeira rodada do quali de Indian Wells de 2016. Era 86ª do ranking. Persistiu. “Acho que sou um exemplo para as outras tenistas de que tudo é possível”, garantiu.

Com um tênis ofensivo, Vesnina era bem mais conhecida como duplista, com dois troféus de Slam, o título olímpico no Rio e no Finals de 2016. Nesta incrível campanha em Indian Wells, derrotou a futura número 1 Angelique Kerber e na sequência tirou Venus Williams sempre com tênis elegante e muito empenho. Será pela primeira vez a 13ª do mundo e vira mais uma força na temporada.


Comentários
  1. Cristiano

    Dalcim, sobre Federer número 01. Não acha que estamos acostumados na era Big Four que todo ano o número 01 tenha mais de 10.000 pontos? Desde que a pontuação mudou em 2009, todo ano sempre tinha um ou dois tenistas do Big Four “voando” e bem acima dos outros e, com isso, ganhando ou chegando nas finais/semis em quase todos os torneios. Mas como esse ano o melhor tenista (até o momento) é o Rogério, e não creio que ele tenha pique pra um calendário que lhe permita conseguir tantos pontos, acho bem provável que tenhamos um número 01 com pontuação entre 8.500 e 9.500 no fim do ano. Isso considerando que Nadal está competitivo mas não em um nível tão acima dos outros, que Wawrinka é instável e Djockovic/Murray estão muito abaixo do que podem (acho que irão se recuperar, mas provavelmente não se manterão em um nível tão acima dos outros como foi nos últimos anos).
    Acredito que a gira do saibro vais ser bem determinante quanto a isso. Se os principais títulos (3 MS e RG) ficarem pulverizados entre os tenistas e o Federer conseguir umas duas boas campanhas (tipo Final/Semi em um MS e RG) aí a chance de ser número 01 no segundo semestre é concreta. É tudo muito incerto e ele não deve estar focado nisso agora, mas se a oportunidade realmente aparecer ele com certeza vai querer abocanhar mais esta façanha.
    Que me diz? Abs e parabéns pelo blog!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como venho dizendo, para avaliar melhor temos de esperar alguém atingir 7 mil pontos. Aí acredito wue será sério candidato so número 1 no final da temporada. Abs!

      Responder
  2. Sergio Ribeiro

    Dos 25 MASTERS 1000 vencidos pelo Suíço , este conseguiu vencer incríveis ZERO na Grama. Dos 28 de Nadal, DEZENOVE no Barro. O Espanhol não tem nada com isso. A ATP sim. Federer se inscreveu nos dois preparatorios para Wimbledon ( Halle e Stuttgart ) , bola dentro. Este realmente e’ o caminho. No máximo Madri ou Roma , e marcar um pontinhos em Rolanga. Sem essa de N 1. Depois ainda temos o US OPEN . Vamos ver como se sai no Saibro Azul de Miami. Acho que Del Potro e’ o Cara certo para dirimir duvidas. Abs!

    Responder
  3. Luis

    Dalcim no aspecto de carisma voce acha Federer o que mais despertou uma admiracao e carinho das pessoas que nao me lembro de um tenista conseguiu,ate em outros esportes,o que acha?

    Responder
  4. Pieter

    E a Bia Haddad passou à segunda rodada em Miami!

    Tudo bem, não foi mesmo como gostaríamos mas vai render a ela preciosos pontos no ranking.

    E, de lambuja, vai ter a oportunidade de encarar a mais velha das irmãs Williams…

    Dalcim, você acha que a Bia pode aprontar uma zebraça lá em Miami?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Venus anda um tanto ‘baleada’ e Bia jogará sem qualquer pressão. Antes de tudo, uma enorme experiência pegar a Venus num estádio grande.

      Responder
  5. Nilson Reis

    Boa noite mestre Dalcim, estou indo para Miami na próxima segunda-feira para acompanhar o miami open e existe um possibilidade grande de Federer vs Del Potro na terceira rodada. Esse jogo seria na segunda-feira ou terça-feira? Lembrando que eles estreiam no sábado. Obrigado.

    Responder
  6. Sergio Gonçalves

    Dalcim, todo mundo achou normal o Stan Kibe Wawrinka chamar o Supremo Craque de “asshole” na cerimônia de premiação de IW. “São muito amigos”, se apressaram em explicar. “Foi uma brincadeira, eles se adoram”, justificaram outros.
    Confesso: ainda não cheguei a uma conclusão. Antes que alguns dedinhos nervosos se assanhem no teclado, eu pensaria o mesmo fosse qual fosse o tenista. Não é porque foi com o Craque. Na melhor das hipóteses foi uma escolha de palavras infeliz se considerarmos que a coisa toda foi transmitida para milhões ao redor do mundo. O que mais me chamou a atenção foi a pressa de todos em repetir “foi uma brincadeira, nada demais!”. A mim parece que se fosse esse o caso ninguém precisaria explicar. Doze horas depois do discurso do Kibe, já se contavam quase 500 mil resultados para uma busca “Federer asshole”. Ou seja: não passou batido.
    Digo mais: desde o episódio do bate-boca entre Mirka Federer ( a patroa do Craque) e Stan (no Finals) eu fiquei intrigado. Não porque o entrevero entre o Kibe a Patroa pudesse abalar a tal amizade Federer x Wawrinka. Minha suspeita era outra: se amizade fosse tudo isso Mirka teria provocado um amigão do marido daquela forma? Berrando “cry baby!” na beira da quadra?
    Encerro reafirmando: não acredito em amizade sincera com um H2H como o de Stan x Federer ou Nadal x Federer. Acho que, com o tempo, acaba se estabelecendo um ressentimento disfarçado de bom mocismo.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Ai, ai, ai.

      Como vocês gostam de procurar CHIFRE EM CABEÇA DE CAVALO!

      O vídeo abaixo mostra nitidamente que não se trata de nada do que você aventa…

      O Stan começa a fala dele de maneira embargada, segurando o choro, por ter perdido mais uma final, e justamente pro Federer.

      Então ele diz: ” O Roger está rindo de mim. Ele é um babaca”.

      E, logo em seguida a esta fala, eles dois sorriem ainda mais e ele então prossegue o discurso dele.

      Ou seja, falou que ele era um ” babaca” , como forma de se DESCONTRAIR e conseguir continuar falando, pois estava visivelmente abatido coma derrota.

      Qualquer outra coisa, é mera conversa fiada…

      Responder
        1. Sergio Gonçalves

          Rodrigo, sinceramente, sendo totalmente honesto: você acha que eu não vi esse vídeo? Foi justamente por isso que comentei, veja você! Não concordo com o que você postou, mas não irei tão longe a ponto de achar que é conversa fiada. Veja, se você reler o que eu disse vai notar – tenho certeza – que eu disse: “foi uma escolha infeliz de palavras” para um evento planetário, transmitido para o mundo todo. Algo me diz que você vai concordar comigo nessa.

          Responder
    2. Sergio Ribeiro

      Sei , não Xará . Dependendo da intimidade ( cansam de treinar juntos) , devem utilizar a gíria a torto e a direito. Stan sempre fez questão de abrir pra imprensa, que Federer foi sempre o primeiro a parabeniza-lo nas conquistas de SLAM . Mirka pisou na bola legal com o tal bebe Chorão. Roger fez questão de tirar a limpo ainda no vestiário pós jogo. O resultado foi um Stan com o Mode ligado na Final com a França na Davis. Foi o melhor no confronto, inclusive nas Duplas. Essa de h2h interferir ? Para mim acho pouco. Com Novak ja’ outro assunto. Abs!

      Responder
      1. Sergio Gonçalves

        Xará, entre eles, no treino, é uma coisa. Ao vivo na TV para o mundo inteiro não me soou muito bem. Sim, o Craque conversou com Stan no vestiário depois do bate-boa. Mas achei estranho a Mirka ter zoado um amigo tão próximo do marido daquela forma ( e, segundo Stan, em Wimbledon havia acontecido o mesmo, não era a primeira vez). Grande abraço!

        Responder
  7. Maurício Fonseca

    A volta de Federer em 2016 é mais incrível que a de Nadall em 2013, pois:

    . Nadal voktou em ATP 250 em Buenos Aires, perdendo pro Zeballos. Federer voktou ganhando Grand Slam.
    . Nadal tinha 26 nos na volta; Federer tem 35.
    . Federer em dois torneios no retorno teve de bater seu grande carrasco.

    Responder
  8. MARCOS

    Pintando uma ano suíço!
    RF vai conquistar WI17 e o Finals, enquanto isso Stan vai papar RG17 e o US OPEN17!
    Dalcim, curiosidade minha, o Rei Federer é filho único?
    Abs!

    Responder
  9. Luis

    Dalcim previsoes do logico certas Djokovic descendo a ladeira kkkkk,Murray sendo Murray o numero 1 fez mal ao britanico rs,Dalcim te surpreendeu esse comeco de ano do Federer? voce algumas vezes disse no blog que o suico surpreende quando duvidam desse genio rs,Go Federer acredito mais caneco em Miami rs

    Responder
  10. AKC

    Dalcim, queria te fazer uma pergunta, fugindo um pouco do tópico: estarei na França em abril e pensei em ir ver o último jogo da Davis contra a Grã-Bretanha. Que site vc recomenda comprar? Será que o Murray joga? Se eu comprar no último dia, é provável que o escalado seja o Murray? Obrigado!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A escalação só é divulgada 10 dias antes do evento, AKC, mas tenho a impressão que Murray não vai até por conta dos recentes problemas físicos. Sim, se você comprar domingo há uma grande chance de ver o duelo entre os números 1 ainda válido, já que me parece difícil alguém cravar já 3 a 0 no sábado. Abs!

      Responder
  11. Nando

    Dalcim, dei uma olhada no calendário de torneios…qual desses ATPs 250 q o Rei deveria jogar pra se habituar antes de ir a Madri e Roma? ( já contando q ele não vá a Monte Carlo)
    Marrakesh, Munique, Budapeste, Estoril?
    A vantagem de Munique ou Estoril é q são mais pertos de Madri rsrs….e Marrakesh acho q o Rei nunca jogou lá, assim como em Budapeste.

    Responder
  12. Ronildo

    Putz, tem uma foto que foi divulgado do Federer fazendo pose com o troféu do AO que é dose! Que diacho de foto menininha é essa! Esse cara tem urgentemente que tirar umas dicas com o Nadal de como fazer pose com o troféu! Estilo macho tchê! Kkkkk, quando a oposição tava triturada pelo 18 esse cara aparece desse jeito!

    Responder
    1. Ronildo

      Pô, se o cara não gosta do perfil Nadal mordedor de troféus, tudo bem, pode ser de pé, com o troféu aconchegado ao bíceps. Mas deitado num tapete abraçando o troféu como um ursinho de pelúcia! Assim não! O que eu vou dizer para os meus filhinhos!

      Responder
        1. Pieter

          Caramba!
          Quanta classe e elegância!
          Tudo mas realmente tudo a ver com o espírito e atmosfera do tênis, o ensaio de moda e estilo do GOAT na CQ!
          Muito obrigado pela dica, Gabi!
          Ainda não li tudo mas a matéria parece muito reveladora do craque enquanto pessoa!

          Responder
          1. gabi

            Rs.
            Mas, tudo bem nao ter gostado daquela que tu criticou… Afinal, o que seriam dos outros tenistas se todo mundo só gostasse do estilo do Federer, nao é mesmo?

        1. Mário Fagundes

          rsrsrs. Ronildo, sou fã incondicional de Federer. Mas analisar foto de marmanjo deitado em cama não é minha praia. Então, pra ser sincero e com todo o respeito aos demais, pra opinar acerca do tal ensaio fotográfico, pensei, literalmente, nas mulheres que frequentam o blog. (rsrs).

          Responder
  13. Ronildo

    Tinha que ser Del Potro no segundo jogo! Del Potro tá com muita gana de um bom resultado, quase tira Djokovic de Indiam Wells. Se Federer vencer mais essa certamente será campeão.

