A magia está de volta
Por José Nilton Dalcim
2 de janeiro de 2017 às 22:42

Sinceramente, pouco importaram a vitória, o placar, o adversário, o torneio. O que valeu foi rever Roger Federer executar a maestria que leva estádios superlotarem. Seu primeiro jogo desde a semifinal de Wimbledon, seis meses atrás, durou apenas 61 minutos. Mas ainda assim houve tempo de sobra para se ver o saque preciso, o forehand agressivo, voleios e smashes perfeitos, backhand variado.

Federer jogou solto desde o primeiro game contra Daniel Evans, e quando isso acontece é uma delícia admirar seu inesgotável arsenal. Ele usou muito o serviço com slice, forçou paralelas dos dois lados e foi inevitável o ‘ohhhh’ dos 13 mil torcedores quando ousou usar o ‘sabr’. O britânico até que jogou direitinho, mas a distância técnica é grande demais.

O suíço se deslocou bem, correu atrás de todas as bolas. Dois fatores importantes: não economizou esforço e não houve qualquer sinal de problema com o joelho. Em termos competitivos reais, os testes diante de Alexander Zverev e Richard Gasquet – e tomara uma final contra Nick Kyrgios – serão bem mais importantes. O alemão tem saque e golpes de base muito mais forçados, a Gasquet sobra experiência.

Já Novak Djokovic demorou a entrar em jogo diante do bom alemão Jan-Lennard Struff. Sacou de forma insegura, perdeu os dois primeiros games de serviço e se viu 4/0 e 5/1 atrás. Pouco a pouco, foi se achando. Contou com a falta de determinação do oponente na hora de fechar e a partir do tiebreak já era o Nole que conhecemos.

O número 2 do ranking diz que precisou ajustar mentalmente a situação e que os pés não se mexiam de forma ideal, mas que ele sabia que era uma questão de ter paciência para achar o ritmo certo. Assim como Federer, um jogo é muito pouco para qualquer avaliação mais profunda. O importante acima de tudo foi superar a estreia e seguir em frente.

O sorteio da chave de Doha encaminha a decisão de domingo entre Djokovic e Andy Murray. Há pouca gente no caminho que possa evitar isso, ainda mais do lado do sérvio. Murray estreia nesta quarta-feira contra o experiente mas limitado Jeremy Chardy.

Brasil 2017
O tênis brasileiro já está em quadra nesta primeira semana. Thiago Monteiro nem passou da estreia, Rogerinho Silva tenta se preparar em Chennai. Vivem momentos distintos. O canhoto cearense tem uma temporada de afirmação pela frente. Muitos pontos a defender, adversários e torneios desconhecidos, um nível totalmente novo a encarar. Tomara que consiga ganhar alguns jogos para não afetar a confiança. Rogerinho por seu lado está em clima de bônus e manter-se no top 100 é o bom desafio.

Thomaz Bellucci sempre é a maior esperança. Agora ‘trintão’ e casado, tem planos ousados para 2017. Jogador perigoso quando adquire confiança e embalo, precisará de sorte na formação das chaves até ao menos recuperar o posto entre os top 40. Deveria aproveitar Rio e São Paulo para ter grandes campanhas e arrancar.

O feminino é uma total incógnita. Teliana Pereira tem de remar tudo de novo, Paula Gonçalves começa com muito a defender e Bia Haddad deu incrível azar com acidente caseiro que adia perigosamente seu calendário. Essa menina precisa de uma benzedeira.


Comentários
  1. Sergio Ribeiro

    Presepadas irritantes do Servio ‘a parte , ele e Andy atingim o ano dos 30 ( junho) , jogando muito. Dificilmente alguém em 5 Sets, os tiram da Final do AOPEN. Gostei muito da postura do ” Cabeça Fraca” defendendo o N 1. Mostrou uma enorme maturidade. Contemporâneos na ACEPÇÃO da palavra, o h2h de 25 x 11 não impede um imenso equilíbrio. Andy Murray anda proporcionando jogos a altura de seu enorme talento. Os outros que corram atras de ambos. Abs!

    Responder
  2. Rafael

    Tinha que ser o Djokovic para quebrar a sequência de 28 vitórias seguidas do Murray. Não seria tão bacana se não fosse ele, sem desmerecer nenhum outro. Só faz bem à rivalidade que a cada dia mais tender a ser o futuro imediato do tênis.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pode ser, mas eu duvido muito.

      O Djokovic só não perdeu do Verdasco por milagre, e capengou toda a semana

      Não fez nada de diferente pra salvar aqueles 5 matchpoints, e o Verdasco entregou de maneira bizarra.

      Já o Murray tá voando. Difícil..

      Responder
      1. Roger

        Pra mim, o fator decisivo: infinitas trocas de bolas com mais de 20 tiros acabam com o corpo e cabeça dos jogadores.
        E de novo, o Murray corre bem, mas quem tinha o turbo melhor era o Djokovic. O cara estava tão louco e com os olhos tão arregalados que parecia que estava numa rave. E digo mais: se o jogo tivesse mais 4h, ele correria igual e ao final ainda sairia pulando. Sei não!

        Responder
  3. jeremias

    Cara, me diz uma coisa, esse narrador do Band Sports é biruta? Ele disse que Djokovic tinha 15 Slams, depois baixou pra 11, e para acabar tudo disse que Murray tinha 9, isso mesmo, 9 GS!!. E o Saretta confirma!!!!

    Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Um ato falho do considerado a ” Voz das Olimpiadas”. Narrou DEZ. A garotada nem pode supor que ao sair da Band, narrou na Globo a eletrizante Final de Wimbledon /82 , entre Connors x Big Mac em 5 Sets. No mesmo ano , ao vivo no Fantástico , a medalha de Ouro de Ricardo Prado. Andy enlouquece a Todos com suas 11 Finais de SLAM. Mas o Cara não e’ tao velho não, apenas dois a mais que o Dalcim rsrs..Abs!

        Responder
    1. Marcão

      O Saretta não teve culpa. O Alvinho errou tão feio, mas com tanta convicção, que por um breve instante eu esfreguei as mãos acreditando que Murray fosse atrás do décimo em Melbourne.

      Responder
  4. Sergio Ribeiro

    Federer demonstrou o acerto na escolha da Copa Hopmam para o seu retorno. Seis jogos , com direito a bater Gasquet no ultimo em Sets Diretos ( a única derrota do Frances na competição , com direito a Sets diretos em cima de Zverev e vitoria sobre Stock na decisão ) . E’ obvio que com o famoso h2h de 24 x 11( isto lembra algo ? ) , Novak e’ o favorito frente ao seu freguês Andy ( como pode o Britanico perder tanto para seu maior Rival rsrs). Aquele do Arsenal fraco, bate STANIMAL de novo. E o estacionado Dimi acaba com a festa de Raonic. Alguém tem palpite ? rs. Abs!

