Suíços no topo
Por José Nilton Dalcim
18 de março de 2017 às 21:46

Não houve mesmo qualquer novidade nas semifinais de Indian Wells. Stan Wawrinka sobrou em cima do espanhol Pablo Carreño, que não teve força para conter um excelente desempenho de Stan com o serviço a favor e falhou na tentativa de ser mais agressivo, o que foge muito de sua característica.

Roger Federer fez um excepcional primeiro set, sufocando Jack Sock em todos os aspectos, mas depois teve mais trabalho. O americano calibrou o saque e com isso conseguiu usar mais o forehand. Esteve aliás com chance de ganhar o tiebreak, quando abriu 3-1. Mas de novo ele encolheu o braço na hora do aperto.

Os suíços irão assim duelar pela 23ª vez e a desvantagem histórico é grande em favor de Roger. Ele só perdeu três duelos, todos no saibro, no entanto os dois fizeram grande partida na recente semifinal do Australian Open.

Com a evolução evidente do backhand de Federer, será curioso descobrirmos qual dos dois ousará mais com o golpe, ou seja, buscará mais paralelas para desequilibrar o adversário. Um diferencial importante pode ser a devolução, já que Wawrinka opta sempre pelo bloqueio e deverá ver Federer muitas vezes na rede.

Há vários ingredientes bem interessantes na aguardada final entre os suíços, marcada para as 17 horas deste domingo. Vamos a elas:

– Até onde consegui apurar, esta será apenas a segunda decisão de nível Masters 1000 entre dois jogadores com mais de 30 anos, repetindo Federer x Ferrer em Cincinnati de 2014. Vamos lembrar que os Masters (então Super 9) começaram em 1990.
– Federer poderá desbancar Andre Agassi e se tornar o mais velho campeão de um Masters, aos 35 anos. O norte-americano ganhou seu último em Cincinnati, aos 34.
– Líder do ranking da temporada com 2.645 pontos no momento, Federer se garantirá no primeiro lugar até Monte Carlo a menos que Stan vença Indian Wells e também Miami.
– Wawrinka assumirá o segundo lugar na temporada, superando Rafa Nadal, caso conquiste o troféu. Ele está com 1.410 pontos e iria a 1.810.
– No ranking de 52 semanas, Federer já garantiu o 7º e ainda pode ser 6º com o eventual título, apenas 175 pontos atrás de Milos Raonic.
– Wawrinka pode atingir o máximo de 6.105 pontos, ainda longe de Novak Djokovic, mas ele nunca estaria tão perto do número 2, reduzindo a distância para 2.810 pontos.
– Federer busca seu 25º troféu de Masters 19 meses depois de conquistar o último, em Cincinnati de 2015. Também pode chegar ao 90º no geral e se aproximar ainda mais dos 94 de Ivan Lendl.
– Wawrinka faz apenas sua quarta final desse quilate, a primeira fora do saibro. Seu único troféu foi justamente sobre Federer, em Monte Carlo de 2014. Ele perdeu Roma para Djokovic e Madri para Nadal.
– Enquanto Stan disputará a 26ª final geral, Federer já soma 138, terceira melhor marca da Era Profissional (Lendl tem 146 e Jimmy Connors, 164).
– Federer tentará sua sexta vitória sobre um top 10 neste temporada, depois das quatro que obteve no Australian Open. Ele lidera o quesito na Era Profissional, com 203.


Comentários
  1. Cássio

    Federer acaba de vencer Indian Wells. É Impressionante o que ele consegue fazer com 35 anos de idade. Confesso que não esperava um retorno nesse nível, e olha que costumo ser bem otimista. O cara tá jogando demais. Deu mínima brecha, ele parte pra cima. Mas se precisar cadenciar o jogo, mudar direção, ele tem mostrado uma paciência incomum pra trocar bolas, lógico, até sobrar uma, daí vai pra definição. Dá gosto de ver, que se conserve saudável. Já não duvido de mais nada neste ano. Vida longa ao GOAT!! Segue o líder.

    Responder
  2. Nando

    Federer campeão!
    Boa partida do Rei, jogar contra seu amigo e grande jogador sempre é difícil…foi quebrado no início do 2° set mas devolveu a quebra logo. Fez alguns lances mágicos como sempre, e assim ele vai melhorando após a grande parada, já ganhou 2 títulos em 3 disputados até agora….se divertindo, comendo pelas beiradas, q continue nessa crescente, deixando o favoritismo pros mais novos.