    Responder
  14. Luis

    Dalcim o melhor do ano e’ Federer como voce disse,vc acha que Federer deveria aproveitar bom momento e queda dos rivais pra tentar ganhar maximo que conseguir Masters e mais algum Slam ? talvez seguindo como ta consegue com alegria de jogar tenis que demonstra e solto rs

    Responder
  15. César valeixo

    Dalcim, essa questão de importância de torneios é muito interessante…você já enumerou os grand slams…e em relação aos masters 1000, qual seria a sua ordem de importância do mais para o menos? Abs

    Responder
      1. Carlos Fernando Torre

        Porque Indian Wells e Miami se destacam em relação aos outros Masters? É possível a ATP criar um décimo Master 1000? Se não, então sou da opinião de que um desses dois masters, provavelmente Miami, caísse para categoria de um ATP 500 e Dubai, elevado a Master 1000.

        Responder
  16. Luis

    Federer sensacional!!! Mudando um pouco de assunto, não sei se estou certo mestre mas fico com a impressão de que Miami perdeu enorme importância no contexto do circuito masculino atual. Além de toda questão estrutural do Crandon Park, me parece que que Indian Wells se consolidou como o grande evento pós Australian Open de forma que, ao seu término os principais nomes já começam a preparação pra gira europeias de saibro. Claro, ainda é um torneio enorme, com chave de 96 jogadores. Mas não pode mais ser considerado o quinto slam. Os outros dois masters da América do Norte antecedem o US Open, semelhante ao que acontece com os masters europeus do saibro e RG. Paris é o único indoor e antecede o Finals, de forma que Miami hoje é mais prestigiado hoje que Monte Carlo e Xangai. Concorda mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não acho que Miami seja menos importante do que Cincinnati ou o Canadá, nem Paris ou Xangai. Para mim, ele só perde em importância para Indian Wells.

      Responder
  17. André

    Dalcim, uma curiosidade: os pais de Federer são separados?? Estranhei eles estarem separados na transmissão, mas isso pode não significar nada…. enfim, raramente via a mãe dele nas transmissões e quando ela apareceu ficou ao lado da Mirka e do dono do torneio…

    Responder
      1. Cynthia - Araçoiaba/SP

        Deixo entrar com um momento Candinha … O Dacio falou várias vezes q eles são separados, provavelmente por quase nunca sentarem lado a lado. Há alguns anos li uma entrevista com os dois, imperdível aliás, e Linette disse q não aguenta o marido por perto pois ele não para de reclamar, de falar e isso a irrita muito. Na Australia eles não estavam porq estavam de férias esquiando. Nem eles acreditaram no q o filho iria fazer!!!!!

        Responder
        1. Cynthia - Araçoiaba/SP

          Dalcim, anjo da guarda de fã é ligadíssimo!!! Na edição de abril 2017 (??) traz o Roger na capa, com uma entrevista maravilhosa!!!!! E nela ele comenta sobre os pais, corroborando meu momento Candinha!! Corra lá e leia, muito boa!

          Responder
    1. Alexandre Matuchenko

      Há vários anos, o Federer falou que o seu pai costuma ficar muito nervoso durante algumas partidas e, por isso, prefere assistir sozinho. Muitas vezes, ele está misturado na torcida. Acho que foi na semifinal de RG09 contra o Del Potro que ele não conseguia nem sentar, ficava em pé, ao lado da escada.

      Responder
    2. Eduardo

      Hehe….Não são separados….E que as mulheres ( com razão) resolveram ficar na sombra do camarote ( no calor escaldante do deserto) juntamente com a filha……e o pai ficou no box com a equipe…..abco!

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Será que a reestruturação do circuito para a temporada de grama com mais semanas não permitiria um Masters 1000 opcional na grama? Sei que é complicado porque Halle é muito forte e a tradição de Queens histórica, mas creio que seria muito interessante a todos.

        Responder
      2. Leonardo lima

        Dalcim
        Tem alguma conversa na atp para fazer esse masters na grama ? por exemplo podia ser queens,
        Seria espetacular um masters na grama , alem de ser o mais vislumbroso pelo verde da grama
        Abraço

        Responder
  18. Luis

    Dalcim vc deve escrever sobre Miami,mas a quadra e’ mais lenta que Indian? E as chances de Federer sem Murray e Djokovic? rs,Go Federer,aproveita e papa tudo kkkk,abraco,Nadal talvez e’ maior adversario em Miami

    Responder
  19. Márcio Souza

    A princípio Federer não esta relacionado para jogar no Masters de Monte Carlo.

    Seria muito difícil ele jogar os 3 Masters 1000 do saibro, mas eu esperava que dos 3 ele fosse abdicar de jogar em Madrid, para tentar ganhar os únicos 2 Masters 1000 que ele ainda não tem, que é em Roma e em Monte Carlo.

    Porém não vou mais duvidar e nem questionar as decisões do Federer e da sua equipe, por dois motivos:
    1° A escolha do Ljubicic para fazer parte da sua equipe técnica; juro que não entendi o porque dessa escolha, se era por amizade ou sei la o que, mas não via aonde o seu jogo pudesse melhorar com ele, a resposta esta ai, BH afiadissimo e super calibrado e que vem destruindo os rivais a cada a jogo e esta de encher os olhos.
    2° A desistência do restante da temporada após Wimbledon, deixando inclusive de disputar as Olimpíadas; confesso que fiquei sem entender porque encerrar a temporada afinal de contas estavamos no começo de Agosto e a temporada ja estava encerrada?
    Pra quem disputou e quase chegou na final semanas antes em Wimbledon, virando um jogo de 0 x 2 contra o Cilic?
    Será que não dava pra ficar só uns 2 meses de molho e voltar ainda no final do ano pra jogar os ultimos Masters e o Finals?
    Enfim, esse descanso todo, com fortalecimento muscular e total recuperação do joelho operado e os títulos esse ano, ja respondem a todas essas perguntas e me faz acreditar que não devemos questionar as escolhas feitas por ele e sua equipe, pois eles sabem o que estão fazendo.

    Se eles acham melhor pular Monte Carlo e de repente concentrar forças em Madrid e Roma, com certeza eles acreditam que de repente as chances de sucesso são maiores, então vou com eles e nem vou questionar.

    Que o GOAT possa somar o máximo de pontos e de títulos que ele puder e que venha mais Slam também, principalmente Wimbledon.

    Vida longa ao Rei!

    O maior e melhor de todos os tempos!!!

    Responder
    1. Nando

      Depois de Miami, acho q antes dos masters no saibro o Rei deveria disputar um atp 250, pra se preparar, calibrar os golpes no saibro, ver como irá se sair…aí depois partiria pra disputar Madri e Roma.

      Responder
  20. Roger Azeredo

    Boa noite, Dalcim e amigos!

    Fiquei pensando, enquanto assistia à final de IW, que, hoje, devido à queda da potência nos golpes do Nadal, a bola do espanhol está perfeita pra ser batida pelo Federer. Não sei se tenho muitos argumentos exatos e comprováveis, mas fico com a impressão de que as bolas do Rafa, que estão mais curtas do que um dia já foram, pingam numa região da quadra, e com um spin, que permite ao Federer executar seus golpes, principalmente o backhand, com uma precisão maior. Estou viajando demais??

    Contra o Wawrinka mesmo, apesar de ter feitos bons lances com a esquerda, seu golpe não estava tão avassalador quanto tem sido contra o espanhol. Por isso mesmo fico intrigado e curioso pra ver como o backhand de Roger responderá diante de Djokovic, talvez o cara que jogue mais fundo no circuito (consistentemente fundo, quero dizer).

    Fiquei pensando que o golpe mais terrível que Roger pode ter enfrentado um dia – forehand do Nadal na cruzada, hoje parece ser um convite a maravilhosos backhands.

    Gostaria de, se possível, saber sua opinião sobre o assunto.

    Grande abraço, fique com Deus e bom trabalho!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      São formas de jogar muito diferentes, embora obviamente o forehand de Nadal hoje não é tão profundo quanto antes em boa parte do tempo. Difícil se comparar o padrão de jogo do Nadal com o de Wawrinka e mais ainda com o do Djokovic. São desafios totalmente diferentes para um backhand de um mão.

      Responder
  21. Bruno

    Dalcim, parabéns pelo blog! Acompanho diariamente e, para mim, você e o Juca Kfouri são os dois blogueiros que conseguem melhor se expressar, sempre com muita clareza, didática e inteligência.

    Quanto ao Federer ser o GOAT, você acha que ainda resta alguma dúvida quanto a isso? Se há alguma dúvida, estaria relacionada a quais aspectos? Força mental? Táticas de jogo? Duração de seus principais recordes?

    Ao meu ver, parece-me mais uma questão de esperarmos ele se aposentar, independentemente do que ele conquistar daqui em diante, para que seja reconhecido com este status. Acho que ele não precisa provar mais nada.

    O que você acha?

    Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que há diferentes parâmetros e daí diferentes opiniões. Muito normal num esporte que tem uma história tão longa e diversos jogadores espetaculares.

      Responder
      1. Alice

        Exatamente, Dalcim. As pessoas esquecem que os tenistas jogam torneios desde 1877, sendo que nesse período enorme existiram tenistas com carreiras e números fantásticos. As pessoas que realmente gostam de tênis deviam ter isso em mente, deviam pesquisar mais a história do tênis, sobre esses grandes tenistas que fizeram coisas em sua época tão marcante quanto os que fazem hoje em dia, muitos admiradores aqui só conseguem enxergar a competição, por isso tanta rixa ou briguinha … Poucos veem o tênis em si.

        Responder
  22. Arthur

    Uma dúvida, Dalcim:
    O posto de “5º Slam”, que saiu da Flórida e foi para a Califórnia, é mais culpa da queda de Miami ou da enorme quantidade de dinheiro investida pelo Larry Ellison em Indian Wells?
    O que você acha?

    Um abraço.

    Responder
  23. Luis

    Dalcim o Federer ta parecendo em 2017 com o que Nadal conseguiu em 2013 ganhou o Us open nao lembro se Paris tambem? rs,torcendo que venha mais 1 slam pro Federer em 2017 tudo e’ possivel pra esse suico rs,uma volta ao numero 1 seria historico mas ainda e’ um sonho,somando mais 1000 em Miami quem sabe…. Rs,Go Federer

    Responder
  24. Pedro

    Dalcim, foi interessante ver o Federer ganhar mais um título, mas seria ruim para ele, se ele decidisse lutar por ranking. Acredito que ele deva priorizar torneios maiores (muita gente também pensa isso). Sobre o cotovelo, é muito comum entre os amadores o tennis elbow, porque geralmente batem errado na bola, mas, eu não sabia que era algo comum entre tenistas top, como aconteceu com Djoko e Murray. É algo comum?

    Responder
  25. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    bem que te falei que o Federer vai pular MC e deve jogar somente Madri e Roma, com possibilidade de jogar só um desses eventos antes de RG. Caso faça isso não vejo problema algum, pois a meta continua sendo Wimbledon. O principal torneio do circuito. Go Roger!!!

    Responder
  26. Daniel

    Vamos considerar, fins meramente argumentativos, que o auge de um geração de tenistas dure, em média, cinco anos e que depois vem a geração seguinte que a derrotará e assim por diante. É mais ou menos o que acontece nos últimos trinta anos. Vejamos

    – 1996/1999: os expoentes máximos foram Sampras e Agassi, o que ninguém discute

    – 2000/2004: geração bem mais fraca do que o anterior, é o caso de Rafter, Kafelnikov, Moya e, como representante máximo, Kuerten. Uma análise detida demonstra que ficou espremida, ou seja, nesse quinquênio tivemos o canto do cisne de Sampras/Agassi e, no final, o domínio completo de Federer (em 2004 já ganhava três slams), que pertence à geração seguinte.