    Responder
  5. Aurélio

    Que desespero…. achar que vitória sibre Mischa Zverev é alguma coisa… Pequeno choque de realidade para o carranca… E parece que ele está gemendo ainda mais alto pra ver se a bola anda mais….

    Responder
  6. Luiz Fernando

    A tarde tive a oportunidade de ver o jg do Rafa e tenho q admitir q Raonic venceu com méritos, apesar de Nadal não ter decepcionado. A bola do canadense está andando demais, seu FH inside/out está um verdadeiro tiro, o BH melhorou demais, inclusive com excelentes slices, baixos e firmes. Além disso o cara tem um serviço q na maioria absoluta das vezes ajuda a a salvar os breaks, e esse conjunto demonstra o pq é o atual campeão desse torneio e sua participação marcante no Finals. Nestes torneios de quadras rápidas será sempre um forte candidato a incomodar, e muito, qualquer adversário. Rafa sem dúvida está melhor do q no período pós Olimpíadas, mas seu serviço continua deixando a desejar e se Moya conseguir melhorar esse detalhe terá dado uma grande contribuição. Vi o segundo set do jg do Murray e ele continua voando, incrível o q esse rapaz está jogando. Amanhã me parece favorito frente a Djoko, final q deverá se repetir em muitos torneios no decorrer do ano.

    Responder
  7. Luis Alves

    Oi Dalcim, uma dúvida:

    Olhando o site tenisbrasil, a premiação do torneio de Brisbane que aparece é de 495.000 dólares para os homens e a do feminino 1 milhão de dólares.
    Saberia dizer porque tanta diferença?

    Obrigado e parabéns pelo espaço.

    Luis

    Responder
  8. Ulisses

    Dalcim,

    muito se falou que o Nadal está mais agressivo, com diversos comentários aqui no post. No entanto, vi o jogo dele hoje com o Raonic e ele estava devolvendo segundo saque do Raonic, acho que uns 5 metros da linha de base. O Raonic liderou nos winners. Não vi nada de novo, tendo como destaque a luta do espanhol. Vc acha q ele está mais agressivo mesmo mestre? Na minha visão não vi qq mudança. Q sua opinião?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele está sim com uma postura agressiva. Defender o saque do Raonic três ou quatro passos atrás não é o fim dos tempos.

      Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Sei nao, meu Caro Dalcim. A 240 Km/h ? Murray da’ tres passos pra frente assim que o Canadense inicia o Toss. Dimitrov bloqueou muitos na munheca assim como Federer. GUGA também lá’ trás ( e com preparacao longa ) , tinha sérios problemas com os de Saque- Voleio. Raonic tem corrido atras do Serviço. Mas e ‘ apenas uma opiniao. Abs!

        Responder
  9. evaldo moreira

    Boa tarde,
    Que partida fez o Roger hoje, com passar dos jogos, fica evidente a evolução, e fica á cada mais parecido com o tema desse post, que jogadas, o Gasquet, embora bom tenista, não segurou a onda, fez bons games, mas o Federer hoje, como dizia o saudoso Dacio Campos: Não faz assim Federer……., segura o leão da montanha, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, brincadeiras a parte, Roger mostra claramente que vai fazer frente, e ainda mais jogando solto, mas analisar mais o decorrer dos jogos.

    Responder
  10. Márcio Souza

    E sobre Nadal, utilizo as mesmas palavras usadas pelo mestre Dalcim ao Federer(nem todas), para usa las ao Nadal.

    Pouco importa o resultado da partida, como a que Nadal perdeu para o Raonic agora a pouco.
    O que importa é ve lo atuando sem aparentemente sentir as dores que o afastaram no final do ano passado.

    É muito bom ver o Nadal jogando novamente solto e soltando aquela esquerda fantástica, se continuar assim evoluindo e sem dores acredito que ele chega forte pra temporada no saibro.

    E assim poderemos ver uma disputa mais aberta, e não mais do mesmo, vou torcer muito para Nadal, Federer e Delpo não sofrerem mais com lesões e que adquiram o ritmo de jogo necessário para fazerem grandes jogos contra Murray e Djokovic, no fundo é isso que todos queremos ver, grandes jogos e que vença quem jogar mais, talvez esse seja o último ano em que poderemos ver o Big Four em ação com maior chance de vitoria pra cada um dos quatro, porque no próximo ano pelo menos pro Federer e quem sabe Nadal as chances sejam menores, portanto que nesse ano todos possam estarem bem e que tenhamos grandes jogos.

    Essa é a torcida.

    Responder
  11. Márcio Souza

    A pergunta que não quer calar sobre Djokovic.

    Djokovic acabou de vencer um jogo na bacia das almas contra o Verdasco aonde salvou 5 match points e saiu de 1 set a 0 contra e no segundo foi quebrado logo no primeiro game e 2 a 0 no começo do segundo set.

    Qual Djokovic estamos vendo companheiros?
    O Djokovic de 2015 que virou jogos incriveis contra Murray no RG e contra o Kevin Anderson no US Open e que mostrava garra e sangue frio para decidir os jogos ou um Djokovic sem tanta consistência no seu jogo e tomando sufoco de um tenista que nos últimos anos tem sido seu freguês?

    É claro que estamos no primeiro torneio do ano e ninguém esta 100%, porém vejo que a má fase e o jogo instável que ele apresentou no segundo semestre ainda continuam, e isso eu acho preocupante.

    Ficou nitido que a virada de hoje só aconteceu porque o Verdasco tremeu, (sim méritos ao sérvio por ter conseguido virar o jogo também), mas me ficou a impressão de que não foi o sérvio quem venceu e sim o espanhol que perdeu.

    Djoko me parece não mais conseguir impor o seu jogo, não vejo problemas físicos ou táticos aparentes mas com certeza ele não esta jogando como nos últimos anos e isso num periodo em que Federer, Nadal e Delpo vem evoluindo apos muito tempo afastados e Murray sendo mais consistente, começo a achar perigoso o sérvio cair e muito no ranking nesse primeiro semestre aonde ele tem muitos pontos a defender.

    O que acha Mestre?
    E gostaria de saber a opinião dos demais colegas também quem quiser opinar.

    Um abraço a todos.

    Responder
  12. Rodrigo S. Cruz

    Aí não dá né, Verdasco.

    Depois de dois sets impecáveis contra o “encosto”, jogar no vaso sanitário 5 match-points é coisa de amador.