    Congratulações a tds os federistas do Blog sem exceção…e isso vale as novaketes e as nadaletes tbm.

    Responder
  3. Gildokson

    Não sei vocês… mas pra mim ja ta perdendo a graça torcer pro Gênio após o 18 Slam. Acabou aquele “peso” tudo o que acontecer agora é lucro, e o que o Gênio faz? Continua nos brindando com títulos. Chega Federer!
    Só torcerei de verdade agora em Wimbledon, esses Masters 1000 são inúteis para nós. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  4. Fernando Brack

    Mestre Federer jogando o finório do tênis fatura mais um grande torneio.
    Chorem djokovetes e nadalzetes! Ah, como vocês devem estar sofrendo.

    Responder
  5. Marco Dias

    Wawrinka acaba de perder o 1o set por burrice. 30 x 15 teve um ace corrigido pra out pelo juiz de cadeira e não desafiou. Isso com 3 desafios pra pedir. Um 40 x 15 virou 30 iguais e a vaca foi pro brejo.

    Responder
  6. C. Arthur

    Dalcim…. Com as desistências do Murray e do Djoko em Miami e o fato de o Federer não ter jogado praticamente nada no segundo semestre, ainda é cedo mas as chances de ele terminar o ano em primeiro são grandes não?

    Responder
  7. Rafael Brasiliense

    Dalcin, por que o jogo ainda não começou e está sendo adiado toda hora? Quando deu 17:00 eu vi que não tinha começado e fui olhar o horário previsto, pra ver o que tinha acontecido. No site dizia que havia sido adiado para 17:40. Agora fui olhar de novo e foi adiado novamente, para 18:15. O que está acontecendo?

    Responder
  8. Marcio

    Curta a informação, Mestre!!

    Até ontem, Federer, Nadal e djoko tinham 42 finais de Master 1000!!!! Igual.

    Hoje Federer vai para a final de número 43.

    Interessante.

    Na época de Federer, ele não conseguiu dominar tanto esses torneios. Acredito que porque a safra era sim mais forte.

    Continuemos curtindo. Forte abraço.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Na época de Federer, as finais de Masters eram em melhor de 5 sets, e os tops jogavam uma rodada a mais na maioria desses torneios. Além do circuito antigo apresentar melhores jogadores do que os de hoje. Abs.

      Responder
  9. Anti anti-jogo

    PAra quem se engana achando que a sequer a mínima chance de Robolito Kid mudar:

    Após encerrar prematuramente a temporada 2016, ele falou categoricamente: “EU sei o que precisa pra melhorar. Precisa meu forehand voltar a CAUSAR DOR NO ADVERSÁRIO”. Observem o termo “causar dor”. Significa claramente induzir ao erro, tornar a bola difícil, etc. Em nenhum momento ele fala em fazer mais winners, encurtai os pontos, ser mais agressivo, blá, blá, blá…

    Responder
  10. Anti anti-jogo

    Tico e Teco (os dois neurônios de Robolito Kid) devem estar em curto-circuito.

    Após labutar à base de muito ganchão cruzado, colocou para trás seu rival Mestre Suíço, deixando o cenário pronto para papar tudo.

    Mas o sérvio xiliquento não deixou, subiu de nível e roubou seu lugar.

    Aí quando o sérvio começa a pifar e abre uma janela de oportunidade, o teoricamente rival semi-aposentado com quatro filhos volta com uma solução que anula seu jogo nefasto…

    O negócio tá tão feio que até o fiel treinador Toni Joel Santana Nadal largou o barco….