    – 2005/2009: domínio da geração do Federer, Safin, Hewitt, Rodick, vejamos, são todos grandes jogadores, mas que foram completamente dominados por Federer que, nesse período de 05 anos, ganhou 11 slams ( 3 em 2006 e 2007, 2 em 2005, 2008 e 2009)

    – 2010/2014: apogeu da geração de Djokovic, Murray e Nadal, três excepcionais jogadores, então no auge da forma física e técnica, enquanto Federer já começava a sentir a idade. Ainda assim, Federer ganhou 02 slams, fez diversas finais de torneio do mesmo nível, ou seja, teve um desempenho longe de ser considerado vexatório, ao contrário, é um desempenho ímpar, apenas eclipsado pela brilho com que o Federer nos habituou;

    – 2015/2020: eram para ser os anos de Raonic, Nishikori, Dimitrov, mas já sabemos que isso não vai acontecer. Djokovic e Murray, ainda no auge, dominaram os dois primeiros anos com total competência. Nadal começou a sentir a idade. E, ao menor sinal de esgotamento de Djokovic e Murray, Federer voltou com tudo e já ganhou um slam e, como nos velhos tempos, se candidata a Wimbledon e ao US Open.

    Então, é algo entre a estupidez e a má fé dizer que Federer se beneficiou de gerações ruins e/ou momentos ruins de grandes jogadores. O cara esteve entre os melhores por pelo menos 04 gerações de tênis (o seu primeiro grande feito foi vencer Sampras em Wimbledon quando Sampras era o homem a ser batido na grama) e que ainda assim hoje continua nos surpreendendo.

    Responder
    1. Ulisses Gutierrez

      Parabéns Daniel! Análise muito bem feita de como houve a alternância de domínio no circuito nos últimos 22 anos. Somente prova mais uma vez como Federer e totalmente diferenciado. Não creio que surgirá outro jogador que se compare ao Rei!

      Responder
    2. José Eduardo Pessanha

      Comentário muito pertinente, embora Nadal não seja exatamente da geração de Murray/Djokovic, pois despontou e começou a ganhar muito antes. 2005/2009 tem predomínio absoluto de Federer, com 11 títulos, e de Nadal, com 6. Djokovic, Safin e Delpo, com um cada.
      O conceito de geração é complicado. Temos umas 9 gerações (forçando a barra. rs) no circuito atualmente (na minha opinião):
      1- Stepanek e Haas (praticamente aposentados)
      2-Federer
      3- Nadal, Berdych e Ferrer (mesmo Ferrer sendo mais velho do que os outros dois, despontou muito tarde)
      4- Djokovic, Murray, Wawrinka e Tsonga
      5- Del Potro e Cilic
      6- Nishikori, Raonic e Dimitrov
      7- Thiem e Kyrgios
      8- Zverev
      9- A geração 99/2000: Shapovalov e jovens tenistas que ainda estão fazendo a transição de futures e challengers para a ATP.

      Mas essa discussão é realmente bem interessante. Abs

      Responder
    3. Rodrigo Galdino

      Federer deveria ter acabado ou estar em declínio há um bom tempo, aconteceu com tds grandes jogadores seja por jogo defasado ou pq surgiu outro grande nome.
      Ele pegou final do saque e voleio quadras ultra rápidas passando pela transição dos pisos com velocidade similares e jogo de base consistente.
      Basta ver a partida citada com o Sampras ,a final de WB 03 e comparar com as recentes.

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Verdade. O fato é que Federer foi o tenista que melhor se adaptou às mudanças ao longo do tempo. É a grande prova de sua genialidade.

        Responder
  27. Rodrigo S. Cruz

    E o Chetnik já começou foi cedo com o “chololô”.

    Kkkkk

    Pois aguente bem firme aí na poltrona, amigão. Pois que agora chegou a NOSSA VEZ de tirar onda!

    O Djokovic ganhou quase tudo por 2 longos anos.

    Agora é o Federer que merece fazer algo parecido. E ele está apenas começando…

    Responder
  28. FRANCISCO

    Lógico, estamos esperando um ultimo comentário seu nesse post, sobre Novak, Rafa, Andy e O MAIOR E MELHOR DE TODOS OS TEMPOS, Roger, antes que o Mestre faça outro, de seus belos e fantásticos posts, no maior e melhor blog, talvez não só de tênis, como do esporte.

    #18

    302 SEMANAS #1

    237 SEMANAS SEGUIDAS #1( ACHO QUE NOVAK JÁ DESISTIU DE BATER ESSE RECORD)

    #6 FINALS

    COMO OS CARAS E A COROA ESTÃO SOFRENDO

    ACEITA QUE DÓI MENOS

    SEGUE O LÍDER

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      E o Shapovalov ganhou o challenger em cima do Bemmelmans, muito mais bem classificado, ficando bem perto do top 200. Essa nova geração canadense promete!

      Responder
  29. Luis

    Dalcim Federer voltou com tudo rs,fans de Dragon bal z vao saber parece Federer conseguiu se transformar super Sayagin depois do treinamento kkkkkk,lembra de alguma volta de um tenista tao incrivel como a do suico Dalcim? Federer disse que ta em um conto de fadas nao acorde Federer e beije a princesa Mirka apos o titulo de Wimbledon 2017 kkkk mais uma previsao do ilogico rs,sobre o sportv a transmissao tava elogiavel em Indian nao cortando as partidas o dia todo mas cortaram a entrega dos trofeus pra passar futebol soccer rs,abraco

    Responder
  30. Anderson Castro

    Dalcim,

    Um tenista que conquista Slam só ficará de fora do Finals (salvo contusões, problemas pessoais etc.) se não terminar o ano entre os 20 melhores ou algum outro tenista conquistar Slam e não ficar entre os 8 melhores, mas possuir um ranking melhor que o dele. Já ocorreu alguma dessas situações?

    Responder
  31. Castilho

    Olhem a evolução dos pontos dos líderes de ranking no final de cada ano:
    Ano Pontos Tenista
    1996 4865 Sampras
    1997 4547 Sampras
    1998 3915 Sampras
    1999 4135 Agassi
    2000 4195 Kuerten
    2001 4365 Hewitt
    2002 4485 Hewitt
    2003 4535 Roddick
    2004 6335 Federer
    2005 6725 Federer
    2006 8370 Federer
    2007 7180 Federer
    2008 13160 Nadal
    2009 10550 Federer
    2010 12450 Nadal
    2011 13630 Djokovic
    2012 12920 Djokovic
    2013 13130 Nadal
    2014 11360 Djokovic
    2015 16585 Djokovic
    2016 12410 Murray
    Interessante que até 2003 5000 pontos eram suficientes para terminar líder. Entre 2004 e 2007, algo em torno de 6500 a 8500 pontos. De 2008 para frente sempre acima de 10000 pontos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É que a tabela mudou completamente em 2009, Castilho, dobrando os pontos do Grand SLam (de 1 mil para 2 mil), por exemplo. Daí essa divergência.

      Responder
      1. FRANCISCO

        Mestre acho que proporcionalmente esse melhor ano de Roger foi melhor que o melhor ano de Novak, em termos de pontuação ou estou enganado?
        2006 Federer 8370 pontos
        2015 Djokovic 16585 pontos
        nao sei qual era pontuação dos outros torneios.

        Responder
        1. FRANCISCO

          No mesmo link que mandastes, Rafa fez 6675 pontos em 2008, verifique aí, se sim, está provado, em termos de pontuação, por A + B, que a temporada 2006 de Roger, com IMBATÍVEIS, 8370 pontos, foi superior, ao ano mágico de Novak, em 2015, com incríveis, 16585 pontos.

          O que acha mestre e amigos, estou correto ou estaria viajando?

          Abraços.

          Responder
    2. Castilho

      A título de informação, eu busquei os dados acima no site da ATP. Eu peguei a pontuação da primeira semana de cada ano, que significa a pontuação que o tenista teve ao final de cada ano. Abs.

      Responder
    1. Alice

      Difícil, não acho que ele tenha jogo suficiente hoje pra ser o #1, mas se jogar de maneira mais decisiva, ou seja, ganhar finais…Pode sim terminar entre os três primeiros do ranking, que o que eu considero o topo!

      Responder
  32. Rafa Darvin

    Olá mestre,

    Se tratarmos apenas de talento natural eu colocaria Nishikori como o maior talento nato dos últimos anos. Não fosse a genética e a tendência a lesões ele sem dúvida já teria levado algum Master ou até mesmo um Slam…
    O próprio RF já teceu diversos elogios ao mesmo recentemente .De acordo com ele Nishikori tem o melhor double backhand do circuito, assim como uma movimentação extrardionária (jogo de pernas) aliada ao poder de antecipação. Acho que Federer admira seu DNA agressivo acima de tudo, oque difere de seus maiores rivais dentre o BIG 4…
    Ainda se analisarmos a estatura do Nishikori, o niponico realmente é puro talento e ousadia….
    Talvez Dimitrov seja outro tão talentoso mas oque lhe falta é justamente esse DNA agressivo….
    No meu gosto temos Nishikori e Fognini como talentos rsrs assisti-los é muito divertido…..

    Abs

    Responder
  33. Paulo F.

    Sempre um grande prazer ver o maior tenista da história erguendo um troféu.
    Bem que poderia ter condições de levar o segundo RG…seria excepcional.
    Murray vira uma incógnita e 2017 virou o ano sabático para Nole.

    Responder
  34. Sergio Gonçalves

    A teledramaturgia mexicana é pródiga em provocar tsunamis de lágrimas e beicinhos trêmulos. Isso posto, reafirmo: quando busco emoção assisto “Triunfo Del Amor” ou “Rebelde” (onde se destacam três mocinhas de minissaia xadrez). Já no tênis, busco a excelência, a categoria, o talento. Se tiver emoção, é um bônus. Aqui entre nós, quem precisa de partidas de 5 horas com andróides rebatedores trocando 74 bolas absolutamente previsíveis?
    Stan Wawrinka – o popular Xodó da Vovó – é um tenista excepcional e corajoso. Em todos os sentidos: é preciso ser um bravo para adentrar uma quadra envergando um fardamento fúcsia e turquesa. Mas precisa perder algumas arroubas e deixar o shape de kibe e os mamilos de menina moça no passado (obrigado Andre C, pela lembrança).
    Quanto ao Exuberante Craque Suíço, o que dizer? O meu amigo Rogério (é como o chamo) vem fazendo coisas extraordinárias. Ninguém percebeu, mas ontem ele apareceu dando três entrevistas simultaneamente em lugares diferentes. Já pedi que ele não faça isso pois em algum momento alguém vai notar. Mas o Onipresente Craque Suíço, como bem observou meu compadre Rafa Medeiros, pode fazer o que bem entender: jogar plantando bananeira, usar uma raquete mata-mosquito ou entrar em quadra de coturnos.
    O Craque tudo vê, tudo sabe, tudo pode.

    Responder
  35. Felipe

    Mestre,

    Desculpe o tema fora do post… Estava lembrando de alguns chiliques que os tenistas tem quando o juiz canta um FOOT FAULT…

    Porque não fazem o “desafio” dessa chamada??

    Seria interessante !!

    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que seja preciso desenvolver essa tecnologia e, talvez por ser um lance pouco comum, não valha o investimento. Na verdade, teria de haver uma câmera fixa na linha de base para captar, em câmera lenta, o exato momento do contato com a bola e a posição dos pés. Sem falar que ainda existe o ‘foot-fault’ de meio, que ainda é mais complexo de se apontar.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        E o que mais me impressiona é que todos os advertidos se irritam e querem ir para cima dos juízes, vide Serena Williams naquele US Open, mesmo sabendo que eles não tem razão alguma, pois, estão concentrados na bolinha no ar, enquanto que os juízes estão de olhos fixos em seus pés. Como entender isso?

