Federer, ainda melhor
Por José Nilton Dalcim
16 de março de 2017 às 00:58

No mais forte quadrante da história do tênis profissional, quem passou foi Roger Federer. Exuberante, diga-se. Bem diferente da dura final do Australian Open de 45 dias atrás, mostrou-se muito superior a Rafael Nadal, e olha que o espanhol nem jogou tão mal assim. Cedeu apenas cinco games, flutuando pela quadra como se tivesse 20 anos.

Também não deu, de novo, para Novak Djokovic. A frustração ficou patente em mais uma raquete destruída, porém há de se dar muito mais crédito a Nick Kyrgios do que condenar o sérvio. O australiano já conseguiu um feito notável ao ganhar seus dois primeiros jogos em cima de Nole e pode fazer a mesma coisa contra Federer, a quem derrotou no saibro de Madri em 2015.

Num piso que é um dos mais lentos entre os Masters de quadra dura, não deixa de ser curioso que vençam dois tenistas que apostam num tênis mais ofensivo. Embora Federer e Kyrgios tenham optado por táticas muito opostas nestas eletrizantes oitavas de final.

Federer foi ofensividade à toda prova. Que atuação de encher os olhos. Pressionou o tempo inteiro, usou o saque para matar de forehand, atacou o segundo serviço e especialmente maravilhou com seu novo backhand afiado, pegando bolas na subida e fazendo winners de devolução. Nadal percebeu que tinha de mudar e tentou de tudo ao longo do segundo set, mas o suíço achou as respostas. Para marcar sua primeira sequência de três vitórias sobre o maior rival, Federer ainda anotou o placar mais elástico a seu favor em mais de cinco anos.

Tal qual Acapulco, o fortíssimo saque foi o grande aliado de Kyrgios, que hoje tem o segundo serviço mais ousado do tênis. No entanto, o australiano jogou de forma diferente no fundo de quadra. Sem forçar tanto os golpes, optou pela paciência e apostou na regularidade, algo que poderia parecer suicídio diante de Djokovic. O sérvio no entanto mostrou-se lento no começo da partida e salvou boa parte do jogo também graças ao saque. Na hora do tiebreak, falhou mentalmente, como aconteceu no hora decisiva dos dois sets lá no México.

Esse lado da chave tem ainda Kei Nishikori e Jack Sock. O norte-americano gosta de viver perigosamente e conseguiu a segunda virada seguida. O japonês está em seu habitat natural e até aqui fez jogos muito tranquilos. Nishikori deve estar especialmente esperançoso, já que perdeu as duas finais e duas semis de Masters que atingiu no ano passado sempre para Djokovic. E a outra decisão que fez em 2014, para Nadal.

O tênis nipônico esteve bem perto de colocar Yoshihito Nishioka também nas quartas. Estilo extremamente defensivo e físico, o garoto de 21 anos teve 5/3 no terceiro set e Stan Wawrinka deve ter tomado suco de maracujá na virada para evitar estourar a bola e assim buscar uma reação louvável. Nomes do saibro, Pablo Carreño e Pablo Cuevas duelam pela semi, mostra de que a coisa anda mesmo lenta por lá.


Comentários
  1. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    confesso q estou com curiosidade para ver essa nova esquerda do Federer contra o Nadal no saibro, em um piso lento mesmo como Monte Carlo, Roma ou RG. Mestre qual sua opinião? Vc acha que irá ter algum diferencial relevante na partida em favor do Federer? Ou acredita que o ganho seria muito pouco quase q irrelevante sendo que o Nadal continuaria disparado ou favorito? O q acha mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Certamente, não conseguirá ser tão agressivo, terá de ter muito mais paciência para construir os pontos e variar mais com slices, que funcionam bem no saibro. Diante de bons saibristas, como Nadal, Djokovic, Wawrinka, Murray e Thiem, será um teste e tanto.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Com um título de Masters (em cima do Djokovic), uma final e um vice de Roland Garros… Acho que poucos tenistas têm tudo isso no currículo, não achas?

          Responder
  2. Wadih

    Oi Dalcim, td bem? Em alguns esportes qdo um atleta nao joga e se retira repentinamente, logo se pensa em alguma coisa relacionada a dopping. Sei que vc nao tem bola de cristal, mas acredita o abandono do Kyrgios hj possa estar relacionado a isso ou eventualmente as drogas? Abracao…

    Responder
  3. Sergio Landiosi

    Dalcim, se o Federer manter este backhand afiado na gira de saibro, que vantagem isso poderá lhe trazer a nível de resultados? No saibro a quantidade de winners com o backhand tenderá a diminuir ou continuará sendo um golpe mortal na definição dos pontos? Participo pouco mas não perco nenhum dos seus posts. Aprendo e me divirto muito também com os comentários dos colegas do blog! Parabéns pelo seu trabalho e paciência! Um forte abraço!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Sérgio, não dá para esperar títulos, mas boas atuações. Claro que num saibro mais veloz, como Madri, ele até pode ir longe. De qualquer forma, será um bom teste para a nova ‘arma’, lembrando que o saibro dá a vantagem de você preparar ainda melhor a mecânica do golpe.

      Responder
  4. Vieira777

    Boa noite Dalcim, sempre acompanho seu blog, porém nunca comentei, hoje deu vontade…rsrs

    Federer está há 1 jogo de chegar em sua 43 final de masters 1000, e assim desempatar com Nadal e Djokovic, ambos os 3 maiores ganhadores de masters tem o mesmo número de finais, Djokovic lidera com 30 vitórias e 12 derrotas, Nadal tem 28 vitórias e 14 derrotas e Federer tem 24 vitórias e 18 derrotas, o Federer poderia estar com mais vitórias se não fossem algumas derrotas bobas como as que perdeu para Félix Mantilla em roma 2003, David Nalbandian em madrid 2007, Wawrinka em monte carlo 2014 e Tsonga em toronto 2014.

    Responder
  5. Luis

    Dalcim parece que vai dar o americano Sock contra Federer,aguentem o Carlos com teorias malucas kkkkkkkkk,Dalcim com essa semi Federer parece bem favorito pra final? Wawrinka tambem na outra semi,apostei no comeco no Murray mas com queda primeira rodada disse Federer x Thiem ou Federer x Wawrinka mais uma previsao do ilogico kkkk,parabens pelo blog Dalcim voce nos aguenta rs,mas ficamos mais gostando do tenis e de Federer rs,Go Federer ao infinito e alem rs

    Responder
  6. Chetnik

    Não tô conseguindo acompanhar nada. Perdi as duas derrotas do Djokovic para o Kyrgios. Que vergonha, Djoko…li que nesse jogo o Kyrgios fez 13 aces. Ou seja, praticamente a metade do primeiro jogo…e tem gente que ainda diz que fazer 25 aces em dois sets e perder o jogo é “normal”. Tô pra ver.

    Quem diria, surra do Federer no Nadal – não vi. 3 jogos seguidos. Que coisa maluca…

    Espero poder voltar a acompanhar em Miami. Quem sabe eu não dou sorte ao Djoko rs.

    Responder
    1. Alice

      Chetnik, aiai… É, também acho que você pode dar sorte para o Nole em Miami. Aliás, ele é o atual campeão e penso que pode ser uma ótima hora pra ele se recuperar… ;)

      Responder
  7. José Eduardo Pessanha

    Kyrgios desistiu. Acho que não altera muito o panorama. Era jogo pra Federer ganhar por 2 a 0, talvez um 6/4, 6/3. É bom que é um descanso a mais pro Craque em Indian Wells e, consequentemente, pra Miami. Dalcim, estou curioso pra ver esse backhand do Federer na gira de saibro. Seria ótimo o Craque vencer em Montecarlo ou em Roma. Ou até nos dois torneios. É o que falta na carreira dele. Abs.

    Responder
    1. FRANCISCO

      Para quem tem 18 Majors, dois Masters não valem nada, se bem que ele conquistaria o Golden Masters, porém como ele já ganhou Hamburgo, quando era Masters, basta ganhar um dos dois, na minha opinião, porém não vejo importância em Masters para Roger, o #18 já valeu o ano e PONTO.

      Abraços.

      Responder
  8. Pieter

    Caramba, que frustração!

    Saí mais cedo do trabalho, vim correndo para casa, concentradíssimo para ver um jogaço que… não houve!

    Estava curioso para ver esse clássico entre dois talentos gigantes e o destino nos apronte essa.

    Mas não penso, absolutamente, que o Federer já botou a mão na taça. Muito ainda pode acontecer neste torneio incrível que está IW este ano…

    Responder
  9. Marcos

    Carlos!!! Vc é um gênio! Como não pensamos nisso antes!?? Sua teoria conspiratória foi brilhante! Cara, cuidado!!! assim a Nike acaba te contratando….

    Responder
  10. Sergio Ribeiro

    Depois de mais uma do nosso enigmático amigo NIKE Kyrgios , o Ex- Top 17 de antes do AOPEN , ja’ vira o atual TOP 7 do Ranking da ATP. Confere Dalcim ? Abs!

    Responder
  11. Júlio Marinho

    Olá, Dalcim,
    fazendo as contas, Nishikori voltará ao # 4 com a perda dos pontos do Raonic, confirma? O engraçado é que o Nishikori volta a seu melhor ranking em uma fase de estagnação. Continua bom é claro, mas não consegue transpor aquele nível de bater os líderes. Já esteve mais perto disso e perdeu o gás, até ficou nervoso em quadra, com algumas raquetes jogadas e quebradas. Ele deveria aproveitar agora para beliscar algo maior, enquanto Djokovic e Murray parecem ter sua “imbatibilidade” abalada. Para seu azar, Roger voltou a acreditar que tem 20 anos … juro que não acreditava nisso, mas com confiança, tempo de recuperação e muito trabalho, para ele parece tudo ser possível… essa surra no Nadal não estava no script, mesmo com a confiança pelo AO.
    Dito isso tudo, a permanência do Federer e Nadal tanto tempo no topo, voltando a disputar GS não mostra como realmente, tirando o Djokovic, ninguém foi capaz de transpor essas barreiras, esse último passo? Uma vez achei que o Nishikori estava perto, daí patinou, teve problemas físicos e começou a virar aquele freguesinho de 4as e semis. Ano passado achei que o Raonic esteve perto de um grande título e tomou surra na final de IW para Djok e na final de WB para Murray. Dimitrov agora começa a dar a volta por cima. Eu sempre achei que a maior lacuna que aconteceu no tênis foi o Delpo, como essas lesões impediram que todo o panorama se alterasse. Ele já estava bem aos 21, vencendo GS. É outro patamar. Dá pra ver até hoje, em que a forma técnica dele é longe da de 2009, a cabeça nunca abaixa. Em seu lugar, ainda bem entrou o Wawrinka, que passou 70% da carreira dando toda pinta de ser um eterno coadjuvante (bem como Tsonga, Berdych, Gasquet), mas resolveu ser protagonista. É uma coisa meio de acreditar, de não suportar mais perder para esses caras e falar assim: posso perder no jogo, mas não vou perder antes da hora, não vou perder na cabeça.
    Apesar de já ter respondido isso uma dezena de vezes: o que será que se passa com o Djokovic? Ele é ainda tão bom tecnicamente, mas demora para recuperar aquele feeling de ganhar jogos apertados. Pior que perdeu e o Kyrios desistiu. Pena pro torneio. E perder um jogo apertado aqui, outro ali, é o que faz toda a diferença. Wawrinka está justamente na semi depois de duas dessas.
    E, por fim, apesar de toda a conta de consistência durante o ano, se Federer ganhar IW agora, ele se candidata fortemente ao #1 lá para o fim do ano, quando o Murray terá que defender sua gordura, o que seria a coisa mais impensável em 1° de janeiro …
    Abraço

    Responder
  12. Álvaro Aguiar

    Depois dessa surpreendente desistência do Kyrgios, confesso que fui ler novamente o post do Carlos aí embaixo (O JOGO SUJO DA NIKE E DE FEDERER). No creo en las brujas pero…

    Responder
    1. LUIZ

      Pode ate ser que ATP e Nike queiram Federer como n 1. Mas..
      1- Achar que Nadal vai entregar final de Slam ou qualquer outro jogo…
      2-Porque o sorteio colocaram Federer do lado mais duro do chaveamento, se é para beneficiar colocassem pra joga Cuevas, Busta, etc
      3- Acho que nem o Federer almeja ser n1 novamente, que isso vai acrescentar pra ele? mais dinheiro?? fama??

      Responder
      1. FRANCISCO

        Ainda sobre esse assunto?

        ISSO QUE AQUELE CARA FALOU É COISA DE LOUCO E É UMA DOENÇA, ISSO NÃO EXISTE PARA PROFISSIONAIS DESSE QUILATE E DESSA MAGNETITUDE

        Responder
  13. Rafael Wuthrich

    E Federer está na semi sem jogar. Que coisa pro torneio, que esperava um jogão. Se for mesmo intoxicação alimentar (leia-se diarréia), não dá mesmo pra jogar, uma pena pro australiano.

    Com isso Federer espera Nishikori ou Sock, 2 fregueses de carteirinha. Não dá pra ser melhor que isso. Do outro lado resta a instabilidade de Wawrinka, que pode ser sempre perigoso – não acredito que Carreño tenha bola pra ganhar do suíço.

    Responder
  14. Nando

    Estava na expectativa de ver esse jogaço entre o Rei e o futuro Rei ( depois q o Rei se aposentar no fim de 2019), aí leio q Kyrgios desistiu por intoxicação alimentar….será q foi aquela batata q ele pegou do torcedor Dalcim? kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  15. Luis

    Dalcim Federer foi as semi com a desistencia de Kyrgios rs,foi bom pro suico porque enfrentaria um adversario perigoso,uma duvida Federer ganha os pontos das quartas de final? Go Federer faltam 2 kkk,provavel que a semi seja contra Nishikori o suico seria o favorito e estaria perto de uma final Federer x Wawrinka rs,Go Federer

    Responder
  16. Márcio Souza

    Opa Kyrgios desistiu por estar com intoxicação alimentar, então a teoria do Carlos esta certa?

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Cara, como sempre faço quando leio alguma asneira de comentário aqui no Blog, eu leio de novo, procuro meus óculos pra ler de novo e ver se eu não li errado, mas ai eu lembro que não uso óculos e ai tenho a certeza de que li algo absurdamente escrito por uma pessoa que não bate bem dos neurônios e que vive pra lá do mundo de Nárnia.

    Como é que em pleno seculo XVI, na era da informação, da globalização, ainda existam LUNÁTICOS que conseguem acreditar ou criar TEORIAS como essa e ainda achar que alguém com o minimo de bom senso e antenado no que acontece no país e no mundo caia nessa?

    É muita viagem e falta do que fazer mesmo.

    No começo eu ri da história, depois eu fiquei bravo, depois ri novamente e agora tenho dó de um cidadão desses, que possivelmente nunca pegou numa raquete, numa chutou uma bola e pelo visto nunca fez sexo na vida, pois se tivesse feito uma dessas três coisas pelo menos, seria considerado pelo menos um ser humano normal.

    Sem palavras…coitado do Dalcim e do moderador que teve que ler isso primeiro kkkkkl

    Responder
    1. Arthur

      Eu acho que o Dalcim deixou passar o comentário só pra gente se divertir, Márcio.
      Nesse caso, acho que deu muito certo, hehehe…

      #ConspiracyTheory

      Responder
        1. Márcio Souza

          Esse corretor automático quebra muita gente.

          Dessa vez foi eu kkkkkk

          SÉCULO XXI (VINTE E UM) galera!

          Foi mal…isso que dá ficar revoltado com certas coisas que lemos por ai, acabamos nem prestando atenção 100% do que escrevemos.

          Vida que segue…valeu!

          Responder
  17. Luis

    Dalcim essa vitoria do Federer contra o Nadal foi uma das melhores da carreira do suico? Aquela do finals contra o proprio Nadal com 6 0,em Cincinnati outro 6 0 contra Djokovic,uma que perdeu no US open pro servio mas foi incrivel teve match point quando Djokovic vai quase pra torcida pra conseguir salvar rs,vi no youtube contra o servio tambem quando Federer estava no auge e faz aquela jogada de costas rs,teve com outro tenista que ficou sem saber o que aconteceu rs,Go Federer ganhar masters Indian acho que pela 4 ou 5 vez

    Responder
  18. Sergio Ribeiro

    A meu ver, Federer x Kyrgios e’ um jogo totalmente diferente dos que o Suíço fez ate’ o momento. O excepecional serviço de Nick, impede a enorme agressividade de Roger nas devoluções ( tipo contra Nadal). Ate’ a melhor devolução do Circuito ( Novak), passou por maus bocados. Ainda mais com o Segundo a 200 Km /h. Em contra partida a estratégia de verias trocas sem peso ( que incomodaram o Servio ) , não colam com Federer. Como bem frisou o Dalcim, ambos treinaram muito juntos. Dai tenho o palpite de que o Velhinho saberá tira’ um proveito maior… Pinta de um grande jogo. Abs!

    Responder
  19. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    O Bellucci …. melhor deixar pra lá !!!

    O Wawinkra deve chegar na final tendo enfrentado somente um jogador de peso, o Thiem, apesar de que o Carreno pode surpreender, pois o suiço não tá lá muito afiado.

    Do outro lado só jogos interessantes. Aliás se o Kyrgios conseguir superar seus dificílimos jogos (Federer e provavelmente Nishikori – outro que só pegou “moleza” até agora), terá um possível reencontro com o Wawinkra. Acredito que o 1º após a polêmica discussão quando o australiano citou a mulher do Waw em quadra.