    Resta continuar jogando e faturando as doletas…

    Responder
  11. Vinicius

    Se vocês soubessem ficariam enojados.
    E isso aqui não tem nada a ver com Nike, nem com teorias da conspiração malucas que andaram criando por aí…
    Vazamento de novas informações provenientes das investigações da operação “A Carne é Fraca” da PF já dão conta de que a Brasil Foods e a JBS também tem envolvimento nos escândalos tenísticos que culminaram com a desistência de Nick Kyrgios do Masters 1000 de Indian Wells e mais recentemente das desistências de Novak Djokovic e Andy Murray do Masters 1000 de Miami.
    Vamos aos fatos:
    Fontes informaram que as gigantes alimentícias brasileiras têm fornecido carnes estragadas para o circuito de tênis, para jogadores específicos, a fim de direcionar os resultados dos torneios e, por fim, reconduzir Roger Federer à liderança do ranking.
    Não é coincidência que Kyrgios tenha sentido “desconfortos alimentares” justo antes da partida contra Roger Federer… Aliás, não parece estranho para vocês todo esse mau desempenho de Djokovic após anos de total domínio do circuito? E Andy Murray que teve um 2º semestre de 2016 sublime, do nada estar perdendo para Mischa Zverev e Pospisil?
    E Federer estar conseguindo derrotar tão facilmente assim seu grande algoz, Nadal?
    Fontes confiáveis, garantidas pelo Tony Ramos, confirmam que Djokovic consumiu carne com papelão glutéo (com glúten), uma tecnologia desenvolvida pela Suzano e Fibria conjuntamente para o único intuito de derrubar o reinado do sérvio. A fonte, que não quis se identificar, também garante que o Guru do Djokovic é um agente infiltrado com a missão de destruir a carreira do ex-número 1.
    Já Murray e Nadal, andaram consumindo Gatorade batizado, isotônico fabricado pela Ambev, que também está envolvida no esquema. Além da já manjada carne estragada.
    O Masters 1000 de Miami, que tem como patrocinador Master o Banco Itaú, também brasileiro, conhece e apoia todo o esquema, e cuidou para que Murray e Djokovic se alimentassem com produtos de procedência duvidosa.
    Então, meus amigos, estamos diante de um grande esquema de Itaú, Brasil Foods, JBS, Suzano, Fibria e Ambev para que Roger Federer torne-se novamente o número 1 do mundo.
    Também não acreditei quando vi tamanha nojeira, mas os fatos falam por si.
    Mas por quê? Você pode perguntar. Por que essas empresas brasileiras estariam interessadas no retorno de Federer ao topo do ranking?
    Para responder isso precisamos entender um pouco a conjuntura político-econômica internacional.
    Sabemos que a Zona do Euro está sofrendo fortes ataques com o objetivo de sua dissolução. E, como todos sabem, a união Europeia não passa de um grande plano para implantar a Nova Ordem Globalista Mundial, que objetiva a implantação do comunismo em todo o mundo.
    Empresas brasileiras, patrocinadas pelo PT e toda a sua gangue, não podem deixar isso acontecer. Isso arruinaria os planos de Lula de se tornar o presidente do mundo na próxima década.
    Então, com o objetivo de estabilizar a zona do euro, que se deu esse plano de reconduzir Roger Federer à liderança. Como ele é unanimidade e amado em todos os países da Europa e do mundo, isso traria novamente uma sensação de unidade da Zona do Euro e permitiria que os planos de implantação do bolivarianismo mundial continuem de vento em popa.
    PORRA, isso está acontecendo a olhos vistos! Não podemos ficar de braços cruzados vendo a destruição da sociedade ocidental como conhecemos! Precisamos já boicotar a ATP e todas essas empresas que estão conspirando para a implantação da Nova Ordem Mundial Globalista Comunista e, pior do que isso, a recondução de Roger Federer à liderança do ranking.

    P.S: pessoal isso é humor, não levem a sério, apenas pra discontrair rsrs

    Responder
    1. Márcio Souza

      Kkkkkkkk

      Vinicius que bom que você publicou isso, ja estava ficando nervoso porque ninguém estava se atentando a isso, e eu achando que eu estava imaginando coisas que não tinha nada a ver kkkkk

      Eu não estava conseguindo ligar uma coisa na outra, mas sabia claramente depois da revelação que o Carlos fez aqui alguns dias atrás, que na verdade tudo aquilo que ele falou era só a ponta do iceberg…agora tudo faz sentido kkkkkk

      Um bom domingo a todos e vamos comemorar a vitoria e mais um titulo do GOAT (tomara).

      Abraço

      Responder
  12. Pieter

    A chave da vitória na final masculina desse domingo será o saque. Se Federer jogar como quando venceu o Nadal, dificilmente perde o título. Entretanto, se jogar “apenas” como na semifinal contra o Sock, aí o Wawrinka terá suas chances e todos sabemos que ele é um jogador de chegada. Tanto que aprontou surpresas em muitas das finais a que chegou quando não era o favorito…

    Responder
  13. Arthur

    Federer x Wawrinka: não poderia haver final melhor, com dois dos jogadores que jogam mais bonito no circuito.
    Dalcim, será que estamos assistindo a um turning point no tênis mundial? De um tênis que privilegiava mais o físico e as capacidades defensivas para um tênis no qual a capacidade de ataque e a força dos golpes são mais preponderantes?