    Se vc perder este jogo, volta pro juvenil, parceiro…

    Responder
  13. Rubens Leme

    Dalcim, ao ver o Verdasco jogar fico pensando que carreira não teria tido se tivesse metade do mental do Nadal. Tem um saque melhor do que o compatriota, uma esquerda idem, um ótimo backhand, é agressivo…

    Quando ele resolve soltar a mão é um problemaço para qualquer adversário. Pena que a cabeça seja outro ainda maior.

    Responder
    1. Carlos André

      HahHa…. o mito do “mental” do carranca… Não tem mental nenhum, era só certeza de ter um preparo físico infinito e um jogi tão mecânico e buricrático que tanto faz se eztá ganhando de 50 ou perfendo de 50… Basta o físico cair meio por cento que vira um jogador comum.

      Responder
  14. Rafa Darvin

    Fala mestre,

    Assisti apenas os highlights da partida entre Rafa e Raonic e me pareceu claro oque faltou ao espanhol logo no início do 3 set, pernas. Oque não deixa de ser natural devido a idade… O Canadense quanto começa a acertar o primeiro serviço seguido de bolas vencedoras, injeta muita velocidade e angulação. O rafa de outrora era quase um mutante então conseguia chegar nessas bolas mas hj em dia não dá né…
    Você já citou diversas vezes neste blog, ou ele imprimi um jogo mais agressivo, jogando mais perto da base e também sendo mais agressivo logo no retorno, ou melhor se preparar para aposentar e bater uma bolinha (golfe) com os brothers…
    Por sinal ficou claro q ele vem tentando ser mais agressivo, inclusive com seu limitado backhand… mas acho que não dá p ele manter uma constante ao longo de toda partida, não lhe é natural…
    Você ainda está esperançoso ?

    Abs mestre,
    Rafa Darvin

    Responder
  15. Sergio Ribeiro

    Sem duvida Rafa Nadal esta’ de volta. Varios fundamentos que andavam sumidos ( tática , aproveitamento de primeiro Serviço , bolas inacreditáveis retornando, etc…) , leitura do jogo , OPs!!! Ate’ na transmissão alguns Mane’s repetindo a ladainha do L.F , que o Karlovic “Melhorado”, so’ sabe sacar. E tome o Espanhol a 100 metros da linha de base. Dando ângulos a vontade para o Canadense. Tomou mais Winners que Federer ano passado , CINQÜENTA. O N 3 do Mundo foi 36 vezes a rede. Levou passadas , mas encurtou os pontos como queria Moya. Se Rafa tivesse atuado antes da ridicula padronizacao dos Pisos, somente bateria Pistol Pete Sampras e CIA no Saibro… Ainda acredito no também Trintão, devido a contratação daquele que foi seu grande ídolo , Carlos Moya ( levava Rafa para passear de coleira em Wimbledon 2005 rsrsrs ). Abs!

    Responder
  16. Luiz Fernando

    Nadal teve 7 chances de quebra e aproveitou uma, Raonic teve 4 aproveitou duas, essa foi a diferença. Verei o jg a tarde pois deixei gravando, mas para quem tem um serviço como o do canadense, salvar breaks é bem menos complicado. Rafa não pode reclamar das chances, deve ter sido uma partida bem equilibrada, com quase 2 hs e meia de jg. Essa derrota em nada muda o q postei ontem acerca da evolução de Rafa, perder do canadense na atualidade não é nenhum absurdo, basta ver o equilíbrio q marcou a semi do Finals contra Murray. Vamos p o AO, mais otimista do q estava no final do ano.

    Responder
  17. Marquinhos

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Tenho certeza que tinha Nadalzete acreditando no título do Australia Open, pobre iludidos! kkkkkkkkkkkk Bater em cabeça de bagre é fácil, né? rs. Quando pegou um jogador top, em um torneio oficial, a realidade veio a tona! kkkkkkkkkkkk

    Qual foi a última vez que o Zé do balão venceu um mísero torneio atp-250 em quadras rápidas? kkkkkkkkkk

    Quanto a Federer, um espetáculo, mas todos nós sabemos que o Guasquet costuma amarelar feio quando vê The king do outro lado da quadra.

    Responder
  18. Pieter

    Sensacional a exibição de gala de Roger Federer hoje contra o Gasquet! O francês não jogou mal mas pouco pôde fazer contra o suíço que jogou um tênis exuberante, demonstrando toda a sua habilidade. Foram 11 aces e 33 winners (salvo algum engano) do mestre, que deu um show de tênis. Caramba, como é bom vê-lo jogando!!

    Responder
  19. Miguel BsB

    Acabei de assistir aos highlights do jg entre o Nadal e o Zverev senior, e, sinceramente, não dá pra fazer nenhuma salva pro espanhol por conta desse jogo. A diferença é abissal, parece um classe 5 x classe 2,3. O cara se propõe a jogar no saque e voleio, mas não consegue matar um ponto no voleio, nem fazer boleios de aproximação decentes. Tomou passada, lob, até dizer chega. Dai o alto número de Winners por parte do Rafa. Se da pra tirar algo de bom do jogo do espanhol, parece que o forehand dele tá andando mais mesmo.

    Responder
  20. Na moda

    Não sei se o objetivo do Tsonga ao aparecer com aquele cabelo e aquele shorts/camiseta era parecer estiloso, mas nao deu certo: parece que tinha acabado de acordar e, sem banho, foi jogar de pijama.

    Responder
  21. Luiz Fernando

    Cedo acompanhei o jg do Rafa apenas com as estatisticas, mas ao chegar em casa vi a gravação e gostei demais do q observei. É claro q o alemão não representa muito, mas Rafa jogou em altíssimo nível, tanto na defesa quanto no ataque, impressão ratificada pelo número de winners dos dois. Além do ótimo preparo físico, me chamou a atenção q dessa vez sua bola está andando muito, tanto no FH quanto no BH; a devolução de serviço também melhorou, ou melhor, voltou ao normal, e esse quesito estava entregando Rafa nos dois últimos anos. Também não podemos deixar de considerar q Nadal só tem jogado a noite, evitando desgaste, mas afinal, em matéria de apelo de público (todo jogo dele é com quadra lotada) e mídia, os jogadores desse torneio se dividem em 2 grupos: Rafa e os demais. Amanhã será possível ter uma impressão mais consistente do potencial do cara, pois Raonic vive um excelente momento. Vamos aguardar.

    Responder
  22. mario.cesar69@yahoo.com

    Caro Dalcim..Boa tarde meu caro mais O Andy Murray passou sufoco contra o Almagro ..Dalcim me diz você acha que pode ser o ultimo ano do Rafa e Federer no circuito.Abs.Digo pq Rafa está bem até o momento como diz vou parar mais quero mostrar algo diferente ser mais agressivo o que acha?Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que pode ser, caso os dois tenham resultados muito abaixo do que seu currículo merece. Mas tomara que isso não aconteça. Gostei dos primeiros jogos dos dois em 2017.