    Tava torcendo para Vesnina, mas a Venus depois de ir mal no 1º set reagiu e fez um 3º set eletrizante, com a torcida jogando junta. Aliás só descobri ontem que a Sony tá passando os jogos do feminino. Só tava vendo pela internet !!

    A Sportv assinou alguma cláusula que impede de mostrar as duplas brasileiras ???

    Hoje vai passar Soares x Melo na Sportv ?
    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, o Sportv comprou o pacote internacional, que obviamente só mostra duplas das grandes estrelas. Como eles jogarão na central e não haverá qualquer outro jogo, é capaz que mostrem.

      Responder
  20. Geraldo coelho

    Dalcim

    ontem vi o jogo de Bellucci, mas incrível com em horas importante ele tem queda principalmente no saque e na devolução.. tem momentos de juvenil… me lembro uma sensação que eu tenho bato um tentativa de winner, ao ver que bate uma bola que na minha cabeça é boa, meu corpo relaxa acreditando que o meu adversário não vai pegar, ai quando ele pega e devolve , não me pega tão armado para para responder o contra golpe., Me passa a sensação que o Bellucci (que tem golpes fortes ) passa pela mesma sensação e isso vai acumulado durante o jogo de maneira tal que ele não consegue reverte essa adrenalina!! acho que a derrota para o Tiago não fez bem a ele. Outra coisa Dalcim não acho legal um treinador treinar mais de um jogador, acho que fica sem foco e os dois jogadores começam a ter reações parecidas (não to gostando do jogo do Tiago apos se juntar ao treinador do Bellucci) convivência se absorve o melhor mas também o pior. Outra coisa, toda vez que o Bellucci joga com top 10 ela arrebenta, se joga-se assim com os top 50 a 200 seria um bom vencedor de challeger e atp 250
    Dalcim sobre o Bellucci que vc acha que deve ser feito nesta altura da carreira?
    abs amigo

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Foi mais uma derrota dolorosa, jogo estava na mão. Incrível como ele fez duas escolhas ruins no final do tiebreak. Olha, O Zwetsch não é o treinador do Monteiro, apenas gerencia a academia que o Monteiro treina e daí ele aparece em alguns jogos, mas o técnico é o Duda Matos. Quanto a absorver a parte ruim, acho que cabe a cada um conseguir separar as duas coisas, então acredito que o Thiago saberá fazer isso, é um garoto muito inteligente. Por fim, acho que Bellucci precisa apostar na temporada de saibro, escolher bem os ATPs 250 e quem sabe consegue uma série de vitórias para reagir. Ele já passou por várias fases de queda, poderá reagir.

      Responder
  21. Gabriel Dias

    Dalcim, muito boa a definição do ‘gosta de viver perigosamente’ do Sock. O forehand do cara é um tiro, e não tem alívio.
    Tomara que o Kyrgios se acalme e bote a cabeça no lugar. Um cara com a facilidade que ele tem pra jogar pode fazer muito pela próxima geração.
    E espero que o restante do Big Four dê uma subida de nível. Os quatro em alto nível é sempre algo incrível de se testemunhar.

    Responder
  22. Julio Sc

    Que jogador é o Thiem. É o cara que torço dessa nova geração para ganhar um GS. Quem sabe vem em Roland Garros esse ano?

    Poderia ter ganho do wawrinka na dura, onde é a praia dele. Não se afobar tanto nos pontos, tentar trabalhar mais a bola que pode virar top 5.

    E ele vestindo a camisa Brazuca ajuda o carisma dele em relação aos brasileiros.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Thiem é uma realidade. Joga demais o austríaco. Perdeu o jogo em duas má escolhas no tie break e fez um jogo de igual.pra igual com o 3 do mundo. Na corrida, ele é o 5o, mas sinceramente não vejo ninguém no ano melhor que ele além de Federer e Nadal até o momento.

      Responder
  23. Logan

    Inclusive a Nike comprou Djoko e murray pra eles sairem de cena também…ops eles não são patrocinados pela Nike…Olha respeito todos os tenistas e seus torcedores, mas tem que existir limites…

    Por favor, alguém interna essa Carlos….é muita doideira numa única pessoa.

    Abraços!!!

    Responder
  24. Logan

    Mestre.

    Muito se comenta sobre o Backhand do Federer, sobre a ajuda do treinador novo e da raquete nova.
    Em relação a raquete nova gostaria de saber, se possível, quais as diferenças de tamanho entre as raquetes de Federer,Nadal, Djoko, Murray e Wawrinka?Me refiro em tamanho. Se não estiver enganado o Federer usava uma de 90 polegadas enquanto Nadal e Djoko usavam de 100, ou algo perto disso, e lembro que falavam da diferença de potência nos golpes que isso fazia. Saberia informar como está hoje?Você entende que essa decisão poderia ter sido tomada antes pelo Federer?

    Abraços!!!

    Responder
      1. Arthur

        Dalcim,

        Sobre essa história da raquete do Federer, eu li há muito tempo que ele relutava em trocá-la porque, com uma raquete com a cabeça maior, ele tenderia a perder a precisão nos golpes, embora ganhasse mais potência.
        É isso mesmo? Por que uma raquete com cabeça maior faz com que você perca a precisão ao bater?

        Um abraço.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Perder principalmente a precisão nos voleios, no caso do Federer. Sim, porque a cabeça maior amplia a ação das cordas sobre a bola, o que aumenta a potência mas compromete a precisão.

          Responder
          1. Lincoln

            Dalcim, Seria este o motivo principal da mudança do estilo de jogo de 2015 para 2017?
            Agora ele está apostando mais na troca de fundo do que nas investidas a rede de 2015.

          2. José Nilton Dalcim

            Acho que ele continua sendo bastante ofensivo e fazendo muitas transições à rede, mas para isso no tênis de hoje se torna necessário um sólido jogo de base.

  25. Sônia

    Dalcim, assim como Rod Laver (como a lenda sorriu no jogo do Lindinho contra o sansão espanhol), estou rindo muuuuuito (até agora rsrsrs). Na torcida por mais uma vitória DELE (GO FEDERER!), caso não ocorra, na torcida para que Kyrgios enfim levante um troféu de M1000. Beijos.

    Responder
  26. Luiz Fernando

    Nadal atribuiu sua derrota, ao menos em parte, a quebra precoce, o q me parece equivoco claro. Não q isso não atrapalhe qualquer tenista, mas muitos vão lá e se recuperam. Me parece q seria mais correto reconhecer a clara superioridade do adversário, q dominou as ações. Simples assim.

    Responder
    1. André Barcellos

      Já no Australian Open ele disse que havia quebrado o Federer precocemente demais no quinto set, o que foi um tormento, pois precisou sacar sempre sendo muito pressionado pelo suíço.
      Enfim, Nadal é do tipo “explicações valem quando são desculpas pra mim”.

      Responder
    2. ATHOS

      Mas ele disse que hoje (no dia do jogo) O Federer foi melhor , mas disse que no AO teve chance de ganhar embora eu ache que Federer também foi muito melhor

      Responder
  27. geraldo bregagnolo

    Bom dia Dalcim, o mestre!
    Acho que o Fedex se tornou este cara completo e que dizem que está jogando o melhor tênis de sua vida, devido aos seus três últimos técnicos, que ajustaram cada parte de seu jogo:
    Annacone que deixou o saque dele afiadíssimo, quem não se lembra uma vez que o mesmo disse que em um dos treinamentos para sacar, Roger lançava a bola e que ele dava o direcionamento de onde queria que o que fosse. Isso faz com que o TOS seja sempre o mesmo, dificultando leitura do recebedor.
    Edberg aprimorou o jogo de rede e o tornou muito mais agressivo do que estava, mesmo com quadras lentas.
    Aí, só faltava ajustar o Back, que com a mudança raquete e chegada do Lubjcic, foi finalizado o trabalho, que além disso deve ter botado na cabeça do Fedex que ele tem que jogar o que sabe, tipo um foda-se do que vai acontecer, apenas use sua técnica e impor seu jogo.
    Se ele permanecer saudável durante a temporada, eu acredito muito no número 1 lá pelo USOPEN, pois ele tá muito completo.
    Abraço a todos os federistas.

    Responder
  28. Alice

    Estava lendo os comentários e me deparei com o do Arthur – eu também acharia bom o Thiem ganhar em RG, o Stan em Wimbledon pra completar o GS e o Zverev para o US Open…

    Mas, eu ainda prefiro o Rafa ganhando o #10 em Roland Garros!!

    Algumas coisas são boas de ler, mesmo quando não se trata do seu tenista favorito:
    “Do jeito que ele está jogando (Federer), acho que em 2019, vem o 19 em Wimbledon.hehehe” – Arthur

    Hahaha …

    Responder
    1. Arthur

      Obrigado, Alice.
      Eu também curto muito ler comentários de algumas pessoas aqui, mesmo de torcedores do Nadal, do Djoko ou do Murray.
      Você sempre aprende alguma coisa, embora haja de vez em quando algumas besteiras que acabam sobrando na rivalidade das torcidas.

      Um abraço.

      Responder
  29. Alice

    Francisco, o que foi? Eu hein, eu até iria dar “parabéns” pelo Federer aqui no blog, mas desisti… É muito ‘ego inflado’ de algumas pessoas…Kkkkk u.u

    Eu estou feliz de poder ver a geração do Big FoUr jogar, o ranking do ano está interessantíssimo, e no fundo eu sei que Nadal não poderá fazer muito mais na carreira, que se o Murray quiser, ele será o último do grupo a ter um sucesso ascendente, fora que Djoko não deverá alcançar os número do Federer. Então amores, fiquem tranquilos…Roger Federer terá a melhor e/ou maior carreira de um tenista masculino (somente de simples, como se fosse pouco né?) Em toda a era profissional! Mas, só pra constar que em questão de #números, eu não acho ele o maior da história…

    A verdade, é que estou triste pela Serena, eu queria que ela chegasse às 377 semanas de Graff. :)

    Responder
  30. Luis

    Dalcim Wawrinka na semi e quase na final deve vencer o jovem espanhol,Luiz Fernando ta feliz com Wawrinka kkkk,Dalcim Federer x Wawrinka seria legal nao acha? rs,nao deu pro Thiem,Zverev,Go Federer verde rs

    Responder
  31. Nando

    Jogão esse do Wawrinka contra o Thiem, backhand simples é outra história né…esse austríaco bate mto forte, o único porém é q ele por vezes fica mto atrás da linha, mas fará parte da tríade q brigará pelos grandes títulos junto com Kyrgios e Zverev ( qnd o Rei se aposentar ao final de 2019, e nos torneios q ele não estiver disputando, torço pra isso).

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não tenho uma torcida, gosto dos dois. Mas acho que no momento uma final seria mais importante para o Melo amadurecer a parceria.

      Responder
  32. Jônatas

    Por gentileza, Dalcim, comente sobre os erros TEMERÁRIOS dos juízes de linha neste torneio. Estou ficando irritado! É um erro a cada game. Chega a ser ridículo!! O jogo agora do Thiem x Stan já de uns 500 overrules! No jogo do Djoko x Kyrgios o sérvio ficou maluco e reclamou berrando feito louco (exagerou mas dá pra entender).

    Responder
  33. Luis

    Dalcim a quadra de indian pareceu mais rapida em Indian no Federer x Nadal ? que esteja um pouco mais rapida contra o Kyrgios vai ser a tarde rs,Dalcim vc acha que o Federer foi o tenista que comecou a transformacao no tenis que vemos hoje ? Claro que Nadal e Djokovic e Murray contribuiram pra esse sucesso mundial do tenis,Go Federer verde rs

    Responder
  34. Leonardo Freitas

    Esse australiano quando ganhou do Nadal em Wimbledon 2014 sendo desconhecido e número 144° do mundo,ali todos viam que estava um talento do tênis surgindo mas ele apenas não e Top Ten ainda por culpa de não levar o tênis com o comprometimento necessário que o esporte de alto nível exige.Esse rapaz mantendo seu físico em dia,sem o extra quadra atrapalhando a carreira e com um técnico para ter pequenos ajustes no jogo e análise de adversários e principalmente o ajuste mental desse rapaz e inevitável que ele não seja o próximo número 1 do mundo e dominante na sua geração.Ele parece desengonçado mas une um saque extremamente potente e uma direita devastadora,esquerda muito de muito boa qualidade e ainda tem boa técnica na hora de improvisar jogadas inusitadas que só os craques fazem na hora do jogo.Talvez falte um título de expressão e alguém por na cabeça dele que ele tem armas e tênis para terminar no top 5 do ranking este ano e só ele acreditar.Antes que alguém diga que e um absurdo se o Raonic com um jogo mais limitado conseguiu terminar o ano no top 3 não e nada absurdo que esse rapaz tenha a condição para esse ano para tal feito.Por fim e necessário que ele queira pagar o preço de ter extremo comprometimento com o tênis e exemplos ele tem como Nadal e o Djokovic e na frente deles ele tem armas que os dois não tem que é a técnica apurada,força e precisão para atacar o que olhe poupará muito do físico se um dia concretizar de ele ser o que eu espero do seu talento.

    Responder
  35. Marcos RJ

    O jogo de Wawrinka e Thiem parece pancadaria de pugilista peso pesado. Os dois jogam bem parecido e a tática é tentar bater na bola mais forte que o adversario. Belos BH de uma mão com muita potência, mas sem a finesse e variedade de Federer.

    Responder
  36. Carlos

    O JOGO SUJO DA NIKE E DE FEDERER
    O plano consiste em reconduzir Federer ao topo do ranking ainda este ano (2017), custe o que custar.
    Para que este plano tenha êxito é preciso que TODOS os tenistas patrocinados pela Nike NÃO SE CONSTITUAM EM OBSTÁCULO.
    Isto significa que eles devem ‘facilitar as coisas’ para Federer caso venham enfrentá-lo diretamente em um torneio.
    Exemplos recentes: Micha Zverev e Nadal, ambos patrocinados pela Nike, entregaram seus respectivos jogos para Federer no AUSTRALIAN OPEN/2017.
    Atualmente Federer é o 10º colocado no ranking.
    Se vencer INDIAN WELLS/2017 (torneio em andamento), Federer passará a ocupar o 6º lugar no ranking.
    Este salto ascendente (do 10º para o 6º lugar) É ABSOLUTAMENTE FUNDAMENTAL para que Federer tenha chances reais de vir a ocupar o 1º lugar do ranking ainda este ano (2017).
    Ora, o jogo de ontem entre Federer e Nadal mostrou com clareza que o plano continua atualíssimo: as pessoas honestas que assistiram à partida ficaram horrorizadas com o descaramento corrupto do tenista espanhol, o qual, jogando de maneira bisonha e em tudo facilitadora para o adversário, perdeu por inacreditáveis dois ‘sets’ a zero (6/2 e 6/3).
    Agora é a vez de Nick Kyrgios, também patrocinado pela Nike.
    Embora jogando um tênis de altíssimo nível (ontem ele venceu soberanamente a Djokovic), Kyrgios terá que “se render/se vender” ao plano em ação neste IW/2017.
    Resultado provável da partida: Federer 2 x 0 Kyrgios (ou 2 x 1, pouco importa).
    Kyrgios vencido, nada mais deterá Nike/Federer na obtenção do troféu de IW/2017.
    Conquistado 6º lugar do ranking, as já observáveis quedas de rendimento de Djokovic (2º) e Murray (1º) possibilitarão a Federer caminhar “com mais tranquilidade” para o topo…
    Alcançado o topo e com mais dois prováveis ‘GSs’ (totalizando 20), Federer encerrará a “gloriosa” carreira em 2018/19, concluindo-se assim a narrativa segundo a qual ele foi, “sem dúvida alguma”, o ‘Greatest Of All Time (GOAT)’.
    Através de Federer (com a ‘ajudinha’ dos demais tenistas patrocinados pela empresa), as ações da Nike terão garantido pelas próximas décadas uma vida nababesca aos seus proprietários…
    E também, é claro, garantido uma respeitabilidade mítica e infinitamente duradoura à própria ATP, pois afinal ela tem a Nike como uma de suas principais patrocinadoras e durante longos anos apresentou ao público boquiaberto a logomarca ‘RF’, signo inconteste da “perfeição” no tênis…
    Meu avô (ele chegou a bater uma bolinha com Thomaz Koch) me dizia: “O que seria dos espertos se não fossem os otários?!”
    Pois é, parece que os espertos tomaram conta do tênis atual.
    Os otários aplaudem.

    Responder
    1. Nando

      Olha, eu achava q já tinha lido de td aqui…mas com ctz isso foi a coisa mais IMBECIL e DEPRIMENTE já dita por alguém aqui no Blog….parabéns Carlos, esse “comentário” provavelmente será insuperável!
      Posso estar enganado ( apesar de achar q não estou), mas sei pra quem vc torce: pro tenista q anda perdendo as estribeiras em quadra, quebrando raquete e descontando suas frustações nos outros.

      Responder
    2. Farina

      Hahah, espero que seja apenas alguém querendo chamar a atenção, mas caso realmente acredite nisso, bom, por favor não saia de casa sem tomar seu remedinho, a sociedade agradece!

      Responder
    3. Ziggy Stardust

      É, Carlos… inconformado indivíduo…

      A inveja é a reação moral do insuficiente.

      Espero ler mais “doutrinas” suas.

      Por parecer inaceitável para você, cuidado com o cancro.