    Um abraço.

    Responder
  14. César valeixo

    Dalcim, muito se discute sobre o jogo de rafa estar ultrapassado e ter que mudar radicalmente. Mas eu fico aqui pensando que quando ele atuou de forma agressiva contra raonic no ao e contra cilic em Acapulco, essa crítica não existiu. Nenhum jogador top bate bolas sem spin, e o spin pode ser muito agressivo dependendo da altura que a bola passe por cima da rede. Outro fato curioso é que um estilo dito defasado chegue nessa temporada ainda em finais de grandes torneios, sendo que ele perdeu porque os outros jogaram mais. O que separa um nadal de 2010, 2013 para cá é a questão da confiança, pois contra o dimitrov, enquanto nadal estava ganhando ficou mais perto da linha de base, é quando apertou foi para o fundo. Analisando esses fatos, e não boatos, não dá para dizer que o fator preponderante para o espanhol jogar em mais alto nível é a velha confiança dalcim?(obs: o gancho dele quando ficava curto sempre foi um problema, se lembra do soderling em 2009 dalcim?)

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, eu sempre afirmei aqui que o Nadal não tem problema físico, mas sim de confiança. Isso é o que mudou essencialmente. Claro que ele precisa ‘modernizar’ mais seu jogo, como fez em 2013.

      Responder
  15. Márcio Souza

    Jogão hoje entre esses dois suíços geniais!!!

    Eu gostaria que futuramente quando eles não forem mais jogar simples, que eles pudessem retomar a dupla vitoriosa que ganhou o ouro olímpico e a Davis e jogarem o circuito de duplas, assim como a Hingis vem fazendo.

    Eu acredito que eles seriam uma dupla fortíssima e seriam sérios candidatos aos principais títulos.

    Em relação ao jogo hoje, eu acredito que de Federer.
    Não pelo H2H, mas pelo momento que o GOAT vem passando.
    Aquela derrota em Dubai acho que fez ele entrar mais ligado nas partidas e deixar de lado as comemorações do titulo do AO.
    Aquela derrota pro russo que até esqueci o nome, acho que foi fundamental para que ele percebesse o bom momento que vive e que se ele mantiver o foco e ficar sem lesões, da pra brigar pelos principais títulos, é claro que não se pode ganhar tudo e derrotas irão acontecer, porém pelo nível de jogo que ele vem mostrando, as chances de títulos e finais estão bem possíveis agora.

    Acredito que se ele tivesse ganhado Dubai, talvez hoje ele não estaria na final em IW, porque ele estaria ainda comemorando os títulos do AO e Dubai e a concentração e foco talvez não fosse a mesma.

    Se teve uma coisa boa que ele tirou da derrota em Dubai, foi de que ele precisa manter o foco e aproveitar bem o seu jogo que esta claramente mais solto e preciso.

    Stan pode vence lo hoje?
    Claro que pode.
    Mas eu acredito na vitoria do GOAT hoje, além de estar jogando melhor ele recuperou o foco e a confiança, e acima de tudo o que ele mesmo alegou na derrota em Dubai, ele resgatou o comprometimento.

    Vida longa ao Rei!

    Bom jogo a todos.

    Responder
  16. Fernando Brack

    Que Ljubicic que nada! Federer confessa que o mentor de seu novo backhand é seu pai. Foi seu Robert
    que insistiu para que o filho batesse o golpe, em vez de ficar cortando a bola o tempo todo. A pergunta
    é: porque só agora ele veio falar isso? Ou será que ele vem falando há tempos e o teimoso filho é que
    não lhe dava ouvidos? De qualquer forma, antes tarde do que nunca. Agora me digam, o que mais Fed
    teria feito se tivesse ouvido mais seu pai e tivesse trocado de raquete antes?

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Teria mais alguns GS, mas acho que já teria se aposentado. Creio que a situação atual é muito boa: Federer jogando bem e com mais alguns anos de circuito pela frente. Abs.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho muito difícil, João, porque todos os outros Big 4 precisam muito do físico para trabalhar seus pontos e o desgaste atual está muito alto. Stan poderia, mas seu preparo não é espetacular.