        Responder
  36. Robson

    Bom,como todos os gigantes já tiraram uns bons meses de férias forçadas em algum momento de suas carreiras,menos Novak,acho que chegou a hora.
    Pela primeira vez na carreira Novak vem acusando demais algumas dores,hora no punho,hora no cotovelo,hora na lombar,jogando sob efeito de anti inflamatórios,chegou o momento de parar por algumas semanas no mínimo, talvez até Roma pelo menos.

    Responder
    1. Anderson

      Concordo 100%.

      Nadal tirou férias em 2012 e voltou com tudo em 2013. Murray abandonou o Masters de Roma, desistiu de Roland Garros e quando voltou, venceu seu primeiro Wimbledon. Federer mostra agora novamente o que uma boa parada pode fazer. Djokovic tem que desestressar corpo e mente com sua família e sem mitos compromissos de patrocínio. Aí poderá voltar com a alma leve e o corpo em forma, ganhando tudo novamente.

      Responder
      1. FRANCISCO

        Concordo, ele é um ser humano e não uma máquina, precisa e merece descanso, agora discordo de voltar, dominar como antes, e ganhar tudo, acho muito difícil, isso acontecer.

        Responder
        1. Anderson

          Na verdade, eu também não acho que isso vá acontecer… Mas, embora acredite que a probabilidade é baixa, tenho certeza que a possibilidade é real.

          Responder
    2. Mário Fagundes

      Falei a mesma coisa num post anterior. Djokovic precisa de um longo período de afastamento. Tomara que ele e sua equipe tenham sabedoria suficiente para tomar essa decisão em breve.

      Responder
  37. Luis

    Dalcim Federer nao sei nao vai querer mais uma biscoito em Miami kkkkk como diz o logico,se ganhar Miami Federer alcanca que posicao no ranking Dalcim? Narck comentou que Federer ja concorreria ao premio Laureus oscar do esporte pelo seu retorno rs,o numero 1 ainda ta distante mas comeca a ser possivel e nao e’ so’ a nike que quer Federer mais uma vez como numero 1 kkkkkkk,desde de 2012 acho o suico ultima vez com numero 1 ? Go Federer o ceu e’ o limite rs

    Responder
  38. Buzinas

    Há cinco anos, eu comentei aqui neste blog que, por conta de seu jogo extremamente leve, conseguia enxergar Federer com seus 35 anos ainda batendo na mais nova geração, e Nadal e Djokovic caindo de produção ao chegar nos 30. Riram muito da minha cara, disseram que eu era um fã cego e estava tendo “devaneios”. Claro que era apenas uma aposta, não tem como prever estas coisas de maneira garantida, mas visto que tanto Nadal como Djoko possuem jogo extremamente físico (principalmente Nadal), era previsível que eles começassem a cair. Acho que Djoko ainda volta a crescer, mas imagino um 2018 muito aberto, com nova geração finalmente conseguindo resultados grandes.

    Responder
  39. Aloysio Rauner

    Parabens ao Federer. Ta em grande fase.

    Mas quem manda ainda éo Djokovic. Este esta em péssima fase, mas o Federer não tem bola pra vencer o Djokovic em melhor de 5.

    Responder
    1. Nando

      Isso só saberemos qnd se enfrentarem, mas o sérvio perde antes, aí fics difícil saber…mas enquanto isso:

      #SEGUE O LÍDER

      #ACEITA Q DÓI MENOS

      #18

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      O Australian Open manda lembranças…

      Mas não se preocupa, não.

      Do jeito que o Federer vem jogando, não me admira nada que até no saibro pesado de Roland Garros, ele consiga aprontar pra ciam do sérvio.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Apesar de considerar Nadal a essa altura franco favorito a RG, nunca o Slam francês esteve tão imprevisível. Se Miami ficar entre Federer, Wawrinka e Nadal, então, Djoko e Murray chegarão pressionadíssimos a Monte Carlo. Como Federer não irá, o circuito a cada dia se desenha mais e mais imprevisível.

        Responder
    3. Márcio Souza

      É verdade Aloysio!

      Você tem razão, Federer que acabou de ganhar o AO e o Masters 1000 de IW não consegue ganhar do Djokovic em uma melhor de 5 sets.

      Quem consegue ganhar do Cotonete em GS são:
      Sam Querrey que enrabou ele em Wimbledon
      Wawrinka que arrancou as pregas dele no US Open
      E o maravilhoso e genial Istomin que entubou e colocou ele no bolso no AO (aliás quem ganhou mesmo esse AO? Dou uma dica, ja citei aqui no começo do comentário…)

      Vai plantar batata sem noção!!!

      Acorda pra vida, o Cotonete vem sendo humilhado por Delpo (ainda meia boca), Bautista Agut (quem???), Visely (quem??? parte 2 a missão), e até o kyrgios que joga muito mas que resolveu jogar serio e colocou ele no bolso e você me vem falar uma asneira dessas…é o fim do mundo mesmo.

      Federer no AO jogou 3 jogos e venceu os 3 em melhor de 5 sets, e não foi contra o vento que ele jogou não.
      Venceu Nishikori (que ja ganhou semifinal em cima do sérvio no Us Open de 2014)
      Venceu Wawrinka (que ja ganhou 2 Slam em cima do Cotonete RG 2015 e US Open 2016)
      Venceu Nadal (que também ja deitou e rolou em cima de Djokovic em Slam)

      E você ainda tem a pachorra de falar uma coisa dessas, sem falar que o sérvio abraçador de arvores esta com o cotovelo bichado, refletiu agora um pouco sobre a ASNEIRA que você falou?

      E cada LUNÁTICO que aparece por aqui.

      Aplaude o GOAT e fica de boa ai que é melhor.

      Responder
      1. FRANCISCO

        Sensacional, Marcio, por vezes tenho muito vontade de comentar assim como fizestes, os caras não aceitam, é INACREDITÁVEL, acho que ele deveria assistir YOU TUBE.
        Belo texto.

        Responder
    4. Victor Martins

      E ainda por cima o Djoko não tem a umbrindade de reconhecer quando o adversário é melhor que ele naquele dia. Antes do torneio começar, ele diz que está motivado, que tá bem. E quando perde, fala que não tá bem, que está com dor aqui, um furico ali. É muita prepotência.
      Entendam de uma vez por todas, Nadaletes, Djokovetes, Murrayzetes(inventei agora), o Rei Roger é o único que obtêm vitórias e títulos, mesmo jogando com alguma contusão pequena, e com a idade que tem, POR QUE TEM MUITA MÃO, VARIAÇÃO, E TODOS OS GOLPES.

      #18G ( e contando)
      #25M ( e contando)
      #90T ( e contando)

      Responder
      1. Carlos Augusto Rodrigues de Almeida

        Amigo Vítor Martins .. concordo plenamente contigo.. mas com apenas uma única ressalva: 21 sinônimos de hombridade para 3 sentidos da palavra hombridade: Caráter íntegro: 1 lhaneza, honradez, integridade, brio, elevação, dignidade, magnanimidade, nobreza, grandeza, altivez, caráter. Então nada de UMBRIDADE .

        Responder
        1. Victor Martins

          Antes de você ir procurar no dicionário do Aurélio o que significa a palavra, e pagar de professor de gramática, eu me referi ao simples fato do Djoko debochar dos adversários. Um exemplo foi no jogo com o Istomim, quando o mesmo, pediu um desafio numa bola que tinha ido na linha, e era nítido no rosto do Djoko o deboche em relação a isso. Outro exemplo, ano passado em Wimbledon, quando o Kevin Anderson fez 2 sets a 0, em 2 tiebreaks, e a torcida comemorando, aplaudindo, e o Djoko rindo, com cara de deboche.
          Enfim, são vários fatos.
          E contra fatos, não há argumentos.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            Se tem um cara que sabe reconhecer a superioridade do adversário, esse cara é Djokovic. Veja as caras, por exemplo, de Nadal e Federer nas derrotas para ele e me diz o que achas. No Finals de 2015, no primeiro jogo entre Federer e Djokovic, esse pediu um desafio em uma bola que foi extremamente duvidosa. Deu boa a favor de Federer e todos disseram que Djokovic estava despeitado por que era o match-point. Pois bem, como dizem que a vingança vem à galope, na decisão entre ambos, no mesmo Finals, Federer sacou um segundo serviço, no match-point contra, muito fora. De cá da TV, todos vimos bola fora, mas ele pediu desafio. Teria sido despeito? Acho que não é a cara do lord suíço.
            Por acaso viste os abraços dados a Wawrinka na final de RG 2015 depois de ser derrotado naquele que era o único GS que faltava à sua coleção? Viu o abraço dado em Del Potro nas olimpíadas? para ficar apenas nesses exemplos. Isso também é um fato?
            Um abraço.

  40. Vítor Barsotti

    É Dalcim, as coisas não são fáceis para os tenistas de fora do Big 4. Mesmo em um ano de renovação do circuito e com os atuais 1 e 2 instáveis, heis que Federer e Nadal ressurgem fazendo boas campanhas. Até agora, apenas Querrey conseguiu beliscar um ATP 500 passando por alguém do BIG 4. De resto, Federer levou o 1o Slam e o 1o Masters do ano, Murray venceu em Dubai (500) e Djoko em Doha (forte 250). Para Miami, vejo Federer e Nadal como favoritos. E para a gira de saibro, Murray e Djoko devem voltar com força.

    Acho que, ainda este ano pelo menos, os Slams ficarão novamente divididos entre o BIG 4, com Wawrinka podendo aprontar em um deles. O que acha?

    Responder
      1. Alexandre Maciel

        Também acho que Thiem vai beliscar algum título importante no saibro este ano. Não digo RG, mas quem sabe um Master, seria ótimo para o tênis.

        Responder
  41. Victor Martins

    Estou absurdamente feliz por mais um título do maior de todos. Ele foi a razão pra mim começar a gostar de tênis lá em 2011. É incrível como segunda feira fica muito melhor, com uma leveza, depois de um título do Roger.
    Espero que esse ano ainda tenha muitas segundas feiras felizes e leves.
    Uma vez um jornalista da ESPN, não me recordo o nome, disse que o Federer jogando, causa amor pelo esporte. E é isso que eu sinto, AMOR pelo esporte. Não sei se vou sentir a mesma coisa quando o Federer parar. Espero que demore muito tempo.
    Vida longa ao Rei!!!

    Responder
    1. André Barcellos

      Inspirador o comentário.
      Não tinha como esperar menos de alguém que divide a parceria das músicas com o Ivan Lins.
      Parabéns! Sou fã do seu trabalho!!!

      Responder
  42. Helena

    Se o Federer fizer uma boa temporada o saibro, aí fica difícil não acreditar nele, ainda mais com os atuais 1 e 2 jogando desse jeito, e sem alguém do pelotão de trás querendo incomodar. No momento é o Nadal que surge como a maior ameaça.
    Sobre o Murray, já critiquei demais as pessoas que falavam mal dele como número 1, como se ele tivesse roubado algo de alguém, e não pelo fato de ter feito a melhor temporada do ano. Mas parece que o próprio escocês não está sabendo lidar com isso, aumentando essa pressão absurda sobre os próprios ombros.
    Sobre o Nole, a quantidade de pontos perdidos nem incomodaria se a sensação dentro da quadra fosse mais animadora. Já estou achando ele melhor do que no segundo semestre do ano passado, mas ainda assim ele tá meio estranho. Não só pelo jogo, mas também pelo humor.Enfim, espero que melhore, porque se ele subir de nível, vai ser uma temporada muito divertida com tanta gente boa jogando em alto nível.