      Então, pela advertência, e em nome da coerência, vida longa à sua inexistente pessoa.

      Responder
    4. FRANCISCO

      Nadal perdeu pq quis na final de um GRAND SLAN, TU TEM NOÇÃO DO QUE FALOU?

      Com todo o respeito esse seu rancor, raiva, mágoa, tristeza, só faz mal a vc, seja feliz, sorria, viva a vida

      VOLTE PARA A REALIDADE E COM TODO RESPEITO, PROCURE UM TRATAMENTO.

      Responder
    5. Naka

      Cara, manera aí nas drogas e procure urgentemente um psiquiatra. Daqui a pouco vai estar escrevendo que a Wilson está forçando o Djoko a cair de rendimento (ou talvez eles estejam envenenando a raquete dele com material radioativo tipo plutônio ou kriptonita) apenas com o intuito de fazer Federer voltar ao topo e vender mais raquetes graph. #ficaadica

      Responder
    6. Maurício Fonseca

      Epa! Elevado nível de teoria da conspiração…

      Independente disso, Nadal estava sim com postura muito mais cabisbaixa e semblante menos agressivo do que o normal,a tanto no Australian Open quanto quarta-feira em Indian Wells. Mas é porque me parece que ele sentiu de alguma forma a preferência maior do público pelo Federer.

      Responder
    7. Marcão

      Boa, Carlos. Ainda bem que alguém mais percebeu a tramóia. Pensei que eu estava ficando paranóico. Comecei a desconfiar de conspiração quando Federer venceu cinco games seguidos no set decisivo contra Nadal no AO. Essa virada jamais aconteceria se Nadal não tivesse feito corpo mole. E o Federer, cara de pau, ainda me vem falar em “visão”. Em Indian Wells, a condenável prática ficou mais evidente devido ao descaramento de Nadal, entregando o saque logo no começo dos sets. Houve um momento, duvido que alguém tenha percebido além de nós dois, em que Nadal “esqueceu” da rotina olfativa no ritual de saque!? Absurdo. Coisa que detesto é marmelada, tanto que tenho me dedicado mais ao WWE ultimamente. Mas, de tudo, tudo, o que mais me irrita são os saites, os blogues, os faices tecendo gráficos, dados, estatísticas para “explicar” a melhoria do backhand do Federer. Desde quando cachorro velho aprende truque novo? Ora, por favor. Continuemos atentos!

      Responder
      1. Luiz Felipe

        Após a revelação desta urdidura da Nike, o Marcão colocou para nós todas as evidências: restou demonstrado o complô. Mas até agora passou despercebida a evidência cabal, diante da qual todas as demais são reduzidas a meros factóides – Mischa Zverev entregou o jogo nas quartas de final do Aberto da Austrália. Todos nós sabemos que Federer não teria a menor chance contra o alemão, a menos que tudo lhe fosse dado de mão beijada: pontos, games e sets. Ninguém percebeu o ímpeto com que Zverev ia à rede perder os pontos? Basta um mínimo de capacidade analítica e ninguém duvidará de que é real a conspiração. A pergunta que resta é: o que podemos fazer?

        Responder
      2. Luiz Fabriciano

        E o Kyrgios, mais inteligente que todos, viu que é mais fácil fingir uma dor de barriga do que que não sabe jogar tênis. Nem à quadra vai.

        Responder
    8. Sergio Gonçalves

      Ouvir dizer que a terrível Nike vai obrigar todos os seus patrocinados a confirmarem a existência do Papai Noel. Mas eles não podem revelar que Federer é o bom velhinho.

      Responder
    9. Murilo Rodrigues

      Acho que nem se tomar uma mistura daquelas “maravilhas” usadas nos anos 60 e 70 poder-se-ia escrever um texto como esse. Como os norte-americanos costumam dizer, procure um rehab. Não fique envergonhado, acontece nas melhores famílias. Voltando ao tênis, acho que, para seu consolo, o Wawrinka tem grandes chances de ganhar mas se o Federer continuar a jogar como vem demonstrando jogo a jogo e passar pelo australiano, cuide-se para não tomar uma overdose, tá! Abraços.

      Responder
    10. beto

      Carlos, por favor, escreva outro comentário e diga que você estava brincando… Você imaginou tudo isso sozinho ou teve ajuda de algum outro lunático roteirista teórico de conspirações? Por favor, vou ficar aguardando ansiosamente.

      Responder
    11. Castilho

      Nossa!!!! Quanta baboseira!!!
      Vc parece aquele personagem do Adnet no Tá no Ar, que aparece com a imagem toda chuviscada. Li o seu texto vendo aquela imagem. UHAUHAUHAUHAUA

      Responder
    12. Julio Calleja

      Geralmente essas teorias babacas de conspirações são compartilhadas e viralizam por uma legião de imbecis. Mas o o tal de Carlos conseguiu a proeza de ser o único que escreveu ou acredita numa loucura dessa. Parabéns Carlos, você ganhou o troféu de maior imbecil da historia da humanidade!

      Responder
    13. neuton

      A definição do terceiro semifinalista do Masters 1000 de Indian Wells veio bem antes do que o esperado. O confronto entre o australiano Nick Kyrgios e o suiço Roger Federer, que estava marcado para as 16h (horário de Brasília) sequer vai acontecer, uma vez que o primeiro sentiu uma intoxicação alimentar e precisou abandonar o torneio.

      “Infelizmente eu não poderei jogar hoje porque estou passando mal. Achamos que foi uma intoxicação alimentar e espero que não seja nada mais grave do que isso. Depois de uma noite sem descanso por causa do problema não me sobrou forças para enfrentar um grande campeão que é Roger”, escreveu o australiano nas redes sociais.

      “Eu precisaria estar no meu melhor para ter uma chance. Não foi uma decisão fácil de ser tomada, pois é para jogos como esse que treinamos, mas não estou em condições físicas de entrar em quadra. Sinto muito pelos fãs que não poderão nos ver em quadra, mas preciso colocar a minha saúde em primeiro plano”, complementou Kyrgios.

      O australiano de 21 anos ainda desejou boa sorte a Federer no restante do torneio e agradeceu ao apoio que recebeu nestes últimos dias. “Obrigado a todos que me deram forças até agora em Indian Wells. Com certeza eu estarei de volta”, encerrou Kyrgios, que havia vencido o suíço na única vez que se enfrentaram anteriormente.

      Responder
    14. Arthur

      E hoje o Kyrgios entregou o jogo na cara-dura. Nem entrou em quadra!!!

      Teoria da conspiração 1 x Céticos 0.

      Fora corruptos!! Abaixo a Nike!!!

      KKKKKKKKKKKKKK

      Responder
    15. Diego

      Cara, tá na hora de pedir ajuda profissional…. Você imagina que um tenista do nível de RF correria o risco de por toda a sua credibilidade a perder sendo pego em esquemas de corrupção. Ademais se isso fosse uma possibilidade já teria sido feito antes, em outros momentos em que Nole caiu de rendimento. O que é mais estranho que vc não tenha pensado é que uma empresa como a Nike estaria tbm colocando sua credibilidade em cheque. E mais, como ela bolaria esse plano já contando de antemão com a má índole de todas as dezenas de atletas que ela patrocina? Claro que ela chegaria à conclusão de que a maioria não aceitaria passar por esse papelão nem mesmo por um patrocínio melhor. Nadal aceitaria isso?… por favor… não seja louco. Não acho que o Murray esteja caindo de rendimento. Ele SEMPRE foi inconstante assim…. pega os resultados dele de todos os anos que você vai ver. Mas me parece sintomático que seja mais fácil pra você acreditar numa conspiração que envolva Roger Federer, Rafael Nadal, ATP, Nike, dezenas de atletas cheios de ego do que admitir o talento do suíço. Você está recalcando algo aí. Vá se tratar.

      Responder
    16. Evaldo Moreira

      Boa noite,
      Deprimente, descomunal, foi sem dúvida, uma das maiores baboseiras, que já li neste blog tão democrático, isso beira a loucura insana, uma verdadeira falta de respeito com a mente, meu fiiiii, melhor dizer assim, seria queria ibope, acho que conseguiu, de onde saiu tanta asneira?
      Mestre Dalcim, sei que você lê os comentários, antes de publicá-los, imagino aqui em pensamentos, o seu sorriso e/ou, a incredulidade desse moço, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, só rindo mesmo, meu Deus do céu, aproveita cidadão Carlos, vá para o interiorzão, e curte uma boa roça, que eu acho que vai te fazer bem, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, ah sim, essa última frase: “os otários e que apludem….., ai te pergunto, vossa senhoria, é o que mesmo, hein fiiii!!!?

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Eu na verdade desconfio que a Nike anda manipulando também o ‘desafio’ e dando pontos ao Federer que saíram por metros. Só o pessoal no estádio saberia da verdade, mas eles estão em hipnose coletiva.

        Responder
  37. Luis

    Dalcim vc acha tambem que o Kyrgios e’ o maior adversario pro Federer ate o titulo? Wawrinka talvez por conhecer muito Federer pode vencer mas respeita muito o Federer e admira rs pesa contra,Nishikori e’ um adversario dificil por ser bom no fundo da quadra,sobraria um garoto como Thiem,Sock acho que ainda nao ameaca Federer,tomara que Federer continue subindo no ranking e com chances nos grandes torneios,se ganhar Indian so’ peco Wimbledon Federer kkkk,mas que o numero 1 mais uma vez com Federer seria mais um feito desse suico fora de serie rs,a longevidade do Federer e’ assombroso

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sei se é o mais difícil, porque Nishikori e Stan têm muito mais experiência. A sequência toda é difícil, seja para Federer ou para Kyrgios.

      Responder
  38. Fabio F

    A atual média de idade do top 10 é de 29,5 anos. Seis atletas estão acima dessa média. E ao final dessa temporada, os mesmos seis terão 30 anos ou mais.

    Andy Murray 29,8 ACIMA
    Novak Djokovic 29,8 ACIMA
    Stan Wawrinka 31,9 ACIMA
    Kei Nishikori 27,2
    Milos Raonic 26,2
    Rafael Nadal 30,7 ACIMA
    Roger Federer 35,6 ACIMA
    Dominic Thiem 23,5
    Marin Čilić 28,4
    Jo-Wilfried Tsonga 31,9 ACIMA

    MÉDIA 29,5 anos

    Dalcim, você acredita que em breve teremos mais “velhinhos” vencendo slams e disputando o topo? Parece ser uma tendência, em função da melhor preparação física e de calendários cada vez menos duros, por pressão dos atletas.

    Responder
    1. Fabio F

      Só para comparar:
      Em 1992, a média do top 10 era de 23,2 anos.
      Em 2002, era de 24,5 anos.
      Em 2015, era de 28,6 anos.
      No começo de 2017, 29,5 anos.

      Responder
  39. Bruno Macedo

    Agora lascou tudo de vez. Eu REALMENTE não sei para quem torcer.
    Mas acho q nunca conseguirei ficar contra o jogo do Federer.
    Que felicidade poder ver o Federer jogando assim outra vez!!!

    Acho que vou torcer pelo Federer agora, em Miami torcerei pelo Kyrgios! rsrs

    Responder
  40. José Eduardo Pessanha

    Mestre, o Felix foi campeão de um Future no Canadá poucos dias atrás. Ótima notícia. Eu estava ficando preocupado com a estagnação dele. Tomara que ele engrene. Abs.

    Responder
  41. Rodrigo

    Ver o FEDERER jogar é como assistir o STEVIE RAY VAUGHAN tocar, quem conhece sabe do que estou falando. Dois gênios, um do esporte e outro da boa música!

    Responder
  42. Luis

    Dalcim nas contas pra sonhar com numero 1 com Federer ganhando Indian ainda teria que ganhar mais um Slam em 2017 ? E se ganhando Indian seria bom pro suico pular Miami pra um descanso? Muito legal o Federer que acho muita gente se perguntava que depois do auge se encontraria motivacao pra tentar ganhar mais torneios importantes Slams e Masters rs e continua com alegria de jogar tenis como disse uma pessoa Federer parece um semi Deus enviado para nos encantar kkk,como tambem uma grande pessoa,parabens ao Luiz Fernando comentar no blog ainda com derrota do Nadal rs,disse que seria bom o Federer nao enfrentar Nadal e Djokovic em sequencia deu rs,profecia do ilogico kkkk,abraco

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como já te disse antes, para pensar no número 1 o tenista precisa atingir cerca de 10 mil pontos na temporada. Essa é basicamente a conta. E acho que ele deve sim jogar Miami, já que terá uma semana inteira de descanso.

      Responder
  43. Julio Calleja

    Dalcim, alem das questões táticas e técnicas (backhand) amplamente discutidas, tem uma questão, que o proprio Federer vem dando a letra em suas coletivas, que é o “jogar solto”. Vc nao acha que isso vem sendo preponderante pra essas atuações contra o Nadal? Ele falou isso antes de depois da final do AUS e antes jogo contra o Nadal em Indian Wells. Parece ser seu novo mantra, sua nova abordagem mental principalmente nos jogos importantes. Veja essa frase numa entrevista recente a um jornal alemão…”Devia ter jogador mais solto, com menos medo, naquelas finais equilibradas contra o [Novak] Djokovic no Open dos Estados Unidos e em Wimbledon [ambos em 2015]. Foi uma pena”.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, não tenho a menor dúvida disso, Júlio. Até escrevi antes da partida de Indian Wells que Federer jogaria bem mais solto porque ele está totalmente no lucro após o AusOpen.

      Responder
  44. Diego Bezerra

    Bela vitória do Sir. Federer!!!! Um passo de cada vez, agora vem o tão talentoso e promissor Kyrios, aquele q gosta dos grandes palcos.
    Federer tem mais experiência, sabe da importância dessa partida e não tem peso algum sobre seu jogo já q tá curtindo o circuito. Go Federer. Dalcim um percentual p quem vence esse jogo, por favor???!!

    Responder
  45. ATHOS

    Mestre me tire uma dúvida , vejo gente falar das escolas de tenis , espanhola q na sua maioria batem com spin , escola tcheca
    que tem uma batida mais chapada e por assim vai , isso posto nao vejo semelhança na bola dos suíços Federer e Stan
    a final Federer bate chapado ??? pq e nítido que a bola dele é muito nais rápida da maioria , a facilidade de fazer winner e espantosa , abcs .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É muito pouco comum hoje você ter um tenista de ponta batendo sem spin. Mesmo as bolas mais velozes estão carregadas de spin, o que costumamos chamar de ‘bola pesada’. Os melhores conseguem fazer com que essa bola passe muito próxima à fita da rede e então fica também bem veloz.

      Responder
  46. Marcus

    Os gênios são gênios exatamente por que têm, sobre algumas coisas, juízos diferentes das pessoas normais. Se tivessem juízos de pessoas normais, seriam pessoas normais e não gênios.
    Muitos acharam que Ivan Ljubicic não acrescentaria nada ao jogo de Federer e que sua contratação fazia parte da decadência natural que estava chegando. Outros, como eu, achavam que o novo técnico poderia acrescentar maior consistência no saque do suíço. Dalcim sabiamente falou que o saque do suíço já é espetacular. Eis que a contratação considerada por muitos retrógrada, após a saída do grande Edberg, transformou o suíço num atacante fuzilador.
    E eu que achava que seria uma boa estrategia ser mais conservador com o backhand pra poder esperar o momento de atacar com o seu forehand majestoso. Quanta ingenuidade! O negócio é enfiar a mão na esquerda sem medo, meu amigo! Vai lá que vai dar certo. A raquete maior tem que servir pra isso, menos madeiradas e mais pauladas. O próprio Roger ontem na entrevista disse: “Vocês nunca viram eu bater a esquerda desse jeito? Nem eu”.

    Só tem um porém: acho que quem vai sair vivo do quadrante mais forte da era profissional é Nick Kyrgios. A história pede de joelhos que Federer seja o campeão deste torneio, mas passar por Kyrgios amanhã vai ser bem difícil, a julgar pelo que o australiano vem jogando e a julgar pelo seu segundo saque que tem sido um espetáculo à parte. Sinal dos tempos, e que mostra de novo que o grande jogador dessa geração é ele – gostando ou não.

    Responder
  47. Carlos Emerson

    Engraçado vejo Federer e Rafa tem tempo será que vcs não percebem que Federer mudou a forma de jogar com Rafa prestem atenção o Ivan deu a receita!como vcs falam discutem bobeiras e não falam do principal olhem a empunhadora do Federer como mudou não é fácil mas não se iludam Rafa na próxima vai dar seu jeito!

    Responder
  48. Luiz Gustavo

    Federer doutrinou o Nadal. Com certeza uma das melhores performances do suíço perante seu maior algoz. Jogando assim, é bem possível que a diferença no H2H entre os dois fique cada vez mais estreita, sobretudo se o Federer começar a levar a melhor também no saibro.