      Responder
  23. Jeremias

    Mohamed Ali era de fato uma personalidade com um potencial de carisma bem mais explosivo do que o de Mr. Federer se tivesse vivido em meio a Internet. Pelo menos ele daria uma cara um pouco mais corada ao nosso exangue politicamente correto. Sim, isso mesmo que você leu: Ali foi um herói moldado na gazua politicamente correta da década de 60. Basta ver que o homem era tratado como baluarte da igualdade enquanto professava o…bem, ele, veja bem, o BALUARTE DA IGUALDADE, professava o…sim…o islamismo, essa religião que exala sentimentos de igualitarismo pelas pessoas, proncipalmente mulheres e gays …Mas pra quê lógica elementar quando se é um santo biônico “artífice do novo mundo”, não é mesmo?

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Não quero polemizar discutindo religião.

      Porém, não consigo entender o motivo de esportistas famosos como Clay e Tyson abraçarem especificamente esta religião.

      Se a maioria do ocidente se convertesse ao islã, eu acho que não existiriam mais cristãos no planeta…

      Responder
    2. Sergio Ribeiro

      Com ou sem Internet, Ali foi eleito a PERSONALIDADE do Século . E Pelé o Atleta do Século . Parece que a Turma do politicamente correto sabe votar. Em nada diminue o que Roger Federer representa para o Tenis a mais de uma Década. O resto fica por conta dos Pseudo intelectuais. Abs!

      Responder
    3. Ronildo

      Esse negocio de politicamente correto é pra lá de genérico. Dificilmente se enquadra na personalidade de Federer, que faz papel de bom moço, porque é um bom moço. Agora um senhor. Quisera eu, para o bem futurístico de meu bebê que todos os homens procurassem viver como bom moço. Seria no mínimo um mundo com bem pouco palavrões. Agora, que essa conduta do Federer lhe rendeu uma incrível admiração pública e muitos milhões à mais para ele, isso é incontestável.

      Responder
  24. Márcio Souza

    Olá a todos os companheiros e companheiras do Blog!

    Que bom ver o Federer em ação novamente, como o mestre Dalcim disse no post, independente do resultado da partida, é muito bom ve lo em quadra novamente, seu jogo é muito bonito, os fundamentos por ele executados como saque e voleio por exemplo são perfeitos e o seu estilo impressiona mesmo.
    Mais o que mais importa é ver ele entrando no ritmo de jogo novamente, os jogos em sequencia na Copa Hopman apesar de ser um torneio sem pontuação serve como uma excelente preparação para se buscar o ritmo necessário e sentir se as lesões não incomodam mais.

    Esse jogo com o Zverev foi muito importante em todos os sentidos, fez ele se dedicar e correr atras do placar, estar a frente do placar, manter o foco, jogar tiebreak, enfim por uma série de fatores os jogos tem servido de excelente preparação, acredito que pro jogo de amanhã contra Gasquet ele chegara bem melhor e em caso de vitoria da Suiça no confronto ele ainda jogara mais dois jogos no domingo, o que seria maravilhoso jogar 8 jogos em uma semana e os benefícios disso seria entrar com mais ritmo e melhor preparado no AO, não em comparação aos demais tenistas mas pra ele mesmo caso tivesse optado por jogar um ATP 250.

    Vida longa ao Rei.

    Obs: Serena e Kerber ja foram eliminadas no primeiro torneio do ano, o que não é muito relevante, mas esperava algo mais consistente delas.

    Responder
  25. Luiz Fernando

    Acompanhando o jg do Rafa deu p notar q ele detonou o alemão, com especial atenção nos winners 30 a 5. Essa pré temporada adequada, a primeira em um milênio, está rendendo bons frutos. Amanhã deve ser um jg equilibrado como foi a partida de Abu Dhabi, mas com plenas condições de vitória para ele pelo q tem demonstrado. Nadal sempre foi um monstro q se alimentava de vitórias, se forem deixando o cara readquirir a confiança perdida… sei não o q pode acontecer!

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Finalmente concordamos, L. F . Rafa Nadal fez duas ótimas exibições. Muito mais agressivo. Agora, o Espanhol parece não estar com sorte. Largou Doha onde ja’ venceu ( Novak e Andy lá estão ), e foi pra Brisbane onde nunca aparece, e da’ de cara com o Karlovic melhorado, ou com o Limitado Samurai, ou com o espetaculoso WAWRINKA . Que dureza ! O Canadense disparou varios mísseis na Final de 2016 pra cima de Federer. Se ficar a 100 metros da linha de base, um abraço. Caso contrario ,um excelente teste para o Touro Miura. Abs!

      Responder
  26. Rubens Leme

    Dalcim, tô gostando de ver o backhand do Nadal andar hoje. Muito mais fundo, confiant, com muito spin ( 2.500 rotações segundo a tv).

    Uma amostra disso foi no sexto game do segundo set, quando deu um back bem fundo, recebeu a devolução alta e fraca, ótima para o forehand. No entanto, preferiu o mesmo golpe e conseguiu um winner.

    Vamos ver daqui para a frente se a evolução é uma realidade ou apenas um ótimo dia contra um oponente fraco.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Humm, não diria que lembre tanto…

      Além dos backhands serem distintos, o principal ponto fraco do Guga era a sua movimentação em quadra.

      O Zverev, por outro lado, se movimenta bem, até mesmo para alguém que inclusive é mais alto do que o Guga.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A maioria dos tenistas evita a aliança por causa das empunhaduras utilizadas, que podem tirar a sensibilidade com o cabo. Mas existiria uma aliança de casamento mais poderosa do que a dupla de gêmeos? rsrs

      Responder
      1. Sônia

        Que linda resposta Dalcim, amei. Aproveitando o papo sobre empunhadura, qual seria a empunhadura do Jack Sock? O forehand dele é bastante diferente. Beijos.

        Responder
      2. Gabi

        rsrs. Verdade.Muito obrigada pela resposta.
        O que me chamou a atenção foi ele sem aliança na arquibancada, nao na quadra, daí porque vim aqui te perguntar heheh.

        Responder
  27. Sandra

    Bom dia, estava vendo o jogo do Federer e do alemão de 19 anos,e comecei a perceber que só o Murry consegue vencer essa nova geração. Porque?? O Nadal já perdeu para o kyrgios , Djokovic não perdeu porque não jogou com eles. Há alguma explicação??? Grata , Sandra

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sei, não consigo ver essa generalização, Sandra. Acho que depende de cada estilo. Kyrgios já ganhou do Federer e do Nadal, mas em condições bem rápidas. E sem eles terem jogado contra o Djoko, não há muito o que comparar.

      Responder
  28. Rafael

    Fico vendo esses comentários sobre “o maior da história voltou”.