    Responder
  43. Rodrigues

    Dalcim

    O que o Federer está fazendo nesse começo de ano só tem uma palavra para definir “Espetacular”
    Por outro lado, Djocko, Murray, Raonic, não estão conseguindo, por diversos motivos, manter o padrão do ano passado, o que realmente abre uma possibilidade do Suiço se tornar o número 1 até o fim da temporada.
    Depois de Miami começa a temporada do saibro, Djocko e Murray terão uma oportunidade de voltar ás vitórias e acirrar a luta pela liderança do ranking.
    Mas…eu penso que tem um cara lá em Mallorca que está treinando que nem um touro para, a partir de Madri, ganhar todos os torneios, inclusive Roland Garros e poder voltar em grande estilo ao topo do ranking.
    Isso se as novas promessas como Dominique Thiem, Gofin, Carrero Busta e até o Cuevas deixarem…porque já provaram que na terra batida são osso duro de roer.
    Ah…também tem o japonês, mas esse , na minha opinião vai ser eternamente um figurante de luxo, aquele ator que sempre é indicado ao oscar de ator coadjuvante mas nunca ganha.
    E tem o Stam, the man. Mas um dia ele enche o balde , no outro ele chuta o balde…
    Tem também os franceses, mas eles são como vinho bom…sempre acabam antes da festa terminar.
    Rodrigues

    Responder
  44. Thiago

    Dalcim essa temporada está em aberta sim ,mais Federer vai se candidatando ao topo do ranking , claro que muita coisa vai acontecer mais se o suíço conseguir até o Wimbledon 7.000 pontos ele terá muitas chances de virar nº 1, pois no 2º semestre não defende nada, acho que um titulo em Miami vai aumentar muito essas chances, vamos ver também como Nadal vai se sair na temporada europeia de Saibro pois ele pode dá uma boa subida também, agora Dalcim Murray está decepcionando achei que ele iria dominar o circuito esse ano, mais desse jeito vai perder a ponta no 2º semestre se não melhorar vamos aguardar o ano promete ainda fortes emoções.

    Responder
  45. claudio

    Bom dia!!! Caro mestre a vitoria de Roger foi incontestável, claro que federer veio muito agressivo, os rivais não mudavam a estratégia de jogo, mas na minha opinião faltou embates épicos, Nadal ficou devendo, kyrgios dores estomacais e sock fez o que se esperava numa chave dura no papel e whawrinka é isso ai, mas na prática não teve as batalhas costumeiras, vc não acha??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho sim, Cláudio. No fundo, o grande torneio que se esperava acabou ficando em dois jogos realmente legais – Djoko x Delpo e Djoko x Kyrgios – e a exibição espetacular do Federer contra Nadal. Poderia ter sido bem melhor.

      Responder
      1. João ando

        Miami pode reservar delpo e Roger na terceira rodada.depois dé vencer sock e stans acho que se aontecer esse duelo da Roger ….6/4 7/5 com Roger dominado o jogo e decidindo quando tem que decidir

        Responder
  46. lucas pinheiro

    Bom dia Dalcim

    Concordo contigo que pensar em n1 é muito cedo, e não é bom isso. Federer tem que continuar jogando sem a pressão que o cercou a carreira toda, agora é jogar jogo a jogo, torneio a torneio. Ele ganhando, consequentemente irá subir no ranking. Mas troco tudo isso por mais um Wimbledon e um Finals pra fechar com chave de ouro. Ai 2018 e 2019 será exibição!

    O fato do Stan idolatrar tento o federer , prejudica nos duelos entre eles? O que acha Dalcim.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Concordo totalmente com você. O foco de Federer tem de ser Wimbledon, o resto precisa ser descontração e alegria. Sim, acho que Stan respeita demais o Federer. Talvez pouca gente tenha treinado tanto com Roger e é bem possível que Stan se sinta um pouco inferiorizado em termos gerais.

      Responder
      1. Marco Dias

        Sem dúvida, Stan é muito passivo nos jogos com Roger. Por isso aquele jogo em RG/15 com categóricos 3 a 0 é bem especial. Tudo bem que foi no saibro, mas mesmo assim foi uma “falta de respeito” nunca antes vista por parte do Wawrinka.

        Responder
      2. Pieter

        A propósito Dalcim, quais seriam as chances de Federer na temporada de saibro?
        Em minha modesta opinião ele ainda é um dos melhores nesta superfície, embora em um jogo de 5 sets no saibro suas chances diminuam, óbvio.
        Em Roland Garros será que ele ainda se credencia às quartas, dependendo do chaveamento?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Se mantiver o nível de hoje, acho que sim, Pieter. Veja que Indian Wells teve jogos bem lentos e Miami também será um bom teste.

          Responder
  47. André Borges

    Curioso observar que as marcas do Connors, antes impossíveis de serem igualadas já começam a se tornar palpáveis. Lógico que difíceis, porém atingíveis. Se o Federer jogar mais uns 3 anos em bom nível e apelar para ATP’s 500, 250 como fez o Connors as marcas de vitórias e títulos já começam a ser uma realidade.

    Responder
  48. Rodrigo Galdino

    Discordo de quem cogita a possibilidade de Federer pular a temporada de terra batida e se focar em Wimbledon.
    O cara está jogando tênis de altíssimo nível, confiança no Everest,backhand mais afiado que a Excalibur,além dos winners tem aguentado as trocas de maneira consistente.
    Federer sempre foi muito bem no saibro, obviamente quando se trata dele o “ir bem” é título.
    Mas com maior especialista longe da sua dominância e os demais postulantes com muitas dúvidas seja por contusão ou queda de rendimento,Federer tem mais é que pagar para ver e o que vier é lucro.

    Responder
    1. Paulo F.

      Também sou dos que pensam que vale a pena Roger Federer pôr toda a carga neste Roland Garros (assim como nos M1000 de Monte Carlo e Roma – os únicos que lhes faltam).

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Se ele jogar bem em Miami – e tem grandes chances de vitória se mantiver o nível, afinal somente Nadal e Stan tem sido consistentes além dele – eu pularia Monte Carlo e Madri, mas iria a Roma e a Roland Garros, obviamente.

        Responder
    2. Nando

      Acho q ele deveria pular Monte Carlo e jogar um atp “preparatório” pra ver como se sai…..aí depois jogaria Madri e Roma, e RG….concorda Dalcim?

      Responder
      1. Rodrigo Galdino

        De acordo mano,seria legal vencer MC pelo histórico dele no torneio mas é como dizem “não se pode ter tudo na vida”. Beliscar Miami e pular MC acho o melhor a se fazer,Madrid é o mais rápido destes e Roma preparatório para RG devem ser prioridades.

        Responder
  49. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    Com o cruzamento precoce dos realmente TOPs (devido à queda no ranking por contusões), os torneios perdem muito. Que semis chatas e previsíveis !!
    O Federer tá jogando muito mesmo, mas analisando o torneio, jogo “duro” mesmo só a final. E a desistência do Kyrgios foi pra lá de estranha. O Bruno disse que sentiu algo semelhante, mas entrou na quadra e jogou bem. Tudo bem que o desgaste de duplas é menor que o de simples. Mas ainda não acredito na conspiração relatada pelo Carlos e tão debatida aqui no blog. Porém onde tem muito dinheiro envolvido eu não duvido de nada.
    Jogo bom de ver foi a final feminina, as duas não davam pontos de graça e a alternância no placar tornou a partida emocionante.

    Grande vitória da dupla do Demoliner, ele vai estar na chave de duplas de Miami ?

    abs

    Responder
  50. FERNANDO PASSOS

    Olá Dalcim!

    Muitos foram reticentes à entrada de Ljubicic na equipe de Federer (inclusive eu), pois não conseguiam enxergar onde o croata poderia trazer melhorias ao jogo do suíço. Com essas recentes e surpreendentes conquistas, o que podemos creditar a Ivan nesse ressurgimento assustador de Roger?

    Abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O que ainda me intriga é o Federer não falar nada sobre isso… Acho que Ljubicic foi importante sim porque resgatou no mínimo a confiança no backhand e uma postura bem equilibrada entre ataque e defesa. No entanto, ainda é mai suposição do que fato. Um deles precisa falar mais sobre o assunto.

      Responder
      1. FERNANDO PASSOS

        Seu comentário me instigou a uma breve pesquisa acerca da relação entre eles e realmente não se vê praticamente relato nenhum de Roger a respeito, nada que vá muito além do anúncio da parceria. Talvez para eles o segredo do sucesso esteja sendo o sucesso em segredo…

        Abraços e obrigado pela atenção de sempre!

        Responder
      2. lucas pinheiro

        Mestre, estava pensando nisso desde o AO17, e quando federer deu crédito a raquete pro seu BH, fiquei mais encasquetado sobre isso. Único comentário que ele fez ao técnico foi o nervosismo dele na final do AO17, sendo seu 1o GS naquela função e a equipe de Federer já estava pra lá de acostumada. Será que não seja um acordo de ambos em deixar esssa ??? no ar? Não entregar o ouro, sei lá hahaha. Mas creio que se eles seguraram até agora, acho que Na semana que antecede o FInals eles irão comentar algo, em relação a toda temporada, como se fosse um resumo..

        Responder
      3. Julio Calleja

        Tirando o Edberg, o Federer nunca foi de dar muitos louros a seus técnicos. Mesmo em relação ao sueco, lembro de ver entrevista a qual o jornalista mencionava o Edberg, e o Federer tergiversava e dava credito o Severin Luthi. Sobre o SABR por exemplo. Talvez isso explica o pouco que ele falou sobre o Ivan.

        Responder
      4. André Barcellos

        Dalcim, talvez o que o Ivan esteja realmente treinando seja a devolução do Federer.
        Afinal, ele mesmo sempre esteve entre os 2 ou 3 melhores sacadores do circuito, quando jogava.
        É sabido que o saque, também, é um dos últimos golpes a “deixar” um tenista.

        Ficar devolvendo saques num treino com o croata deve render bons frutos…

        Responder
  51. Mário Fagundes

    Que início de temporada maravilhoso para Federer e apreciadores do tênis-arte! Dois títulos de peso, ótimo tênis, saudável, solto em quadra e fisicamente inteiro. Com as baixas declaradas para Miami, vejo grande chance dele chegar longe no torneio. Também acho que a temporada de saibro deveria ser curta para Federer. Afinal, o maior objetivo é Wimbledon. Vida longa ao GOAT!

    Responder
  52. ANTONIO

    Mestre Dalcim, tem razão, o jogo foi meio sem graça, com os dois sacando muito bem, principalmente RF, teve um ou outro lance diferenciado, mas é impressionante como o Stan não consegue “bater” com a mesma potencia na bola contra o Federer, ele ainda parece um pouco mentalmente acuado diante do amigo Federer, mas quem sabe isso muda, afinal os dois tem tudo para beliscar mais uma final em Miami, se não tivermos nem uma surpresa por lá, visto que o torneio estará com muitos desfalques de peso.

    Responder
  53. Arthur

    Dalcim,

    Mais uma grande vitória do Federer. Mas, apesar do justificado oba-oba da torcida, eu não acho que o suíço foi tão superior assim na final.
    Na verdade, acho que o jogo no geral foi bem mais parelho do que o placar indica. Se o Wawrinka estivesse em um dia mais inspirado, acho que teria levado o caneco. É como o próprio Federer disse no começo do torneio: as margens não estão muito grandes; qualquer vacilo e o cara roda.
    De resto, continuo achando que ele vai se tornar nº. 1 após WB. A não ser que ele pule toda a ronda do saibro europeu (o que é improvável), o nº. 1 vai cair no colo dele por gravidade, dado que Djoko e Murray estão caindo pelas tabelas. É uma questão puramente matemática.
    Vamos ver, mas acho que 2017 promete uma grande pulverização de títulos no restante da temporada.

    Um abraço.

    Responder
  54. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    muito se especula qual seriam os torneiros do saibro que Federer irá jogar. Com razão ele deve tomar essa decisão com calma, a fim de não cometer outros erros de concorrentes de acabam forçando demais e prejudicam o corpo. Mas tirando a visão de torcedor e levando em conta somente a questão preparatória ideal para RG qual torneios vc acharia mais indicado? Na minha opinião pularia MC e jogaria somente Madri e Roma, com possibilidade até de jogar só Roma, até para chegar inteiro na temporada de grama. Qual sua opinião mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Madri é muito apropriado para ele, por ser bem mais veloz, então certamente Madri. Também acho Roma importante, apesar de ser tão grudado, porque é muito semelhante ao saibro de Paris. Mas ainda acho que ele vai jogar Monte Carlo.