    Responder
  49. André

    Dalcim, se eu não me engano, Federer e Kyrgios ainda não tiveram o serviço quebrado no torneio… creio que isso não seja algo tão comum pra uma fase avançada assim… pode ser comum para um ou outro chegar na 4ª rodada sem ser quebrado, mas um enfrentar o outro deve ser raro!!! jogo promete uns 2 tie breaks considerando o restropecto!!! ou 3 tie breaks que nem o único jogo deles!1! abs

    Responder
  50. André Barcellos

    Outra coisa, parece que o próprio Federer credita mais a evolução de seu backhand à nova raquete que ao fator “Ljubicic”.
    Acho que isso condiz mais com a realidade, pois o que todos falam que é um “novo backhand” na verdade ele já tinha usado no Finals de 2011 contra o Nadal e em outras oportunidades.
    Só que agora está entrando mais…
    Não, ele não mudou a empunhadura do backhand. Ele sempre adaptou a empunhadura de acordo com o estilo do golpe que ele quer dar.
    Acho que o lance do backhand apenas demonstra que ele está com uma raquete que tem uma área de maior “forgiveness”, e por isso, inclusive, está menos suscetível a madeiradas.
    Ao mesmo tempo, vi que suas deixadinhas foram bastanes sofríveis, ou seja, o que indica um “controle fino” menor, compensado pela potência que uma raquete normal gera.
    Quanto mais esse gênio suíço poderia ter feito se tivesse adotado essa solução tempos atrás?

    Responder
  51. Alexandre Maciel

    Dalcim, Federer venceu Nadal com duas (!) quebras de vantagem em cada set. Podemos atribuir esse número ao desempenho um pouco abaixo do espanhol em seus serviços ou à agressividade do Federer nas devoluções?

    Outra coisa, você realmente acredita que Federer enfim encontrou uma solução para enfrentar Rafa (com a notável melhora em seu backhand) ou o espanhol que perdeu um pouco da intensidade nos últimos tempos? Eu sinceramente acredito que o Rafa está abaixo do que costumávamos ver, e ao contrário do mestre suíço, não está conseguindo renovar seu estilo de jogo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, foi mérito da agressividade. Nadal nunca teve um segundo saque excepcional e, inseguro, isso piora. E sim, é certamente uma mistura das duas coisas.

      Responder
  52. Antonildo S Costa

    Que partidaça do king Roger. Alguem anotou a placa do caminhão suíço? Só foi possível perceber em câmera lenta: “SUI 6263. E por falar em tenis ofensivo, Nick ganhou mais uma vez do Djoko. A inicio de temporada não ta fácil para os tenistas especialistas em defesa e contra ataque. O confronto entre Federer e o Kirgios promete. Go federer!

    Responder
  53. Murilo

    Dalcim, 2 perguntas:

    1 – Por que o Nadal insistiu ontem em receber o saque do Federer tão ao fundo, mesmo sabendo que o suíço jogava praticamente dentro da quadra quase todo o tempo, encurtando o tempo? Não foi uma tática equivocada?

    2 – Por que Wawrinka, na partida contra Nishioka, insistiu em trocar de fundo todo o tempo? Não teria sido melhor volear mais vezes, mesmo não sendo tanto a “praia” dele? Não deveria ter Magnus Norman intervindo nesse sentido em algum momento do jogo? Não anteviu essas trocas prologadas? Não era algo tão evidente, diante de um jogador tão defensivo como Nishioka?

    No mais, foi mais um espetáculo do Maestro Roger Federer. Aguardemos o duelo contra Kyrgios.

    Obrigado, abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Difícil afirmar, mas Nadal inseguro vai mesmo recuando na posição de devolvedor. Ele precisa de tempo para preparar o golpe, mas isso acaba se tornando um problema. Quanto ao Stan, ele jogou tarde da noite e tudo parecia bem lento. Mesmo espancando a bola, não conseguia definir. Imagino que estava bem difícil ir à rede.

      Responder
    1. FRANCISCO

      A ladainha de sempre, pq ele não ganhou amigo?

      VIRA O DISCO
      ACEITA, QUE TE GARANTO, DÓI BEM MENOS.
      O ANO JÁ VALEU

      #18

      SEGUE, SEM CHORORÔ, O LÍDER.

      Responder
      1. Murilo Rodrigues

        Ainda estou tentando entender o porquê dessa nova geração não apreciar o tênis-arte, o jogo bem jogado, variado, com lances espetaculares, improvisos, etc. Preferem o tal do maratênis, aquele jogo modorrento, igual e interminável já que os tenistam jogam da mesma maneira e parecem ter medo de atacar, de mudar um golpe, pegar o outro de surpresa. Pena que não puderam acompanhar os grandes tenistas que eu vi jogar, quem sabe, mudariam as próprias opiniões.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      KKkk

      Essa é muito boa.

      O ídolo de papel dele caiu fora logo na primeira rodada, e esse capiau ainda tira esta onda toda?

      Cômico!

      Bahhh. Vai soltar pipa ou jogar bolinha de gude, vai seu crianção!

      Responder
    3. Carlos Reis

      Cara, o Federer vence e dá espetáculo, como não ficar empolgado com isso!? Todos os seus fãs já achavam que GS nunca mais, daí ele fica 6 meses parado, vai para o AO e ganha de quatro top 10, sendo 3 partidas no 5.set, foi um título GIGANTE!!! E essa semana ele volta a jogar bem e vencer o maior rival de forma convincente, difícil não ficar “bobo”…

      Responder
  54. Lincoln

    Que noite para os amantes do espetáculo!

    O bom velhinho que nos surpreendeunna Austrália estava inspiradissimo e sufocou Nadal desde o início. O mestre está jogando com alegria, se divertindo, sem pressão alguma. Vai nos brindar com grandes atuações ao longo de suas derradeiras partidas. Fantástico!

    Nole esteve em apuros o jogo todo, cabeça baixa, desanimado, sem alegria. Nick bailavam e o destruía com seu saque e tática perfeita. Confesso que achei que o australiano iria se perder e que Novak iria destruir após os bps no 5×5. Mas o moleque segurou a onda e se manteve focado.
    Aos poucos, o badboy vai aprendendo a lidar com a torcida. Dando espetáculo, que é o que o público quer ver. Ele cairá nas graças dá torcida é isso fará muito bem para sua personalidade.

    Responder
  55. Nando

    Dalcim, está se desenhando uma briga no futuro pelos grandes títulos entre Kyrgios (se tiver juízo), Zverev e Thiem? Estes 3 deverão polarizar os principais torneios? Acredita q o Coric e o Fritz possam entrar nessa briga? Aliás espero q isso aconteça só qnd o Rei aposentar (no fim de 2019 no mínimo, espero) ou nos torneios q ele não participar.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que esses são os grandes nomes da nova geração e espero que Kyrgios e Zverev se juntem logo ao top 10. O Coric está um pouco mais atrás, piorou com a contusão que teve, e o Fritz precisa ainda de mais experiência.

      Responder
  56. Rodrigo S. Cruz

    Difícil não comentar isso.

    Na época que o Djokovic ganhava tudo e de todos e frustrava seguidamente o 18° slam do suíço, eu permanecia aqui segurando o rojão e rebatendo as críticas.

    Agora que a situação se inverteu, e é o sérvio que vai sendo seguidamente ENTUBADO por Querrey’s e Istomin’s da vida e perder duas seguidas do espetaculoso Kyrgios, fica a pergunta.

    Pergunta, aliás que não quer calar:

    AONDE ESTÁ O CHETNIK?

    Kkkkk

    Responder
  57. FRANCISCO

    Alice, Chetnik, apareçam.COMO OS CARAS ESTÃO SOFRENDO.

    #18
    #237 semanas seguidas
    #302

    ONDE ESTÁ O CARA QUE QUEBRARIA OS RECORDES DO GOAT, DO ROGER?

    COMO OS CARAS ESTÃO SOFRENDO.

    SEGUE O LÍDER

    Responder
  58. Paulo Henrique Brito

    Dalcim, eu não consigo entender como um jogador do nível e genialidade do Nadal tem uma devolução tão ruim, na maioria da totalidade das vezes a bola é muita curta sobretudo no backhand(e ainda assim ele fica muito longe da linha de base, no segundo saque principalmente, por que ele recua tanto Dalcim nos saques dos adversários?) e até no forehand, as devoluções dele geralmente são na faixa próxima ao ”T” na quadra. Além do mais, na minha opinião, ele precisa mais ter aces, o saque tático(por exemplo, o aberto do lado que ele gosta) nem sempre funciona, o ace tira o jogador de momentos difíceis, do buraco.
    Acredito que esses defeitos dele, faz ele ficar vulnerável e ter de correr de um lado para o outro na quadra.
    Dalcim, você acha que o Nadal pode melhorar ainda nesses aspectos de saque e devolução sendo que ele nunca foi um especialista?
    O que você acha dessas leituras? Você concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele tem melhorado o primeiro saque, mas ainda falta para o segundo, principalmente contra os grandes adversários. E já devolveu bem melhor, como em 2010 e 2013, quando jogou mais perto da linha e conseguia bater mais na subida. Acho que tem muito de mental. Contra Dimitrov este ano na Austrália, ele começou em cima da linha e terminou seis passos atrás. Ou seja, o jogo foi endurecendo e ele foi recuando.

      Responder
    2. Murilo Rodrigues

      Não existe o jogador perfeito e imbatível, afinal todos são seres humanos com suas virtudes e defeitos mas tem alguns que chegam perto da perfeição e é um prazer assistir a seus jogos.

      Responder
  59. Luis

    Mestre um colega já fez um comentário parecido mas o tema me parece relevante!!! Estamos todos admirados com a melhora do backhand de Federer e essa admiração é justa. Porém um outro jeito de olhar a história seria quanto tempo ele perdeu insistindo em uma raquete como a que ele usava?. Quanto tempo ele perdeu teimando em tentar encarar de igual pra igual caras com um backhand mais sólido que o dele?.

    Responder
  60. Luis Alves

    Oi Dalcim, fugindo um pouco do assunto do post, você consideraria aceitar uma proposta para comentar jogos de tênis em algum canal de tv?
    Já recebeu alguma?
    Os fãs de tenis adorariam…
    Abraço e parabéns pelo blog
    Luis

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como já expliquei qui, Luís, esse trabalho inviabilizaria meu dia a dia no site TenisBrasil, que ocupa demais meu tempo. Mas obrigado pela lembrança!

      Responder
  61. Roger Azeredo

    Que jogo do Federer, hein, Dalcim?!?!

    Pensar que, quando Ljubicic foi anunciado como técnico, muitos de nós torcemos o nariz. Ontem, assistindo ao jogo, me peguei pensando: “Ah, se o Federer houvesse ajustado esse backhand antes…” Rs! Incrível! Posso estar enganado, mas só me lembro de ele batendo uma bola de slice de esquerda no fundo da quadra! O Ljubi deve falar pra ele: “bate pra fora, na rede, mas bate! Nada de slice!” Rs! E tem funcionado maravilhosamente! Claro que a forma de bater tb foi ajustada, mas essa disposição de bater em vez de “cortar” tem sido fundamental a meu ver.

    E quanto ao Nadal, chegou a dar dó a indecisão dele. Sua leitura do jogo lhe dizia:”Espere o saque mais na frente! Jogue mais perto da linha de base!” Mas os anos e anos de prática gritavam mais alto ainda: “Não! Lá pra placa de publicidade!! Vai pra perto do Larry Elisson!!”

    Ai ai ai… Difícil do Miúra se reinventar. Muito difícil!

    E, pra terminar, Dalcim, eu fico boquiaberto com a capacidade de variação do Federer no saque! É absurdo! Pensando nisso, que a meu ver é mais relevante até que a força do próprio saque, Federer é o melhor sacador do circuito?? O que vc acha? Há um vídeo no youtube de aces de segundo serviço dele, não sei se vc já viu. É fantástico!!

    Grande abraço, amigo, e fique com Deus!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, é exagero… rsrs… Federer usava muito o slice mas nunca deixou de bater o backhand. E com certeza o saque de Federer é muito especial. Não é bombástico, raramente passa dos 200 km/h, mas é muito preciso e variado. Kyrgios vai ter grande dificuldade para devolver bem.

      Responder
  62. VALDIR BITTENCOURT JUNIOR

    Dalcim, vi no Twitter uma estatística q é a primeira vez desde 2001 (Guga, Safin) q os dois líderes do ranking na chegam nas quartas na Austrália e em IW.

    Será q é um sinal de q voltaremos aqueles tempos maia imprevisíveis, de surpresas em todos os torneios?

    Responder
  63. Evaldo Moreira

    Boa tarde,
    Mestre, pelo que li no Uol, foi isso mesmo, custei a acreditar que, o afastamento do Dácio Campos, se deu muito em razão das críticas ao Rio Open!?
    Não vi as críticas e não achei aonde procurar, por exemplo sobre essas críticas, e ainda mais tendo gente ligada ao spotTv, para mim não é novidade, agora afastar o cara por isso, deve ter incomodado bastante ess cúpula não????
    minhas sinceras desculpas, sobre essas colocações fora do tópico post, mas não de hoje, que esta organização de um modo geral(não vou citar o nome, mas manda no pais, se bem que que perdeu um tiquim de força, mas isso é ralé para eles), faz isso, sempre que alguém mete o dedo na ferida, eles dão um jeiro clássico de afastar ou queimar a pessoa, fato.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não acredito que a briga com o Rio Open tenha tido qualquer influência, até porque foi em fevereiro e ele só parou de comentar em outubro. O fato que mais pesou, provavelmente, foi o fato de ter virado réu no processo que investiga o torneio que ele promoveu em 2011, em São Paulo.

      Responder
  64. Thales

    Eh Dalcim, sabemos que vc é djokolover..mas não foi dessa vez, achei muito precipitado vc crava-lo como favorito no ultimo post, a fase do sérvio é notoriamente a pior desde sua arrancada no tour em 2011, simplesmente vemos que o jogo continua ali, bons FH, saques, a devolução que é tão boa, mas o mental se foi.. no nivel profissional o mental é 70% do jogo de um tenista. Quanto a derrota do Nadal, Federer brilhou mais uma vez.. é espantoso como ele está conseguindo manter consistente esse nivel de agressividade de seu jogo, ontem fez inumeras bolas com enorme precisão, quanto ao espanhol o que mais uma vez me irritou foi sua postura extremamente defensiva, principalmente nos games de recepção, não dá mais pra ficar 5 metros atras da linha de base pra receber saque, principalmente contra os grandes sacadores, não dá pra entender o pq ele se posiciona perto da linha contra um Raonic(vide AO 17) E contra o Federer não, será que nenhum dos coachs dele enxergam isso? enfim .. agora o torneio ficou bem aberto, aposto em Federer ou Wawrinka, oq acha mestre? qual seu palpite de qm leve IW 2017 ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sou um grande admirador sim do Djoko e gostaria de vê-lo novamente jogando seu melhor, porque isso enriqueceria ainda mais o circuito de hoje, que está tão bom. Eu achei que Djoko iria se soltar após a ótima partida contra Delpo, mas os fantasmas não o abandonam. Sim, o favorito agora é Federer, mas ainda tem Kyrgios, talvez Nishikori e quem sabe Stan. A tarefa continua difícil.

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Pessoal, a insistência para Nadal entrar mais na quadra para devolver saques é inútil. Simplesmente porque ele não sabe. Os estilos entre ele e Federer são antagônicos, então jamais Nadal tomará essa postura. O que fez o espanhol tomar a dianteira nesse confronto, foi outro recurso, nada a ver com devolução de saque.
      Abraços.

      Responder
      1. Thales

        Discordo Luiz,

        Tlvz pensando um pouco melhoor agora, acho q Nadal ainda acredita que pode ganhar do Federer como fazia antigamente,ou seja, totalmente na sua zona de conforto .. no entanto de 2015 pra cá vimos que o jogo do suiço ficou mais encorpado e agressivo, oq casa muito bem em quadras rapidas, visto que o Nadal já não tem mais o jogo intenso de seus melhores anos, não adianta mais fazer o “padrão” contra o Federer na quadra dura (tlvz no saibro ainda seja tranquilo). E sim Nadal está longe de ser um grande devolvedor de saque , mas pode perfeitamente adotar uma postura mais agressiva como fez com Ranic AO-17, ao meu ver Raonic é muito mais sacador que Federer, então é perfeitamente possivel adotar essa postura.

        Responder
  65. Miguel BsB

    É, e diziam que o Back de 1 mão estava caminhando pra extinção…Federer, Wawrinka,Thiem e Cuevas estão aí, carregando a tradição!
    Mestre, durante o AUSOpen, te pedi dicas de livros sobre táticas e parte mental no Tenis. Você, muito ocupado durante a cobertura do torneio, disse que o faria depois. Imagino que continue ocupado nesse IW, mas se puder nos dar essa moral…
    Valeu

    Responder
    1. Murilo Rodrigues

      Eu sou um que é contrário à ditadura do back-hand de duas mãos (e olha que meu primeiro ídolo foi o Borg) e também fico contente sabendo que existem alguns que mantém o golpe com uma das mãos (são para eles quem eu torço nos torneios). Chamo de ditadura porque o meu professor, um dia, teve a insanidade de me propor mudar o meu back-hand de uma mão para as duas, olhei feio e tivemos uma discussão até acalorada sobre os dois tipos de golpes.

      Responder
  66. Oswaldo E Aranha

    Como torcedor do Djokovic, como ele está muito ruim, vou tirar umas férias do blog; mas desejo aos torcedores do Federer, grande tenista, especialmente ao Dalcim, sucesso nos próximos embates. Rodrigo, tenho caprichado na digitação para não receber mais puxões de orelha. Abraços a todos e até breve.

    Responder
  67. Chico

    Bom dia Dalcim

    Duas rápidas perguntas: O Masters de Miami consegue ser ainda mais lento que Indian Wells? Por que? E qual é o nível de contribuição de Ljubicic para o “Neo-Backhand” do M1TO RF?
    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mais lento porque Miami é muito úmido e isso deixa o ar mais pesado. Não se falou abertamente sobre isso até agora, mas me parece claro que ele girou a empunhadura para conseguir golpear mais topspin e mais alto.