    Não sabia que o Karlovic tinha parado, e nem sei se ele é o maior.

    Affe….

    Agora, esse Federer joga bonito pra chuchu.

    Responder
  29. Pieter

    Sensacional o jogo do Zverev com o Federer! Esse alemão tem um volume de jogo e tanto. Joga um tênis arrojado, moderno, sabe jogar na rede e tem ótima atitude em quadra. Não me surpreenderei se ele entrar no top 10 ainda este ano. Tênis para isso ele tem!

    Responder
  30. Marquinhos

    Foi o que te falei, caro Evaldo. Federer perdeu pra Zverev em jogo apertado. Nada demais! O alemão tem tudo para ser um tenista top. O torneio vale apenas como preparação, mas foi bom ver Federer lutando e melhor ainda que o jogo foi longo.

    Responder
    1. evaldo moreira

      Boa Noite,

      Pois é caro Marquinhos, gostei de ver a atuação de Roger, mostrou vontade, determinação, frieza em alguns momentos, quando estava 15×40 ou se não me engano 0x40, foi lá e confirmou o serviço, os demais erros, é fruto da falta de ritmo e/ou inatividade momentânea, mas de fato, creio que essa competição está sendo benefica por um lado, pois Federer, está entrando no ritmo aos poucos, o que é bom para nós que acompanhamos os jogos dele.
      Mestre, antecipando ao seu futuro post (sobre o Australian Open/2017), daria para você ter uma noção de fato, de quem está bem, e que de fato vai dar trabalho no slam australiano?, você crer que, com a sua vasta experiência, acreditaria que Nadal e Federer, chegariam mais longe, tipo, no minimo nas quartas de finais?
      Se bem que o Nadal está melhor ranqueado, enquanto que o suiço nem tanto, claro que apostaria no Zverev, Stan W, Kirgios, se fechar a la boquita e jogar mais…….., tem mais gente boa.
      Grato se me responder, abraços mestre e boa noite.

      Responder
      1. Frederico Schnack

        Caro Evaldo, pode tirar o nome de Kyrgios desta lista…. O Zverev eu engulo na boa, muito potencial com uma cabeça centrada. Esse Kyrgios não passa de um dos maiores fanfarrões que eu já vi na história do tênis, antes eu achava o Fognini. Mas é inegável o talento nato do australiano.

        Responder
  31. jeremias

    Dalcim, você acha que existem boas chances de ainda vermos Federer vs Nadal, Federer vs Djokovic ou Nadal vs Djokovic numa final de Grand Slam?

    Responder
  32. jeremias

    Questões de gosto, provocações e fanfarronices de Blog à parte, é legal ver o velho Roger Federer de volta. Acho que os fãs de tênis mereceriam ao menos mais uma Final de Grand Slam épica e charmosa com a grifes Federer vs Nadal ou Federer vs Djokovic. Seria muito massa, na realidade. Acho um pouco difícil, mas não é impossível, não. Vamos ver…

    Responder
  33. Marcos RJ

    Foi fantastico ver o GOAT jogando em alto nivel como de habito e dando espetaculo logo no primeiro jogo depois de 6 meses no estaleiro. Vi os melhores momentos contra o Evans e tambem a dupla mista com a Bencic, que por sinal nao parou de sorrir do comeco ao fim da partida. E como se nao fosse pouco, que tal um treino aberto com publico de 6 mil pessoas??? Vida longa ao Rei!

    Responder
  34. Carlos Augusto Gaertner (Carlão)

    03.01.2017 – Blog do Tênis – Oi Dalcim: Já tinha publicado o comentário a seguir numa matéria do Roger Federer no mês de dezembro, mas acho que vale o replay após a volta de Federer às quadras e também pelo teu artigo: – “A Magia Está De Volta”. Para os amantes do Tênis e do grande campeão Roger Federer – Replay: – “Na minha modesta opinião, têm dois campeões em esportes individuais que sempre estarão acima da média em seus respectivos esportes: Muhammad Ali, no boxe, e Roger Federer, no tênis. E os dois têm algumas similaridades em seus desempenhos: a plasticidade quando em ação; a técnica apurada e diferenciada, com constantes toques de genialidade; a confiança em si mesmos nos momentos de dificuldades; e a capacidade de superação para transpor qualquer obstáculo em relação aos seus objetivospessoais e profissionais. E agora, em circunstâncias completamente diferentes, os dois têm mais uma coisa em comum: Federer que voltar ao melhor de sua forma no seu retorno mais do que esperado por todos os seus fans em 2017, assim como Ali retornou aos ringues quando muitos acreditavam que seu tempo já tinha passado, e ele provou que estavam errados, pois tornou-se mais uma vez campeão, calando a boca dos críticos e desafetos. Não tenho bola de cristal para afirmar que vai acontecer a mesma coisa com o Roger depois de seu tempo longe das quadras. Mas… como seu fã incondicional, uma coisa eu posso afirmar: – “É nisso que eu acredito. Roger Federer competitivo e causando novamente medo aos seus adversários, independentemente de suas posições no ranking da ATP. E, quem sabe, talvez voltando novamente ao topo do ranking”. É esperar para ver. “Go Ahead Roger Federer”” – Carlão Gaertner – Jornalista e Músico

    Responder
    1. Dramde

      Bom dia Carlão. Achei seu post muito interessante, mas se me permitir, discordarei de um ponto na comparação entre os dois gênios: confiança.
      Sem dúvida alguma que em se tratando de plasticidade, técnica, genialidade e capacidade de superação os dois se equivalem. Mas quanto à confiança, creio que há uma diferença grande entre eles: Ali esbanjava muita confiança, chegava mesmo a debochar de seus adversários e, na minha modesta opinião, esse excesso de confiança foi uma das principais causas de sua primeira e mais importante derrota, para Joe Frazier. De maneira geral, Ali não se deixava intimidar por nenhum adversário, e seu currículo não deixa dúvidas: de 05 derrotas no total, 03 vieram em suas 04 últimas lutas, ou seja, já no final de sua carreira, mas mesmo assim ele ainda devolveu uma dessas derrotas, vencendo a revanche contra o perigoso Leo Spinks.
      Quanto a Federer, não se discute que é o mais talentosos de todos os tempos, dono de uma caixa de ferramentas única na história, mas, na minha opinião, ao contrário de Ali, Roger se deixou intimidar por dois de seus adversários: primeiro Nadal, que começou vencendo-o no saibro, e depois expandiu seu domínio na quadra dura, chegando a vencê-lo até em uma final de Wimbledon. Depois Djokovic, que começou a vencê-lo em quadras duras e depois o dominou no saibro e na grama sagrada.
      Sabemos que não existe tenista invencível (ou algo perto disso), mas comparando o talento superior de Federer com o de seus dois grandes rivais, levando em conta sua maior experiência e ainda o fato de ser superior a seus adversários naquele que talvez seja o principal fundamento do tênis (o saque), fica difícil aceitar tantas derrotas para esses dois adversários, a não ser que ele se sentisse intimidado por eles. Acredito que muitos torcedores do Federer devem concordar com essa tese, embora seja muito difícil para eles admitir isso em público.
      Mas enfim, Roger está de volta, Nadal e Djokovic também. Depois de tudo que aconteceu em 2016, acredito realmente que o suiço ainda pode dar o troco nos seus rivais, principalmente no espanhol, mas para isso, terá que mudar um pouco de atitude e esbanjar mais confiança, só que dentro de quadra e não fora dela.