      Responder
      1. Arthur

        Dificilmente o Federer pularia Monte Carlo, Dalcim.
        As obrigações contratuais com os patrocinadores dele (no caso, a Rolex) não deixariam que ele simplesmente faltasse ao evento.
        Lembremos que no ano passado, ainda baleado, ele se arriscou a voltar antes da hora na ronda do saibro.
        E foi justamente em MC.

        Um abraço.

        Responder
      2. Naka

        Dalcim. Vendo uma entrevista do Federer apos AO 17 ele foi bem enfático em afirmar que jogar tenis agressivo é seu foco neste fim de carreira e que não acha muito sentido ficar trocando bolas eternas em saibro. Porém foi muito realista em dizer que as escolhas de torneios sao feitas a medida dos resultados (exemplificou que se fosse eliminado na primeira rodada de IW e Miami obviamente iria jogar mais torneios no saibro). Minha opniao é que a depender de Miami e sensação de físico deva jogar MC (torneio glamuroso e como bom suíço não deve fazer essa desfeita). Quanto à Roma e Madrid sinceramente acho que pula (obviamente a depender dos resultados prévios). O q acha?

        Tentei achar o link do video mas perdi

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Sim, acho que é bem por aí mesmo. Ele vai avaliar semana a semana. Há uma boa brecha entre Miami e Monte Carlo e entre Monte Carlo e Madri. Então, se ele for pular algo, acredito que seja Roma.

          Responder
    1. FRANCISCO

      Meu Deus, não acredito que lí isso.

      O cara não chega sequer as quartas……..

      #18

      #302 semanas #1

      #237 semanas seguidas #1

      #ACEITA QUE DÓI MENOS

      #SEGUE O LÍDER

      Responder
  55. Rafael

    Só saberemos se o Federer éo cara do circuito caso ele vença Djokovic. Ele ta se aproveitando bem da má fase do Nole.
    A tendência é que o Djokovic volte a ser número 1 enquanto estiver 100%.

    Responder
    1. Jose Yoh

      Nunca vi tanta dor de cotovelo nos comentários de um post.
      “Federer está ganhando porque Djoko e Murray estão lesionados. Quando estiverem 100%…”

      Grande novidade!

      Sempre foi assim: quem ganha não precisa ser o melhor, basta estar em condições físicas boas e ter um bom tênis. Analisem bem, assim foi nos últimos anos com Nadal, Djoko, Murray e agora Federer. Sempre pelo menos dois deles estiveram mal fisicamente.

      Tênis de alto nível é isso, é jogar lesionado sempre e ter cabeça boa para jogar mesmo doendo muito.
      O grande mérito do Federer é jogar de forma inteligente e poupar seu corpo. Isso ele fazia desde que apareceu a geração do Nadal/Djoko/Murray.

      Responder
    2. André Barcellos

      Ano passado quem se aproveitou bem da queda de Federer, Nadal e Djoko foi o escocês
      Em 2013 Nadal se aproveitou de um Federer totalmente irregular, com mudança de raquete que não deu certo e problemas nas costas.
      Faz parte do jogo e da realidade do tênis…

      Longevidade tenística é um atributo tão importante quanto talento.

      Responder
  56. Ronildo

    Sobre o ranking, conforme o Dalcim disse, é necessário uma média de 10 mil pontos para se atingir o topo. Mas isso é por causa da atual característica uniforme do tênis, em que geralmente os 4 primeiros do ranking estão na semifinal. Mas acredito que em breve, à medida que estes atuais cachorrões envelhecerem a coisa vai ficar mais emparelhada e vai ter líder com 6 mil pontos. Até aparecer um tenista dominante ou um grupo dominante novamente.

    Responder
    1. Alice

      6 mil pontos? Acho que você exagerou, no mínimo 7 mil e mínimo mesmo, porque nem no feminino…A verdade é que sempre haverá um tenista que vai se sobressair sobre os outros, é como se fosse narural…

      8 mil masculino e 7 mil feminino – acho que isso é o mais provável e possível nesse panorama, até porque um dos 8 primeiros pode ganhar até + 1500 pontos no Finals..

      Responder
    2. Jose Yoh

      Antigamente os pontos eram mais distribuídos porque haviam os especialistas em cada superfície, hoje não é mais possível porque com a menor diferença entre os pisos um mesmo jogador pode ganhar todos os torneios. Também tem a questão da tecnologia das raquetes e estratégias de jogo que evoluiram a ponto de não ser mais possível viver de saque e voleio por exemplo. Até um amador consegue dar boas passadas ou um bom lob por exemplo.

      Responder
  57. Marcelo

    Caro Dalcim,

    Você tem falado de que são necessários uns 10 mil pontos para se chegar a liderança do ranking. Estou ficando com a impressão de que, pela falta de um jogador dominante como vimos nos últimos anos, o No 1 do ranking vai ficar com uma pontuação abaixo dos 10 mil pontos ainda este ano.

    Abraços,
    Marcelo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é uma possibilidade. Daí eu dizer que, antes de alguém atingir 7 mil pontos na temporada, é difícil fazer previsões mais concretas.

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Me lembro que você dizia, lá nos idos de 2007 e 2008, que quando Federer fazia seus “pontinhos” na gira sintética do primeiro quadrimestre (Australian Open, Indian Wells e Miami), mesmo com resultados medianos no saibro (para ele), ele garantia a ponta quando chegava Wimbledon, Cincinnati, US Open e a gira do carpete. O circuito mudou um pouco, mas ainda vejo dessa forma. Se ele ganhar Miami, a depender de como será o torneio, acredito que ele chegará no saibro com enorme vantagem.

        Responder
  58. Luiz Fernando

    Não assisti a final, mas Federer vencer seu sabujo não surpreende ninguém. Qualquer vitória do mágico Wawrinka em um grande evento é uma ofensa aos deuses do tenis, e ao menos isso nos foi poupado. Anormal seria o inverso. Além disso, como expus sábado, ele vive grande momento e quando um grande campeão se encontra desta forma é naturalmente candidato a vencer os grandes torneios. Tendencai similar p Miami.

    Responder
    1. Robson

      Pois eu assisti essa final,não tinha absolutamente nada pra mim fazer no horário.
      Acho que houve de minha parte uma ” supervalorização ” em relação a Novak Djokovic, não é possível que o servio tenha perdido duas finais de SL pra um ZÉ MANÉ como esse Wawrinka,ainda que nos confrontos gerais seja 3 x 1,ou seja a cada 4 jogos entre os dois,3 vitórias de Novak.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Mas o Wawrinka chegou até a final e perdeu com DIGNIDADE pro suíço, num jogo parelho.

      Diferente do espanhol que perdeu nas oitavas, e direito a uma bela coça.

      Se você gosta que respeitem o Nadal, deveria aprender a respeitar um cara como o Wawrinka, que é tri-campeão de Grand Slam e um forte candidato a número 1 do mundo…

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Detalhe: se Wawrinka for no mínimo consistente nos Masters antes de RG, tem grandes chances de brigar pela ponta do ranking de entradas já em Wimbledon, quem diria.

        Responder
  59. Diego Bezerra

    Olá Dalcim, vc concorda com Paul Annacon ao afirmar q depois de Federer o jogador mais talentoso a surgir seria o Kyrios? Visto q vc cravou a 5 anos atrás q ele atingiria o #1 em 2018!!
    O q me parece é q os talentos de Nadal, Nole e Nishikori são mais trabalhados ou duros de se alcançar e já o de Kyrios é mais natural!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Kyrgios é sem dúvida um grande talento, mas maior depois do Federer acho um considerável exagero. Talvez o mais talentoso desde Federer, o que incluiria os últimos 15 anos, mas ainda assim é muito duvidoso.

      Responder
      1. André Borges

        Acho que foi isso mesmo que ele quis dizer. “Depois do Federer” = Após o Federer, não inferior/abaixo do Federer. Acho que os maiores talentos após o Federer são Dimitrov e Kyrgios. Talvez o Kyrgios ainda mais. Inclusive os dois chegaram a top 15 do mundo sem praticamente nenhuma estrutura emocional, imagina se tivessem.

        Responder
  60. Castilho

    Eu sei que é super cedo para falar isso, mas, imaginar que até o momento nem o Murray (10º) e principalmente o Djoko (18º) estão sem vaga no Finals… INCRÍVEL!!! E olha que em Miami eles continuarão sem pontuar… Que ano!!!

    Responder
  61. Evaldo Moreira

    Bom dia amigos do blog e ao grande mestre Dalcim, saudações
    É de enaltecer o que um cidadão de 35 anos, faz nas quadras, e no pós retorno, o que dizer da capacidade deste senhor nas artes do voleio, e o backhand notável, o qual o mestre Dalcim cantou a pedra, e eu observei atentamente, desde a Copa Hopman, o que adianta um cidadão, cujo nome, não sei direito pronunciar, mas de sobrenome Djokovic, que é o pai deste tenista, que reconheço, as suas conquistas, embora me desagrade o seu jogo, deixa pra lá.
    O que quero dizer, é que essas pessoas que dizem que o Federer corre tanto e não sei o que mais, falar é fácil, até Novak, pediu para o pai dá uma aliviada na língua, kkkkkkkkkk, e claro, tem outros mais, quero retificar que, quem ama, quem tem gana, vontade, e acima tudo auto estima e motivação acima, faz sim, essa maestria com desenvoltura, e joga fácil, que somente os grandes tem essa capacidade, vou fazer uma comparação, no futebol por exemplo, o Zé Roberto do Palmeiras, é ou não mestre Dalcim, de tirar o chapéu, sobre a disciplina que ele leva no dia a dia, aliás, cadê ele, Dalcim?

    Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Dalcim,

        Vi uma reportagem na TV que dizia que o Zé Roberto costuma se exercitar em casa numa piscina, ainda de madrugada. Depois desse exercício aquático, ele vai ao treino (e chega sempre um bom tempo antes dos demais jogadores). Abs.

        Responder
  62. Chetnik

    Pra quem falava tanto da “pior fase do tênis” que o Djokovic dominava…quero ver a coerência agora que o Federer tá por cima. É o mesmo circuito, com exceção que o Djokovic tá todo arrebentado e em péssima forma, o Murray voltou a ser aquela água de sempre. O Nadal continua sendo o mesmo coadjuvante dos últimos anos. Ou seja, é a mesma coisa, só que muito pior, kkkkk.

    Só assim para o Federer conseguir algo mesmo rs.

    PS: Se eu fosse torcedor do Federer também adoraria o Wawrinka, que sempre abre as pernas para o seu suserano.

    Responder
        1. Mário Fagundes

          A diferença de Federer para os demais, que você faz questão de não enxergar é que, mesmo não estando bem fisicamente, Federer geralmente chega longe nos torneios. Basta lembrar da temporada de 2013, com Nadal voando e Federer com problemas nas costas. Foram quatro derrotas pro touro naquele ano, MAS em duas semis e uma final. Em 2015, Djokovic no auge, e mesmo assim, Federer ainda o venceu por três vezes na temporada. No ano passado, Federer com joelho bichado, por pouco não fez final em Wimbledon. E Djokovic? Nem sabemos o que ele tem. A meu ver, precisa de férias. Simples assim.

          Responder
    1. Arthur

      Calma, Chetnik.
      Foram só dois torneios até agora.
      Muito diferente do Djoko ganhando 4 Slams em sequência + Finals + IW + Miami +….
      Se o Federer desandar a ganhar todos os títulos daqui pra frente, eu serei o primeiro a reclamar da pasmaceira do circuito. Pode cobrar.
      Um abraço.