      Responder
  68. Castilho

    Que noite maravilhosa!!! O MESTRE ganhou com autoridade em cima do seu maior rival. Djoko caindo novamente. E pra fechar com chave de ouro, meu FURACÃO ganhou do time do Papa lá na Argentina!!!

    Responder
  69. Pedro

    Dalcim,
    Confesso que fiquei impressionado com o nível de variação do Kyrgios dentro dos pontos, bate reto, bate spin, bate slice, saca de todo jeito. Com esse nível de variação fica complicado jogar com ele em um dia bom.
    Dalcim, outra coisa, faz pelo menos uns 10 anos que não vejo Federer jogar dessa maneira, e você? Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é. Kyrgios não voleava bem até 2015 e até nisso ele estava muito firme hoje em dia. É bem completo, só falta juízo… rsrs… Em 2015, vimos Federer jogar o melhor tênis de sua vida. E agora ele conseguiu se superar. Aproveitemos.

      Responder
  70. samuel

    Quatorze anos é, aproximadamente a diferença de idade entre Federer e Kyrgios. Nota-se, nítidamente, que o esporte sofreu grande evolução nesse período de tempo. Dá para afirmar, com certeza que o Federer (versão 2002) com os recursos disponíveis à época não seria páreo para o Kyrgios (versão 2017). Concorda com a afirmação, Dalcim.

    Saudações,

    Samuel

    Responder
  71. Gabi

    O Kyrgios recentemente declarou que “sua motivação cai em jogos menores”. Que venham os maiores então, tal qual vimos contra o Zverev e o Djoko.
    Logo mais, Federer!!

    Responder
  72. Maurício Fonseca

    Simplesmente acabou. Não há plano B. No momento em que o gancho cruzado no backhand do suíço não funciona mais, acabou. (claro, no saibro o espanhol ainda pode vencer o suíço).

    Responder
  73. Alexandre Matuchenko

    Dalcim, você atribui essa melhora do Federer contra o Nadal mais pelo aspecto técnico ou pelo psicológico? Eu digo isso porque nos grandes jogos entre eles, o Federer normalmente jogava o seu melhor, fazia mais winners de backhand do que contra com qualquer outro, porém o Nadal acabava o desestabilizando mentalmente e ele se perdia todo. Nesses últimos jogos entre eles, o Federer claramente incomoda mais com o backhand, mas ele destacou muito o fato de jogar “livremente”, sem preocupações.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Uma coisa leva para a outra, Alexandre. Se você está firme nos golpes (e no físico!), isso gera confiança e seu jogo cresce. E um grande tenista confiante é muito difícil de ser batido.

      Responder
  74. Felipe Tonatto

    Dalcim, muito se fala da incrível melhora da esquerda do Federer com a chegada do Ljubicic…Já pensou se tivesse ajustado essa esquerda há uns 4 anos? Teria no mínimo mais uns 3 Grand Slams. Vida longa ao Rei. Abraço.

    Responder
  75. Chileno

    Vi os highlights do jogo do Djokovic e a impressão que fiquei é que faltou saque e principalmente poder de definição nas longas trocas, o que aliás, me parece ter sido também o que faltou a ele na derrota para Istomin no AUO. Em vários pontos ele e Kyrgios ficavam trocando bolas e, como o australiano estava errando muito pouco e se movimentando bem, o sérvio encontrou dificuldades. Ainda acho que ele precisa voltar a jogar mais agressivo, como em 2011 e 2012. Em alguns momentos desse jogo vi isso, mas na maior parte do tempo acho que o Djoko optou por de apostar na regularidade e ENF do adversário. Como Kyrgios errou pouco e sacou demais, não funcionou.

    Sobre o Federer, bem… difícil encontrar elogios pra ele. Jogou de maneira exuberante. O backhand novamente fez muito estrago e o sempre soberbo forehand continua lá. Aliado a tudo isso, o mental parece estar mais forte do que nos últimos anos, o saque segue afiado, e a confiança deve estar nas alturas com nova vitória sobre seu nêmesis pessoal. Essa combinação toda o torna perigosíssimo. Acho que nesse momento ele é o tenista a ser batido. Kyrgios parece ter potencial para vencê-lo, mas eu vejo pequeno favoritismo do suíço. Veremos…

    Responder
  76. Igão

    Com mais esta acachapante vitória, Federer inaugura de vez uma nova categoria de vitória: a “surraula”.
    Antigamente, lá em meados dos anos 2000, quando desfilava em seu ápice(?), entregava aos adversários apenas a “surra”: batia sem dó, atropelava sem que a vítima sequer tivesse apontado o lápis para tomar nota.
    Agora, tal qual um verdadeiro sensei, no alto da sabedoria adquirida, além da tradicional surra, oferece uma aula magna de fundamentos, técnica, arrojo e postura (esta, a propósito, coisa que o Mr. Novak “I am a joke” Djokovic jamais terá…).

    Se o público não o faz – insisto nisso -, Djoko e Murray deveriam rogar para que sejam definitivamente retirados do mesmo degrau ocupado por Roger e Rafa; deveriam reconhecer e expressar que não cabem no mesmo patamar desses dois, não pelos resultados e números em si, mas pela grandeza atingida e pela representatividade no e para o esporte… É algo como irmão mais velho/irmão mais novo; Rolling Stones/Oasis; seleção do tri/seleção do penta… enfim, Big 4 está mais para utopia do que para realidade. E acredito que 2017 evidenciará isto de maneira incontestável.
    #big2+2

    Responder
  77. ULISSES GUTIERREZ

    Dalcim,
    o Federer confirmou presença em Miami? Mestre, sabe informar? Porque se tiver confirmado, e vai que consegue uma outra boa campanha, aí sim vamos poder a falar aqui em retorno ao número 1. Dalcim vc saberia informar quem foi o mais velho tenista que atingiu o número 1 desde que foi criado o ranking da ATP?

    Responder
  78. Leonardo Pula

    Dalcim,

    Realmente fiquei surpreso com a esquerda do Federer, imaginei que em uma quadra mais lenta e com quique mais alto ele teria mais dificuldades do que na Austrália com as bolas do Nadal.
    A terminação da esquerda do Federer me parece diferente. Alguma mudança de empunhadura?
    Pergunta de fã: Você se lembra de outros casos de jogadores acima dos 30 anos que tiveram uma evolução tão grande em um aspecto do jogo como parece estar ocorrendo com essa esquerda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vamos esquecer que Federer já havia mudado seu jogo com Edberg, recuperando ao máximo o jogo de rede e até criando o SABR. Ou seja, ele vem se reinventando de tempos em tempos. Mudou de raquete também. Realmente não vejo paralelo na história recente do tênis, Leonardo.

      Responder
  79. Eduardo

    Dalcin, parabens pelo post.
    Quanto ao Kyrgios, apesar de achar ridículas algumas de suas atitudes dentro e fora da quadra, tenho de dar o braço a torcer e dizer que ele tem mais bola que o Zverev mesmo (que seria meu favorito para próximo n1). Aliás, vc sempre disse isso aqui. Ademais, Djoko está muito chato ultimamente, irritadiço, brigando com juiz… enfim, devia procurar ajuda extra-quadra.
    Quanto ao Federer, falar o quê? Vida longa ao mestre!
    Dalcin, a que ou quem vc creditaria esse “novo” backhand do Federer?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mas o Djokovic já procurou ajuda extra-quadra com o guru espanhol! Acho que Ljubicic ajudou muito, mudou um pouquinho a empunhadura para virar mais a pegada e golpear bola na subida (como o Guga fazia com maestria), mas acima de tudo atribuo a muito treino, muito mesmo.

      Responder
  80. Tiago Castro

    Dalcim. Federer é um monstro. Melhorou todos os fundamentos nos últimos meses e não dá a chance para caras como Nadal.

    Sobre o jogo de ontem, apesar de Federer ter sido excepcional, vc não acha que a bola de Nadal está curta? Antes ele mandava sempre na linha de base e dificultava muito o jogo de Federer e Djoko.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, a bola dele anda curta há algum tempo, mas vamos considerar que a bola do Federer estava bem profunda e não é fácil devolver o tempo todo com outra bola funda.

      Responder
  81. CGusmão

    O Federer de fato está jogando um tênis exuberante. Sua esquerda está mais sólida que nunca e seu saque eficiente como sempre. Agora não podemos nos iludir com comentários do tipo “o Federer aprendeu a jogar contra o Nadal”. Difícil comparar o Nadal de hoje com o que jogou entre 2007 e 2014. Sua bola anda muito menos, seu saque é menos eficiente e até suas pernas já não parecem tão rápidas. Ontem mandou um caminhão de bolas curtas para o outro lado da quadra, o que contra o Federer é simplesmente pedir para ser atropelado. Se o Federer parece está jogando como no seu auge, o Nadal está distante disso.

    O que acha Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Quando Federer ganhou facilmente de Nadal, no Finals de 2011, ele usou exatamente a mesma estratégia. O que mudou, certamente, é que seu backhand está muito melhor agora. Acho que Nadal mantém também o mesmo padrão de jogo, mas a confiança de hoje está muito longe do que já foi.

      Responder
      1. Alice

        NOSSA, Dalcim! Você acha mesmo que o Nadal só está com falta de confiança? Se fosse Djokovic, eu até entenderia…
        Mesmo “padrão” de jogo, acho que é padrão de modo de jogar né? Porque de “nível” o Rafa está lá embaixo comparado as suas performances de antes de 2014 pra cá…
        Tentando deletar esse comentário dá minha cabeça! Kkkk

        Responder
  82. André Barcellos

    Dalcim, É fato que o Federer melhorou a esquerda. É fato que ele está sacando como sempre ou ainda melhor, bem como a direita andando muito Como sempre. Ainda boleia muito bem (melhorou de uns 3 anos pra cá). Porém, quase nunca vejo ninguém comentando isso aqui: a movimentação dele está muito lenta! Ontem praticamente não precisou correr, pois atacou de onde estava, então esse buraco no jogo não aparece ou não apareceu nas últimas partidas… Mas, pegando outro jogador que acelere muito a bola, ou que bata na subida nela, ele irá sofrer com a movimentação. Ontem houve dois contrapés em que ele teve de bater totalmente desajeitado…
    Ao mesmo tempo em que me maravilha a qualidade dos golpes, me frustra a velocidade que o suíço não tem mais.
    Realmente a grande chave pra ele a essa altura é ser super agressivo, para que não precise se locomover tanto.
    Vc vê como eu?
    Tomara que ele continue capitalizando, apesar disso.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, André, eu considero o Federer um dos jogadores mais rápidos, mesmo aos 35 anos. Seu deslocamento pela quadra ainda é excelente, não consigo ver falta de pernas de forma alguma.

      Responder
      1. André Barcellos

        Estranho. Acompanho ele há muito tempo e vejo no YouTube os lances do passado. Ele perdeu velocidade, mas principalmente arranque e recuperação. Para a direita, então, ele se movimenta beeeem mais lento.
        Aos 23-27 anos ele era praticamente tão veloz quanto o Coria…

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Bom, este vídeo dá uma boa noção das pernas de Federer hoje: https://www.youtube.com/watch?v=inxHu5Xlal8. Vamos lembrar que muitos aconteceram em quarto e quinto sets, especialmente o último, já no final contra o Rafa. Sem falar que o backhand mostra toda essa melhoria porque ele tem pernas para chegar em posição perfeita para executar o golpe. Abs!

          Responder
          1. André Barcellos

            Repare neste vídeo: https://youtu.be/Xxb4MIsBBsg
            Isso em 2009.
            Exatamente em 1 minuto aparece um ponto,com o suíço altamente veloz corrente atras dos tiros do Delpo.
            Ele ainda tem boa movimentação, jogo de pés e equilíbrio, claro.
            Mas a velocidade não é a mesma.
            É humanamemte impossível que aos 35 tenha a mesma explosão que aos 25,27 anos,
            Pra mi esse, inlcuive, foi o maior motivo,das derrotas pra Djokovic em 2015.
            Além de o sérvio estar jogando barbaridades na época, Federer não conseguia equilibrar e fazer o ajuste fino nas trocas mais velozes.
            Alguns centésimos de segundo atrasado e a conta já não fechava pra ele….

            Mas ok, respeito demais sua opinião e análise.

          2. José Nilton Dalcim

            Ah, André, sem dúvida que um tenista de 24 anos vai ser muito mais veloz do que um de 35, não há dúvida quanto a isso. Mas a explosão em cima não é um fator essencial no tênis, embora exija em alguns lances. A questão que eu me referi é seu trabalho de pernas como um todo, e nisso acho que ele continua muito bom, quase no mesmo nível de Djoko ou Murray.

        2. Jônatas

          Discordo totalmente. Ele é muito rápido, ficou surpreso pois ele ainda está rápido!! O fato é que nunca deram esse enfoque dentre tantas qualidades que possui então quando alguém fala disso parece estranho. Outra coisa, ele nunca estaria neste nível atual sem velocidade nas pernas, nunca! Para bater com essa qualidade tem que chegar inteiro na bola. A mecânica do movimento dele é de quem chega inteiro na bola. Se não fosse isso ele teria que improvisar cada batida e é IMPOSSÍVEL um tenista chegar a um alto nível baseando seu jogo no improviso.

          Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, de seus atuais 3.300 pontos, 2.000 vem da Austrália e 700 de Wimbledon. As outras pontuações relevantes são 180 de Monte Carlo e de Halle.

      Responder
      1. Nando

        Então acho q no fim do ano ou antes, se o Rei continuar jogando dessa forma, comendo pelas beiradas, vc irá fazer mais o excelente post , com o seguinte título: “” O retorno do Rei”

        Responder
  83. Erick Fioretti

    Grande Prof. Dalcim,

    Federer “exuberante”, “flutuando” e “maravilhou com seu backhand”. Estou assinando aqui os seus adjetivos!

    Bem, foi uma aula. Para mim, achei que ele está pegando a bola na esquerda muito mais na subida, à frente, o que tira totalmente o tempo do adversário.

    Antigamente, a bola do Nadal, com aquele spin infernal, subia até o ombro dele. Isso dificultava a execução do backhand, encurtando a bola e se tornando presa fácil no golpe seguinte.

    Contudo, parece ter encontrado o remédio, junto com o Ljubicic.

    Tivesse essa esquerda nos embates anteriores, o h2h seria outro, não acha?

    O cumprimento do Rafa junto à rede, após o jogo, foi de resignação, não achou?

    Quando sai a chave de Miami?

    Grande abraço.

    Responder
  84. Tadeu

    Mestre, bom dia!

    Como fãs de tênis, acho que nada mais justo do que elogiar o foco do Kyrgios em 2017. Ainda que oscile, tem se mostrado mais comprometido, o que já faz uma grande diferença. Mas a pergunta é, as atuações de Djokovic em Acapulco e Indian Wells, acha que são para questionar a irregularidade ou para reconhecer que tem procurado retomar o seu melhor tênis, voltando a atuar em um nível elevado?

    Abcs!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele fez bons jogos em Acapulco e jogou muito bem diante de Del Potro. Sabemos que ele sempre teve dificuldade maior contra grandes sacadores que sejam agressivos, então não achei anormais as derrotas para o Kyrgios.

      Responder
  85. Marcelo Calmon

    Realmente o Federer sobrou no jogo, acho que a quebra logo no 1º game do jogo deu muita confiança para ele e além disso o Rafa tá muito abaixo dos velhos tempos.

    O jogo do Djoko x Kyrgios foi mais interessante, com um equilíbrio muito maior.

    Lembro que Nishioka também sacou para fechar o jogo em 6 x 5 !
    Mas o sufoco se deve muito mais aos erros do Wawinkra (50 erros não forçados). Ele parecia sem confiança nenhuma, pois quando tentava uma bola mais decisiva errava. Foi muito pouco à rede, como de costume e facilitava para o Nishioka.

    Excelente desempenho dos nossos duplistas !!
    Achei que o Demoliner fosse estar na chave, mas parece que com a participação dos TOP de simples não sobrou espaço para dupla dele.
    Mas pelo ranking atual deles achei que daria. Sei que a definição dos participantes é baseado em rankings anteriores.