      Responder
        1. José Eduardo Pessanha

          Murray, Nadal e Djokovic não estarão no circuito aos 35. Caso aconteça algum imprevisto e eles estejam em ação nessa época, estarão fora do top 10. Abs

          Responder
      1. Evaldo Moreira

        Mestre, boa noite,
        Me corrija, se eu estiver errado: Então pela suavidade, digamos assim, além das muitas variações e recursos técnicos e/ou improviso do Federer, o faz ou fez dele, se degastar bem menos, além de ele se cuidar fora das quadras, é isso?
        Foi o que entendi, baseando na resposta que você deu ao amigo ai embaixo………
        E pra variar, da-lhe Rogerio, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, como gosta de dizer o Flavio Saretta, mais uma pra galeria, putz 90 taças ao todo, hein mestre, você achas que, nesse ano, com esse ritmo, o Federer chaga nos números do Lend, em termos de conquista, acho que agora tá 104 a 90, procede!?

        Responder
  17. horacio nelson wendel

    Dalcin, voce que gosta de estatisticas, dou uma sugestão inedita na imprensa do mundo, cuja falta de informação intriga os fãs do tenis:

    Elaborar uma tabela de pontos dos tenistas no ranking, publicada diariamente, a cada rodada de um torneio, com a situação dos 2 tenistas que se enfrentaram na véspera, antecipando o numero de pontos que o perdedor terá na proxima segunda feira, e atualizando o numero de pontos que o vencedor terá na proxima segunda feira, até seu proximo jogo na próxima rodada, quando seu resultado em campo sofrerá nova atualização na publicação diária.

    Num torneio master 1000 por exemplo, teremos 6 publicações, após rodada 64, rodada 32, rodada 16, quartas – semis – final. Se rodada 64 for disputada em 2 dias, teremos 7 publicações, se rodada 32 for disputada em 2 dias, teremos 8 publicações, etc.

    Responder
    1. Fabio

      Isso já existe, pesquise por live tennis ranking, estou colocando o link com espaços para ser publicado, já dá pra saber como o ranking pode ficar e como está com o resultado de cada um a cada rodada…
      http:/ /live-tennis . eu / en / atp-live-ranking

      Responder
    2. Ronildo

      Acredito que todos os que acompanham o circuito de tênis já tem esta tabela mentalmente e simplesmente conferem o ranking, seja aqui ou no site da atp para conferir ou confirmar. Acredito que todos aqui lembravam que ano passado Djokovic foi campeão em Indiam Wells e Miami e o que aconteceria por exemplo se ele caísse na primeira rodada ou fosse campeão novamente. E assim continua o ano inteiro, torneio à torneio.

      Responder
  18. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    estava vendo o ranking e vi que caso o Nadal não vá bem em Monte Carlo e Barcelona, onde defende 1,5 mil pontos, pode sair do TOP 10. Lógico que isso é difícil acontecer mas é uma possibilidade. O touro precisa fazer alguma coisa com urgência quanto ao jogo dele, somente o gancho já ficou mais que nítido que desmoronou, totalmente sem eficácia contra jogadores TOP.
    Mestre vc acredita que o Nadal beirando os 31 anos teria condição de mudar drasticamente o jogo dele a fim de se manter no topo, tipo tirando o spin da bola e batendo mais reto. Ou mesmo, passar a ir com constância para definição do pontos na terceira ou quarta bola. Ou passar a a ir para rede com frequência mesmo, não só esperar um voleio fácil, meter a cara na rede e tentar. Qual sua opinião mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não se pode obter uma mudança radical e sair totalmente da característica do tenista. Para o saibro, o modelo tradicional tem chance de funcionar. Mas ainda assim as estatísticas de hoje mostram que é preciso definir o ponto com maior rapidez, daí importante o primeiro saque e o ataque já na segunda bola. O percentual de pontos longos tende a diminuir.

      Responder
    2. Fernando Brack

      Não há a menor chance do Nadal mudar seu jogo radicalmente. Ninguém jamais conseguiu fazer
      isso, imagine ele que foi forjado desde adolescente para jogar no estilo defensivo extremo.

      Responder
      1. Anti anti-jogo

        Concordo! É mais fácil a Sharapova e a Venus Williams pararem de urrar quando batem na bola que o Robolito Kid mudar seu jogo.