      Responder
      1. Chetnik

        Não tô falando nem de monotonia (até porque o ano mal começou), tô falando da qualidade do circuito. Ou vai dizer que a qualidade subiu do ano passado pra cá? Pois é…

        Responder
        1. Arthur

          Não vi nenhuma queda de qualidade, Chet, sinceramente.
          Federer tá voando. Wawrinka jogando em alto nível (semi no AO e final em IW). Nadal, Thiem, Zverev, Del Potro, Kyrgios e cia. continuam mais ou menos no mesmo nível.
          O único ponto destoante são justamente Murray e Djoko, que estão lesionados e não vinham jogando bem de todo jeito.
          A menos que você queira reduzir o circuito todo aos dois, não dá pra dizer que a qualidade como um todo caiu.

          Um abraço.

          Responder
  63. LAIANE

    Desde que voltou ao circuito o Federer segue respondendo ao pai do Djokovic , o porque de ainda jogar . 1GS e 1M1000 na conta, nada mal! Respeito é bom e o Roger gosta.

    Responder
  64. Julio Calleja

    Caro Dalcim, vi em algum lugar, que agora em Miami será pela primeira vez desde 2005, que terá um cabeça 1 em Master 1000 (Wawrinka) sem ser um dos Big Four, confere? Sobre o jogo, o segundo set me fez lembrar um pouco da semi da AUS, quando o Stan tentou entrar naquele modo kamikaze para tentar mudar o jogo e o Federer como naquela semi, começou a perder um pouco a intensidade e energia, mas a experiencia e o retrospecto foram a chave. No game final do jogo, jogou no nível do 1 set, com devoluções firmes, agressivo e indo pra rede… ai Game, Set, Match! Sobre o resto do ano, o que eu tenho certeza, caso ele nao tenha um contusão, é que ele nao vai parar por ai independente se o Djoko e Murray acordarem de suas respectivas hibernações. Pois o Federer com confiança e jogando solto, sempre foi um perigo absoluto, ainda mais agora com esse backhand pra la de agressivo e confiável.

    Responder
  65. Marcos Marinho

    Será que o Federer de 2017 vai ser o Nadal de 2013?
    Esse suíço é enjoado mesmo. Toda vez que querem aposentá-lo ele dá uma resposta dessa. Vida longa ao rei do tênis!

    Responder
  66. Marcos Eloi

    Acredito que o suíço menos famoso está, pela primeira vez, com reais chances de beliscar o n.1 pela primeira vez logo após Wimbledon. Talvez após Cinci. Tem sido muito regular nos slams. Faltava ser nos Masters, mas já chegou a uma final. Será que veremos Stan n1? Estou torcendo.

    Responder
    1. André Barcellos

      Ele tem de ganhar do compatriota, caso se enfrentem mais vezes, já perdeu 2 no ano. No segundo semestre Federer costuma ir melhor. Difícil pra o Stan

      Responder
  67. Fernando Filho

    Que começo de ano terrível para os fanboys de Nadal e Djokovic… kkkkk

    Incrível ver o Federer jogando tudo isso aos 35 anos de idade. Parece que a fome dele por títulos é insaciável!

    Responder
  68. Bruno Macedo

    Cara, fica todo mundo querendo que o Federer volte a ser nº 1. Sinceramente, não gosto disso não. Eu gosto é de ver o circo pegar fogo e assistir cada torneio ser vencido por um tenista. Chega de “hegemonia” no tenis!!!!!!!!!!!!!! Quero ver Kyrgios, Thiem, o proprio Djokovic, Nadal, Murray, wawrinka e quem mais conseguir ganhando torneios! É muito chato começar um torneio sabendo quem vai ganhar!
    Eu admiro muito o Federer, mas gosto mais ainda da emoção!
    Vou torcer pelo Federer sempre, mas vou ficar satisfeito se outros ganharem (meio paradoxal kkkkk)

    E sim, o Federer é MUUUUUITO sinistro!!!!

    Responder
  69. Carlos Augusto Gaertner (Carlão)

    Oi Dalcim: Como já citei em meus comentários anteriores aqui no Blog do Tênis, sou fã incondicional do Roger Federer. Hoje, depois de acompanhar todos os seus jogos no Masters 1000 de Indian Wells e, principalmente, o jogo com o Nadal e a final com o Stan, Roger é que é “The Man”. E só tenho uma palavra para expressar o que sinto vendo Federer jogar: Admiração, Admiração e Admiração. Ponto final. Um abração e Parabéns pelo blog, sempre afiado e cortante como um Ace. – Carlão Gaertner – Jornalista e Músico

    Responder
  70. Márcio Souza

    Grande vitoria do Craque, parabéns Federer!!!

    E um parabéns também a todos os torcedores do Federer que assim como eu, estão comemorando e muito esse retorno triunfal e histórico do GOAT em 2017.
    Como é bom ver o gênio em quadra, não tem como não admirar esse excepcional tenista, mesmo se ele não tivesse ganhado o 18° Slam, em nada mancharia sua extraordinária carreira vencedora.

    Sabemos que devido a idade os títulos e a intensidade irão diminuir até a aposentadoria, porém pelo modo apaixonado e vibrante que ainda joga, não sera surpresa se ele levantar mais troféus inclusive de Slam ainda esse ano principalmente em Wimbledon.

    Vida longa ao Rei e verdadeiro GOAT!!!

    Em relação a gira no saibro, acredito eu que ele deveria tentar a ultima vez jogar em Monte Carlo e Roma para tentar buscar os únicos titulos de Masters 1000 que faltam em seu curriculo de campeão, ano que vem ja com 36 anos eu espero que ele abra mão dessa gira no saibro e jogue somente RG, mas esse ano eu acho que ele deveria tentar e ja imaginou se ele consegue ganhar pelo menos um dos dois?
    Seria maravilhoso pra ele e para todos nós que oa admiramos tanto, mas caso não venha com certeza também não fara falta.

    Miami agora semana que vem, apesar do piso mais lento, devido a grande quantidade de desistências, acredito que o título ficou em aberto, e eu acho possível sim mais essa conquista.

    Vamos torcer!

    Parabéns Federer!!!

    Responder
  71. Andre C

    Bom. Torço para que o Murray, o Djoko e o Kyrgios estejam bem para podermos ter finais com mais nível técnico.

    Foi bem fraca essa final, sobretudo pela freguesia de Stan “Peitinho de Moça jovem” Wawrinka. Obrigado por quem escreveu isso antes. O Kibe não é páreo para o Fedex.

    Responder
    1. João ando

      Então eu vi outro jogo.achei uma final de altissimo nível técnico. E o Federer ganhou no detalhe ….e olha que sou ta incondicional do melhor de todos os tempos

      Responder
    2. Marco Dias

      E mesmo “roliço”, “com peitinhos” e “kibe” costuma estapear um certo sérvio em final de Slam… imagina se ele tivesse o mesmo físico e foco dos maratenistas, hein?! Mesmo gordinho ele já conseguiu feitos incríveis numa tão falada época de BIG4. Já os maratenistas, coitados, não podem estar 1 grama acima do peso que já caem nas primeiras rodadas…

      Responder
  72. Diego

    Federer gênio, como sempre, se isolando como o maior desse esporte. Agora sobre o jogo percebi algo muito interessante… Stan teve que crescer muito e fazer grandes adaptações pra começar a vencer Nole e Rafa e se colocar como um dos melhores de hoje. Rafa e Nole são muito constantes, movimentação boa, leitura de jogo excelentes e bolas sempre muito profundas ou muito bem anguladas. E o Stan conseguir colocar muito disso no jogo dele. Mas essas adaptações ainda não são o bastante pra bater esse Federer. Principalmente porque o Federer não gosta muito de ralis. Se a coisa começa a se estender demais ele vai pra um golpe que vai salvá-lo de vez ou dar o ponto pro adversário, mesmo que seja um golpe de alto risco. E se a bola vem leve ele vai pro winner com toda certeza do mundo, colocando uma pressão enorme. Portanto creio que pra bater o Federer são necessárias outras adaptações.

    Responder
    1. Marco Dias

      Boa análise. Por Federer ser muito ofensivo, Stan não “acha” a bola certa para atacar, visto que ele é atacado primeiro (e Stan também não é um exímio defensor). Contra Djoko e Nadal é mais fácil encontrar a “bola perfeita” para atacar, já que estes dois ficam só passando bola esperando o suíço errar. O que ele jogou ontem talvez fosse suficiente para vencer os maratenistas (note que ele nem cometeu tantos ENF assim), mas não para vencer este Federer agressivo e confiante (além do “respeito” exagerado que Stan tem para com o seu compatriota, que não permite que seu jogo deslanche contra Roger).

      Responder
  73. Eduardo

    Ola Dalcim,….Otimo post como sempre….Fiquei numa duvida quanto aos cabecas de chave…..Miami nao utiliza os cabecas do ranking de segunda-feira passada?? Ai federer nao teria como ficar entre os 4 primeiros ne?!

    Abc

    Eduardo

    Responder
  74. Sergio Ribeiro

    Sera’ que teria sido bom se ele tivesse ido longe em Dubai ? Isso de baixo de uma chuva de criticas ate’ mesmo sobre as lesões do Suíço. Duas semanas depois ( lembrando que muitos se omitiram antes do jogo contra Nadal ) , vira o Goat outra vez. Viram ate’ o Servio voltar ao Patamar de 2015. O mais Velho a vencer um MASTERS 1000 , so’ teve o Serviço quebrado uma vez . Vi momentos de pura magia. Alguns Voleios e bate-prontos de almanaque. Quando o Modo STANIMAL foi ligado, se manteve sereno escolhendo os golpes certos. Alguns se enrolam todos em Finais contra Stan nestes momentos. Os da ” dor de cotovelo ” , devem ter combinado: do jeito que o Cara esta’ jogando e’ melhor sairmos de Fininho , e deixar Rafa se virar com esses Suíços. Va lá que o Espanhol continue apanhando e chegue pianinho para o Saibro rsrsrs. A meu ver, se quisermos o Velhinho jogando neste Nivel , a temporada de Saibro tem que ser muito curta. Andy e Novak ( nem cito mais Nadal ), estão abrindo o bico perto dos 30 ( maio/2017) . O Craque tem que focar Wimbledon , depois tudo e’ Festa. Abs!

    Responder
  75. Sônia

    Dalcim, feliz “por demais” (Rod Laver também rsrsrsrs), caba não mundão, caba não! Foi um bom jogo, Wawrinka jogou o que sabe mas o Lindinho (não tão inspirado) jogou o suficiente para vencê-lo. No fim do ano passado, voce nos perguntou o que poderíamos esperar do Roger Federer em 2017. Eu respondi que não esperava nada rsrsrsrsrs, pois bem… 1 GS e 1 M1000. Portanto Dalcim, continuo não esperando nada rsrsrsrsrs… GO FEDERER! Vida longa ao “SIMPLY THE BEST!”. Beijos.

    Responder
    1. Fernando Brack

      Isso aí, Sônia. Vamos seguir não esperando nada do Fed. Até agora vem dando certo.
      Ele tá levando muito a sério o ditado, em seus termos originais. Rsrs!!

      Responder
    2. Thiago Prada

      Soninha,
      Você se parece muito com minha mãe, toda alegre com a vitória do Federer! haha
      Claro, eu estou imensamente feliz desde a vitória dele no Australia Open, mas eu tenho minhas cobranças a ele rsrs, minha mãe aproveita mais!
      Um grande abraço : )

      Responder
  76. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,outra duvida…Voce acha que pode ser o comeco de uma decadencia de djokovic?(parecida com a de federer anos atras,brigando por titulos e ate ganhando slam,mas caindo as vezes para fora do top 5 e correndo o risco de derrotas inesperadas ou um ano sem slam) ou provavelmente ele voltara ao numero 1 ganahndo muitos slams?…Paraben pelo blog

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Se ele estiver mesmo com problemas físicos, pode sim haver uma queda. Talvez o ideal seja ele se recuperar totalmente e não forçar mais.