      Responder
      1. Fernando Pimentel

        Bela análise, Dramde. Sou fã do Federer e do Nadal, e também acho que esses fatos incomodam aos fãs, e talvez, até ao próprio suíço. Sinceramente, não gosto de lembrar especialmente das derrotas nas finais :do US Open em 2015 e do Australian Open em 2009, justamente pelas atuações de encherem os olhos nas fases anteriores. Por que não gosto? Porque eu acho que ele acabou fraquejando em ambas. Apresentou um tênis muito superior ao dos adversários, mas sentiu o peso da decisão. A desculpa da quadra não colou em 2009, já que Nadal conseguiu bater o Federer na quadra dura. A desculpa da idade não colou em 2015, já que ele não perdeu nenhum set antes da final e passou pouco tempo na quadra em comparação ao Djokovic… se não me engano, o site trouxe uma matéria em que o Federer disse que nunca foi capaz de vencer o Nadal em RG, mas que ainda não perdeu as esperanças de poder fazer isso. Como eu disse, o Federer não precisa provar mais nada a ninguém por tudo o que já conquistou e pelo que representa ao esporte, no entanto, existem alguns traumas..

        Responder
        1. Sergio Ribeiro

          Quem não foi freguês do Canhoto de Mallorca e seu Spin alto em seu Habitat, parceiro ? Mesmo com a gasolina acabando ainda mantém retrospecto favorável no Barro, tambem sobre Novak e Andy. Abs!

          Responder
      2. jose yoh

        Confiança é possível quando as condições físicas estão perfeitas. Federer não pertence à mesma geração do big 4, e a idade faz bastante diferença na condição física. Diria que apenas Nadal abalava a confiança dele no seu auge, muito pelo estilo de jogo que não encaixava.

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Não é bem isso que o próprio Roger Federer diz. Como um cara vence todos os jogos facilmente até a final, e lá perde, às vezes, facilmente. Idade?
          Não mesmo.

          Responder
        2. Sergio Ribeiro

          Mas não podemos esquecer , amigo, que no seu Auge levou dois MASTERS 1000 no Barro em cima do Espanhol. Com destaque para Hamburgo 2007 com direito a Pneu rs. Abs!

          Responder
          1. jose yoh

            Sim, em 2007 quando Federer ainda estava no seu auge. Para ver como a idade faz diferença neste esporte. Se muito novo, não tem experiência e maturidade; Se muito velho, não tem físico, reflexos nem motivação. Vejo que o auge para a maioria dos tenistas está entre 25 e 29 anos. Depois ainda há vitórias, mas esporádicas.

      3. Sergio Ribeiro

        Ainda bem que não foi o Parceiro que comparou a Nobre Arte ( Boxe ) , ao Tenis. Este Esporte Maravillhoso, embora também sujeito ao Doping, e’ a meu ver, incomparável. Federer SEIS anos a mais que Novak,e CINCO em relação a Rafa Nadal, não precisa mostrar mais nada a ninguém. E’ tao Sortudo, que hoje na Copa Hopman de Tenis, uma Tenista aos 19, o salvou de uma derrota em 3 Tie- Breaks contra o talentosíssimo Zverev, também aos 19. Suíça 2 x 1 Alemanha. Ela venceu em Simples e em dupla Mista com o próprio. Bencic levou o Craque para a Semi. Este nasceu com a Bunda para a Lua rsrsrs. Abs!

        Responder
    2. Carlos Fernando Torre

      Sou fã absoluto do Federer, mas ele e nem ninguém chega perto do Mohamed Ali. Este transcendeu o esporte. Pelé é outro que transcendeu o esporte, mas mesmo assim não se compara a Ali. Dalcim, qual a sua opinião sobre isso?

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Não sou muito a favor desses tipos de comparação, Carlos, porque cada personalidade, dentro ou fora do esporte, tem um aspecto a ser considerado. De qualquer forma, Ali foi um fenômeno. Imagino o que teria acontecido no seu auge se houvesse Internet naquele tempo.

        Responder
  35. Marquinhos

    Prezado Evaldo, não estou com tantas esperanças quanto você a respeito do mestre, não pro Austrália Open. Mas tenho certeza que ele vai muito competitivo pra Wimbledon e U.s Open. Tenho certeza que estará entre os quatro favoritos pra vencer. Se jogar 90% do que jogou em 2015, será o principal favorito em Londres, até porque, Nole não vai jogar nunca mmais o que jogou aquele ano.

    Responder
    1. evaldo moreira

      Bom dia,
      Prezado Marquinhos, tudo bom!?
      Concordo concordo com você parcialmente, mas claro que, vendo o jogo dele, e daqui á pouco, será contra o Zverev, então vamos analisar com mais detalhe, o alemão tem bom saque, e na base, é agressivo, só que o momento agora é outro, então com certeza, será um grande jogo.
      Claro que empolgação, talvez eu tenha tido,mas com análise do post do Dalcim, e vendo demais comentário, inclusive do Pessanha, vi que não, que realmente o Federer jogou o que sabe e muito bem, então vamos aguardar e o desenrolar das partidas do mestre suisso.
      Abraços.

      Responder
      1. suely

        Que tal (EU ) todos comecarem a se quebrar hehehe…..Ridiculo e sem nocao alguem desejar que se quebre.Nao existe ( INIMIGOS E SIM ADVERSARIO) Cuidado ( VISSE ) HEHEHE…quem voce nao que e que vai quebrar…..HeHeHe……

        Responder
  36. Sergio Ribeiro

    Ao contrario do que algumas Fontes afirmaram de forma equivocada, o Suíço confirmou em 100 % o que Luthi afirmou em Dubai. ” Roger esta’ totalmente recuperado das lesões. Mas a Equipe não espera Milagres no AOPEN”. Poullie como parceiro de Treinos, também escolha Feliz. A Copa Hopman deve lhe proporcionar um ritmo para passar as primeiras rodadas no SLAM. Esta’ realmente solto como Dalcim bem colocou no Post. As oscilações de Novak e Rafa , me pareceram normais. O Espanhol ainda parece que vai aprontar em 2017. SIR Andy ( quem diria ) , vai precisar se entregar a fundo. Livre da pressão do N 1 ( o Britanico de uma vez so’ lhe tirou definitivamente a possibilidade de quebrar as marcas de anos consecutivos de Sampras e de Semanas consecutivas de Federer) , o Servio deve estar com sede de tirar uns sarros pra cima dele rsrsrsrs. Abs!