    Aliás, o número de semanas que separam o ranking que define os participantes e o torneio é padrão ? ou cada torneio define um critério ?
    E se for padrão, qual seria este número ?

    abs

    Responder
  86. Maurício Fonseca

    Acabou. Não há plano B. Com o gancho cruzado no backhand do suíço não funcionando mais, e o suíço claramente com mais vontade que antes, game over para o espanhol. Simples assim. (no saibro, pode dar caldo ainda…)

    Responder
  87. Mário Fagundes

    Kyrgius destruiu Djokovic como eu havia previsto. Depois de mais uma queda, fica claro que o problema do arrogante sérvio está longe de ser resolvido. Porém o mérito é todo do australiano que, com a cabeça no lugar, demonstra evolução no quesito mental e ratifica ser capaz de vencer qualquer um no circuito. Mas o que se passa com Djokovic? Desmotivação, questões familiares, magreza excessiva, falta de confiança, fadiga mental? Para quem ganhou quase tudo nos últimos anos, jogando no limite extremo, muito normal o quadro atual em que se encontra. O fato é que Novak está muito longe de seus melhores dias. A meu ver, ele necessita de um longo afastamento do tênis pra colocar tudo em ordem. Vejam o exemplo de federer, que se afastou pra tratar lesões, mas também curtiu (e muito) a família e aproveitou as “férias forçadas” que não tirava há mais de uma década.
    E o que dizer sobre a exibição de Federer? Quanta exuberância! Passei o jogo inteiro rindo. Federer, aos 35 anos, enfim, se tornou um jogador aplicado taticamente. Saque afiado, agressivo como sempre, mas na dose certa. E o backhand? Caramba! Se esse era o ponto fraco dele, o restante do circuito que se cuide. O cara fechou a partida com um winner de esquerda. Lindo demais! Agora acredito mesmo que todos os demônios foram exorcizados lá em Melbourne. Já ouso dizer que, com a confiança nas alturas, estando bem fisicamente , e com a versão 2017 desse backhand, até mesmo no saibro Federer pode vencer Nadal, (rsrsrs). Confiança é tudo, não é mesmo!? (rsrsrs). Que venham, pelo menos, mais uns cinco jogos entre eles até o fim da temporada. A tempo ainda há de amenizar esse terrível h2h.
    O que me aborreceu durante a transmissão foi ter que ouvir, a cada ponto, os tendenciosos comentários de um “torcedor” que, com um microfone, tentava buscar soluções para um Nadal totalmente dominado em quadra. Quanta falta de imparcialidade! O nobre comentarista perdeu uma grande oportunidade de enaltecer uma das mais belas vitórias de Federer sobre seu maior rival. Que pena!

    Responder
    1. FRANCISCO

      Esqueça isso de H2H, os números que realmente importam, os números que vão pra história, são.

      NÚMERO DE MAJORS
      SEMANA COMO #1
      FINALS.

      Simples, muito simples.

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Francisco, respeito sua opinião, os números realmente são incontestáveis. Porém, esse h2h é a mancha, também incontestável, na carreira de Federer. Além disso, Federer não conseguiu vencer Nadal em RG. E isso já foi amplamente discutido aqui. Há menos de três meses ninguém mais falava em h2h entre eles. Com o Federer atual, Nadal longe do auge, título surpreendente no AO e três vitórias seguidas do suíço, confiança em alta e demônios exorcizados, voltamos a acreditar em novos duelos mais pra frente e chances de Federer descontar a freguesia. Penso que se ele obtiver a vantagem sobre os encontros na grama e nas duras, ou se por uma providência divina conseguir vencer o espanhol em RG, então pouco importará encerrar a carreira com saldo negativo no total. Simples assim.

        Responder
  88. Leonardo Felix

    Escrevi isso no Australian Open e repito: as vitórias de Federer sobre Nadal em 2017 são vitórias táticas. Tudo bem que em IW o espanhol passou longe de seu melhor tênis, mas boa parte disso veio do fato de que o suíço enfim conseguiu dar um nó em sua cabeça, colocando grandes dúvidas acerca de seu método de jogo.

    1 – Diferentemente do que muitos dizem, Nadal sempre foi um jogador que depende de o saque funcionar para se colocar na posição daquele que vai dominar os pontos com a direita. Só que Federer encontrou uma maneira de anular isso, com devoluções pesadas mesmo de revés.
    2 – Também diferentemente do que todo mundo pensava (inclusive eu), a resposta aos ganchões na esquerda não estava na variação com slice, mas sim em pegar a bola o mais cedo possível, na subida, com uma patada cruzada atacando a direita do hispânico. Usar a esquerda para acelerar o jogo, em resumo. Tanto que o suíço quase não usou slices ontem.

    Demorou 12 anos, mas Federer enfim descobriu isso. Então o fato de Nadal ter jogado mal ontem vem, e muito, da postura do suíço, que o encurralou a ponto de Nadal, em determinada hora, não saber mais o que fazer. Antes era sua zona de conforto: se tudo estivesse dando errado, bastava voltar a enfiar um ganchão carregado de spin para cima da esquerda do rival. Agora isso não está mais rolando, e Nadal passou o jogo inteiro tentando entender que variação deveria tentar. Nenhuma deu certo.

    Portanto, as bolas curtas do espanhol são, em muito, resultado de não estar à vontade em quadra, e a isso temos que dar muitos créditos a Federer. Também é preciso dar créditos à sua aplicação tática. Aos 35, ele finalmente entendeu que, para vencer Nadal com frequência, é preciso disciplina. Seu senso de improviso bem que tenta traí-lo, como nas tentativas de deixadinhas que ele fez ao longo do jogo (e nenhuma deu certo), mas a maturidade adquirida com os anos acaba fazendo-o voltar ao foco. Bom para ele.

    Fico imaginando se Federer tivesse aprendido tudo isso mais cedo: a tentar mudar sua raquete para uma mais condizente à média do circuito; a dedicar mais tempo para melhorar sua esquerda (ele já disse em entrevistas passadas que preferia treinar ‘seus pontos fortes’ a resolver seus pontos fracos…); a ser mais aplicado taticamente. O que ele teria sido capaz de conquistar?

    Mas é aquela coisa: no pacote de seu genial arsenal técnico também vieram tais vicissitudes. Sem elas, o resto do mundo não teria chances nesse esporte e quase esqueceríamos que ele também é humano, rs. Concorda, Dalcim?

    Grande abraço.

    Responder
    1. FRANCISCO

      Teria 25 Majors, belo texto, tirando os do mestre Dalcim e os do Marcão, texto muito esculpido, tático e técnico, o mestre Dalcim, até nisso nos ensina
      Abraços.

      Responder
  89. Rafael Wuthrich

    Que vitória ontem. Quando o jogo começou, Federer fez um winner de backhand na primeira devolução. Pensei: continuação do AO. Não deu outra – o desenho tático da partida foi idêntico àquele 5o set. Nadal sofrendo em todos os seus saques com o backhand do suíço e sendo gradativamente empurrado para trás. Perdendo nas trocas mais longas de bola (cousa inimaginável tempos atrás) e cometendo toda a sorte de ENF. O resultado não poderia ser outro.

    Uma coisa que o Narck Rodrigues observou várias vezes e de fato era irritante foi ver Nadal de novo lá nas placas de publicidade, cumprimentando os juízes de linha ao receber saque. Isso não apenas facilitou o trabalho de Federer em entrar na quadra como não trouxe frutos em ENF, já que o suíço esteve consistente de todos os lados da quadra. Pior: ao devolver lá atrás, Nadal já saía se defendendo em cada saque que recebia, sem poder atacar.

    O Cossenza conjecturou no twitter que Nadal estaria usando menos spin e que isso facilitou o trabalho de Federer, mas sinceramente acho que não foi o caso. Ao usar uma raquete maior e mudar a empunhadura, Federer anulou os efeitos da bola alta na sua esquerda, independente do Spin, e receber saque bloqueando de forma reta, sem usar slice ou top spin, também anulou os efeitos do saque de canhoto do espanhol. Isso mudou completamente o aspecto tático do confronto. Hoje Nadal não tem solução tática contra Federer na quadra sintética.

    Assisti também a Kyrgios x Djokovic. Nick fez uma partida tática perfeita, e parece que neste torneio ele está muito mais concentrado. As tretas com a arbitragem continuam, mas seu foco no jogo se reflete nos segundos saques fulminantes. Além disso, seu talento é monstruoso. Incrível pensar que ele ainda está atrás de Monfils, Raonic e Berdych no ranking. Federer terá um desafio e tanto.

    Vale uma nota sobre Djokovic. Novamente viveu dias de Murray, discutindo sozinho, com o box e quebrando até raquete. Esteve lento, errático no saque e na rede e, incrível, impaciente do fundo de quadra, surpreendentemente inconsistente diante dos balões que Kyrgios inteligentemente mandava. Realmente há alguma coisa errada com o sérvio, e é sobretudo mental. Pode existir algum desconforto físico (ele levou as mãos à lombar), mas é notória sua impaciência e irritação, que escancaram a falta de confiança. Precisa de uma repensada urgente.

    Responder
    1. FRANCISCO

      Isso do Novak pôr a mão na lombar, no joelho, no cotovelo, no ombro, É MIGUÉ DE PERDEDOR, ele não tem nada fisicamente, graças a Deus.

      APENAS A CONTA TA CHEGANDO( pelo estilo de jogo, reparem, em média quantos minutos ele fica em quadra, e quanto fica Roger,etc) COMO CHEGOU NO RAFA

      Abraços.

      Responder
  90. Gilvan

    Nao foi uma vitoria, foi um atropelo. Nadal, coitado, nao viu a cor da bolinha. Mais uma vez, restou ao Siri Careca fazer as vezes de parabrisa de carro e ficar correndo atras da bolinha de um lado pro outro, quase sumindo das cameras de televisao, de tao recuado que estava. O ultimo ponto foi um resumo da partida, com o Federer mandado um winner de devolucao, de backhand, na quina, enquanto Nadal, sem forcas, sequer tentou desafiar o retorno do suico.
    Mas eis que depois dessa partida magistral vi um espectro na quadra. Um jogador canhoto, correndo de um lado para o outro, soltando o famoso ganchao de esquerda alto na cruzada e fazendo um certo suico penar, enquantro distribuia pancadas por todos os cantos. Nao, nao era o Fedal, era Wawrinka x Nishioka, que parece ser o herdeiro do Cueca. Vade retro!

    Responder
  91. Luiz Fabriciano

    Mestre Dalcim, tive a impressão, assistindo ao vídeo que a ATP produziu para mostrar a ascensão do Kyrgios, que a mesma, de certa forma, promove a imagem de “bad boy” do australiano. O que achas?
    Quanto aos jogos de ontem, acredito piamente que Djokovic tem problemas pessoais – seja vontade ou a falta dela para voltar a vencer – claramente demonstrado em suas atuações e quero deixar claro que, de forma alguma, deixo de reconheçer o grande tenista que o Kyrgios está se tornando, especialmente na forma técnica de jogar.
    Falando do Fedal, incrível como os comentaristas mudam de opinião a partir de resultados. Há pouco tempo atrás, o H2H histórico entre os dois era o que menos importava, dada a incrível história tenística e vencedora de Federer. Agora, atingindo um feito inédito – três vitórias consecutivas – os mesmos estão loucos por mais encontros, vislumbrando a possibilidade de reverter esse, digamos, incômodo quesito entre eles.
    Grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A ATP faz isso com todos aqueles nomes que ela junto poderão virar estrelas. O ano passado insistiu muito no Zverev, por exemplo, e já fez muito com o Coric.

      Responder
  92. Alison Cordeiro

    Como bom Nolista lamento a saída de Djoko, mas dou a mão a palmatória ao talent de Kyrgios, foi impressionante ver a calma e a qualidade do seu jogo diante do Sérvio. Sacando bem e jogando com uma incrível auto-confiança, o australiano esbajou técnica. Nole buscou como pode, mas faltou variar o jogo e aquelas devoluções inacreditáveis que minam os adversários. Mas o mérito é todo do Kyrgios, que marrento como só ele soube dominar o atual campeão do torneio. Agora vem o grande desafio: enfrentar um Federer infernal. O suiço jogou solto e a vontade diante do Nadal, que foi lutador, mas nunca achou alternativas no jogo para encarar o rival de igual para igual. Mesmo com sua capacidade e força mental, o espanhol sempre esteve acuado pela força ofensiva do Federer. Parace que esse vai ser o ano dele, para delírio dos seus fãs aqui no Blog. Respeito muito e curto também, não é porque gosto mais do Nole que torcerei contra o Federer. Para Nole espero que volte a manter o foco e ter calma, sua irritação nos jogos não está ajudando em nada para mantê-lo focado.

    Responder
  93. kelvio lourenço

    Mestre Dalcim feliz com mais uma grande atuação de Federer contra Nadal . Mestre sinto que Federer melhorou seu jogo sensivelmente com Edberg e Luibijic. Mestre quem voce indicaria para melhorar a performance de Nadal e Djoko nesse momento em seus jogos. Mestre espero que um dia voce comente jogos do circuito na tv para seus fas de todo o Brasil aprenderem ainda mais sobre o esporte que amamos. Saudações de Tianguá no Ceará para o Mestre Dalcim e os que postam no blog.Mestre torço para Federer mas reconheço a genialidade e competencia de Nadal ,Djoko e Murray e de seus admiradores.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Kelvio, acho que Nadal pode ainda melhorar mais com o Moyá, mas eu gostaria mais de vê-lo com um treinador que lhe desse maiores alternativas. Nole fez uma escolha muito ruim ao deixar Becker para lá. Ele poderia ajudar inclusive neste momento de baixa emocional.

      Responder
  94. Tiago

    Prezado Dalcim!
    Salvo engano, última derrota de Federer para o Nadal foi no AO 2014. Neste período o Nadal caiu e o Federer cresceu (primeiro com o Edberg e agora com o atual). Lembremos que em 2014 e 2015, Federer foi o único jogador a tirar o máximo do Djocko. Neste sentido, jogar tanto com o “Super Djocko” (fase de 2014 e 2015 foi grandiosa) elevou o nível de Federer. Talvez, só precisasse da confiança para anular o jogo do Nadal.
    Kirgios joga muito. Se gostasse mais de tênis, rapidamente cresceria no circuito e seria um Top 10. Quanto ao Djocko, bem acho que algo aconteceu com ele. Talvez tenha se cansado d cobrança que o tênis exige ou alguma lesão .
    Concorda Dalcim?

    Responder
  95. Marcão

    Ontem a beleza cansou de ler fotonovela e flertou com o resultado. Todo o depois sucedeu num zás: juras eternas, altar florido, alianças trocadas, chuva de arroz, latas no para-choque, lua de mel no deserto. Engancharam a rede entre duas palmeiras e, balançando-se sem preocupação, tangeram o negrume triste da noite que se foi.

    Responder
  96. jorge luiz

    Nunca vou torcer pro Nadal, tenista que ganhou varios torneios graças as gotas magicas autorizadas, vitórias assim pra mim nao valem, sou torcedor do Djoko mesmo o Federer sendo o maior de todos.

    Responder
  97. Jônatas

    Dalcim, você crê que o Nishioka consegue subir até qual ranking com este nível de tênis? Tem algum espaço para melhorar? Para mim precisaria intensificar a força dos golpes para não ficar correndo de um lado par ao outro, ficando a 5 metros da linha de base. Conseguiria ele ser um Ferrer da vida ao menos?

    Responder
  98. Marco Dias

    Ontem foi um dia perfeito!!

    Champions, Libertadores e IW…

    Maratenistas eliminados e o tênis ofensivo vencedor (isso numa quadra bem lenta).

    Wawrinka escapou na bacia das almas… o japa devolvia tudo. Stan fez quase todos os pontos do jogo (os dele e do japonês). Para o suiço se dar bem numa quadra lenta como essa, só se não cometer muitos ENF. Para conseguir um winner era um “parto”, visto que precisava atacar várias vezes a cada ponto (é o paradigma dele: quadra muito rápida atrapalha sua preparação, muito lenta não consegue definir com winner – o meio-termo é o ideal para o Stan).

    Federer jogou demais, não deu a mínima chance pro Nadal. Promessa de jogaço com o Kyrgios (e imprevisível também).

    Djokovic tb sequer ameaçou o australiano.

    Responder
  99. Thiago

    Dalcim esse Kyrgios joga demais faz tudo parecer fácil torço muito para que ele coloque a cabeça no lugar pois caso aconteça isso é forte canditato a ganhar um GS no futuro e virar 1º do ranking, ganhar do Djokovic 2 vezes seguidas na rápida não é pra qualquer um.
    Agora uma pergunta vc acha que jogando assim o Federer pode voltar ser n 1º do ranking novamente, ainda mais por que Murray anda oscilando e Djokovic parece que perdeu a magia nem um deles até agora fizeram grande coisa na temporada e Nadal parece esta um pouco abaixo desses ainda, esse ano parece tudo muito em aberto ainda tudo pode acontecer mais se Federer ganhar esse torneio já começa muito bem a temporada.

    Qual sua opinião Dalcim sobre isso ?

    Responder
      1. Arthur

        Olha, Dalcim, eu sei que ainda falta muita água rolar por debaixo da ponte, mas o nº. 1 para o Federer já não parece um sonho muito distante, não.
        Se o suíço vencer IW, isso significaria que ele teria ganhado os dois principais torneios da temporada até aqui (AO e IW), somando 3.000 pontos.
        Enquanto isso, Murray vai caindo pelas tabelas, Djoko também, Nadal não parece mais ter armas para incomodar o suíço e Wawrinka não parece ainda ter a estabilidade e a gana de lugar pelo nº. 1 (o que, confesso, é uma pena).
        É certo que a ronda do saibro europeu não é exatamente um ganha-pão para o Federer, mas acho que ele não defende quase nada lá este ano. Logo, o que vier é lucro.
        Sei não… A continuar do jeito que está, não duvido do Federer voltar ao topo do ranking depois de WB.
        A conferir.

        Um abraço.

        Responder
  100. Logan

    Mestre.

    Grande partida do Federer, não abriu brechas para o Nadal. O backhand realmente foi fantástico e ontem diferente de outras partidas achei que a devolução do Federer melhorou demais.
    Agora encara o perigoso e inconstante Krigios, espero que ele abafe o Australiano também e ao final dessa semana vença mais um master. Mestre fiquei com uma dúvida, sabe dizer se a quadra do USOPEN é mais rápida que essa de IW?
    Já fico imaginando Federer voando baixo no USOPEN… E olhando o jogo do Federer, fiquei na dúvida se estamos mesmo em 2017, ou seria 2007? Federer jogando como no auge…exagerei mestre?

    Abraços!!!