      Responder
  77. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,nao sei se voce concorda,mas penso assim…Sempre que federer chegar(no ranking da temporada) na frente,empatado ou apenas um pouco atras de seus concorrentes na questao de pontos ate wimbledon ele vira um serio candidato ao numero 1,pq a partir da temporada de grama tem 5 torneios em que ele joga muito bem e soma muitos pontos(wimbledon,us open,atp finals,atp basel,atp cincinnatti que somam 7000 pontos) e outros torneios com piso um pouco mais lento,porem em que ele pode somar muitos pontos(paris,shangai,torono/montreal)…E pelo fato de estar bem na frente e tambem pelo fato de no saibro a pontuacao provavelmente ser dividida(acho dificil nadal,murray ou djoko ganharam tudo…cada um dos 3 deve dividir as conquistas) acho provavel comecar a temporada de grama com federer no pareo e assim brigando pelo numero 1..concorda?

    Responder
  78. Diego Bezerra

    Boa noite Dalcim, mais um título, mais uma vitória!!!
    Se Roger no mínimo garante o top 15 até o Final do Ano então quer dizer q já está classificado pro Finals??? Pois já ganhou Slam e permanecerá entre os 20!!! Tô certo??
    Com mais esse título, Federer se aproxima daquele Federer de 2015??? Go Federer!!

    Responder
  79. Hélio Coelho

    Merecidíssimo!! Tem jogado o melhor tênis do ano e tem de se tirar o chapéu pra esse gênio que sendo o craque consagrado que é com um talento nato , com humildade ainda foi buscar com 35 anos melhoria no seu jogo , com devoluções e backhand bem melhores além de agressividade ao extremo!!! Vida longa ao Rei!!! Dalcim , Miami dizem que é o Saibro Azul , depois a terra batida até junho , Acha que Federer vai ter seu derradeiro teste neste retorno ?? E deve se poupar um pouco pra temporada de Grama ?? Eu pularia fora de Monte Carlo … grande abraço!!

    Responder
  80. Thiago Oliveira

    Federer mostrou que pode bater o Nadal. Mas sinceramente acho que não bate o Djokovic.

    Djokovic quando estiver 100% vai voltar ganhar slam atras do outro. Federer tem que comer muito feijão pra bater de frente com o sérvio.

    Responder
    1. Nando

      O sérvio q sempre dependeu do físico pra ir bem ( um pouco menos q o espanhol) e chegando aos 30 anos….acredita mesmo q ele vai ganhar um Slam atrás do outro? Mto difícil hein.

      Responder
  81. Fernando Godinho

    Concordo que ainda é muito cedo para falar de número 1 do Federer. Só nos maiores torneios de saibro são 5000 pontos distribuídos e eu não acredito que ele tenha tanta vontade nem energia para encarar firme essa parte do calendário. E também acho que nem seja um objetivo. Acredito que se ele ganhar Wimbledon se dará por satisfeito. Já foi anunciado o calendário dele pra gira do saibro?

    Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Ele foi bem evasivo, mas deu a entender que só irá mesmo a Paris. Mas se ele ganhar Miami, acho que vai querer consolidar a liderança na corrida com pontos no saibro.

        Responder
        1. Nando

          Ah mas eu acho q ele deveria jogar ao menos Madri e Roma, e um atp “preparatório” antes desses 2 masters citados…e depois RG, concorda?

          Responder
    1. João ando

      Quando alguém faz algo por prazer não sente nada. …lógico que ele vai escolher os torneios que vai jogar .e deve ganhar alguns com os pés nas costas.como Wimbledon. Franco favorito para ganhar

      Responder
  82. O LÓGICO

    UMA PENA ESSE TÍTULO PARA O FEDEX kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    É que o robozinho satânico pode levar alguma vantagem no próximo confronto com o REI, já que agora Ele tá com 90 kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Entubem mais essa robôloosers kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    NIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKENIKE

    Responder
  83. Logan

    Federer voleou demais…Teve de usar muito o segundo saque em alguns momentos e wawrinka ficou muito atrás pra receber esses saques embora tenha uma bola muito pesada…
    Fico imensamente feliz por mais esse título, e acredito q, caso Federer tenha um bom desempenho no saibro, pode sim terminar o ano de novo como número 1, oq deve ser mais um recorde, certo mestre?Acho q ele desbanca o Agassi ou seria o Connors??
    Abraços e parabéns pelo Blog…Post saiu rapidinho como sempre,fico sempre esperando pra ler suas postagens!!!

    Responder
  84. Eduardo

    Tudo bem Dalcim ?

    Após este título e se o Federer manter o nível no Master de Miami, poderá ir longe e abrir ainda mais no ranking da temporada.
    No meu ponto de vista, apesar de ser início do ano, acho difícil cravar quem será o número 1 no final da temporada.

    Andy Murray: Dificilmente irá defender todos os pontos do 2 semestre tendo em vista que agora terá Nadal e Federer no circuito, apesar de muitos pontos em 2016, pegou as chaves muito abertas.
    Novak : Pode se ver a olho nu a irritação do mesmo dentro de cada jogo, se irrita com duas bolas que o adversário acerta. Inclusive a atitude dele contra o Delpo dando a entender que este fechava os olhos e acertava os pontos no Indian Wells foi no mínimo anti ético
    Nadal: está indo bem do meu ponto de vista se não fosse o Federer ter voltado em alto nível teria levado o AO e Indian Wells
    Federer: Iniciou muito bem.

    Vamos ver mas eu voto no Federer ou Nadal lider do ranking no final do ano.

    Abs, o que acha Dalcim ;w

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Por enquanto, não acho muita coisa, Eduardo. O que posso garantir é que, com os pontos garantidos em 2017, Federer terminará pelo menos no top 15.

      Responder
      1. FRANCISCO

        Ou seja, vaga garantida no FINALS, ainda no mês de Março, é mole.
        Tomara que não tenha contusão ou se machuque.

        Mestre Dalcim, para delírios dos ANTI, esse não seria outro recorde?
        Classificar para o FINALS, logo após INDIAN WELLS(primeiro Master do ano).
        Todavia se tivermos, vencedores diferentes nos outros 3 Slans e os mesmo não ficarem entre os 8 e a frente de Roger, logo antes do Finals, Federer ainda não estaria classificado

        Abraços.

        Responder
        1. Maurício Fonseca

          Federer não é Corinthians e/ou Flamengo, não tem “antis”. O que tem são alguns que preferem Nadal e outros que preferem alternância nos títulos.

          Responder
        2. Marcelo F

          Esse “recorde” (se classificar para o Final logo após Indian Wells) o Djokovic já tinha conseguido em 2008, 2011, 2015 e 2016. Nadal em 2009. O próprio Federer em 2004 e 2006. E outros anteriormente, se as regras de classificação seguissem esse mesmo padrão. (Agassi em 2001, Sampras em 1994).

          Responder
  85. Lauro Guerra

    Belo jogo! Federer venceu em sets diretos, mas o jogo não foi fácil. Wawrinka valorizou demais a vitória do compatriota.

    Com as desistências de Djokovic e Murray, Federer é franco favorito para Miami. O velhinho vai dar trabalho esse ano, e não tendo nada a defender no segundo semestre, tem boas chances de beliscar o número 1.

    Responder
  86. Silvio

    Dalcim, o Federer defende muitos pontos até a metade do ano? No segundo semestre ele não jogou no ano passado assim, tudo que entrar na conta é lucro, se não for número 1 de novo, pelo menos será top 3, certeza.

    Responder
  87. Alexandre Matuchenko

    Federer sempre foi campeão nas vezes em que derrotou o Nadal numa campanha. Claro que a maioria dos confrontos foram em finais, mesmo assim, não deixa de ser curioso como bater seu algoz o deixa confiante.

    Responder
  88. Gilvan

    Foi uma bela final. Se os jogadores nao deram espaco para grandes emocoes, foi por causa da grande qualidade do 1o servico de ambos os atletas. O 1o saque do Wawrinka estava especialmente azeitado, muito forte e muito preciso. No unico game que o Federer sacou mal, tomou a quebra.
    O que chamou a atencao nesta final foram os voleios do Federer. Tirou varios coelhos da cartola sempre que subia a rede. Terminou com um aproveitamento de 90 por cento (15/17) nas subidas a rede e nao estamos falando daqueles voleios em que o tenista so vai na rede para conferir o ponto… Dalcim, temos algum jogador no circuito de simples que tenha um voleio tao bom quanto o do Federer?

    Responder
      1. Pedro

        Murray voleia no mesmo nível do Federer??????? Permita-me discordar 100% da sua opinião pela 1ª vez mestre. Na minha opinião Murray não tem 50% da capacidade que tem o mestre para volear. Na verdade, acho que até Nadal faz melhor que o Murray.

        Responder
  89. Nando

    Essa dor de cotovelo q Murray e o sérvio estão, será a mesma dor de cotovelo q seus torcedores estão?
    E será q eles tbm foram convidados a ir no sítio?

    Dalcim, o Rei e o Wawrinka arriscaram poucas paralelas de backhand…a q vc atribui isso?

    Responder
  90. Bruno Louzada

    Baita titulo do federer. clSei reconhecer um gênio. Ja da pra dizer que o federer éo segundo maior de todos os tempos.

    Obviamente Djokovic éo GOAT. Enquanto Federer não ganhar 4 slams seguidos jamais vai poder ter essa alcunha.

    Responder
      1. Nando

        Kkkkk, essa merece até aquele bordão do Capilé Sorriso, antigo aluno da escolinha do prof. Raimundo: “”Sim, Great Overrated All Time!”” , Hããããããã!

        Responder
    1. FERNANDO

      Hahahaahahaha
      Chega a dar pena ver isso. Mas como dizem é melhor ler certas coisas q ser cego. Nem o djokovic levaria a sério uma bobagem dessas imagina o resto das pessoas normais

      Responder
      1. João ando

        Francisco .não fala assim não. Não tem como contestar o Roger e o melhor de todos os tempos assim como láver e o segundo melhor. E so ver os numeros

        Responder
    2. O LÓGICO

      ah, Brunão kkkkkkkkkkkkkk, djokovet revoltada kkkkkkkkkkkkkk, o teu critério é o pior e o mais subjetivo de todos kkkkkk, Quando o Djokão aprender a volear decentemente kkkkkkk podemos pensar em ver a possibilidade, caso o Papa autorize kkkkkk, de pôr o sérvio no mesmo cabedal do Rei kkkkkkkkkkkk

      Responder
    3. Daniel

      Kkkkkkkkkkkkk

      Imagino que a dor de cotovelo desse cidadão está pior que a do Murray / Djokovic.

      Enfim, alguém devia avisar o hiperbárico que ele possui um parente perdido aqui no Brasil. Somente muito amor para escrever esse tipo de coisa.

      Responder
    4. Evaldo Moreira

      Caro senhor Louzada, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Buenas……………
      #segue o lider
      #18 slaninhos
      #rumo ao saibro europeu – resta confirmar
      #number one? – realiadade que se aproxima, não custa tentar……….

      Responder
    5. Rui Diógenes

      Legal a tua brincadeira. Porque esta afirmação só pode ser entendida como uma grande brincadeira. Federer é o melhor de todos os tempos. Não somente os números mostram isso, mas toda a plasticidade, técnica e magia do jogo dele. Go ahead, Roger Betterer.

      Responder
    6. Bruno Louzada

      Federer só tem 18 slams pq pegou a entressafra. 12 slams do Djokovic equilaveria a uns 22 do federer. Fora que Federer nunca conseguiu vencer nadal em RG e muito menos vencer 4 slams seguidos.

      Djokovic ja é reconhecidos por muitos como maior de todos os tempos.

      Responder
      1. Marcos Castillo

        Tem razão, Bruno! Inclusive fiz uma regra de três básica onde 12 está para 22 assim como x está para 18, e descobri que, na verdade, a ATP considera que RF tem apenas 10 GS (arredondei o 9,81), muito atrás do mito ND… pode ir lá no site conferir!

        Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>