    Responder
  37. Luiz Fernando

    Rafa vem tendo um bom recomeço após a parada de 3 meses, o q aparentemente foi uma decisão q vai lhe render frutos. Enfrentou bons adversários em Abu Dhabi e hj despachou esse ucraniano que sempre tem sido uma pedra no seu sapato. Não vi o jg, mas pelo q acompanhei ele teve um começo irregular, mas depois levou o jg com tranquilidade. Tudo aponta p um duelo nas quartas com o cara q mais evoluiu em 2016, Raonic. Aí, num torneio oficial q de fato vale, será um teste mais realista acerca das suas chances no curto prazo. Muguruza esteve a beira da eliminação, o q demonstra q a fase irregular pós RG ainda perdura; a Carol é q parece ter voltado a se focar no tenis, esquecendo a badalação. Quem sabe não ocorre o q ninguém imaginava: a espanhola, que todos imaginavam rumo ao número 1 do ranking, na descendente, e a dinamarquesa, em quem poucos punham fé, na trajetória ascendente e na procura do seu primeiro GS? Dalcim, vc põe fé na dinamarquesa?

    Responder
  38. KHALIL

    Vi os melhores momentos e o SABR… fantástico, a reação do público (woooooooooowww) incrível. O Evans nem esperava, ficou sem saber o que fazer!

    Responder
  39. Leonardo Felix

    Maestro Dalcim, feliz 2017! Fazia tempo que não aparecia por aqui, e volto com uma dúvida sutil: Federer reestreou com uma raquete toda preta. Seria o indicativo de algum tipo de atualização? Existe alguma informação a respeito? Digo isso porque sua velha Pro Staff 90 vira e mexe passava por pequeninas mudanças, e já faz três anos que a atual de 97 polegadas foi apresentada.

    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Essa raquete foi apresentada no ano passado, Leonardo. Federer participou de cada etapa do desenvolvimento. Mas não é tão diferente da anterior.

      Responder
  40. Sônia

    Excelente post Dalcim, concordo plenamente contigo, gostei do que vi. E olha que não espero nada de nada esse ano para o Lindinho, mas estarei sempre na torcida, sempre. Mudando de assunto, como esse Kyrgios com suas reclamações, caras e bocas deixa esse esporte extremamente “desprazeroso”. O garoto tem talento, faz jogadas sensacionais, mas é muito brochante, cruz credo. Beijos.

    Responder
  41. Christiano

    Se me permite uma correção, mas a final em Doha sempre ocorreu e deverá ocorrer esse ano no sábado.

    Gostei da estréia do Federer na temporada, jogando a Hopman Cup. Torneio com atmosfera diferente, com clima de amistoso. Ótimo para entrar em ritmo e readquirir confiança. O problema é que Federer não irá defender os 150 pontos obtidos na final do ano passado em Brisbane e deverá ficar fora dos 16 primeiros cabeças-de-chave. Ou seja, poderá perder a posição de 16o. cabeça para o Dimitrov e poderá encarar alguém dos 10 primeiros logo na 3a rodada ! Há possibilidade de pegar ou Murray, ou Djoko ou até mesmo Nadal já na 3a rodada, dependendo do desempenho do espanhol essa semana caso venha a copar Brisbane (aí ele irá para 8o. no ranking).

    Quanto aos brasileiros, já não esperava algo diferente do que foi. Assisti boa parte do jogo do Monteiro em livestreaming, e pude observar uma evolução significativa em sua postura de jogo na quadra rápida. Aos poucos, ele conseguirá jogar com a mesma eficiência e competitividade com que joga no saibro. É uma questão de termos paciência que ele chega lá. O Clezar perdeu pra o Tsitsipas um cara recém-saído do juvenil que joga muita bola, inclusive já foi nro. 1 na categoria e tem um estilo muito bonito e eficiente. Sacou muito no jogo de ontem e não deu muitas chances ao gaúcho. O Ghem perdeu pra um sérvio que vem recuperando ranking e com mais ritmo nas hards. Finalmente, o Feijão perdeu para um velho conhecido alemão a quem já perdeu e já venceu diversas vezes. Jogou bem no 1o. set, mas o alemão acabou prevalecendo.

    Quanto às meninas, falta à Paula um pouco mais de regularidade nesse nível de jogo, mas torço para que ela tenha sucesso ao longo da temporada. A Teliana não espero muita coisa nessa gira australiana, mas pode surpreender. A Bia teve essa infelicidade de ter se contundido em casa e só deverá voltar lá pro final de Fevereiro. Uma pena, pois estava ansioso para vê-la em ação nas hards da Ásia-Oceania.

    Responder
  42. THIAGO

    É Dalcim e o Brasil começou mal só derrotas na Oceania, esse continente não costuma dar sorte para os Brasileiros em simples, acho que não devemos criar muitas expectativas nesse começo de temporada. vamos esperar mesmo apartir da gira sul-americana no saibro.

    Responder
  43. Reginaldo Pereira

    Dalcim, bom dia!
    Realmente é maravilhoso ver o maior de todos de volta! E de volta mesmo! O tênis mundial precisava dele!!!!!!
    Mas se algumas coisas estão de volta… outras seguem o mesmo de sempre: o tênis brasileiro começando (de novo!) sem empolgar em simples… no feminino Paula Gonçalves perde na 1ª rodada do quali… Monteiro na 1ª rodada de ATP… Guem, Clezar e Feijão perdem todos na 1ª rodada de Challenger!!!!!! E o pior de tudo: todos eles perderam para adversários “ganháveis”…. Todo um período de preparação… de viagens longas… pra isso???? Desculpe pelo desabafo e pelo pessimismo, mas estamos realmente longe de crescer neste esporte… infelizmente!!!
    Vamos ver se o Rogerinho salva a pátria na semana!
    Abraços!

    Responder
    1. Fábio

      Concordo.
      Aliás, é um problema dos jogadores que passa pela cultura doa técnicos. O circuito é jogado principalmente nas quadras duras, mas aqui não existe formação nas quadras duras. O trabalho é feito todo no saibro. Quando o jogador chega no profissional, não tem a menor familiaridade com o piso. Perdem jogos para atletas com muito menor talento…

      Com exceção da Bia, os demais são muitô limitados na quadra dura.