    Responder
      1. Marco Dias

        Refere-se aos dois últimos torneios, né Dalcim? Pq historicamente/ultimamente me parece que o US Open era o que tinha o piso mais rápido comparando com o AO, procede?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          O AusOpen mudou muito mais a bola do que o próprio piso. E o US Open também usa Wilson, que é um pouco mais lenta, mas que pode ser alterada também.

          Responder
      2. FRANCISCO

        Mas mestre a quadra do Usopen sempre foi mais rápida do que a do slan da Austrália, o que o mestre quis dizer, não seria , mais lenta que a de Melborne desse ano? Talvez por causa da bola

        Abraços.

        Responder
      3. Anderson Castro

        Mas o piso do US Open era mais rápido que o da Austrália até pouco tempo. Seria interessante se o US Open também aumentasse a velocidade do piso.

        Responder
  101. Henrique Farinha

    Dalcim, o que admiro num cara como Federer, com 35 anos e que já ganhou tudo, é o gosto pelo que faz e ser suficientemente humilde para mudar algo para buscar evolução. A mudança de empunhadura no backhand, tornando-a praticamente semi-western para que ele pudesse bater mais à frente e atacar na devolução, quando antes ele usava apenas o bloqueio ou o slice, é algo admirável porque exige um bocado de horas de treino. Lembro-me de, quando criança, assistir embasbacado aos treinos de um outro atleta, de esporte diferente, o futebol, mas que sempre queria melhorar e ficava horas após o término das atividades dos demais: Pelé. Era absolutamente impressionante, quase surreal o que ele fazia, e é um diferencial importante daqueles que marcam a história. Vejo também Nadal buscando soluções, embora ainda não tenha encontrado o caminho. E ele não precisa mais disso, é apenas amor ao que faz. Esses caras farão um falta absurda quando pararem, precisamos aproveitar cada momento deles em quadra. Abs!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Esta característica e’ que fez ZICO, ser o meu maior ídolo no Esporte , caro Farinha. Este senhor Teimoso ( segundo P. Cleto ) , próximo aos 36 ( 08/08/17), sempre , de Annacone a Edberg , procurou melhorias. O destino fez que achasse um Contemporâneo seu, com Vitorias sobre os TOPs atuais, e com um Backhand angulado excepcional . A mudança de empunhadura , nesta altura do Campeonato, como disse Narck na transmissão, e’ coisa pra poucos. O Velhinho vai deixar saudades ! Abs!

      Responder
  102. Tom

    Vi apenas alguns lances do FEDAL. Quando Roger joga com o modo GOAT ligado, fica praticamente impossível pra quem está do outro lado vencer a partida, independente de quem seja. O arsenal completo que ele possui somada a experiência de tantos anos no circuito sempre fará dele um dos favoritos em todos os torneios que disputar, diferentemente de quem pensava que ele viria pra a passeio em 2017. Segurem o Leão, rivais !

    Responder
  103. James

    Atuação de gala de Federer, jogo bem mais tranquilo do que no AO 2017. O FH de Nadal no Backhand de Federer não o encomoda mais. Mais uma partida para salvar no HD de lembrança.

    Responder
  104. Marcelo

    Mestre, parabéns pelo blog.
    Dalcim e/ou amigos do site, onde o backhand do Federer esteve escondido esses anos todos? Ele está pegando na subida, com um tempo de bola absurdo. É isso mesmo ou a bola do Nadal está mais curta? Dedo do Lubjicic? Se for isso ele fez o que nem Tony Roche, Anacone ou mesmo o Edberg conseguiram fazer. Admirável.
    Ótimo dia para os brasileiros nas duplas. Acho que a a parceria Kubot/Melo engrenou. O Polonês tem jogado muito bem. Outra dúvida que nunca me esclareceram. Pq nas duplas alguns canhotos recebem na direita e o destro na esquerda, casos dos Bryans e Murray/Soares.

    Abração

    Responder
  105. Rubens Leme

    Pode parecer piada, mas as voltas de Federer e Nadal oxigenaram o tênis. Não dava mais para suportar os chatos e sem carismas Murray e Djokovic com seu maratênis.

    Seria ótimo vê-los dividindo os Slams de 2017 entre si, com Federer terminando o ano na ponta e dando adeus ao circuito em altíssimo nível.

    Sonhar é permitido, e depois desses primeiros meses, por que não?

    Responder
    1. Arthur

      Concordo, Rubens.
      Mas confesso que queria ver um pouco de renovação no circuito, também.
      No melhor dos meus sonhos, Thiem ganharia RG, Wawrinka WB (fechando o career slam) e Zverev venceria o USO.
      Apesar de ser federista, não vejo maiores problemas em o suíço passar o resto da temporada sem mais nenhum major.
      Do jeito que ele está jogando, acho que em 2019 vem o 19º em WB, hehehe…

      Um abraço.

      Responder
  106. Guilherme Carvalho

    Dalcim,
    o jogo do Federer contra o Kyrgios pode ser o mais preocupante para ele, mas em caso de vitória de Indian Wells, já começa os cálculos para um possível número 1 de Federer, levando em conta que Andy e Novak estão muito mal nesse início de temporada e no ranking de Londres, Federer começaria abrir uma vantagem. Será que ele se dedicaria ao tour de saibro para tentar o número 1?

    Responder
      1. Eduardo

        Acho que ele pode aprontar no saibro. Sempre lembrando que o Federer sabe jogar muito bem no saibro e a ausência de mais títulos no barro tem um nome, Rafael Nadal. Se este não existisse o Federer teria muito provavelmente ensacolado diversos troféus a mais, inclusive de Grand Slam.

        Responder
  107. Evaldo

    Cada dia que passa está vindo à tona outra qualidade surpreendente do Federer. É que nem o vinho: quanto mais velho, melhor!! Ou então é como o leão da montanha: quando não se vê ou se pensa que está morto, ele sai da penumbra e ataca a vítima com um salto inesperado, potente e mortal, direto no pescoço e na jugular!!! Incrível a capacidade desse tenista de se superar e se renovar!! Idade?? Só se for a do senhor Robert Federer. Roger parece imortal!! De outro mundo!!!

    Responder
  108. Robson Borges

    The Neo Backhand, by Federer.

    Incrível o nível deste novo backhand: ágil, acelerado, preciso e muito, muito bonito. Realmente a escola Suíça possui os mais belos golpes do circuito.

    É muito difícil evoluir sempre, ainda mais pra alguém que já viveu e venceu tanto. Buscar motivação e se manter entre os tops aos 35 é algo muito difícil de se atingir.

    Além do já conhecido talento, agora o clássico conta com o controle mental muito forte por parte do Federer, fazendo com que, mesmo o Nadal buscando alternativas, o jogo esteja sempre na mão.

    O Nadal é sensacional, um atleta forte e perigoso, mas sempre respeitoso. Estes dois caras estão, absolutamente, em um nível acima. Número 1 e 2 em slams, maiores vencedores no saibro e na grama. Lendas.

    Independentemente do título, Federer cada vez mais impõe um estilo de jogo, além de bonito e agressivo (quase kamikase), muito difícil de ser jogado. Sempre buscando as linhas, batendo de dentro da quadra, com a bola na subida. Quem tenta jogar tênis, como eu, sabe a dificuldade disso. O backhand de uma mão exige muito equilíbrio, tempo de bola… Rebater bola do fundo da quadra, meu filho de 11 anos já faz, com bastante facilidade. Mas elevar a este nível, com estilo ainda, é outra historia…

    Sobre Nick Kyrgios, até agora um super campeonato, apesar do destempero desnecessário.

    Sobre Djokovic, não cabe a um grande campeão tanto teatro e “xiliques”. Está a quase 1 anos em jogar no nível de 2011 e 2015, anos em que dominou. Esperamos que se reencontre rapidamente, é bom para o esporte.

    Abraços.

    Robson Borges

    Responder
  109. Daniel

    Federer foi mais genial do que havia sido na final do AO. É uma pena que esse cara vai se aposentar, ninguém chega perto do que ele faz em quadra quando está inspirado.

    E o Djokovic hein? Mais chiliques. Deu risadas irônicas e balançou a cabeça depois de boas jogadas do Kyrgios (dando a entender que o australiano tinha tido sorte nos lances), quebrou raquete, bateu com força na bolinha, chamou a torcida… Ele realmente não sabe perder, é muita arrogância e falta de profissionalismo. Mas eu imaginava isso. Se mesmo em 2015 o cara tinha essas atitudes em jogos em que estava ganhando, imagina em má fase. A tendência é ele pirar cada vez mais com a eminente decadência que o tempo trará. Mas enfim, já estava na hora da concorrência dele melhorar. Ele soube aproveitar bem uma fase ruim de Nadal / Federer e a ausência de novos jogadores. Parece que finalmente estão aparecendo jogadores mais jovens com capacidade de fazer estrago, afinal possuem um físico melhor, e o sérvio sempre se destacou mais pelo físico do que pela técnica, assim como Nadal…

    Responder
    1. FRANCISCO

      Novak sempre foi assim, de quebrar raquete falar palavrão, reclamar murmurar, quem o acompanha desde o início sabe disso.

      Quando começou sua grande fase, em 2011, diminui os seus xiliques, mas se ele não conseguir reverter o que está acontecendo, isso pode voltar a ser normal (os xiliques).

      Responder
  110. João Marcelo

    Eh notável que um jogador de 35 anos, que já ganhou tudo de tudo ainda busque ser ainda melhor, mesmo já sendo o maior de todos. O que era a sua fraqueza passou a ser uma arma letal. A tática de bolas altas com spin na esquerda do federer já não surte efeito, porque ele está entrando batendo em todas, pegando muito na subida. Pena que ele só encontrou o jeito de ganhar do Nadal agora ao final da carreira. O jogo de ontem foi uma verdadeira surra, muita superioridade.

    Responder
  111. Daniel

    Dalcim,

    Há momentos no tênis em que o ranking da ATP não condiz com a realidade. Pode-se até dizer que isso ocorre o tempo todo, ou seja, que sempre há jogadores com um ranking que não é compatível com a qualidade do seu jogo, o que se dá por diversas circunstâncias (lesões, uma fase ruim, uma campanha espetacular de um jogador medíocre etc), mas no atual momento esse desarranjo ocorre de uma maneira bem mais acentuada do que o normal. Apesar de todos os seus méritos no ano passado, não se pode falar que Andy Murray esteja jogando o melhor tênis da atualidade. Aliás, quando penso em qual seria, hoje, o tenista com o melhor desempenho, a resposta não é uma barbada como nos tempos em que Federer, Nadal ou Djokovic dominaram o circuito. É como se vivêssemos o início de um período de entressafra como aquele que ocorreu no começo dos anos 2000, em que o reinado de Sampras e Agassi começou a esmorecer e tivemos uma alternância grande no topo do ranking e de vencedores de slams, situação que perdurou até Federer assumir o primeiro posto do ranking e deixar todo mundo para trás. E o mais curioso desse momento é, pensando em qual seria o melhor tenista em atividade hoje, penso em dois nomes, um veterano e o outro um jovem: Federer e Kyrgios. O senhor concorda que esses dois, Dalcim, estejam jogando o melhor tênis do mundo nesse início de 2017, o que torna o futuro embate entre eles num dos jogos mais interessantes dos últimos meses?

    E uma curiosidade: em quem o senhor aposta como líder do ranking no final da temporada?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que falta a Kyrgios sequência e portanto campanhas fortes nos grandes torneios, além claro de ajustar a cabeça. Acho que Thiem nesse aspecto está mais consistente em 2017. Mas Fdderer é disparadamente o destaque do sno. Puxa ainda é cedo. Neste momento ainda diria que o Murray ainda termina como 1.

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      O ranking da ATP é o que há de mais justo para definir quem é o melhor jogador. Se o atual #1 não condiz, é uma questão de tempo para que o mesmo despenque. E é crucial que demos esse tempo. A não ser que ele volte a vencer tudo, como fez no segundo semestre do ano passado, ou seja, quem vence muito sobe, quem não, desce. Você mesmo está projetando Federer como #1 ao final da temporada. Simplesmente porque ele começou a vencer de novo.

      Responder
  112. Fernando Godinho

    Eu fiquei assustado com esse backhand do Federer ontem, muito fundo e forte, quem diria que um dia o golpe de backhand do Federer menos eficiente num jogo iam ser os drops (os 2 que tentou foram bem fraquinhos).
    E o Kyrgios, nem lembro quando foi a última vez que alguém ganhou 2 jogos seguidos do Djoko.
    Dalcim, vc aposta em quem se o Kyrgios entrar focado contra o Federer?

    Responder
  113. Mateus

    O backhand do Federer se transformou numa verdadeira “armadilha” pros adversários… e olha que ele nem anda usando muito o slice… sensacional!

    Responder
  114. Anderson

    “Na hora do tiebreak, falhou mentalmente, como aconteceu no hora decisiva dos dois sets lá no México.” Não sei se concordo que o problema foi mental. Quero dizer, não foi apenas no tiebreak. Comecei a assistir em 2/2 no segundo set e devo dizer que o Kyrgios nos games de saque estava muito melhor que o Djoko, tanto que confirmava sem dificuldade. Já em 5/5 Kyrgios teve duas chances de quebra pra sacar com 6/5 mas o Nole salvou, nessa hora pensei: “É… Não vai adiantar salvar esses breakpoints, o jogo vai pro tie-break e o Djoko certamente vai perder porque o Nick tá sacando muuuuito melhor”. Eu diria que foi menos falha de mentalidade do Novak Djokovic e mais mérito técnico do Nick Kyrgios (e por que não mental também? Pra sacar daquele jeito, a confiança tem que estar lá no alto).

    Responder
      1. Anderson

        Exato, Dalcim, as quebras foram todas em ralis e ENF, mas sempre no saque do Djoko. No serviço do Nick, o Djokovic não conseguia devolver de forma favorável a tomar o controle do rali. Como você mesmo disse, o Kyrgios nos ralis foi bem em variar o suficiente pra mexer fisica e mentalmente com o Djoko, enquanto o Djoko não tinha chance de fazer o mesmo com Kyrgios quando o serviço era deste, porque o australiano estava sacando demais. Pro Djoko ter mais chance de virar, o saque do Kyrgios teria que estar menos afiado.

        Não estou negando que o Nole falhou mentalmente no tie-break, estou querendo dizer que o mérito do Nick em não dar muita chance nos seus serviços foi mais determinante que o demérito do Nole em perder a cabeça. E não só no tie-break, o tiebreak foi só um reflexo dos games anteriores.

        Responder
  115. Leonardo lima

    E quanto ao kyrgios, vc tem razao Dalcim , tem um talento espetacular e não tem medo de ninguem , se ele focar na carreira e diminuir a loucura, numero 1 facil nos proximos 5 anos
    Concorda ?

    Responder
  116. Marcos

    Bom dia Dalcim, o que explica a teimosia do Federer em, depois de tantos anos e derrotas para o Nadal, repaginar tática e tecnicamente a esquerda? Um técnico pode fazer tanta diferença assim? Lembro-me que antes de 2005, ou seja, antes do “efeito” Nadal sobre o seu jogo, Federer tinha senão o melhor, um dos melhores backhand do circuito. Mas me parece que certa arrogância de grande jogador que é, tipo “eu ganho a hora que quero”, o fazia menosprezar uma mudança tática e técnica. O que presenciei ontem foi uma “fruição”, um deleite e uma das melhores experiências estéticas dessa era tenística. Meu grande abraço a você e a todos os colegas desse blog sensacional!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida o técnico é importante mas o tenista tem de estar muito determinado ao trabalhar um golpe. E isso é ainda mais expressivo se ele tiver quase 20 anos de circuito. É msis uma lição do suíço ao tênis.

      Responder
  117. Leonardo lima

    Bom dia Dalcim
    Sempre aconpanho indian wells, o melhor master do circuito, e nunca vi uma quadra tao lenta como nesse ano, parece que a bola não anda , ontem o wawrinka se esforçava ao máximo para dar velocidade na bola, acho que por isso foi tão dificil bater o japones tao defendivo ( o jogador mais defensivo que ja vi kkkk ), talvez se explique tantos jogadores de saibro nas quartas,
    O que acha dalcim da lentidão , é a quadra ou as bolas ?

    Responder
  118. Luiz Fernando

    Como eu disse anteontem, quem viu o semblante e o nível de jg do Rafa contra o argentino não poderia ocorrer outra coisa ontem: foi dominado por Federer, que vem em excelente fase. Desde o início Nadal esteve acuado pelo suíço, que venceu com amplo méritos e, não pelas perdas precoces de caras q estão a sua frente frente no ranking, mas por indiscutíveis méritos pessoais, não temo em afirmar q ele se credencia como o grande favorito p vencer o torneio. Qualquer outra afirmação seria injusta p com Federer. Quanto a Rafa, deve se concentrar na fase de saibro.

    Responder
      1. Alice

        Bruno, não sei no que isso vai mudar na sua vida, mas foi no Australia Open de 2014. Aliás, Nadal bateu Federer em sets diretos (foram 3) na quadrinha dura. :P

        Responder
  119. José R.

    Esse jogo foi show…
    Bonito de ver o Federer jogando, disparando winners de direita e esquerda.
    Acho que o Nadal tinha que melhorar o saque, deve ser muito desgastante ter de jogar todos os pontos e ver que o adversário muitas vezes se salva com aces em momentos de tensão!!

    Dalcim,
    Se o suíço confirmar o favoritismo em IW começa a sonhar com o número 1 ao final da temporada ou ainda tá muito longe pra isso?