        P.S, Pensando bem, ambos são igualmente impossíveis…

        Responder
  19. Marco Dias

    Qual será o golpe mais admirado por quem curte o maratênis? Prevejo respostas do tipo: “não há nada mais sublime que o som da bolinha na rede do adversário ou quando ele joga pra fora…”. Winner ficaria em último lugar …

    Responder
    1. Nando

      Kkkkkkkkkkkkkkkkk mitou nessa hein!
      “Não há nada mais sublime que o som da bolinha na rede do adversário ou quando ele joga pra fora…”.

      Responder
  20. Marco Dias

    Complementando: a noite a bola não anda e Stan “penou” ppra conseguir winners mesmo contra jogadores fracos. De dia e como normalmente melhora o seu jogo nas fases agudas podemos ter um jogo equilibrado. Concorda, Dalcim?

    Responder
  21. Marco Dias

    A final da ala ofensiva do blog. Federer é favorito, mas espero q Stan dificulte e não entre resignado. Ao pessoal q critica a forma física do Wawrinka, acho q ele melhorou e está se mexendo melhor desde q virou um vencedor de Slam, mas, claro, ainda poderia melhorar mais neste quesito. Só não entendi a parte do movimento no saque, o que tem de estranho? Ah, e jogar de dia pode ajudar Stan, hein?!?

    Responder
      1. Marco Dias

        Sim, concordo. Pro Federer quando mais rápido melhor, mas pro Wawrinka também a lentidão da quadra a noite não estava ajudando. IW não é tão rápido, então a maior velocidade do jogo a tarde é melhor para ele do que as condições mais lentas noturnas, a meu ver.

        Responder
  22. PauloH

    Dalcim, como é que o Melo e o Kubot deixaram escapar o título de duplas? Estavam vencendo de 1 set x 0, foram a 40/40 no saque adversário, quando estavam vencendo de 4 x 2 no segundo set, tiveram saque a favor para fazer 5 x 3 e levaram a virada para 4 x 6, perdendo de 10 x 8 no super tiebtreak. Como é possível isso? Falta de concentração, de técnica, de conjunto, de que?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Os jogos de duplas têm sido decididos em mínimos detalhes, Paulo. Com a regra do no-ad, se torna até mesmo uma questão de sorte. Não vamos esquecer que o Ram e o Klaasen jogaram muito nos pontos importantes.

      Responder
  23. Murilo

    Dalcim,

    No Australian Open, nos 2 primeiros sets contra Federer, Wawrinka manteve seu estilo mais atual, nitidamente forjado por Magnus Norman, combinando a potência de seus golpes com um bom nível defensivo e certa paciência Na finalização dos pontos.

    2 sets abaixo, Stan comportou-se nos 2 sets seguintes no seu tradicional (e não menos magnífico) “beast mode”, soltando o braço e buscando as linhas, com sequenciais winners.

    Então, Dalcim, qual estilo adotar? Como Stan pode tem mais chances de êxito contra um Federer que mais parece,
    Como uma fênix, ter ressurgido das cinzas e estar no ápice de seu talento?

    Obrigado, abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Antes de tudo, precisa sacar bem para manter Federer na defensiva. Depois, acho que ele tem de tomar iniciativa dos pontos. Ele provavelmente vai ter problemas para baixar a bola nas devoluções e assim evitar os voleios ou a segunda bola do Federer, mas ele precisará buscar mais as paralelas nesses momentos.

      Responder
    1. Sônia

      Assisti ao jogo. Melo também cometeu erros grosseiros, ou seja, Melo não é uma “brastemp” como ele se acha, aliás acho ele muito passivo. São dois jogadores “normais”.

      Responder
      1. Marcos Castillo

        Não sei se ele se acha, mas joga no mesmo nível do parceiro. Acho que pela sua altura, poderia ter um saque melhor. A dupla campeã teve muito mérito, é importante lembrar.

        Responder
  24. Luigi

    Oi Dalcim,
    o que aconteceu com o gancho do Nadal, antigamente pouquissios devolviam, nenhum com backhand de uma mão.
    Ultimamente nem para o Dimitrov o forhand do espanhol esta atrapalhando. O que aconteceu? Os jogadores evoluiram, o Nadal piorou as quadras/bolas esrao mais rapidas ou tudo isso junto?
    Obrigado

    Responder
      1. Fernando Brack

        A pergunta seguinte, Dalcim, é porque teria ficado mais curto? Não parece ser um problema
        físico e só uma eventual queda na confiança seria capaz de produzir esse estrago todo?