      Responder
    2. Pieter

      Concordo com você em gênero, número e grau! Também fiquei feliz e extasiado ao ver o Federer de volta. Ninguém, mas ninguém no circuito joga como ele, infelizmente… E em praticamente quase todos os games em que ele saca, há sempre ao menos uma jogada digna de aplausos, espetacular, puro talento! Ele é o jogador dos jogadores: incrível a quantidade de tenistas que o admiram e elogiam o seu jogo de pura habilidade, até mesmo os seus rivais…
      Em contrapartida, bisonho, até agora, o desempenho dos brasileiros nos torneios na Oceania. Nem uma mísera vitória, nem mesmo em 1a rodada de qualifying… Não fosse o saibro e nossos tenistas passariam sérios apuros no ranking. Lamentável!

      Responder
    1. Sônia

      Sem dúvida amado colega, sem dúvida. Diria também que o MÁGICO é nossa FONTE DE INSPIRAÇÃO, pois foi só vê-LO jogar que hoje fui pra quadra pensando NELE e atropelei minha adversária (6/0 6/1). Hail to the King (1000x). Beijos.

      Responder
  44. evaldo moreira

    Bom dia,
    Há algum tempo, queria falar sobre a capacidade de tenistas fora de série, temos é claro alguns, mas vou falar de um, sem desmerecer os demais.
    Me impressiona a qualidade do jogo do Federer, muitos falam que ele seria o melhor da história, alguns ex-profissionais falaram disso, mas para não criar polêmica, prefiro que, o suiço está entre os maiores da história, sem dúvida alguma, se com o joelho recém operado, ele chegou as semi-finais de Wimbledon/2016, o que dizer, se ele estivesse inteiro?, e ai, se ele ganharia, ai é outra história………..
    O cidadão volta 06 meses depois, e jogou o que se espera dele, como o Dalcim deixou bem claro:”Sinceramente, pouco importaram a vitória, o placar, o adversário, o torneio. O que valeu foi rever Roger Federer executar a maestria que leva estádios superlotarem. Seu primeiro jogo desde a semifinal de Wimbledon, seis meses atrás, durou apenas 61 minutos. Mas ainda assim houve tempo de sobra para se ver o saque preciso, o forehand agressivo, voleios e smashes perfeitos, backhand variado.
    Então, vamos aguardar, os demais jogos, e creio que, jogando solto como ele jogou hoje, imagina no AO/2017, claro que há muita água para passar de baixo da ponte, não estou querendo dizer aqui, que ele já faturou o título, muito pelo contrário, ele vai chegar forte e ele sabe da capacidade dele, e para mim , que gosto do jogo dele e torço, é uma honra, vê-lo jogar.
    Mestre alonguei o texto hoje, desculpa, rsrsrsrs.

    Responder
  45. evaldo moreira

    Bom dia,
    que post hein, mestre kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, e bahhhhhhhhhhhh Leonardo, dizer que o mestre não mencionou o Nadal, você acha que ele esqueceu de proposito?.
    Acorda fi, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, o post fala das estreias de Nole e o frande Federer, e o Nadal estreia daqui a pouco, tenha paciência, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.
    Eita Dalcim, mais cedo, em outro post, falei exatamente o que você mencionou aqui, realmente o Federer solto desse jeito, sei não, e se, se, confirma os confrontos (Zverev e depois o Gasquet), hummmmmmmm, e ainda há o Kirgios, que bela final, se confirmar hein!!!

    Responder
  46. Renan Nabeshima

    Dalcim, você ainda acredita que o Clezar possa jogar torneios de primeiro nível com frequência? O gaúcho já tem 24 anos e ainda não conseguiu chegar ao top 150. Oportunidades não faltaram, já que ele vem jogando os ATPs brasileiros desde 2013.
    Minhas expectativas em relação ao Clezar eram grandes até 2014, mas diante da falta de comprometimento tático e, principalmente, do desinteresse em quadra, se tornou cada vez mais difícil apostar nele.

    Responder
  47. Martin

    Olá José Nilton,

    Gosto muito de seus comentários e leio com frequência. Já faz tempo que gostaria de comentar a ausência do recurso de leitura. Como leio muito no IPhone, tenho que aumentar a letra ou correr com a tela pros lados.
    Lá atras, antes de fazer a reformulação do site é uma migração, havia essa alternativa.
    Deixo aqui essa dica para que vocês disponibilizem o recurso de leitura que o site tem para as notícias também para os textos do blog.

    Um abraço e grato pela atenção.

    Martin

    Responder
    1. Felipe

      Bom da!

      Também uso muito o modo leitura e ai vai uma dica que tem dado certo, ao menos para mim: Quando vc entra no blog, ele nao disponibiliza o modo leitura. Mas, ao clicar para ver os comentarios, a opcao do modo leitura fica disponive! Faca o teste e veja se funciona!
      Abs

      Responder
  48. Leonardo

    Nadal também voltou depois de um bom tempo de inatividade, e voltou jogando bem… Me impressiona você não ter feito nenhum comentário sobre isso.

    Responder
      1. Márcio Souza

        Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Boa Pessanha.
        Resposta magnífica.

        Depois dessa, o melhor é só aplaudir o retorno do GOAT.

        Lembrando que ele esta solto na chave do sorteio do AO, pode pegar um dos principais cabeças ja nas oitavas, tem tenista ja colocando as barbas de molho…

        Kkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
        1. Fernando Pimentel

          É um prazer ver Roger nos dando esse indescritível privilégio de vê-lo jogar. Um cara que em apenas uma apresentação é capaz de presentear todos nós com seu talento, brilho e paixão pelo esporte. Além disso, a plasticidade na execução dos mais variados fundamentos. Enfim, acho que nessa altura do campeonato, nós precisamos dar mais valor aos momentos, já que a aposentadoria do mestre suíço nunca esteve tão próxima. Não coloco muita fé no Federer para o AO, até porque não terá tempo suficiente para atingir o nível necessário pra bater de frente com um top 10. Porém, pouco me importa se ele for eliminado na 1R ou 3R.. o que vale é o espetáculo! Ele não precisa provar mais nada a ninguém!

          Responder
  49. Calson Pinheiros Rodovalho

    Dalcim, uma dúvida, a Copa Hopman é o que, um torneio exibição?

    E uma correção, Bellucci tem 29 anos, faz 30 fim do ano.

    Responder
      1. Gabriel Oliveira

        Mas é levado nas contas de vitórias-derrotas na carreira? Caramba Dalcim, não sabia que a Bia tinha sofrido uma nova lesão… fui pesquisar no Google e vi que fraturou 3 vértebras em casa… que coisa bizarra.

        Responder
          1. Christina Evertilova

            Mas a Copa Hopman não é um torneio oficial, sancionado pela ITF, assim com a Copa Davis e a Fed Cup?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>