    Responder
  120. Fabio

    Dalcim, que ano que os líderes do ranking vem tendo!! Muito engraçado pensar que o Murray dispara ainda mais no ranking, mesmo tendo perdido na primeira rodada. Você acha que esse mal momento do Djoko faz com que o Murray fique “relaxado demais” é isso afeta o jogo dele? Qual dos dois você está mais surpreso pelo mal ano?
    Abraço!!

    Responder
  121. Vítor Barsotti

    Que belo presente tivemos ontem com as vitórias do tênis ofensivo. Deu gosto de ver Kyrgios e Federer atuando. Não sei se podemos ser tão otimistas de acreditar que é o fim da hegemonia do maratênis mas já dá pra sonhar.

    E o Federer, hein? Que primor de jogo. Do jeito que as coisas andam esse ano, vou torcer por mais um Fedal em RG. Afinal, se for pro suíço vencer mais uma por lá, que seja passando pelo Nadal dessa vez!

    Responder
  122. Pedro

    Dalcim, realmente o tênis em 2017 melhorou muito como espetáculo com a volta dos grandes Nadal e Federer em alto nível e a melhora das promessas como Kyrgios. Mas eu gostaria de saber o que está acontecendo com Djoko? Nunca fui fã do sérvio, mas sempre reconheci sua qualidade nas quadras, o que é facilmente visto pelas estatísticas (ele tem o maior aproveitamento entre vitórias e derrotas na carreira), mas não parece ser apenas desmotivação, parece algo mais psicológico ou talvez pessoal, visto que é evidente sua postura não tão aguerrida como antes. E isso é uma coisa que muitos vêem, e que foi até alvo de comentário em TV paga em transmissão de jogo.

    Responder
      1. Jose Yoh

        Parece-me que não está tão bem fisicamente também. Vi ele subir com mais frequência à rede (o que não é sua praia) e defender com a esquerda de modo estranho. Em algumas bolas sequer saia do lugar.

        Responder
  123. Rafael

    Federer deu aula, deu surrou e desrespeitou Nadal devolvendo saques do rival dentro do T. Acho que foi um dos melhores jogos de sua vida. Impecável. Uma vitória acachapante destas mais a Vitório de Kyrgios acabam com esse mimimi de quadra lenta ser bom pra um ou pra outro. Muito miiimi com relação a essa história de quadra lenta. Quem é bom joga e se adapta a qualquer superfície. Sou torcedor do Nadal, resignado…

    Responder
    1. FRANCISCO

      A atp devia criar vergonha na cara e heterogeneizar as quadras, o jogo, e não deixar a mesmice. Estão jogando no saibro vermelho, azul e verde.

      No Ausopen, infelizmente, parece ter sido um ponto fora da curva, não sei se por causa da organização do torneio ou por causa da Itf.

      Responder
  124. Pieter

    Vitória inesquecível do Federer! Confesso que me surpreendi com o placar tão elástico mas que foi consequência natural do nível de jogo absurdo do Federer. Como jogou bem ele!
    Dalcim, em tese, o que o suíço deverá fazer para superar o também fenômeno australiano, em uma quadra que parece bem lenta? Essa lentidão favorece mais a quem?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Quando você enfrenta um grande sacador, a primeira meta é não perder o próprio saque. Kyrgios ainda não é um bom devolvedor e acredito que Federer vai deixar a bola bem baixa no backhand nas trocas.

      Responder
    2. Sergio Ribeiro

      ” Com seus inacreditáveis 16 anos, Nadal venceu o então N 1 do Mundo mostrando o que viria a ser … ” Na boa ,Peter. Desde quando em 2004, o Espanhol possuía esta idade ? Os citados pelo Dalcim , foram Todos mais precoces. E o mais jovem N 1 do Mundo, acredito que o amigo saiba, que foi um Conterrâneo de Kyrgios , sentado ontem em seu Staff. Agora ,jamais vi em TODA a ERA PROFISSIONAL, alguém perto dos 36 ( e não 16 rsrs) , jogar num nivel tao elevado , e sobre o seu maior Carrasco no Barro, 2 x 13. Fora dele, 11 x 10 para o Craque incluindo as duas ultimas FINAIS. Abs!

      Responder
  125. Leo

    Um detalhe sobre a parte do texto que fala do Nishikori:
    Ele não perdeu para o Nadal uma final de masters, perdeu pq se lesionou. Ele estava e vencendo e bem.

    Responder
  126. André Borges

    Hoje o Kirgios destruiu o Djokovic mentalmente. Aquela postura de “eu jogo demais e não dá pra você, você sabe disso” foi acabando com o sérvio ponto a ponto. Se o Kirgios seguir jogando assim fica beeem difícil ganhar dele, porque o talento é absurdo, se se impuser mentalmente assim…

    Responder
  127. Luiz Evandro Foggetti Ferreira

    Dalcim, a possibilidade do Nadal jogar mais agressivo, tão comentada por todos nós, ficou evidente a dificuldade que ele tem de responder saque mais na frente. Foi comentado isso pelo Nark Rodrigues na transmissão pelo Sportv. Ele fica perdidinho, responde o saque no T. Também venho percebendo que ele poupa muito os joelhos em quadra dura, difícil ver ele correr e apoiar bruscamente como fazia. Essa velocidade de pernas sempre foi seu ganha pão e piorou muito em IW.
    Será que ele está 100% fisicamente? Acho que pela primeira vez na carreira, Nadal está perdido contra o Federer. Federer achou o antídoto com sua nova esquerda. Nadal hj foi pra pancadaria, e o Federer adora um jogo rápido. Resultado: 6/2 6/3.
    Na minha opinião, deveria devolver saque mais atrás, 3 a 4 passos da linha, jogar com bolas altas na esquerda, o velho e bom ganchão, e correr. Kyrgios deu uma aula de sabedoria hj, jogou bola no meio/sem peso contra o Djokovic, fora de suas características.
    Abraços Dalcim

    Responder
    1. André Barcellos

      Engraçado, no jogo que eu vi o Nadal tentou tudo isso e ainda assim não deu.
      Quando ele ficava muito atrás pra devolver, Federer abria mais o saque e aí era ace ou “one, two, point”

      Responder
  128. Fernando Pauli

    Acabei de rever agora os melhores momentos em: ” https://youtu.be/1mILJW4Vj0w“. Fiquei impressionado com a intensidade em todos os golpes do Federer não dando tempo do Nadal sequer pensar no que fazer. Essa intensidade ficou ainda mais expressiva do que no AO que é uma quadra mais rápida que esta de IW.Na verdade foi um verdadeiro massacre parecido com aquele no Finals. Se o Federer jogar com essa intensidade contra o Kyrgios ganha, mais não vai ser nada fácil. Escalada complicada nese quadrante até a final pois na sequêcia tem Sock ou Nishikori. Mas torço para uma final entre Fedrer e Thiem, pois o outro suiço ta caindo pelas beradas. Go FEDERER!!!!

    Responder
  129. Sergio Ribeiro

    Cade o N 2 , Maior e Melhor ? Basta uns gritinhos para voltar a ser Comedor de Fígado e ter sangue nos olhos , e jogar como em 2015, contra um Del Potro vindo de serias lesões . Coisas de Robson e CIA. Abriu muito a diferença a favor do N 1. E a falta de ritmo do Craque Suíço ? Winners inacreditáveis de todos os lugares da quadra. Os descrentes em Ljubicic , devem estar em apuros. E o tal h2h ? Podem pesquisar a vontade , que não existe precedentes de ser diminuído por alguém CINCO anos mais velho. Caiu todo Mundo e surgiu o maior candidato a N 1 , em décadas. Kyrgios somente precisa do Mental. De resto , possui golpes de exceção. Se sacar como hoje , vence o Craque. Como não acredito , continuo com o Velhinho. Abs!

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Se Del Potro passar mais 5 anos jogando como jogou essa semana, toda vez que ele perder você continuará alegando “retorno de contusões”?

      Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Del Potro foi o responsável pelo Servio não possuir medalha Olimpica ( o bateu em duas consecutivas ). E venceu seu único SLAM em cima do Suíço , em emocionantes 5 Sets. Suas Cirurgias no Punho , são verdadeiras. Esta’ longe do seu melhor , assim como Novak. Simples assim. Abs!

        Responder
  130. Marcos RJ

    Não foi um massacre, mas foi muito próximo. A quadra é lenta – o que na teoria ajuda Nadal -mas vale lembrar que a velocidade da bola antes de tocar no solo é bem alta por conta do calor e baixa umidade do deserto -que ajuda Federer. Acho que no conjunto era um território neutro e a vitória foi mesmo magnífica.
    Kyrgios vai estar motivado na 5a feira e promete jogo duro, mas acho que a experiência e confiança em alta do suíço vão fazer a diferença no 3o set.

    Responder
  131. Nando

    Mestre, uma sugestão (não sei se é possível) : não tem como o pessoal do hardware adicionar a opção “”novos comentários”” para podermos lê-los mais fácil em vez de procurarmos?

    E quase o anão japonês elimina o Wawrinka…aliás ele lembra o Coric, defensivo , passando bola esperando o erro do adversário…mas pode melhorar, e se isso acontecer, o Japão pode pensar em ganhar a Davis hein kkkkkkk, foi assim com a Suíça e foi assim a Grã Bretanha, pois antes ambos só tinham 1 jogador de simples.

    E o Rei elevou o nível, jogou mto…q continue assim, jogo a jogo, comendo pelas beiradas…rumo ao título.

    Responder
  132. Luis

    Dalcim Federer em uma grande noite contra Nadal com a queda dos rivais acho que se transforma no favorito em Indian maluco rs,mas tem o australiano Kyrgios no caminho tomara que nao esteja como contra Djokovic,apesar de Federer se da bem contra grandes sacadores,torcendo pro suico ganhar mais um masters,Wawrinka do Luiz Fernardo venceu rs, continua favorito no seu lado do torneio pra final talvez contra o seu amigo Federer,Dalcim Federer poderia sonhar com numero 1 se ganhar Indian ? Pelo menos no ranking da temporada acho que aumentaria diferenca como primeiro

    Responder
  133. VALDRIANO

    ah esse kyrgios em mestre, derrubou sua previsão. primeiro usou e abusou do talento pra despachar o zverev com muita categoria, agora saque destruidor tanto 1° quanto 2°, movimentação leve e dinâmica e muita regularidade, o sérvio teve que fazer mágica pra levar o 2 set ao tiebreak, só falta o crazyboy equalizar a cabeça, se ajustar os parafusos da cachola dominará o circuito .

    Responder
  134. O LÓGICO

    FOI APRESENTADA QUEIXA CRIME CONTRA ROGER FEDERER KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    AUTOR: ROBOZINHO DOS QUINTOS KKKKKKKKKKKKKKKK
    ADVOGADO DO AUTOR: DOUTOR DARTH VADER kkkkkkkkkkkkkkk
    FÓRUM: BARRA FUNDA, SP KKKKKKKKKKKKKKKK
    QUEIXA: ATENTADO AO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA KKKKKKKKKKKKKKKK
    FATOS: humilhação pública imposta ao autor pelo réu no Masters de Indian Wells kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Entuba mais essa nadalzetes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  135. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Acho que realmente não tinha muito o que o Nadal pudesse fazer hoje. Federer foi quase kamikaze e entrou tudo. A grande diferença do Federer hoje é que ele é o único jogador do circuito (a meu ver) que de fato está no circuito apenas por diversão! Ele não se importa mais de perder ou não. Ele está ali porque gosta e não tem mais nada a provar a ninguém. Logo está jogando mais solto do que nunca pois pressão ou nervosismo não existem mais pra ele. Para finalizar o título da australia em cima especialmente do Nadal, deu-lhe enorme confiança, a ponto de tudo que tenta esta dando certo. Jogando dessa forma ele será muito perigoso na temporada.

    Obs: o Nishioka me assustou hoje, assumindo o lugar do murray como estilo de jogo mais chato e medroso da história. Ele não fazia a menor questão de atacar Wawrinka e nem mesmos e forçar o erro, só devolvia tudo no meio esperando o erro. Me lembrou muito jogos amadores de clube em que o cara q joga bem se cansa do jogo passador do outro e entra na pilha com medo de arriscar, e fica aquela trocaçao de bolas sem peso no meio da quadra eternamente.

    Abraços

    Responder
  136. Guaraci Francisco Gonçalves

    Foi uma ótima partida. Não foi melhor porque Nadal estava um nível abaixo da final do Australian Open. Mas dá um prazer enorme ver o Federer com 35 anos jogando com essa beleza plástica inigualável. Mesmo quem não é torcedor dele, acaba reconhecendo que Roger continua fora de série

    Responder
  137. Helena

    Quando Djoko caiu no AO fiquei bem preocupada, mas com essa derrota ao Kyrgios nem tanto. Acho que aquele Nole de 2015 não perderia esse jogo, mas jogar como o Nole de 2015 também não é a regra, hehehe. Achei que ele jogou bem perto do que é capaz, mas o mau humor ainda tá pegando. Não sei se tem algo físico, mas senti que ele pode estar considerando mudar um pouco no jogo. Parece apostar mais nas subidas à rede e nos voleios, algo que ainda precise ser trabalhado, embora já tenha melhorado bastante.
    Quando ao Kyrgios, que saque! Pistol Pete apoiaria essa ousadia no segundo serviço. Dalcim, você acha que tem alguém sacando melhor que o australiano atualmente?
    Estava torcendo para Nole, mas agora torcerei para o vencedor de Federer x Kyrgios, que com certeza vai ser um espetáculo e tanto.

    Responder
  138. Calson Pinheiros Rodovalho

    Só me lembro o Dalcim dizendo que a troca de técnico para Lujbicic foi a pior da carreira de Federer. Porém um ano depois acho que é unânime a opinião de que Lujbicic atualmente é o melhor técnico entre os grandes nomes.
    Djokovic agora vai ter que se acostumar com essas derrotas precoces, e lembremos que ele teve que salvar vários MP’s contra Amarelasco no único torneio que ele conquistou no ano.

    Dalcim, do jeito que as coisas vão se encaminhando, Federer consegue o n1 de volta?

    Responder
  139. André Pires

    Não gosto de desmerecer o Nadal pelo incrível H2H que tem contra o Federer. Talvez por começar a acompanhar o esporte (e o suíço) apenas a partir de 2011, não sinta tanto as derrotas que aconteceram antes daquele ano. Mas um período que realmente não gosto da rivalidade entre eles foi naquele horrível 2013 do Federer e que coincidiu com um fantástico ano do espanhol, que não tinha nada a ver com os problemas dos outros e que além de vários títulos resultou em 4 vitórias a mais contra o suíço. Apesar de tudo, nunca deixei de acompanhar o Federer, apesar das sofridas derrotas pra o Djoko nos anos que vieram. Mas esse 2017 já valeu bastante pra dar um toque especial em uma das maiores rivalidades esportivas de todos os tempos.

    Responder
    1. FRANCISCO

      Isso é ser torcedor, parabéns, e nao como meia duzia que existe por ai, os chamados modinhas.

      JÁ ESTÃO ESCONDIDOS.

      COMO OS CARAS ESTÃO SOFRENDO

      Responder
  140. Edgard upinho

    Dalcim, grande mestre, apesar de comentar pouco sempre acompanho seu blog e confesso que cheguei a discordar quando via vc escrever sobre Kyrgios. Não poderia está mais errado kkk. De qualquer forma, vejo Djokovic cada dia mais regular em quadra e insatisfeito com os resultados e com derrotas como a de hj. Creio que ele em breve recuperará seu nível normal de jogo. Outra coisa, Dalcim: com esse mal momento de Djoko e Murray, e com as atuais posições de Federer e Nadal no circuito, começo a considerar que nesse ano de 2017 Roger possa diminuir consideravelmente essa desvantagem nos confrontos diretos com o espanhol, já que Nadal não parece ter, no curto prazo, solução para o novo backhand e estilo agressivo de Roger, que além de tudo, está com uma direita afiadíssima e batendo de tudo quanto é lado da quadra. O forehand na corrida melhorou consideravelmente e noto tb que as devoluções de saque estão mais fundas. Pra um senhor de 35 anos, jogar num circuito como este, onde o físico manda demais e jogando contra verdadeiras fortalezas físicas, como o touro miura, é realmente impressionante. Federer realmente é um gênio e o maior desse esporte. Espero que ele belisque pelo menos mais um slam nessa temporada. Seria lindo q ele levasse em RG ou winblendon ou nos dois kkk. Abraço, Mestre.

    Responder
  141. André Pires

    Aparentemente o Delpo vai entrar solto em Miami (se não houver mais alguma desistência), ou seja, algum cabeça de chave vai enfrentá-lo na R2. Quem será o “sorteado”?

    Responder
  142. Rodrigo S. Cruz

    Escuta só essa, Luis Fernando…

    O que você acha de passar uns dias hospedado num ambiente bem calmo, sereno e bucólico?

    Eu particularmente recomendo pra você o famoso e relaxante SÍTIO-SPA do Robson rs.

    Sim. Porque num só dia você ter de engolir as vitórias de: Bellucci, Federer, Kyrgios e Wawrinka, não deve ser nada fácil pra você…

    Isso sem esquecer do vareio que o Conan tomou do melhor da história…

    A boa notícia é que lá no sítio não tem televisão e nem internet, né. E assim você não precisa assistir a mais um GOAT-SLAM.

    Kkkkkkkkkkkkk

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>