        Responder
        1. José Eduardo Pessanha

          Questão física, a meu ver. O Nadal não tem a potência de antes, muito menos o físico. Por isso, chega atrasado nas bolas e não tem mais tanta força no braço.

          Responder
  25. Luis

    Dalcim final legal entre tenistas que jogam bonito rs,promessa de uma partida de ataque,talvez Federer tenha favoritismo contra Wawrinka que nao consegue jogar como contra Djokovic ou o primeiro titulo de Slam do Wawrinka contra o Nadal,a admiracao por Federer tira um pouco a confianca do Wawrinka e ate a concentracao,torcendo por Federer ganhe Indian seria mais um titulo de peso pro Federer depois da volta em 2017,Dalcim esse ano do Federer ta melhor do o suico sonharia? rs,sem as teorias do Carlos foram ate no sportv kkkkkk,as profecias do logico vao ser comentadas pelo Eusebio e o Narc rs,Go Federer

    Responder
  26. Bruno

    Dalcim, não sei se concorda, mas pelo título do post seria bem adequado fazer menção ao título ( mais um) da duplas da fantástica e também suiça Martina Hingis.

    Responder
  27. Rodrigo S. Cruz

    Como são meus tenistas favoritos. Tanto faz pra mim, quem vencer amanhã…

    Entretanto, eu sei que será um desafio muito mais difícil pro Wawrinka. Apesar dele ser um tremendo jogador.

    O Federer tem um tipo de jogo (com muita variação) que parece a ser a KRYPTONITA para Stan.

    Somado isso à fantástica fase do tenista da Basiléia e seu renovado backhand, as chances pro Stan ficam bem diminutas…

    Responder
  28. Luiz Manoel Guimarães

    Olá, Dalcim. Acompanho tênis de forma apaixonada nos últimos 10, 15 anos, mas vi pouco do que aconteceu antes disso e tenho um ponto de interrogação que me persegue: como foi possível Connors e, principalmente, Navratilova e Chris Evert acumularem tantos títulos? O nível dos torneios era inferior?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O calendário era mais extenso, havia muito mais torneios nos EUA e eles eram excepcionais tenistas, com carreiras muito longas.

      Responder
    2. Bruno Macedo

      Sempre passar pela minha cabeça uma dúvida que tem um pouco de relação com a tua dúvida. Me incomoda um pouco essas comparações feitas entre caras que jogaram na década de 60, 70 e até 80 com os caras que jogam hoje. Acontece isso no futebol tb, as pessoas comparam Pele com Messi etc. Cara, era tudo tão diferente (acho q no tênis existem até mais diferenças do que no futebol) que não tem como comparar. Ficam fazendo estatísticas e comparando records… Acho isso muito estranho.
      Tenho a tendência de achar que hoje as coisas estão mais difíceis, o q me faz crer q os melhores jogadores atuais são melhores do que os melhores jogadores de 40 anos atrás, tanto no tênis como em qualquer outro esporte.

      Responder
      1. Fernando Brack

        Bruno, quase tudo na vida evolui (a honestidade de nossos políticos é um exemplo negativo)
        e isso, naturalmente, não é diferente no tênis. Quando se fala em destaques dentro de um
        grupo, como os tenistas profissionais, não importa muito o quanto o jogo evoluiu e sim como
        eles conseguem se destacar na sua época. No tênis em particular, como houve evolução no
        material, e significativa, não dá pra julgar o que os melhores dos anos 70, 80 e 90 fariam no
        confronto com os melhores de hoje. Reforço, o que importa é o quanto eles foram melhores,
        e se destacaram por isso, que seus pares em suas épocas.

        Responder
      2. Fernando Brack

        Por isso, não faz absolutamente o menor sentido comparar Nadal a Borg ou Federer a
        Laver. O que vale é considerar o que as estrelas de cada época fizeram quando sujeitas
        às mesmas condições e aos mesmos desafios impostos a seus adversários.

        Responder
      3. Fernando Brack

        Dito isso, vale comparar as marcas obtidas por eles. É possível dizer que Nadal fez mais do
        que Borg no saibro ao ganhar 9 RG, contra 6 do sueco. E o Laver ainda tem um ‘edge’ sobre
        Federer por ter conquistado um feito (aliás, dois) que o suíço nunca obteve: o Grand Slam.

        Responder
        1. Bruno Macedo

          Oi Fernando! Eu concordo com você, a análise deve ser feita de acordo com cada época, com a realidade daquela época, deve ser analisado o quando o jogador foi genial para aquela realidade.

          Mas eu acho q não dá pra comparar Federer com Rod Laver, nem dizer que Rod Laver está a frente do federer pq conseguiu coisas que o federer nao conseguiu, isso porque o tênis que o federer enfrenta hoje é muito superior ao que o Rod Laver enfrentava, até mesmo a quantidade de jogadores/adversários competindo deve ter crescido muito. Então se o laver tem X coisa, isso é apenas uma constatação e não uma ferramenta pra dizer que ele está a frente do federer nesse quesito, pq não sabemos se o federer teria ou não conseguido a mesma coisa se estivesse jogado naquela época ou se o laver teria conseguido se estivesse jogando hoje em dia.
          Se quisermos fazer comparações, arrisco dizer que os jogadores devem ser comparados apenas com os seus contemporâneos, com quem jogo contra o cara em algum momento da carreira, no começo, no fim ou durante quase todo o tempo de atuação. Isso abre um raio de alcance mais restrito e mais leal também. Acho OK comprar Federer com Sampras ou Agassi, mas com o laver não dá…

          Acho ruim comparar pessoas de época tão distantes. Mas compreendo o que vc disse.

          Responder
        2. Sergio Ribeiro

          O grande Rod Laver , evidentemente não tem nada a ver com o fato do AOPEN ser um Torneio realizado sem a presença dos principais jogadores Norte- Americanos ( Arthur Ashe, Stan Smith, etc ) e Espanhóis ( Manolo Santana, M.Orantes). No de 69 , dos 16 cabeças de Chave, DEZ eram Australianos. E realizado tambem na Grama. Não tínhamos a diversidade dos 4 Pisos. E todos sabemos quem e’ o Rei da Grama e o que Rod Laver pensa sobre Roger. Como exemplo, a Vitoria de Pete Sampras em 1994 com folgas, numa votação de Melhor de Todos os Tempos feita com votos de Imprensa e Tenistas. Abs!

          Responder
  29. Mr marco

    Um pitaco meu sobre esse horário das semis e da final muito cedo no horário de iw. Só achismo mesmo sem saber de nada.
    Eu acho q esses torneios faturam mais nos direitos televisivos. Como estão na costa oeste ficam a umas 4/5 horas antes da costa leste e umas 9 ou mais da europa. Se fizerem jogos importantes de noite, esses outros locais veriam os jogos muito tarde da noite ou de madrugada. Pode ser esse o motivo. De meterem os jogadores pra jogar no sol.
    Será?

    Responder
  30. Eduardo Guimarães

    Seria a sexta vitória de Federer sobre top 10 na temporada. Contando com sua vitória sobre Nadal nesse torneio de Indian Wells.

    Responder
  31. André Alves

    Quando vc acha que o Federer vai declinar na carreira e que não há mais nada que ele pode fazer…pronto o cara ganha um Grand Slam e após aquelas subidas na devolução, agora ele melhora o seu Backhand…

    Responder
  32. Gilvan

    Wawrinka passeou sobre o Carreno Busta. O espanhol eh muito esforcado, nao tem grandes buracos no jogo, mas… falta um algo a mais.
    Quanto ao Federer, nao fez uma partida genial (o saque esteve bem abaixo), mas foi solido. Nao teve seu saque ameacado em qualquer oportunidade e se impos na hora certa. O Sock precisa urgentemente perder alguns quilinhos e melhorar a devolucao, pois mesmo com o Federer sacando apenas 56% do 1o servico, nao levou qualquer perigo no saque do suico.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Ambos jogam muito mais, Caro Gilvan. Todas as partidas de Sock , foram a tres Sets. Estava mortinho ( precisa mesmo melhorar o físico ) , mas encarar um Federer descansado e com 6 x 1 no primeiro…ja’ Cuevas complicou tanto Carreño Busta com seus Match Points, que o Espanhol mal conseguia devolver nada contra um esperto Stan. O Suíço sabia que vinha de um jogo complicado com Thiem, e seu rival cantando na chuva rs Tratou logo dos papeis sabendo que seu Parceiro vai lhe exigir ao extremo. Saiu rápido da quadra. Mas e’ outro que parece com uns quilinhos a mais. A meu ver, vai dar trabalho mas não leva. A conferir. Abs!

      Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>